segunda-feira, 31 de julho de 2017

Até Setembro


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Ano 2012: Crise no jornalismo

Os primeiros despedimentos no Público deram início à crise do jornalismo que se estendeu ao Diário de Notícias em 2013 e ao jornal i e semanário Sol no final de 2015.

A queda nas vendas dos jornais e os cortes na publicidade originou um massivo corte em muitas redacções, mas também atingiu a televisão e a rádio. A chegada do digital obrigou a mudanças profundas, começando com a inevitável reestruturação das empresas.

Nos últimos cinco anos houve uma enorme crise no sector do jornalismo porque muitos donos deixaram de investir nos jornais porque não tinham viabilidade financeira nem poder de influência. A qualidade também é outro aspecto que esteve na origem da sangria na redução de pessoal. 

O jornalismo em Portugal também atravessa um deserto de ideias, de temas interessantes para a opinião pública, mas sobretudo capacidade para informar. As redes sociais destruíram alguns postos de trabalho e tiveram responsabilidade na degradação de como se procura uma notícia. A vantagem de chegar a mais pessoas não foi devidamente compensada com lucros. 

A seca ainda vai durar algum tempo, mas parece que o futuro será melhor no plano financeiro e credibilidade. A vontade de se criarem novos projectos com qualidade é um sinal bastante positivo.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

A cortina de valores que separa o Ocidente do Leste da Europa

As notícias provenientes da Polónia são mais um exemplo da onda de populismo que cerca o Leste da Europa. Nos últimos anos têm surgido vários exemplos de atentados às liberdades das pessoas, bem como tentativas de usurpação de poder através do controlo de instituições. 

A Europa pode não ter uma cortina de ferro a separar o Ocidente de Leste, mas ainda existem diferenças nos valores e princípios que precisam de ser trabalhados pela União Europeia. O clube europeu não tem condições de ter sucesso caso se mantenham práticas pouco habituais com aquilo que esteve na origem do projecto. 

As grandes disparidades estão nas ideologias e na forma como se aplicam certas regras que não são aceites no Ocidente, embora sejam normais em determinados países também por causa da herança da União Soviética. 

As mentalidades demoram tempo a mudar e não será a entrada num clube supostamente democrático que alteram os costumes. A resposta da União Europeia não tem sido eficaz porque alguns países não conseguem ou não pretendem ter outro tipo de comportamento, sendo que, encerrar ainda mais o espaço de diálogo e solidariedade mantém as mesmas reacções. 

A desconfiança que alguns países do Leste ainda têm relativamente aos vizinhos é outro factor de instabilidade regional que causa maior desunião dentro da União Europeia. Não é possível estar num clube onde ainda se registam muitos ódios. 

O futuro não é certamente federalizar para serem todos iguais, mas é necessário que haja objectivos comuns. 

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Ano 2012: Escândalos de doping no ciclismo internacional

O ciclismo internacional enfrentou dois grandes problemas com os casos de doping de Lance Armstrong e Alberto Contador.

O ciclista espanhol acusou positivo num controlo efectuado durante a Volta à França em 2010, mas o castigo só foi confirmado em 2012 pelo Tribunal Arbitral do Desporto. A vitória no Tour 2010 também foi retirada. A suspensão durou até 2014. 

O norte-americano também ficou sem os sete títulos conquistados no Tour em 2012. As acusações duraram durante dez anos, mas a confissão só chegou em 2013 no programa de Oprah. Um ano antes, Armstrong deixou de lutar judicialmente pela inocência, talvez pensando numa forma de se ilibar publicamente.

A verdade é que, dois dos melhores ciclistas do novo milénio tiveram problemas com o doping, embora Alberto Contador tenha limpado a imagem nos últimos anos. A farsa de Armstrong acaba por ser bem pior, já que, se trata de uma mentira muito bem trabalhada durante anos. 

Os dois ganharam respeito de todos na estrada por causa dos inúmeros feitos, sobretudo na corrida francesa. O espanhol fica apenas com dois títulos no Tour, sendo que, numa delas bateu o norte-americano. 

As primeiras edições da Volta à França da década acabaram por ser manchadas por erros cometidos no final dos primeiros dez anos do século XX.  

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Prejudicar o funcionamento da economia de mercado

O negócio da Altice com a PT e a Media Capital transformou-se numa arma de arremesso político por todos os partidos.

As forças de esquerda tentam novamente impedir a entrada de dinheiro estrangeiro em Portugal, enquanto a direita critica a postura intervencionista do executivo. No meio disto está o governo liderado por António Costa que lança outros mecanismos para obter controlo político. Não esquecer que também Marcelo Rebelo de Sousa cedeu aos interesses de outras empresas para influenciar o negócio. 

A economia portuguesa não pode funcionar com constantes interferências políticas de todos os quadrantes, sobretudo se o Presidente da República também pretende ter uma palavra a dizer. Neste caso, o único partido que esteve muito bem foi o PSD que questionou as posições de António Costa. 

A entrada da Altice na PT, mas principalmente na Media Capital é uma oportunidade única para o jornalismo em Portugal que se encontra nas ruas da amargura. O problema é que ninguém quer o melhor para o país por razões ideológicas ou simplesmente para impedir novos concorrentes no mercado. 

O que se passa com a chegada da Altice é a mesma situação do que aconteceu com a entrada de novos investidores na TAP, embora a Media Capital seja uma empresa privada. Não houve despedimentos na transportadora aérea, havendo uma nova oferta de rotas e investimento. 

As posições ideológicas do governo começam a ficar muito parecidas com o Bloco de Esquerda e o PCP.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Níveis históricos de impopularidade

Os níveis de impopularidade de Donald Trump são anormais tendo em conta que só passaram seis meses desde a tomada de posse como Presidente dos Estados Unidos. 

As guerras que o chefe do Estado comprou com a imprensa e em certa medida, também com os republicanos afectam a imagem de um líder que se pretende segura. No entanto, as eventuais ligações à Rússia não caem bem junto do eleitorado norte-americano que considera Moscovo como o principal inimigo.

Em pouco tempo, Trump raramente conseguiu unanimidade junto das pessoas nas decisões políticas que toma. O problema não está unicamente na governação, mas na forma como apresenta a Casa Branca para dentro e fora dos Estados Unidos. As constantes mensagens no twitter não é a melhor forma para um presidente comunicar, sobretudo se pretende arranjar conflitos com outras personagens porque dificilmente se entende o sentido das palavras.

Não se pode fazer um escrutínio completo apenas pelos tweets.

Não acredito numa recuperação da imagem presidencial junto das pessoas, mesmo que obtenha uma vitória em 2020, porque dificilmente haverá mudanças de estilo. Contudo, Trump começa a ganhar estofo para se mexer nos bastidores da política norte-americana. A ausência de críticas aos democratas mostra que sabe gerir os dossiers. Neste momento, interessa responsabilizar os republicanos. 

terça-feira, 18 de julho de 2017

An 2012: Uma liderança insegura a passageira

A liderança de António José Seguro no Partido Socialista foi uma das piores de sempre. A vitória sobre Francisco Assis parecia indicar algo positivo, mas a forma como se dirigiu aos militantes socialistas no dia da eleição não augurava nada bom.

Apesar da reeleição em 2013 nunca recolheu simpatia junto dos militantes nem dos portugueses. A falta de capacidade política acabou por ser um sinal constante durante as intervenções na Assembleia da República com Pedro Passos Coelho. O acto eleitoral em 2013 é um passo para o abismo, já que, um ano depois é destronado da liderança por António Costa. O actual primeiro-ministro só não se candidatou antes porque as sondagens lhe eram desfavoráveis e ainda acumulava cargo na Câmara Municipal de Lisboa.

Apesar de tudo, ainda liderou os socialistas durante o período da crise e mais problemática para o governo PSD-CDS. O discurso de Seguro nunca mudou, roçando mesmo o ridículo, num debate em que pediu ao primeiro-ministro o fim do sigilo bancário por causa da polémica do não pagamento de dívidas no prazo à segurança social. 
Share Button