Etiquetas

sábado, 30 de abril de 2011

O ERRO DE SÓCRATES OU O DRAMA SOCIALISTA?

Sócrates já nos tinha deixado paralizados economicamente. Agora deixou-nos paralizados politicamente. No dia em que viu retirarem-lhe a confiança, no famoso PEC 4, Sócrates só tinha duas coisas a fazer: demitir-se de PM e anunciar que não se recandidatava a Secretário-Geral do PS. Fez a primeira. Não fez a segunda. Se o tívesse feito, saía bem(zinho). Alegava razões de inconsistência política da oposição; fazia-se muito zangado; até podia ser arrogante, mas declarava-se indisponível para governar assim. O seu enorme ego continuaria a vestir fatos Armani, numa qualquer burocracia internacional perto de nós, mas não "empatava a loja". Os socialistas respiravam de alívio. Elegiam um novo SG e candidato a PM... e toda a gente ficava contente. Assim, com Sócrates a atrapalhar, os eleitores que votam socialista (não falo dos emperdenidos) ficam completamente "à rasca". Como é possível alguém com dois dedos de testa votar no homem e no projecto que desmoronou Portugal e o entregou ao FMI? Um homem que falhou?! Ele pode até ser melhor que os "coitadinhos" dos outros partidos, mas objectivamente estamos assim por causa dele. Logo, não podemos votar nele. É uma questão de princípio. Impossível! Será que ele não entende isto? Será que não vê que qualquer pateta se pode candidatar, bastando invocar não ter estado no governo para ser melhor que ele? Será que não vê a angústia política que cria no eleitorado natural do PS? Acha ele que ainda vai conseguir mais esta chantagem?... Infelizmente até pode conseguir. E teremos, então, um PM que se demitiu por, alegadamente, não querer governar com o FMI, a governar com o FMI. Chapéus há muitos...
Jorge Pinheiro

Coldplay - Lovers In Japan

Uma das melhores dos Coldplay , juntamente com um videoclip de excelência

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Assembleia de Pinguins - O novo aquecimento global XLVIII

(...)
Mary chegou então às ilhas Caçolas pouco depois de ter dado a volta ao Mundo. Era ali a sua ultima paragem.
Vinha anunciar aos seus habitantes que estava para chegar mais um aquecimento global. Todos tinham de estar preparados para sair dali e se irem abrigar para outros locais. Em breve, deixaria de haver água na Terra e todos morreriam de sede e fome. Tal como tinha acontecido da primeira vez, muitos animais não iriam sobreviver, apesar da primeira ocasião ter dizimado umas quantas espécies.

O alerta havia sido dado.

Em breve todas as tribos que viviam naquelas ilhas iriam receber a informação que o principio do aquecimento global se iria dar daí a 15 dias. Os Penguzan claro que também iriam ser afectados. A partir daquele momento, todas as guerras internas ou externas passavam para segundo plano. O importante era arranjar solução para salvar o maior numero de vidas, mas como podia isso ser feito se Zavi já tinha partido há muito. Quanto muito não se sabia se ele ainda estava vivo ou não.

Desta vez não havia salvador à vista para que pudesse resgatar os penguzan mas também os restantes animais de uma morte certa.....

( continua dia 4 ....)

quinta-feira, 28 de abril de 2011

8.7- Os instrumentos utilizados

Durante os descobrimentos vários foram os instrumentos utilizados pelos navegadores portugueses.
A maioria deles foram inventados pelos nossos compatriotas que se lançaram ao mar á conquista do Mundo. Bussola - Instrumento de navegação mais importante. Começou a ser utilizada no século XII. Foi a partir do século XIV em Nápoles que se pensa que este instrumento foi inventado. A agulha magnetizada está sempre apontada para Norte, de forma a que os navegadores se orientem.

Quadrante - Este instrumento foi utilizado pelos portugueses no ano de 1460, data da morte do Infante D.Henrique. Permitia determinar a distância entre o ponto de partida e o lugar da embarcação se encontrava, cujo o cálculo se baseava na altura da Estrela Polar. Tinha a forma de um quarto de círculo de 0º a 90º. Na extremidade onde estavam marcados os 90º tinha duas pínulas com um orificio por onde se fazia pontaria ao astro. No centro tinha um fio de prumo.

Astrolábio - Instrumento com o qual se media a altura dos astros acima do horizonte, permitindo descobrir a distância que ia do ponto de partida até ao lugar onde a embarcação se encontrava, mas descobria-se isso medindo a altura do sol ao meio dia, através de uma ampulheta.

Balestilha - Há quem diga que este instrumento foi inventado pelos portugueses. É constituida por uma régua de madeira, o virote, de secção quadrada e com três ou quatro palmos de comprimento, na qual se enfia a soalha que corre perpendicularmente ao virote. Apareceu após o astrolábio e o quadrante tendo sido o primeiro instrumento a usar o horizonte do mar.

Mas o grande instrumento que os portugueses inventaram para atacar os descobrimentos foi a caravela. Um novo barco. Possuía dois mastros e velas triangulares ( outra novidade....). Era veloz e o mais importante era que navegava à bolina.

( continua dia 9 Maio....)

Todos querem Dublin!!!

Quem vai chegar a Dublin?

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Assembleia de Pinguins - Uma nova mensagem XLVII

(...)

Mary era uma baleia branca que ao longo do planeta ia dando as boas novas às diversas populações. Percorria os quatro oceanos uma vez por ano para dar as novidades do Mundo.

Só que desta vez algo mais grave se iria passar. Pairava no ar a ameaça de um novo aquecimento global. O mundo estava outra vez em sobressalto, e havia a probabilidade desta ameaça ser ainda mais forte do que a primeira. Ainda não se sabia quando iria chegar, mas era certo que muitos animais iriam morrer desta vez...............

Mary estava já em marcha rumo às Caçola para anunciar a chegada do novo armagedão....

Voltando às Caçola, o clima era bastante tenso e complicado. A demissão de Zéguim era o pedido e o motivo deste motim, nunca antes visto na sociedade Penguzan, tida como pacifica e democrática.

- Temos de resolver isto-Disse um dos Conselheiros aos restantes

- Esta instabilidade não pode continuar - afirmou um outro.

- Vamos chamar Zéguim.

(continua dia 29)

terça-feira, 26 de abril de 2011

Coelhinho da Pascoa

Com o aproximar das eleições era de esperar que o PSD já estivesse perto da maioria absoluto. Contudo, e perante as ultimas sondagens que até dão o PS ligeiramente em primeiro lugar, convêm perceber as razões do não arranque definitivo laranja rumo à vitória.
A questão Nobre foi fundamental para que muitos olhassem o PSD com desconfiança. Principalmente muitos militantes do chamado aparelho partidário que mostraram a sua indignação perante a escolha de Passos Coelho. Mas não deviam esses apoiantes do PSD reservar as suas preocupações para momentos posteriores? Não é o que faz o PS? Aposto que muitos deles não gostam de Socrates, mas a facadinha vem depois do acto eleitoral. Se o engenheiro perder claro...
Com essas vozes discordantes, PPC pode perder muito do apoio essencial para ganhar as eleições, nomeadamente as pessoas ligadas ao cavaquistão. Embora queira trazer pessoas novas para o Parlamento, ex Carlos Abreu Amorim, Carlos Moedas, Francisco José Viegas; com a exclusão de outras figuras, o Presidente do PSD pode estar a comprar uma guerra, porque apesar de tudo esses velhos senadores ainda têm influência junto dos militantes base.
Também o facto do PSD deixar o PS culpabilizá-lo pela actual crise politica e financeira está a ter repercussões. E na hora do voto a mensagem que chegar ao ouvido dos portugueses é que vai decidir quem será Governo.
Nesta altura, ainda não sabemos qual é o soundbyte laranja, porque a mensagem está a ser muito díspar. Não está focalizada num unico aspecto.
Como disse e bem, o PSD tem de trabalhar mais para conseguir pelo menos fazer maioria com o CDS. Se calhar deveria ter aprovado o PEC e esperar mais uns meses pela total descrebilização do PM.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

o 25 em que o Cravo murchou...

Hoje celebra-se mais um 25 de Abril e como é da praxe ha que falar do passado mas essencialmente do futuro.
Mais do que lembrar o passado, aqueles que viveram aquele dia mágico estão desiludidos com o presente e preocupados com o futuro.
Das muitas análises e comentários que hoje se vão fazer durante o dia, inclusive dos 4 Presidentes que estarão reunidos pela primeira vez nesta data histórica; a grande nota vai ser a credibilidade do sistema politico.
O que a maioria das pessoas esperaram com a Revolução dos Cravos foi mais liberdade, autonomia, participação democrática, dever cívico. Ora, passados estes anos todos e com 1974 cada vez mais distante convêm ter em conta que o Cravo murchou. Lembrar Abril já não é uma festa porque as pessoas estão mais desiludidas com quem está no poder. Porque não foi para isto que o povo saiu à rua naquele dia. As ilusões de um país democrático e moderno não era desta forma. O que sentirão Sá Carneiro, Soares e Freitas do Amaral que travaram uma batalha politica e social pelos valores democráticos?
30 anos depois, as palavras que mais se ouvem é crise, depressão, FMI, corrupção, mentiras, boicotes eleitorais......
E quem não pensa numa nova revolução? Mas para que sentido?

Hoje, 25 de Abril mais do que recordar os feitos do passado é preciso apontar baterias para o futuro e daí que o gesto de Cavaco Silva em reunir todos os ex-Presidentes seja um excelente sinal. De união e esperança para os portugueses........

....para que o cravo não murche definitivamente!

25 DE ABRIL - MEDITAÇÃO

1 - O mundo mudou muito nestes 37 anos. 1974 é uma data mítica. Uma data que recordaremos como a fonte da liberdade. E foi obra. Derrubar um regime semi-ditatorial, velho de 40 anos. Foi obra. Sem tiros. Sem mortos. O regime caiu num dia. Espantoso. Nem sequer discuto se era melhor ou pior. Basta ver a saúde, a educação, as estradas… Mas há um indicador indiscutível: a democracia e a liberdade. Aliás, é impossível discutir indicadores entre um regime democrático e um regime ditatorial (se quiserem, de um único partido). É uma discussão vã, patética e saudosista. Mais, é irrelevante. A questão é o que fizemos nós da democracia. O que fizemos nós da liberdade.


2 – O mundo mudou muito. E nós mudámos com ele. Mudámos à nossa peculiar maneira. Tínhamos referências internacionais. As melhores práticas políticas e sociais. Uma Europa desejosa de nos integrar. Um mundo aberto para nos receber. Tínhamos tudo isso e, no entanto, algures a meio do caminho, perdemos o rumo. Quisemos passar de pobrezinhos, a novos-ricos. Tudo em 30 anos. Interiorizámos um passado hipócrita de riquezas roubadas. Invocámos uma missão “lusitana” que nos garantiria crédito histórico inesgotável. Os mundos novos que demos ao Mundo. Uma cristandade feita de massacres. Um devir glorioso feito de guerras santas. Um mercado de escravos sem sindicato, nem subsídio de Natal. Pensámos que havia uma reserva divina para aturar indefinidamente os nossos desmandos. Uma tolerância, “porque sim”. Imaginámos uma bancarrota deslizante. Dinheiro a rodos a cair do céu. E nós sentados à direita de deus pai… A verdade é que não pensámos em nada, não imaginámos nada, não previmos coisa alguma. Nada planeámos. Ficámos apenas deslumbrados. Boquiabertos. Pacóvios. Imbecis. A liberdade. As eleições. Os debates. Os comentadores. Os carros de cilindrada avançada. As férias no “Cu de Judas”. Os restaurantes “gourmet”… A vida passou a ser uma facilidade feita de cartões de crédito. Uma felicidade feita de crédito em cartões. E agora Portugal?

3 – A revolução social foi feita. Faltou fazer a revolução económica e financeira. E se não a fizermos muito rapidamente, corremos o risco de ficar sem o Estado Social. As conquistas do “25 de Abril” por cumprir. Corremos o risco de ficar sem nada. De ser os mendigos da Europa. Não basta votar. Não chega ter liberdade. Convém viver. E viver o melhor possível. Criar riqueza. Não podemos passar o ano a jantar fora e a torrar ao Sol. Esquecemos que o mundo mudou. Mudou muito. Hoje os Estados Unidos estão aflitos. Fabricam moeda para resistir aos chineses, esquecendo que estes absorvem a moeda e compram a dívida a preço da chuva. A União Europeia está sem rumo. Entregue a uma “clique” de burocratas ligados a “lap-tops” que há muito perderam o contacto com a vida. Uma União feita do calculismo de países que procuram afundar-se uns aos outros. Não aderimos ao Euro. Aderimos ao Marco alemão. Mas, um dia destes, os alemães vão acordar bem pior do que nós (são mais e mais exigentes). O mundo mudou muito. E, ou mudamos com ele, ou a liberdade e a democracia serão mitos que iremos incinerar no altar das oferendas, nos feriados crepusculares do regime apodrecido. 25 de Abril, sempre?

Jorge Pinheiro

domingo, 24 de abril de 2011

Olhar a Semana - Judas Iscariote

É tradição na maioria das terras lusas, especialmente no Norte de Portugal; que no Sábado de Aleluia se proceda à queima de Judas Iscariote.
Este costuma ser uma personagem que traiu os seus durante o ano corrente. Normalmente este auto-de-fé é acompanhado de um testamento em que se recordam as asneiradas e traições do condenado.
Trata-se de uma condenação na Praça Publica, feita exclusivamente pelo Povo sem recorrer à justiça material; tal como se fazia antigamente. Aqui não há lugar a presunção de inocência. O povo condena, o réu é condenado e queimado e no fim todos batem palmas como que por alívio por se terem livrado de um traidor.
E no ano seguinte os mesmos voltam à Praça principal para assistir a mais uma condenação.
Os anos passam mas as tradições neste Portugal mais profundo continuam. É de salutar que apesar do desenvolvimento das cidades, as terras mais humildes prosseguem as suas vontades.
Este foi a queima do Judas em Ponte de Lima, conseguem adivinhar quem foi condenado?

sábado, 23 de abril de 2011

Enquanto o tuga descansa....

Estes senhores do FMI andam a trabalhar.......

Vou tentar algo diferente

Hoje é dia de eleições. Levanto-me da cama com dififculdade. Enfim…

Mete o pé na rua e dou logo de caras com o Louçã: Manso é a tua tia pah.

Passo pelos casas que aprovei no tempo da Câmara, que saudades…

Chego ao carro e encontro o meu motorista a varrer os jornalistas. Porreiro pah.

Entro e vou a ouvir o meu curso de bad english.

De repente o motorista pára o carro e tira um ticket.

Olho para o telemóvel e decido ligar a um velho amigo. Não, é melhor continuar a viagem e abrir um jornal.

Epah que boas noticias a empresa que fabrica o Magalhães vai de vento em popa, bem como aquela do Sr que faz os chips para as matrículas. É bom ver a economia (destas pessoas) a crescer.

Já chegámos a Alcochete agora é só passar a ponte e passo pela minha antiga faculdade.

Entretanto recebo uma chamada: “ O discurso está pronto – dizem-me”.

Páro na AR e envio o fax para fazer a cadeira de Francês técnico.

Olha tá ali o outro. Só tenho pena de não ter aqui à mão um ministro para lhe fazer corninhos.

Vou almoçar ao Gambrinus. Passo por casa da Mãe só pra dar um beijinho e continuo.

Vou a pensar na história das escutas: não tá tudo bem!

Chego à Mesa de Voto. Porra, tanta gente, é uma pena não estar aqui o Armanda Vara.

Chego ao Hotel Altis e não ligo ao teleponto, hoje vou experimentar uma coisa nova:

Boa noite, quero começar por felicitar os vencedores e em segundo lugar assumir pessoalmente esta derrota.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Assembleia de Pinguins - Zéguim em descrédito XLVI

(...)

A Comunidade estava novamente com problemas. Após a morte de mais um elemento, a contestação a Zéguim subiu de tom.

Só havia dois caminhos a percorrer : - A demissão imediata do lider espiritual e a convocação de eleições o seu cargo, ou então caso o Mestre não seguisse por seu pé, a comunidade necessitar de ajuda externa.

Era óbvio que a paz há muito que tinha deixado os Penguzan. A escolha das Caçolas foi um erro tremendo. O povo exigiar respostas imediatas e não queria estar mais num impasse. Entretanto, aconteceu um encontro entre um membro da comunidade Penguzan, um Rocker Pinguim e um intermédiário para encontrar uma solução. Sentindo que iria existir uma guerra nas suas ilhas, o Tubarão Karls, que mandava naquelas ilhas, decidiu evitar o conflito e organizar um encontro entre as duas partes.

A guerra não poderia ser o ultimo caminho.

Segundo a alinea c) do artigo 500º do Estatuto que Regia o funcionamento das Ilhas Caçola sempre que houvesse um possivel conflito entre dois povos, a ultima tribo que houvesse chegado à ilha. Neste caso, eram os Penguzan que tinham de abandonar as Caçola, mas Zéguim mostrava-se irredutível em sair dali.

Só que a maioria da população queria deixar este local. Nomeadamente os pais das vitimas. Estavam já em maioria aqueles que desejavam voltar ao gelo da Antártida onde nunca tiveram problemas de maior. Pelo menos mortes nunca tinha acontecido.

- Daqui não saímos!Isto foi só um acidente, não podemos deixar tudo para trás por causa de um pequenino acidente - concluiu Zéguim.

Alguns dos seus conselheiros ficaram estupefactos com esta declaração. Aliás, a atitude do lider já começava a roçar a arrogância. Não se preocupava com o bem estar da sua tribo, mas apenas com o seu bem estar próprio. Muitos amigos começaram a deixar de acreditar nele, quando era óbvio que as Caçola representavam um perigo. Mesmo com a presença de Antalya.

A situação para o lider estava muito complicada. Como o fazer cair? Só matando-o!

( continua dia 27)

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Luz em risco..

com vista ao 6º Assalto, o primeiro fora de terras lusas...

Haverá Apagão no final do jogo?

terça-feira, 19 de abril de 2011

E o mais famoso de Portugal é....

Depois da sondagem realizada junto dos nossos leitores sobre quem seria a personagem portuguesa mais famosa, encontrámos o vencedor.

Em causa estavam Um Presidente do Benfica, Um Primeiro-Ministro, Um Presidente da Republica, Um jogador de futebol, um actor reconhecido e uma modelo reconhecida pelas suas belas curvas.

Num momento em que o país atravessa dificuldades a diversos níveis, queriamos junto da nossa massa saber quem está mais IN no nosso país. Quem é que os "leitores" acham mais importante ou sentem que a sociedade dá mais importância.

Os resultados não foram surpreendentes : Neste cantinho à beira mar plantado, a figura de um jogador de futebol ( 11v - 45%) , é bem mais importante do que um Primeiro-Ministro ( que só tem 1 voto.). De referir que nem o Presidente do Benfica + o Pesidente da Republica ( os dois juntos têm 6 votos- 24%); conseguem chegar perto da estrela futebolistica. Isto diz bem dos valoes que o nosso país atravessa : o apego à politica e o interesse por esta é muito pequeno.

A estrela do futebol é que é notícia, vende jornais, roupa, minutos de fama....no fundo um pouco de tudo. A sua presença leva á loucura milhares de pessoas e o que ele diz é como se tratasse de uma lei divina e eterna.

Não é preocupante? É que todos nós consideramos que neste Portugal Cristiano Ronaldo é mais importante do que Cavaco Silva ou Socrates. Não deveria ser ao contrário? Que valores tem o nosso país onde a bola é mais notícia do que por exemplo a situação porque passamos?

Em tempos de crise, acho que deviamos reflectir sobre o que é mais importante para a nossa sociedade. É um bom tema de reflexão quando estamos numa fase em que vamos mudar de paradigam e mentalidade.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Mudamos de Pensador...

No seguimento de continuar a mudar a imagem do blogue, decidimos ao fim de 3 anos e meio substituir a frase de Albert Einstein que deu inicio a este projecto.

Continuamos esta aventura com Immanuel Kant e a sua " O uso da própria Razão deve ser sempre livre e só ele pode levar a cabo a ilustração entre os homens"

Aconselhamos aquando da leitura e comentário deste espaço que utilizem sempre a Razão de forma livre.

Sócrates entrega Belém a Durão

Durão e Socrates : Jamais se voltarão a abraçar
Com a demissão e a consequente antecipação das eleições, Sócrates poderá ter cometido um grande erro : A de não ter condições politicas para se candidatar a Belém num futuro próximo.

Senão vejamos:

Se Socrates levasse a legislatura até 2013, mesmo com o FMI em Portugal; poderia sair pela porta grande. Apesar da crise financeira, nunca seria julgado nas urnas e o seu substituto é que pagava as favas de tamanha má governação. E o povo jamais se lembraria do PM...... Assim, voltava em 2016 quando o governo de Direita já estivesse claramente desgastado.

Outra situação, seria não se recandidatar nesta altura e desaparecer durante uns anos. Com o FMI em Portugal e as suas medidas de austeridade quem ia ser responsabilizado seria o governo PSD ou uma minoria do PS. Porque o mais provável é que caso não haja maioria nestas eleições, daqui a dois anos teremos novamente eleições e o mais certo é o Engenheiro não ser lembrado como o principal responsável.

Se tivesse optado por estas duas situações, Socrates teria o caminho para Belem em 2016 livre. É certo que tinha de vencer uma provável candidatura de Durão Barroso. E depois de um Presidente da área laranja, seguir-se-ia um socialista...... O actual PM nunca concorreria à Presidência da Republica como derrotado....

Como preferiu ir para eleições sem ter a certeza..? , de que consegue ganhar e muito provavelmente não irá ter maioria; se Socrates perder as eleições dificilmente voltará para tentar conquistar Belém. Porque perdeu e a sua imagem está bastante fragilizada. Se ganhar em Junho, tem todas as condições para vencer em 2016, pois o seu mandato termina em 2014, mas não é crível que a legislatura dure os 4 anos pelos aspectos já referidos. Ou então acha que é igual a Cavaco ao ter provocado eleições e se ganhar ficará na história da politica portuguesa. O que lhe dará crédito para Belém, obviamente.

Socrates corre o risco da sua carreira política acabar dentro de dois meses. Devia ter feito como Durão e fugido do país quando se apercebeu que a situação estava bastante má.

Sabem porquê?

O povo é que sabe...

sábado, 16 de abril de 2011

OLHAR A SEMANA - EFEITO NOBRE

Portugal enfrenta uma enorme crise económica, política e de valores. As eleições presidenciais de Janeiro deram a esperada reeleição de Cavaco Silva. Apareceu, no entanto, como candidato, o chefe da AMI. Homem de prestígio e de provas dadas… na sua área. Assumiu-se como a “candidatura da cidadania”, afirmando que a política não era exclusivo dos políticos profissionais. Criou expectativas. Acontece que isso não serve de programa eleitoral, mas é uma bandeira interessante num país farto de demagogia e de clientelismo. Fernando Nobre era o candidato dos ”descamisados”. Em Portugal, os descamisados são gente de posses, com casa de férias no Alentejo, vagamente intelectual, que gosta de filmes franceses, de preferência não legendados. Gente que frequenta a Gulbenkian e que vai diletando por aí, entre o restaurante “Gambrinus” e Fundação Mário Soares. Adoraram o médico Nobre. Agora sim, finalmente havia alguém que era diferente. O homem conseguiu 16% de votos. Uma proeza estonteante que revela o desencanto com a classe política “profissional”. A questão era, agora, que vai ele fazer com aqueles votos? Criar um partido? Um movimento? Lançar uma alternativa? Um novo paradigma social? Especulou-se. Gritou-se. Apelou-se… Esta semana soube-se que o médico Nobre aceitara ser candidato a Lisboa pelo PSD, nas próximas legislativas de Junho (eleições antecipadas por causa da crise económica). De uma assentada, Nobre perdeu toda a credibilidade e passou a ser mais um oportunista do regime. Mas isso era ao menos. O efeito Nobre foi matar mais uma vez a esperança de haver candidatos verdadeiramente alternativos que não se deixem comprar. De uma assentada, Nobre perdeu toda a credibilidade pessoal e fez retroceder o empenho em lutar contra o “status quo”, numa lógica democrática. Cada vez mais as pessoas se convencem que isto só vai a tiro. Obrigado Fernando Nobre, médico da AMI.

Jorge Pinheiro

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Assembleia de Pinguins - Todos choram a morte XLV

(...)

Transtornados, os pinguins não queriam acreditar : Luisim estava desfeito, parecia que tinha levado com pedradas.

- Luisim está morto! Vejam! - gritou um dos Penguzan que foi assistir à morte da Orca mas que não contava com esta novidade.

Todos acorreram ao local, inclusive o Mestre Zéguim. Nem queriam acreditar naquilo que estavam a assistir. Fizeram uma roda à volta do corpo. Apenas restava o olho esquerdo, mas felizmente estava aberto. Foi o seu ultimo olhar.

Zéguim aproximou.se do corpo e meteu-o nos braços. Era impressionante a frieza com que o Mestre reagiu à situação.

- Agora é necessário fazer um funeral digno a este herói que arriscou a vida para nos salvar.

Com tudo isto, ninguém se lembrou que a Orca já estava morta. Só a morsa que se entretinha com os restos da baleia. Quando soubesse da notícia, Antalya iria ficar de rastos, pois tinha sido Luisim o responsável pela sua vinda para a Ilha Minguim. E também por a ter retirado do buraco em que se havia enfiado. Devia parte da sua vida ao pequeno Pinguim.

Quem estava desolado era Dioguim. Este sentia-se o irmão mais velho de Luisim e sempre o tratara como um irmão mais novo. As suas lágrimas não podiam ser contidas. Perdera um amigo para sempre.

Toda a comunidade sentiu esta morte, porque Luisim era especial e todos gostavam muito dele. Era um verdadeiro ás no Surf. As ondas também iam sentir a falta dele.

Apesar desta morte se ter feito sentir de uma forma bastante forte, a velha questão da nova casa ia ser levantada de novo, porque já era a segunda morte em pouco mais de 7 meses. Uma coisa era certa : aquelas águas eram muito periogosas.

E ainda havia a guerra com os Rocker

( continua dia 20....)

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Tema do Dia XXV

"É o ser humano que escolhe a conformidade da sua acção com a lei"

In Critica da Razão Prática de Immanuel Kant

quarta-feira, 13 de abril de 2011

8.6.2 - DESCOBERTA DO BRASIL

Saber quem chegou primeiro ao Brasil revela-se tarefa quase impossível. Certo é que todos chegaram antes de Cabral.


1 – N última década do séc. XV, Portugal e Castela competiam ferozmente para obter a primazia no delineamento de uma rota para o Oriente. Foi um complexo processo político-diplomático, talvez dos mais empolgantes de sempre. Um processo que deu origem a vários Tratados: Alcáçovas, em 1479, definido a área de influência no Atlântico norte e sul, longitudinalmente; Tordesilhas, em 1494, de que resultou a partilha do Novo Mundo; Acordo de Saragoça, em 1529, na partilha do oceano Pacífico e Ásia Oriental.
Retirar o comércio levantino aos turcos e venezianos era o grande desiderato. Fazê-lo primeiro do que a Espanha era imperativo para Portugal.

2 – Bartolomeu Dias passou o Cabo da Boa Esperança em 1488. A rota que seguiu era, ainda, a tradicional. Uma rota junto à costa africana, com a terra à vista (ou quase). Bartolomeu apenas desceu mais um pouco, entrando nas águas do Antártico. Quando subiu, estava já no Índico. Mas, a partir de 1493 era já conhecida a chamada “volta pelo largo” que, a partir da zona da Mina, se entranhava pelo mar alto, aproveitando, depois, os ventos alíseos para descer. De facto, nesse ano, Abrãao Zacuto, apoiado por mestre Diogo e pelo médico José Vizinho, aperfeiçoara as tábuas quadrienais de declinações solares que permitiam a navegação em alto mar.

D. João II pretendia assegurar o domínio do Atlântico Sul, que lhe proporcionaria o exclusivo do Caminho Marítimo para a Índia, contornando a África pelo largo. A negociação do Tratado de Tordesilhas teve tudo a ver com isso. Daí a extensão de 100 para 370 léguas a Oeste de Cabo Verde, consideradas necessárias para efectuar a “volta pelo largo” com segurança. Secundariamente, havia o objectivo de obter novas terras a ocidente, de que se suspeitava (ou sabia…). Estes objectivos foram tão importantes que o rei não hesitou em fazer concessões a Castela: cedeu territórios no norte de África; permitiu a presença de pesqueiros espanhóis entre os cabos Não e Bojador (África); e, acima de tudo, renunciou ao projecto de indicar D. Jorge, seu filho bastardo, como sucessor (Castela não queria). Curioso, e abonatório da tese de que algo se sabia, é o facto de, prevendo o Tratado uma comissão mista para realizar uma expedição conjunta no sentido de determinar com rigor os marcos divisórios nele estabelecidos, nunca Portugal designou os seus representantes, pese embora as insistências de Castela.

Em Tordesilhas, devido à tenaz negociação de João II, ficou definido o futuro Brasil tal como o conhecemos hoje. Um território que ainda “não existia” e, no entanto, já lá estava.

3 – Morto João II, sobe ao trono D. Manuel I, seu primo. Em Outubro de 1497, D. Manuel casa com Isabel filha dos Reis Católicos. Quase simultaneamente morre o herdeiro dos tronos espanhóis. D. Manuel, por força do casamento, vê-se, de repente herdeiro de todos os tronos da Península. Embora com muitas vozes contra, D. Manuel acaba por aceitar as coroas de Castela e de Aragão. Parte para Espanha. Ainda jura o trono de Castela, mas já não o de Aragão. A mulher morre no parto. Manuel perde a qualidade de herdeiro presuntivo do trono e regressa rapidamente a Lisboa. Aqui, tudo se precipita. De novo a competição feroz. O rei quer impedir os Castelhanos, e até os ingleses que começavam com expedições a partir de Bristol, de ocupar terras que por direito (do Tratado de Tordesilhas) lhe pertenciam. Manda Duarte Pacheco Pereira em missão ao Atlântico Sul, para determinar com exactidão os limites da nossa zona de influência. Duarte, o “Aquiles Lusitano”, chega ao Brasil em Novembro de 1498, a partir da ilha de Santiago, em Cabo Verde. No seu escrito Esmerado de Situ Orbis, descreve, com grande detalhe e rigor, paisagens, gentes e costumes. Dá também indicações preciosas das latitudes e longitudes. Prova dessa descoberta é, também o Planisfério de Cantino, onde pela primeira vez aparece a representação cartográfica da região Brasílica.

4 – Mas se foi Duarte Pacheco Pereira o descobridor do Brasil, que se passou para não ter sido de imediato oficializada tal descoberta?

Pouco depois da descoberta de Pacheco Pereira, fundeava no Tejo a nau Bérrio, a 10 de Julho de 1499. Trazia a notícia da descoberta do caminho marítimo para a Índia. De imediato se desencadeou intensa actividade diplomática. Dois dias depois D. Manuel escreve aos Reis Católicos, a Maximiliano I e ao Papa, Alexandre VI. Em Castela o feito de Vasco da Gama convenceu os Reis Católicos a ignorar definitivamente as teses de Colombo, que caiu em desgraça. Rapidamente e em força decorreram os preparativos para a 2ª Armada à Índia. A 9 de Março de 1500 sai de Belém uma armada comandada por Pedro Álvares Cabral. Já não era um “pirata”, mas um nobre e um diplomata. Nove naus, três caravelas e uma naveta de mantimentos. Fazem a “volta do largo” e são arrastados para ocidente. A 10 de Abril passam no trecho da costa entre o cabo Calcanhar o rio de São Francisco. Os efeitos combinados das correntes “das Guianas” e “brasileira”, levam a frota para a Bahia de Todos-os-Santos. No dia 21 encontram ervas e aves. A 23 aproximam-se de uma embarcação com 18 ameríndios. A 25 de Abril a frota entra na baía, onde fundeia. Estava achada a Terra de Santa Cruz. Em terra ficariam dois grumetes e uns poucos degredados. Para aprendizagem da língua local e recolha de informações. A naveta, capitaneada por Gaspar Lemos, foi enviada para Lisboa, dando ao rei a boa nova. A frota segue para a Índia a 2 de Maio.

5 – Foi descoberta? Foi achamento? Puro acaso? Acção deliberado? Foi Cabral? Foi Duarte? A pergunta parece supérfula, porque o Brasil há muito estava descoberto. A questão é porque se demorou tanto a comunicar. A oficializar a descoberta. É estranho, se considerarmos que não havia dúvidas, face ao Tratado de Tordesilhas.

A verdade é que D. Manuel tinha receio. Receio de Castela. Quando a mulher morreu, o filho de ambos, Miguel de la Paz, ficou entregue aos avós, os Reis Católicos. Miguel passou a ser o herdeiro de todos os reinos da Península. D. Manuel ainda não tinha filhos. As insistências de Castela e outros factores “diplomáticos” que levariam muito tempo a contar, acabaram por vencer D. Manuel. Em Março de 1499, nas Cortes de Lisboa, Miguel de la Paz é jurado herdeiro de Portugal. Era o sonho de D. João II, agora invertido: um só rei peninsular, mas agora castelhano. É aqui que reside o segredo. Havia uma dívida de gratidão para com os Reis Católicos. Foram eles que defenderam o seu direito à sucessão contra o bastardo D. Jorge. Mais, Manuel precisava de comprar prata à Espanha par negociar as especiarias no Oriente. Sabia que a expedição de Gama tinha sido um enorme revés para Castela… Enfim, não lhe interessava dar a entender que para além de África e da índia, ainda tinha interesses a ocidente. Por isso, atrasou a informação. Não havia telejornais. Pode fazê-lo. Também por isso, terá dado instruções secretas a Cabral para simular um acaso, um “achamento” acidental, quando desde 1498 já sabia do Brasil, através da viagem de Pacheco Pereira. A reserva era tal que mesmo depois da naveta de Cabral ter chegado, a Junho de 1500, as primeiras notícias só circularam a partir de Junho de 1501. Um ano depois! Curiosamente, nessa altura já Miguel de la Paz tinha precocemente falecido, com apenas dois anos de idade.

O Brasil foi descoberto por Duarte Pacheco Pereira, em 1498, descoberta oficializada por Cabral, em 1500. O Brasil destinava-se apenas a operacionalizar a rota do Cabo. Hoje o Brasil é um continente e pode ser descoberto por todos nós.

Jorge Pinheiro

terça-feira, 12 de abril de 2011

8.6 - ÍNDIA

1 - Chegar à índia foi o mais fácil. Ficar lá é que foi pior. Nunca percebemos onde estávamos. Nunca estivemos onde queríamos. Uma cultura que pensámos bárbara. E os bárbaros éramos nós. Acossados. Odiados. Resistimos de raiva.
Entre 1384 e 1422, para variar, Portugal enfrentava uma brutal crise económica. D. João I, o Mestre de Aviz, o salvador da Pátria, inundou o país de “moeda desacreditada”. Um real de prata valia dezanove vezes menos do que no reinado de D. Fernando, seu antecessor e meio-irmão. Uma hiperinflação galopante que fez os preços quintuplicar. A bancarrota era certa, se o Mestre, acompanhado pelo perspicaz Infante D. Henrique, seu irmão, não tivesse decidido dar um salto em frente. Os conselheiros do rei reuniram-se em “congresso extraordinário”, em Torres Vedras (1412). Aí foi decidido desencadear o processo de projecção externa, com uma campanha de marketing nunca vista na Europa medieval. A primeira operação (de que aqui já falámos) foi a tomada de Ceuta, em Marrocos (1415). Avançar para o norte de África foi chegar às riquezas marroquinas e uma cruzada “pour épater les bougeois”, com aval do Papa. Os “títulos do tesouro”, naquela época, eram à base de saques, massacres, espoliações e a escravatura. A descida pela costa africana surgiu com naturalidade. Uma evolução na continuidade. Era até mais fácil. Os mouros revelaram-se duros de roer e com pouca carne. Os escravos negros saíam mais baratos. Eram um produto muito vendável. Revelaram-se pouco exigentes e de trato agradável. Juros garantidos. E o Preste João talvez existisse… Uma demanda utópica e rentável. O Papa aprovou novamente e a crise passou temporariamente. Só com D. João II, um imperialista entusiástico e de visão megalómana, houve uma estratégia concertada e abrangente para conquistar todo mundo (Espanha incluída). Ainda assim, não se tratava de criar riqueza, mas de aumentar o saque, como fazem hoje os principais bancos e especuladores. No final do século XV, o comércio oeste-africano que, ao tempo do Infante D. Henrique, se concentrara em Lagos, passa para Lisboa, onde era escoado pela Casa da Mina, situada no rés-do-chão do palácio real, junto ao estuário do Tejo, para permitir a fiscalização directa do rei. Mas D. João II queria mais. Queria apenas tudo…
2 - A Índia parecia evidente. Porque carga de água haviam de ser os turcos e os venezianos a beneficiar do comércio das especiarias? Ainda por cima, uns eram hereges e os outros… nem isso! Depois de Diogo Cão ter espalhado padrões por essa África abaixo, coube a Bartolomeu Dias passar o Cabo das Tormentas. Corria o ano de 1488. A rota do Índico estava aberta. O rei era cauteloso. Foi um dos precursores da moderna espionagem. Pêro da Covilhã parte por terra até à Índia, disfarçado de árabe e bom conhecedor do idioma. Ainda manda um primeiro relatório do Cairo. Depois… nada. Sabe-se que foi recebido com todas as honras pelo negus da Abissínia (Etiópia), mas impedido de sair do país. Desconhece-se se o rei recebeu mais relatórios. Nove anos decorrem desde que o Cabo da Boa Esperança fora dobrado. Porquê? Escreveram-se e escrevem-se rios de tinta sobre esses nove anos. Os nove anos mais importantes dos Descobrimentos portugueses. Os nove anos em que nada se descobriu. Entretanto, Colombo chega à América. Alguns dizem que estava ao serviço do rei português. Tudo seria manobra de diversão. O azar foi haver América. Entretanto, também, Afonso, filho de João II morre. Ele seria herdeiro de todos os tronos da Península. Facções internas achavam que se estava bem assim. Escravos. Algum ouro. Para quê gastar um dinheirão de retorno duvidoso? Que se passou ao certo? Não sabemos. Apenas especulações.
3 - Foi Vasco da Gama quem teve ordem de largada por mar, em Julho de 1497. A expedição marítima ocorre já no reinado de D. Manuel I, o Venturoso. Vasco era um rapazito ali de Sines, habituado a piratarias e arruaças. Um valdevinos, vagamente afidalgado. Ligeiramente bronco. Quando chegou a Calecut, em 1498, ficou admirado com o nível civilizacional atingido pelas cidades-estado indianas. Gama não foi sequer capaz de distinguir templos hindus de igrejas cristãs. Morreria convencido que se praticava, na índia, um culto aparentado com o cristão. É o mal de se mandar arruaceiros broncos a descobrir novos mundos. Mas este facto revela, também, que, se o relatório final de Pêro da Covilhã tivesse chegado, não se compreenderia este espanto do rapaz Gama. Enfatizamos este ponto, porque ele é vital. De facto, as relações com o Samorim de Calecut foram péssimas, desde o primeiro momento, e tornaram a nossa permanência na Índia um calvário. Onde teríamos de entrar diplomaticamente, acabámos por ter de entrar à força. Erro crasso, que viríamos a pagar caro.
4 – Vasco levava presentes sem valor. Umas contas de vidro; utensílios de latão; alguidares de plástico; pastilhas elásticas; enfim… E queria trazer pimenta, cravo e canela! O Samorim nem o recebeu. Não passou da antecâmara. Mais, quando desembarcaram foram imediatamente abordados por dois tunisinos que lhes perguntaram em bom espanhol: “Que diabo fazem vocês aqui?”. Os portugueses responderam: “ Viemos procurar cristãos e especiarias”. Cristãos, tiveram de os baptizar à força. As especiarias vieram a poder de canhão. De facto, irritado com a conduta do Samorim, Vasco bombardeou a cidade. Apenas o poderio militar de longo alcance e a rapidez das caravelas permitiram a entrada no mercado indiano e o domínio do Índico. A verdade é que o monopólio veneziano-muçulmano das especiarias e produtos de luxo asiáticos seria interrompido. D. Manuel podia honrosamente intitular-se “Rei de Portugal e dos Algarves, Senhor da Guiné e da conquista, da navegação e do comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia”. Durante um século, um país sem expressão territorial, feito de gente rude e pobre, dominaria o Índico… e em breve viria o Brasil! Uma proeza difícil de explicar e ainda mais de entender. Ainda hoje tentamos perceber. As riquezas chegariam a Lisboa e evitariam a bancarrota por mais umas décadas. Apenas por mais umas décadas…

( continua amanhâ com "Brasil")

Jorge Pinheiro

e depois do FMI?

Finalmente chegou o FMI. Pela terceira vez na história os homens que vão ensinar a meter as contas publicas em ordem estão em território nacional. Paul Thomsen será o homem encarregado de meter isto tudo na ordem de uma vez por todas. Esqueçam Socrates, Cavaco, Passos Coelho ou Marcelo.....o nosso governante agora chama-se Paul Thomsen, é dinamarquês e vem a Portugal "cobrir" os disparates de outrem. Se há uns que aplaudem a chegada do Fundo, também vamos ter aquelas cenas tristes tipicas da Esquerda que irá fazer tudo para que o novo Presidente da Republica Portuguesa Internacional deixe o país.

À boa maneira portuguesa teremos os prós e contras da entrada do FMI e não faltarão as manifestações contra a presença deste senhor. Dêem-lhe um excelente apartamento, uma bela viatura e descontos nos restaurantes, bares, discotecas.......vai vir charters? Quem sabe. Ah, um bilhetinho para a final da taça de Portugal também vem no contrato.

Quem queira pedir responsabilidades terá de se dirigir à Dinamarca porque é de lá que vem o novo Presidente Português. Os transportes, professores, gerações à rasca, polícias têm de se deslocar até Copenhaga.

E quando este senhor for embora definitivamente? As coisas mudam ou continuaremos na mesma, até que apareça outro finlandês ou sueco?..... Até pode vir a Merkel.

Durante 4 ou 5 anos, vamos estar paralizados e anestisiados.....

Em Portugal ninguém entra mas também ninguém sai!

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Por um Portugal diferente.....

..........Vai ser o nosso lema nas Legislativas de 5 de Junho. Não vamos estar com as tricas partidárias, com os insultos permanentes nem com histórias desinteressantes.
Queremos ser mais interventivos na sociedade e que esta olhe para nós de uma forma diferente.
Assim, iremos propor um conjunto de 20 medidas necessárias à melhoria do funcionamento de PORTUGAL.

É nossa intenção estar mais activo na participação da vida democrática.

Antes da campanha anunciaremos as medidas e durante a mesma vamos dicuti-las e torná-las publicas. Tentaremos fazer o melhor debate possível em prol da nossa democracia.

É este o nosso contributo e a forma de tentarmos puxar o país para cima.

Porque ele bem merece ser aproveitado........

Nobre Regresso

Ontem, Pedro Passos Coelho anunciou Fernando Nobre como o cabeça de lista do PSD por Lisboa às eleições legislativas que se avizinham. Mais do que isso, a intenção do Presidente laranja é que o ex-candidato presidencial seja candidato à Presidência da AR caso o PSD ganhe as eleições. Sem compreender muito bem, alguma blogosfera insurgiu-se contra a sua nomeação ( um exemplo http://31daarmada.blogs.sapo.pt/4952841.html); isto porque a luta de Nobre é contra os partidos e agora vai numa lista partidária.

Ora, a jogada do PSD foi muito bem feita, e Nobre não pode ser acusado de estar a faltar às suas convicções, pois o cargo que está destinado a ocupar é tudo menos partidário e é importante que alguém independente assuma a condução do Parlamento. Daí que não entenda algumas criticas que estão na página do Facebook do ex-candidato. Uns sentem-se enganados, outros desiludidos......

É verdade que ele disse que não queria estar ligado aos partidos, mas provavelmente aceitou este convite apenas e só para estar à frente da AR. Como se pode atacar uma pessoa que enfrentou os poderes partidários nas ultimas eleições e manteve a sua independência até final? Como se pode pensar que a sua candidatura presidencial teve como objectivo um futuro lugar entre os demais? E como pode Louçâ acusá.lo de fraude?

Não percebo porque razão integrar uma lista ao Parlamento seja mau. Isso não significa perder a independência e autonomia. É triste que neste país uma pessoa seja preso por ter gato e por não ter......

É de pessoas como Fernando Nobre que o Parlamento precisa, mesmo que integrando listas partidárias.

Só assim é que o sistema muda....

domingo, 10 de abril de 2011

Olhar a Semana - A culpa é tua Zé!

A semana que agora terminou foi uma das mais duras que o país viveu em termos politicos, sociais e económicos nos ultimos dez anos. O pedido de ajuda externo só veio confirmar aquilo que todos sabiamos : As contas publicas portuguesas são um dos maiores cancros do nosso país. E porque razão o nosso défice é excessivo? Corrupção, gastar mais aquilo que se tem, politica de favorecimentos e compadrios. Mas isto não é um problema de um partido só, de um homem apenas. Veremos se a entrada do FMI trará também uma maior responsabilização dos politicos quando estivermos novamente entregues a nós próprios. Entretanto, enquanto o FMI nada por cá era bom, e já que não vamos ter de ocupar o nosso tempo a fazer orçamentos; pensar em reformas constitucionais profundas, mudando o sistema eleitoral, alterações legislativas entre outros.

Este fim de semana realiza-se o Conclave Socialista que parece mais um congresso comunista. Isto, três dias depois do PM ter pedido ajuda externa. Esta reunião é o culminar de um processo de vitimização por parte de Socrates : foi objecto de uma moção de censura, o PEC não foi aprovado, o PM demitiu-se, marcação de eleições, pedido de ajuda ao FMI...... perante isto nada melhor que um congresso para que Socrates possa dizer ao país e não só que está a ser vítima e nunca foi culpado.

Apesar das palavras manhosas do PM demissionário, não há nada que aponte outro culpado que não Socrates. Socrates resistiu, Sócrates foi teimoso, Socrates não percebeu..mas o pior de tudo foi que Socrates mentiu aos portugueses. Ainda em Janeiro dizia numa entrevista que não era preciso mais medidas de austeridade e que a consolidação orçamental estava no bom caminho. Se um PM mente desta forma a quem o elegeu não pode merecer mais confiança por parte do seu povo. Porque faltou José à palavra e não disse a verdade? Os portugueses são inteligentes e percebem as manhas da política.....José devia ter tido mais cuidado.

Para além das mentiras, não se percebe como é que Socrates não reconhece os seus erros. Até à data não admitiu nenhum engano ou previsão mal feita. Com esta, é mais um passo dado em falso na sua credibilidade. Se Socrates pretende concorrer a Belém terá de ter outra postura. É que dia 5 de Junho o destino será marcado : se ganhar poderá pensar em outros voos, se perder "desaparecerá" politicamente. Só há um culpado desta situação : José Socrates, que nem sequer permitiu aos seus Ministros a possibilidade de alertarem os portugueses a tempo.

Que os portugueses não se deixem iludir pela campanha venenosa e de baixo nível que o actual Secretário Geral do PS se prepara para fazer....

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Assembleia de Pinguins - o herói morreu XLIV

(...)

No dia seguinte, todos estavam preparados para que o plano fosse bem executado. Todos sabiam do papel que tinham de representar. Não podia haver falhas, para não pôr em risco a vida de Luisim nem que desse oportunidade para a Assassina escapar aquilo que seria uma morte certa.

Luisim atirou-se ao mar de modo a que a Orca sentisse o seu cheiro. A Morsa estava em cima de uma árvore que dava para o mar. Assim era só necessário cair em cima da baleia com os dentes bem afiados. Os restantes pinguin ficavam a assistir áquela cena escondidos para que não perturbassem a acção da criminosa. Toda a comunidade estava esperançada em se livrar daquele monstro, um pesadelo enorme que tinha caído em cima dos Penguzan.

A presa já estava no mar, só faltava a predadora começar a aproximar-se. Após 10 minutos de ansiedade e espera, alguém avistou a baleia .

- Ela vem aí. Está a aproximar-se! Tudo a postos!

- Luisim e Antalya, agora é com vocês - gritou Zéguim.....

A Orca aproximava-se a uma velocidade vertiginosa da presa. Luisim estava meio nervoso mas confiante, aguardando o sinal de Franguim para que começasse a sair da água.

- Começa a nadar para terra Luisim - gritou Franguim agitando um mastro.

No entanto, Luisim continuava na água e não via nem ouvia os sinais do seu amigo, enquanto a baleia continuava em sua direcção.

- Sai da água! Imediatamente!!!

Nesta altura eram já várias as vozes que alertavam o pequeno pinguim!

Luisim não ouvia nada mas viu de longe uma barbatana. Perante isto, começou a nadar o mais que pôde para terra e dirigiu-se para o local combinado onde já estava a Morsa preparada.

A distância entre os dois era minima e havia o risco de acontecer uma tragédia. Cá em cima, os outros temeram o pior quando a baleia saltou da água com os seus enormes dentes quase a alcançarem o rabo do pinguim. Luisim não notou porque estava concentrado na sua fuga.

Quando chegou ao ponto indicado, foi então que Antalya saltou para o mar e foi cair em cima da Assassina. Os seus dentes furaram a pele da baleia em cheio, e num instante a temível Orca havia sido morta sem compaixão.

Uma enorme mancha de sangue cobriu o mar que banhava as Ilhas Caçola. Cá em cima nas montanhas e lá em baixo na praia todos festejaram a morte do Orca. Finalmente tinham conseguido derrotá-la. A Morsa iria ser elevada à categoria de heroína dentro da comunidade Penguzan. Tal como Luisim por mais uma vez ter servido de cobaia. E fora ele quem se tinha lembrado de trazer a Morsa para junto da tribo.

No meio disto tudo onde estava Luisim?

o corpo do pequeno apareceu morto na praia. Estava ensaguentado e sem uma perna.

( continua dia 12....)( Excepcionalmente na próxima semana a Assembleia será à Terça..)

Nunca houve um almoço grátis

Imagine um vagabundo com roupas gastas, sujas, rasgadas. Com a barba por fazer. Uma pessoa que não toma banho desde que se lembra.

Agora imagine que ele entra no melhor restaurante de Bruxelas e vai directamente a uma mesa. Senta-se, coloca o guadanapo no colo e aguarda pacientemente pelo atendimento.

Se esse vagabundo fosse qualquer um de nós o empregado vinha e gentilmente diria: desculpe mas terá de sair uma vez que não tem dinheiro para pagar a refeição.

Agora se esse vagabundo fosse José Socrates, não só convencia o empregado do restaurante a trazer a refeição como ainda o convencia a não lhe trazer a conta porque José Socrates ia comprar o restaurante no dia seguinte e o empregado seria chefe de sala. Claro que nada disto ia acontecer a não ser o convencimento do empregado.

O problema é que já fomos(Portugal) a todos os restaurantes (quando até podíamos ter jantado em casa) e já todos conhecem José Sócrates. Nem na pior barraca de Rabo de Peixe nos servem uma refeição.

Acabou…. E que aventura que foi.

Nós fazemos a próxima refeição em casa.

Quanto ao José Sócrates, não tenho a mínima dúvida… vai comprar roupas, fazer a barba, tomar banho e continuar a jantar fora. Quem sabe se ele não compra uns restaurantes e tudo.

Nós os portuguese vamos recomeçar… mais uma vez. O que importa é isso mesmo, recomeçar!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Factos da Década (15) : Morte de Saddam Hussein

Saddam Hussein Abd al Majid Al-Tikrit nasceu a 28 de Abril de 1937 e foi executado a 30 de Dezembro de 2006, podendo festejar o Natal mas sem direito a celebrar a passagem de ano 2006-2007..............
Não vamos contar a vida do Ditador, mas apenas relatar os factos que resultaram na sua execução.
Após os bombardeamentos às torres gemeas em 2001, o Presidente Norte-Americano lançou uma guerra contra o Terrorismo. Invadiu o Afeganistão à procura de Bin Laden e o Iraque à conquista do não sei quê. Talvez das armas de destruição massiva, do petróleo ou de apenas matar Saddam.
Foi a 13 de Dezembro de 2003, que o ex-ditador foi localizado num pequeno bunker. Segundo os soldados Norte-americanos a primeira frase proferida foi : " O Presidente Bush manda cumprimentos". A conferência de Imprensa de anúncio à captura de Hussein também foi mesmo à americana " Ladies and Gentlemen, we got him". Não precisa de tradução.

A partir daí o destino de Saddam estava traçado, mesmo tendo em consideração que teria sempre direito a um julgamento, mas por ironia, Hussein provaria do seu próprio veneno porque morreu enforcado devido à lei iraquiana permitir a pena de morte nos casos em que o ex-ditador foi acusado. Muito se discutiu que não deveria haver lugar à vendetta, mas isso seria impossível visto que um dos maiores inimigos da América estava capturado. Outrora um amigo.....

Mesmo assim, a 1 de Janeiro de 2004 o Pentágono declarou-o "Prisioneiro de Guerra" e em 30 de Junho transferiu a sua custódio para o governo provisório do Iraque. Não o levaram para Guantanamo. A 19 de Outubro de 2005 o Tribunal Especial Iraquiano criado pelos EUA iniciou o processo, condenando-o a 5 de Novembro de 2006. Morreria mês e meio depois acusado de crimes contra a humanidade.

Apesar disso algumas organizações iluminadas ainda contestaram o julgamento e o seu procedimento. Muito anti-americanismo revelou-se nessa altura. Mas Saddam morreu condenado pela sua própria lei.

A 30 de Novembro de 2006, desapareceu um dos maiores ditadores da nossa história. Ontem um amigo dos Americanos, hoje o maior inimigo. Não havia armas de destruição massiva, mas estava lá Saddam. Curioso o facto de Bush pai e Bill Clinton terem tentado a sua captura com invasões ao Iraque. Nenhum deles conseguiu. Foi preciso a coragem e determinação de W.Bush. Era nitido que o principal objectivo da invasão era matar Hussein.

Resta saber o que acontecerá a Kaddafi caso seja capturado pelas forças da Coligação. Teme-se que se repita o que sucedeu em 2003 ali ao lado.

Dias mais tarde, a morte de Saddam foi divulgada em todo o Mundo através do Youtube. Este sim, foi o acto mais grave de todo este processo.

Conferências Olhar Direito

Assim se constrói a democracia

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Afinal havia crise......

...........e eu sem nada saber......

E a culpa é de quem? Da Oposição, pois claro!

Uma história de Irmãos

A semana passada, a Presidente do Brasil Dilma Rousseff veio a Portugal. Com ela também esteve o ex-presidente Lula da Silva. O PT cheio de força em solo nacional. Mais do que o doutoramento Honoris Causa, a visita foi marcada pela suposta compra da dívida soberana portuguesa pelo Brasil. É curioso verificar como os papeis se invertém : o quanto Portugal e a Europa estagnaram e como o Brasil subiu.....

Irmãos ou não, a verdade é que depois de tantos anos Portugal ser visto como o irmão mais velho que ajuda o mais novo; chegámos à situação em que o mais novo tem de tomar conta do mais velho, porque este, apesar da idade não sabe tomar conta de si. Fez muitos disparates, gastou mais do que aquilo que devia, teve comportamentos pouco éticos e chegou a uma situação de desespero. O mais novo não. Sempre visto como o patinho feio que necessitava de acompanhamento pelo mais velho, que não tinha futuro e era dependente; anos mais tarde é ele quem tem sucesso e cuida agora do outro.

Esta analogia pode-se muito bem aplicar às relações que Portugal e Brasil sempre tiveram. Em diversos domínios. Também vamos ter que engolir aquele desprezo tipicamente nacional que olhava para o Brasil como o país pobre. Apesar de alguns problemas de insegurança ( mas cá também não corremos o risco de ter?), a economia brasileira disparou ao ponto de ser uma das principais do Mundo. Eles estão nos BRIC, nós não estamos em lado nenhum. O FMI já cá esteve, lá nunca meteu os pés a não ser para passar férias. E nem as nossas praias são as escolhidas.

Historicamente é relevante que se fale em recorrer à ajuda brasileira.

Como não há almoços grátis, convêm pensar naquilo que Dilma quererá como troca.

Serão os direitos de autor sobre a língua portuguesa? Tendo em conta que o Acordo Ortográfico foi feito a "pensar" neles, não me admirava nada.

Assembleia de Pinguins - O plano XLIII

(...)

Com tantos inimigos para enfrentar, era importante estabelecer prioridades. Quem é que se devia atacar em primeiro lugar. A Orca ou os Rocker? .

Nesta altura os Conselheiros já estavam em pulgas e os que haviam sido contra Zéguim estavam a conspirar. Ainda por cima, depois de ficarem a conhecer a noticia do regresso da Orca. Havia motivos mais que justificados para destituir Zéguim do cargo. Infelizmente não poderiam passar para o transporte , porque o perigo estava novamente no mar. Tinham que passar pela Assassina.... mais um perigo!

Entretanto na tenda de Zéguim o plano para derrotar a Orca estava a ser traçado.Era preciso matá-la antes que conseguisse chamar mais reforços. Com ajuda, a Morsa não conseguia fazer o seu trabalho, pois tinha de derrotar mais do que uma baleia. E desta vez, nao haveria ajuda dos Narvais, pois só se podia recorrer a eles uma unica vez.

O plano era que a Orca fosse atraída para a Ilha. E como seria feito isso? Um dos pinguins seria lançado ao mar, mas com a distância necessária para conseguir chegar a terra são e salvo. Logo que a Orca estivesse a jeito, Antalya iria furá-las com os seus enormes dentes.....

Não podia falhar, porque senão era o fim. E isso daria o alerta para futuras invasões de baleias.

A morsa tinha de ser eficaz.

E quem iria servir de isco? Luisim naturalmente....

( continua dia 8...)

terça-feira, 5 de abril de 2011

Cão-Homem

O Mundo acordou para uma nova espécie animal. meio humano, meio cão....o cão-homem é o resultante da enorme ligação que os humanos sentem pelos cães. Algum dia esta aproximação tinha de dar os seus frutos. E o resultado está á vista de todos.

Os 7 pecados mortais de Socrates

Depois de apresentada a Demissão do Cargo, é preciso recuar atrás e apontar os erros ao ainda Primeiro-Ministro.

São 7:

Autoridade : Foi uma das imagens do consulado. Pouco aberto ao diálogo, não ouvindo outras propostas, os governos de Socrates foram de pouca abertura. Principalmente no primeiro mandato em que obteve a maioria absoluta. Mas nem em governo minoritário cedeu um pouco.

Controlador : O caso TVI ainda está bem presente na memória de todos. Também é estranho que Marcelo tenha tido pouco tempo de antena na televisão publica.

Suspeito : Caso Freeport, Caso Face Oculta, Caso da Licenciatura ao Domingo. Todas estas suspeições enfraqueceram o Primeiro-Ministro. Durante meses, e principalmente antes das eleições; Socrates foi notícia por "alegadamente" ter estado envolvido nestes casos. Nunca um Primeiro-Ministro foi alvo de tamanha desconfiança. Mas saiu deles todos incólumes porque não foi acusado de nada. Campanha negra?

Repetitivo : Por diversas vezes, o discurso do Primeiro-Ministro foi o mesmo. A cassette não mudou nunca, chegando a ser até cansativa. A culpa da crise nunca foi do governo, mas da grave crise internacional e agora os responsaveis pela queda do governo e instabilidade política é da oposição. Nunca do governo. Ah, é verdade todos nos lembramos da campanha negativa que o PSD fez nas legislativas 2009. Também é um especialista em vitimização.

Egocentrista : O mundo todo gira à volta de Socrates. O próprio PS está completamente direccionado para o seu lider e o PM secou tudo à sua volta. Não existe oposição, e quando Socrates perder o PS vai estar em maus lençois. Raramente falou em nome do governo, mas em nome próprio. Nem o pobre coitado Teixeira dos Santos teve a necessária solidariedade. Ele fez tudo bem, pronto!

Convincente : É talvez a melhor qualidade do actual PM. Faz grandes discursos, aparece muito bem nas entrevistas, cativa as pessoas e de facto consegue galvanizar o publico à sua volta. Ganhou duas eleições e pode ser que ganhe à terceira, da mesma forma que Cavaco fez quando Mário Soares decidiu demiti-lo. É um autêntico animal politico.

Quanto ao Sétimo Pecado Mortal de Sócrates, custa-me a encontrar mas será a .......mentira?

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Que (des)Ordem é esta?

Esta semana saiu em Diário da Republica uma deliberação que obriga os Advogados Estagiários que estão a iniciar a Formação na Ordem de pagar 700 euros para poderem fazer exame. Isto depois, de terem pago a inscrição. Ou seja, para além do valor que necessitaram de pagar para se inscreverem, vão necessariamente ter de desembolsar mais 700 euros se querem fazer o exame. A primeira inscrição já incluia a realização dos exames. Caso consigam passar para a segunda fase, vai ser necessário pagar mais 650 euros afim de efectuarem o exame de agregação. Antes, a inscrição na Ordem incluia o Estágio todo, agora é necessário pagar para se fazer os exames da 1ª fase e os da 2ª fase. No fundo, há que pagar para ser advogado.

E porque razão aconteceu isto?

Porque o Bastonário da Ordem dos Advogados como perdeu em Tribunal a idiotice de fazer um exame de acesso ao estágio, quis vingar-se e arranjar uma forma de alguns estagiários que têm o curso de bolonha desistirem até Junho. Ou mesmo depois de estarem na 2ª fase.....

Que culpa têm os alunos que o Governo de repente tenha feito uma reforma dos cursos de Direito sem ter ouvido a Ordem, Magistratura e outras entidades. Esta atitude da Ordem é inqualificável porque vai prejudicar aquelas pessoas que não têm possibilidades de pagar, até porque em muitos escritórios o salário é zero.

Após ter sido reeleito ( com muitas criticas...), Marinho Pinto deu a primeira machachada e ainda por cima na parte mais fraca. Para além das tristes figuras que faz nas cerimónias publicas, o Bastonário quer criar mais um foco de polémica dentro da estrutura. Tem sido assim o seu mandato e não parece que as coisas fiquem por aqui. Se Marinho Pinto quer um acesso mais limitado que seja mais exigente nos exames, nos relatórios a entregar e no numero de intervenções que é necessário para que a 2ª fase esteja concluida.

Vai muito mal a Ordem com este senhor. Esperemos que a profissão não fique desacreditada....

domingo, 3 de abril de 2011

Que grande barrete!

FC Porto campeão na Luz pela primeira vez na história. E sem derrotas ....

Parabens ao FCP

Olhar a Semana - 8,6%

8,6 % é este o numero do défice orçamental de 2010....

Percebemos agora a razão principal para a demissão do Primeiro-Ministro. Não foi apenas a não aprovação das medidas para o chamado PEC IV que levaram Socrates a bater com a porta, mas sim o conhecimento que o défice seria astronómico. Foi uma excelente jogada para não ser criticado, para o Presidente da Republica não ter motivas para dissolver o Parlamento nem para o PSD apresentar uma moção de censura que teria o apoio até dos comunistas...

Também percebemos que fomos enganados durante muito tempo e que o descontrolo das contas publicas aumenta a cada dia que passa. Já não é culpar A ou B, mas sim um colectivo que não sabe onde gastar, o que fazer com o pouco dinheiro que tem mas principalmente definir e estabelecer prioridades.

Estranho é que há pouco mais de 15 dias aquando da moção de censura, o nosso ex-Primeiro disse que a consolidação orçamental estava a ser bem feito. Ninguém sabe onde o Estado gasta, isto é inadmissivel. Não apenas no orçamento, mas deveria haver um portal na net para que saibamos como está a ser gasto o nosso dinheiro!

Porque é que ninguém tem a coragem de afirmar que estamos tesos? Qual é o mal? É que não não sabemos porque andamos a ter austeridade. Como é possivel andarem a esconder os numeros? E que lata tem o Ministro das Finanças em afirmar que nada disto é surpresa?? E foi numa semana que tudo isto mudou???? Culpar os outros pelos erros próprios não é credivel......

As pessoas já não acreditam e cada vez se sentem mais enganados.......

Com PS ou PSD o OE 2011 vai ser um autêntico colete de forças.... e isto vai durar anos!

sábado, 2 de abril de 2011

A Tia Julia e o Escrevedor

Já imaginaram ter um romance com a vossa Tia ou Tio? A esta pergunta, Mário Vargas Llosa, o prémio Nobel da literatura 2010 responde no seu romance a Tia Julia e o Escrevedor. ~

Varguitas é um miúdo com os seus 20 acabadinhos de fazer e trabalha na Rádio Pan Americana com dois amigos. Tem uma vida normal para um jovem da sua idade, mas tudo muda com a chegada da sua Tia Julia a Lima, no Peru.

Entre eles se desenvolve um romance proibido e que choca toda a família, inclusive o pai de Varguitas que viaja de propósito para o Peru com intenções de mandar a Tia Julia embora de Lima.

Mas nem só do romance entre os dois se faz a história deste magnifico livro. Existe outro factor que está a mexer com a sociedade peruana. O radionovelista Pedro Camacho começa a transmitir as suas histórias através da Pan Americana. Atinge um sucesso tal que estas são comentadas em todos os locais. Mais tarde, Camacho começa a confundir as personagens e a misturar as histórias. Este é o período que coincide com o seu estado de loucura o que o leva ao seu internamento.

Neste romance, Vargas Llosa conta duas histórias: a do romance entre Varguitas e a Tia Julia mais a sequência das novelas editadas pelo escritor boliviano. É precisamente este factor que prende o leitor. É um livro muito fácil de ler embora tenha uma escrita muito técnica.

O mais espantoso nesta obra é o autor conseguir imaginar um romance entre um sobrinho e a sua Tia ao mesmo tempo que vai construindo uma narrativa.

Isto só está ao alcance dos melhores. E Vargas Llosa é o melhor.

Coldplay - Talk

Um dos melhores Sons do Album X & Y - Talk

Não só a musica é excelente mas como no videoclip é brutal, com os quatro membros da banda a falarem com um E.T.

Para ouvir e pensar....

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Assembleia de Pinguins - Antalya aceita XXXXII

(...)

- Mestre com o aparecimento da Assassina e com um iminente guerra com os nossos vizinhos, o que fazemos? - perguntou um dos fieis a Zéguim.

- Meu amigo Horsim, de facto estamos perante uma situação complicada. É que se nos fazemos ao mar, corremos o risco de sermos comidos pela Orca. E além disso ela já deve ter avisado os seus amigos. Desta vez virão mais.

- Acho que deviamos aproveitar a presença de Antalya para que eliminemos a Assassina. Com aqueles dentes e com uma espetada na barriga ela não vai sobreviver. É óbvio que temos de a distrair. A mim parece-me que ela é a lider de um grupo de Orcas, caso ela morra acho que o grupo de desmorona. Temos de actuar o mais rapidamente possível.

- Consegues ajudar-nos Antalya? Não sei se Luisim explicou, caso nos ajudes fazemos contigo uma espécie de troca e gozarás de impunidade para o resto dos teus dias enquanto estiveres aqui na Ilha. - Concluiu Zéguim

- Sim. O pequeno explicou-me isso tudo e portanto aceito as condições. Vamos matar essa baleia, onde está ela? - agitou Antalya.

Todos os presentes ficaram satisfeitos com a resposta da Morsa. Após aquele momento, seguiu-se mais um com muita emoção : Zéguim deu um forte abraço a Luisim como recompensa por ter conseguido trazer um salvador para junto dos Penguzan. Depois de Zavi e da história do aquecimento global, a nova heroína daquela tribo era Antalaya. Teria direito a uma pedra ou uma casa no futuro?

( Continua 6 de Abril...)

Socrates acusa Teixeira dos Santos

A notícia caiu que nem uma bomba durante esta madrugada. José Socrates para espanto de todos ( ou não......), acusou o seu fiel Ministro das Finanças, o Dr Teixeira dos Santos; de o ter enganado quanto à questão das contas publicas e também do crescimento da economia portuguesa.
O actual Primeiro Ministro afirmou peremptoriamente que " O Sr.Ministro das Finanças durante estes anos andou a enganar-me e a revelar dados contraditórios". chegou mesmo ao ponto de afirmar que foi o próprio Ministro a revelar várias vezes que não era necessário recorrer a mais medidas de austeridade quanto mais a um novo PEC.

Segundo o Primeiro, o facto de durante este tempo todo ter afirmado várias vezes que não eram necessários mais cortes e que a situação estava sob controlo, se deve às informações obtidas junto do Ministro das Finanças, pelo que quase 6 anos depois dos dois trabalharem juntos, Socrates vem afirmar peremptoriamente que " a culpa da crise é de Teixeira dos Santos". Para o PM, Teixeira dos Santos forneceu propositadamente durante este tempo informações falsas para que o executivo viesse a cair, tal como aconteceu. Com o intuito de vir no futuro a se candidatar á liderança do PS.

Depois desta acusação, as relações entre os dois jamais será a mesma. O que parecia ser uma amizade eterna transformou-se num conflito que durará para sempre. Não é de estranhar a ausência de Fernando Teixeira dos Santos das conferências de Socrates desde que este se demitiu......

Resta saber nesta história quem em primeiro lugar foi desleal.....

Share Button