domingo, 31 de outubro de 2010

Olhar a Semana - O anti-cavaquismo na blogosfera e não só

O anuncio da recandidatura de Cavaco Silva provocou um mal estar na blogosfera que me deixou indignado.
Ao ler artigos no Arrastao , Cortex-Frontal , Pedro Rolo Duarte , fico com a sensação de que a culpa do estado do país é do Presidente da Republica que nem poderes tem para sugerir um aumento dos impostos sob pena de ser criticado por todos de estar a interferir na governação. E eu pergunto : mas também não é dever do Chefe de Estado cooperar com o governo? Muito mal vai o nosso país em que o nosso máximo representante nem sequer uma opinião pode dar. Não sei se é resquicios de 48 anos de ditadura ou simplesmente vontade de querer "chatear".

Bem sei que a Esquerda não gosta de Cavaco Silva nem por um bocadinho, mas há que reconhecer que é injusto as críticas ao nosso PR. Não foi um Presidente ausente preocupado apenas consigo, em muitas matérias como o casamento entre homossexuais deu a mão á palmatória e aprovou o diploma mesmo contra os seus valores e principios, mas mesmo aí foi criticado agora pela denominada Direita Católica. O problema do nosso país é que existem milhares de facções e nunca ninguém está satisfeito. Ainda caminhamos para uma guerra civil ideológica. Interferiu em áreas como a lei do divórcio e o estatuto dos Açores e repôs justiça. Nunca um Presidente da Republica se preocupou tanto com o desemprego e desenvolvimento como Cavaco Silva. Pior ainda é que trazem os tempos de Cavaco como PM para estabelecerem diferenças.... Lembram-se de algum caso de corrupção no então governo cavaquista? Não me parece. Não me vou repetir sobre as medidas que desenvolveram o país na época, mas é mais do que justo atribuir os louros ao então PM.

Como Presidente tem sido de um sentido de Estado enorme, ao ponto de até hoje ter aguentado Socrates apesar dos escandalos em que o PM se meteu, apesar da sua "amiga" Manuela Ferreira Leite ter sido ao tempo lider da Oposição e uma provavél Primeira-Ministra caso o PR tivesse usado a Bomba da mesma forma que Sampaio o fez. Tendo Cavaco também sofrido do mesmo enquanto Soares estava em Belém. Não era altura para uma vingança ao Partido Socialista?

É por demais evidente que Cavaco tem cumprido e muito bem no seu papel. Ao ponto de ser ele o unico garante da estabilidade politica apesar do momento dificil. Socrates agradece por isso é que na campanha para as presidenciais não vai desferir um unico golpe contra Cavaco.. Querem apostar?

sábado, 30 de outubro de 2010

130 anos depois ainda perdura a questão....

Esta semana celebrámos o aniversário de Edson Arantes do Nascimento, mais conhecido por Pelé e de Diego Armando Maradona. O campeão brasileiro fez 70 anos, ao passo que El Diego celebra meio século de vida.
Os dois jogadores marcaram uma geração de futebolistas. Pelé nos anos 70 e Maradona no fim dos anos 80 e principios de 90. A rivalidade entre os dois é enorme ao ponto da FIFA ter atribuido o prémio de melhor jogador de sempre ........aos dois!
Ao longo destes anos temos vindo a assistir a uma troca de galhadertes entre os dois magos....
Também não é alheio o facto de estarmos perante um jogador argentino e brasileiro.

Mas quem foram estes dois grandes jogadores?

Pelé ganhou 3 campeonatos do Mundo, sendo o unico jogador a fazê-lo e muito provavelmente o seu recorde nunca será batido. Brilhou no Santos mas foi na canarinha que teve o seu estrelato, até porque Pelé nunca jogou no futebol europeu e essa foi a sua unica grande falha.... Marcou mais de 1000 golos oficiais, só que teve um senão : No Mundial de 1966 foi derrotado por um senhor chamado Eusébio da Silva Ferreira.....

Já Maradona foi sempre polémico. Grande jogador para uns, batoteiros para outros. O Mundial de 1986 foi o seu ponto alto. Os dois golos frente à Inglaterra ficaram na história. Um porque foi com a mão e no outro fintou meia equipa inglesa desde o meio campo. Aquele golo nunca será esquecido e vai ser relembrado milhões e milhões de vezes. Na final do Mundial 90 a sua imagem a chorar após a derrota frente à Alemanha também ficou celebre, tal como o penalti marcado contra a Italia nas meias finais do mesmo torneio em pleno Estádio San Paolo, casa da equipa que representava : o Napoles! E foi com este emblema que Maradona atingiu o seu auge na Europa levando o clube napolitano ao titulo. Desde essa altura até hoje, o Napoles nunca mais foi campeão. Ao contrário de Pelé, Maradona brilhou na Europa mas numa altura em que o futebol europeu já atingira o topo. O lado negativo do astro argentino foi no Mundial 94 em que teve de abandonar a prova por suspeitas de doping.

E esta a história dos dois 10 que maravilharam o futebol, os dois juntos fazem 130 anos mas o numero de golos marcados atinge certamente os cinco milhares.......

Apesar de terem pendurado as botas, ainda perdura a questão...

Quem foi o melhor?

Alert : America is under laughing...

America needs Sanity?
Please follow Jon Stewart and Stephen Colbert and you will find the answer

Também pode acompanhar na pala do Pavilhão de Portugal a partir das 16:00

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Orçamento Fechado!

Afinal o Tango mantem-se....ou será tanga?

Assembleia de Pinguins - A Assassina XVI

(...)
As Ilhas Caçarolas eram um lugar calmo e tranquilo. Raramente aconteciam situações que desrespeitasse a paz que jazia naquele lugar.
Todos os visitantes tinham de passar pela fronteira antes de se deslocarem para o interior do arquipélago. A Ilhas estavam numa enseada enorme que as protegia do mar alto, portanto a entrada e a saída coincidiam. Além do posto fronteiriço, no topo das rochas que delineavam a entrada, estavam dois Gnus com metralhadoras para o caso de suceder qualquer imprevisto.
O local estratégico permitia também verificar as profundezas do oceano, controlando assim todos os perigos vindos do mar, porque naquela ilha habitavam essencialmente animais do mar, à excepção de duas ilhas compostas por cavalos selvagens e leopardos que só se deslocavam entre as ilhas através dos barcos que faziam as ligações dentro do arquipelago. Também havia Ferrys para o exterior mas havia que fazer uma marcação antes da viagem. Não era permitida a entrada a pessoas estranhas à ilha.

Certa noite de céu limpo e nublado, enquanto a maioria dos animais se reuniam para jantar em familia nas suas cidades, eis que uma voz se fez ouvir no arquipelago todo.....

- Socorroooo, ajudem.me! estou a ser comido por uma baleia........ A voz vinha de uma foca, numa ilha adjacente à ilha Minguim.

O alarme soou então em todas as comunidades que viviam na ilha. Todos os animais se abeiraram á costa das respectivas ilhas e em uníssono começaram a murmurar entre si. Uns espantados, outros preocupados, mas ninguém ficou indiferente à situação.

Os Penguzan, como não podia deixar de ser, quiseram saber o que se passava. Desta vez, nem todos se preocuparam porque os pinguins de esquerda durante a noite estavam sempre enfiados no seu bunker. Zéguim foi chamado e logo se inteirou da situação. Foi até á praia que dava para o mar, mas como não viu decidiu subir até ao alto da sua árvore para ter uma vista mais abrangente. Daquele local avistou uma foca a ser comida por uma baleia assassina. A familia da coitada estava desolada e sem saber o que fazer. Era mais uma perda na comunidade foquense que na semana anterior havia testemunhado a morte do seu heroi Folks num acidente de avião na Red Bull Racing que se tinha realizado no Porto.

- É a Assassina! Ela conseguiu entrar cá para dentro e vai-nos matar a todos - Alarmou Zéguim.....

O resto da comunidade Pinguim ficou extasiada e em sobressalto.

- Mas quem é que manda às foquinhas estarem na água a estas horas? - gozou um sempre brincalhão Dinguim.

- Dinguim não sejas criança. Estamos perante uma situação complicada, porque estando ela cá dentro só sairá daqui quando tiver eliminado todas as espécies das Ilhas. Incluindo nós, e a mim parece que ninguém a vai conseguir tirar daqui......... - observou o lider espiritual.

- Então e as Forças Animais Especiais ( FAE), que é feito delas? - perguntou Luisim.

- Espero que venham a tempo de evitar um extermínio animal......- concluiu com um ar preocupado Zéguim do alto da sua torre eiffel feito de madeira e folhas verdes.

Entretanto na praia, os restantes pinguins balbuciavam sobre as medidas a tomar, sendo certo que tinham de tomar banho para se poderem refrescar e até mesmo viver.....

( continua dia 3.....)

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Bloco central está de volta

Se o Orçamento não for aprovado de quem é a culpa?
  • PS - 10 votos 50%

  • PSD - 10 votos 50%

De Comunicação em Comunicação

Temos assistido nos ultimos dias a uma autêntica maratona de comunicações ao país. Primeiro foi o Presidente da Republica, depois o secretário geral do PSD e mais tarde o sr.Ministro das Finanças.......

Sem duvida que a politica das comunicações às 20:00 para apanhar os directos dos telejornais instalou-se no nosso país. O que prova a dependência dos nossos actores politicos e demais em relação aos media. Mas também os telejornais necessitam desse estímulo para preencherem uma grelha com notícias cada vez mais desinteressantes.

Voltando às comunicações desta semana, foi visivel a tentativa de cada um dos oradores para conquistar os portugueses e chamá-los para o seu lado. A questão do Orçamento também foi uma guerra mediática, em que governo e oposição lutam pelo seu espaço e tentam arranjar o maior numero de votos.

De comunicações estamos cada vez mais fartos, pior ainda quando o conteúdo é vazio. Um exemplo disso foi a "suposta" comunicação ao país do PSD à hora do telejornal. Quando todos esperavam uma decisão final, eis que a decisão final será adiada para mais uma comunicação ao país em dia a agendar. E aí toda a população vai esperar até às 20:00 para sair mais cedo do trabalho, reunir-se com a familia e amigos em volta do ecra, comprar umas minis e aperitivos e aguardar por um momento tão ou mais importante que um desafio de futebol. E depois do discurso, a blogosfera reune-se mesmo sem ter jantado, os canais de noticias chamam os seus experts para debater meia duzia de palavras e os jornais fazem as manchestes do dia seguinte.....

Depois todos ansiamos pela próxima comunicação.

De quem será? do Presidente do Benfica? do Presidente da Camara? da Associação? do simples anónimo que quer ter os seus minutos de fama e anunciar que se vai casar?

eu também quero um minutinho, pode ser?

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Não há tango para ninguém...

Sentaram-se à mesa para quê?

Assembleia de Pinguins - A primeira fractura XV

(...)

O grupo começou a dividir-se novamente em Esquerda e Direita. Quem quisesse votar no nome de Pengu Island tinha de se deslocar para o lado esquerdo de Zéguim. Ao invés, os apoiantes de Ilha Minguim davam um passo para a Direita.
Acontece que antes da votação para a escolha do nome da nova casa, os lideres da Direita e Esquerda andaram em campanha para recolher o maior numero de votos possível. Já se começavam a criar algumas divisões ideológicas dentro da tribo. Não sabiam os pinguins que o maior perigo viria de fora da comunidade e não de dentro, mas mesmo assim e tendo em conta que os Pinguins eram conhecidos por serem animais com fortes convicções ideológicas, não era fácil arranjar consensos. Também não era isso que se pretendia, pois como já dissemos, os pinguins e em particular os Penguzan eram uma espécie com fortes tradições democráticas. A sua forma de organização politica era tida como um exemplo e um modelo a seguir, também em alguns países da Europa. Segundo consta, num país chamado Portugal, e depois de se ter que fazer tudo de novo devido ao aquecimento global, o Presidente daquela República queria implantar o modelo democrático dos pinguins naquele país. Só havendo dois partidos : Um de Esquerda e outro de Direita, tal como acontecia há vários anos em países como os Estados Unidos.

Mais uma vez a Direita ganhou claramente. E desta com uma larga vantagem contando com 399 votos deixando 100 pinguins votarem na Esquerda. Sendo assim, o nome da ilha passava-se a chamar Ilha de Minguim, em honra ao anterior lider espiritual. Houve muitos festejos, mas só do lado Direito.....

Os que tinham optado por Pengu Island não gostaram nada da decisão, mas nesta ocasião Fernandim optou por não interpelar o lider. Aceitou o resultado da votação sem mais, mas prometeu vingança e derrotar a Direita num momento posterior. Já não era a segunda derrota para Fernandim, também na Antártida havia sofrido algumas desilusões. Estava instalada a primeira fractura na sociedade penguzan. Apesar da derrota, o lider da esquerda queria organizar um grupo dentro da própria tribo. Nos dias que se seguiram, era notório uma divisão na comunidade. Os 100 esquerdistas não se misturavam com o resto da comunidade, tendo uma vida completamente paralela em relação aos demais. Inclusive faziam reuniões secretas durante a madrugada num canto bem distante do centro da cidade. Não podiam se deslocar á pedra Zavi porque só se podiam reunir ali as Assembleias solicitadas por Zéguim e aprovadas pelo Conselho de Sábios Pinguins.

Este comportamento dos lideres de Esquerda não caiu bem na comunidade mas principalmente em Zéguim que tinha dificuldade em compreender pinguins que não aceitassem uma derrota. Ele temia uma eventual cisão na comunidade por causa de uma votação, mas há muito que Esquerda e Direita caminhavam por mares e oceanos opostos. Mas o que mais preocupava o lider espiritual era que a sua namorada Carolim se tivesse mudado da Direita para a Esquerda em apenas uma votação. Questionava a si própria o que teria acontecido. O problema é que Carolim era uma acérrima defensora dos direitos das mulheres e com isso poderia arrastar as outras pinguins-mulheres para o lado Esquerdo da questão. O que não satisfazia Zéguim porque este sempre fôra um homem da Direita , mas agora tinha de manter a sua posição neutral. Para já, ainda não iria reunir o Conselho de Sábios mas convinha estar atento ao movimento deste grupo.

Os pinguins enfrentavam a primeira cisão na sua comunidade desde que estavam na nova casa, mas muitos perigos ainda teriam de enfrentar dentro e fora da comunidade penguzan......

( continua dia 29...)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Eleições Gerais no Brasil 2010: A Reta Final


Prezados leitores do Olhar Direito, chegamos à reta final da cobertura das Eleições Gerais no Brasil, depois de quase três meses.

Por fim, este final de semana, saberemos quem será o novo mandatário do Brasil, melhor dizendo, a nova mandatária da nação, uma vez que todas as pesquisas apontam a vitória de Dilma Rousseff do PT, apesar dos pesares. E quais são esses pesares?

Bom, o primeiro episódio controverso foi a quebra do sigilo fiscal de pessoas ligadas a José Serra, inclusive sua filha e genro, atribuída a pessoas ligadas à campanha de Dilma.

Nesta última semana, de fato, a Polícia Federal apurou que um jornalista mineiro foi o responsável por este feito e que ele entregou as violações dos sigilos fiscais ao coordenador da pré-campanha de Dilma.

Em seguida, veio o Erenicegate, no qual a Ministra da Casa Civil de Lula, que foi o braço direito de Dilma quando esta ocupava tal cargo, foi acusada de tráfico de influencia e nepotismo.

Ontem, em depoimento à Polícia Federal, Erenice Guerra admitiu ter encontrado com empresários do ramos dos transportes de cargas, cuja empresa é acusada de ter pagado uma comissão ao filho de Erenice, para conseguir um contrato com os Correios do Brasil, que é uma estatal.

E por fim, eclodiu o escândalo envolvendo Paulo Preto, um dos ex-dirigentes da Dersa (sociedade de economia mista sob o controle do Governo do Estado de São Paulo, responsável pelas rodovias do Estado), durante o governo de Serra.

Paulo Preto é acusado de desviar 4 milhões de reais da campanha de Serra, que foram arrecadados de maneira ilegal. Por enquanto, nada foi investigado a respeito disso.

Isso sem falar que, também semana passada, Serra foi fazer campanha no centro do Rio de Janeiro e, durante sua caminhada, um grupo de militantes do PT entrou em conflito com os militantes do PSDB, acabando que Serra foi atingido por um objeto na cabeça.

Os partidários de Serra dizem que ele foi atingido por uma bobina de fita adesiva e os petistas dizem que Serra foi atingido por uma bolinha de papel, de modo que este está fazendo drama.

Também ontem, houve um debate morno entre os presidenciáveis na Rede Record, no qual Dilma e Serra não fizeram nada além de trocar farpas por conta de tantos escândalos, mas discutir os problemas do Brasil que é bom, nada.

Mais uma vez, eu me encontro entediada, porque são tantos os escândalos que a campanha perdeu a raça de novo. Tudo o que eu desejo agora é que chegue dia 31 de outubro e isso acabe logo!

Larissa Bona

A caminho do 2º mandato...

Cavaco Silva anuncia hoje a sua recandidatura à Presidência da Republica.
Após 5 anos de um primeiro mandato com diversas nuances, de certo que se vencer no próximo dia 26 de Janeiro, vai ter um segundo mandato muito mais complicado.
Tudo porque adivinha-se uma crise politica a juntar às dificuldades económicas. O grande desafio do PR no próximo mandato é saber durante quanto tempo consegue aguentar Socrates no poder.
Sabendo que o actual PR não morre de amores pelo actual lider do PSD.
O Estatuto dos Açores, a lei do divórcio, a lei dos casamentos gays e o demite ou não demite Socrates marcaram o seu primeiro mandato.
No segundo terá muitas pressões para demitir o actual Primeiro Ministro. Conseguirá resistir ao contrário de Sampaio?
Quanto à eleição penso que Cavaco Silva não terá grandes dificuldades. Manuel Alegre está morto e com pouco fulgor. Volto a dizer que o poeta devia ter-se ficado pela candidatura de 2005 porque corre o risco de ser mais um Mário Soares. Já Fernando Nobre apesar de ter popularidade não conseguirá grande percentagem até porque o sistema ainda está "feito" para os candidatos partidários. Mas o passo de Nobre é bastante positivo porque abrir um caminho para futuras candidaturas independentes.
O actual Presidente tem um problema nesta sua recandidatura. Será que Passos o vai apoiar?
Como consideras o trabalho feito por Cavaco Silva nestes cinco anos?

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

7.1 UNIÃO IBÉRICA - ERRO OU DESTINO?

1 - Alguns consideram a independência de Portugal um acaso contra-natura. Outros acham que por ter havido tantas tentativas falhadas de junção, é porque tinha mesmo de ser. Outros, acham um exemplo patriótico que criou a nação mais antiga da Europa que deu novos mundos ao mundo. Outros, ainda, um projecto Templário dirigido, desde o início, a partir de Cluny, com ideais inconfessáveis que acabam sempre no “Quinto Império”... Enfim, há para todos os gostos. Para mim é absolutamente irrelevante a motivação. A questão é saber se um Estado tem viabilidade. E aqui as leituras não são só economicistas, nem podem ser aferidas em termos conjunturais. Há que perspectivar esse país. Olhar o seu passado e o seu futuro. Esquecer um patriotismo que, sendo natural e estimável, pode ser utópico e nos pode precipitar na falência. Mais do que saber se devíamos ser independentes, importa perguntar, hoje, o que é ser independente. O mundo mudou muito e vai mudar muito mais. Acima de tudo, importa fazer uma análise liberta de passadismos heróicos e mistificação poética-pastoril.
Para mim, Portugal independente fez sentido até ao final ao séc. XVI. Depois, passou a teimosia e, finalmente, a erro crasso.
2 – A situação agrava-se neste princípio de século. Uma situação muito difícil. Sem qualquer projecto, sem qualquer estratégia, com as finanças públicas e privadas num caos, com a recessão a chegar e o desemprego a aumentar. O único projecto português conhecido é, e será, nos próximos anos, pagar dívidas acumuladas a juros incomportáveis e ser alvo de especuladores de todo o tipo. Dir-se-à que é uma situação europeia. Sim, mas Portugal tem muito menos condições de aguentar, porque não tem riqueza própria e não sabe cria-la. Está, portanto, em excelentes condições para um “take-over”.
Este cenário é cíclico. Existe desde a fundação de Portugal. Sempre o fomos ultrapassando, com mais ou menos sorte,, mas sempre nos fomos empenhando e hipotecando com essa inépcia. Primeiro aos ingleses (dos quais fomos praticamente colónia a partir das Guerras Napoleónicas); depois, à União Europeia, da qual somos pedintes, desde 1986. Longe vão os tempos da EFTA, em que houve ainda tentativa de criar indústria nacional, aliás, mal aproveitada.
Portugal foi sobrevivendo, desde a fundação, primeiro com os impostos cobrados aos mouros, aos servos da gleba e com as rapinas fronteiriças; depois foram os escravos da Guiné; as especiarias da índia; o ouro do Brasil; mais tarde o contrabando para Espanha; os Fundos Comunitários… Nunca, mas nunca, se criou riqueza de forma sustentada. Tudo foi dissolvido em palácios; conventos; embaixadas ao Papa; faustos; fontanários; Ferraris e luxos pacóvios.
A dimensão do mercado interno não ajuda. Não sabemos exportar e o nosso mercado natural (lusófono) ou não quer saber de nós (Brasil), ou não tem dinheiro (África), ou, então, quer-nos comprar de atacado (Angola).
3 – Parece haver uma inépcia natural para tomarmos conta dos nossos destinos. De facto não nos sabemos governar e não nos deixamos governar! A Europa podia ter sido o nosso elã. Infelizmente ando descrente do projecto europeu. Penso que perdeu o timing e perdeu a embalagem. Ainda vamos ter de pagar o desmantelamento da Comissão e de toda a “comitologia” associada. O nosso destino natural será voltar à Mãe-Ibéria. Um país geograficamente coerente, demograficamente atraente e economicamente consistente. Porque nos separámos? Que importa isso agora. Importa, sim, saber como nos vamos juntar.
Jorge Pinheiro

domingo, 24 de outubro de 2010

Factos da Década (9) : terramoto Chile e Haiti

Terramoto Chile
Terramoto Haiti
O Haiti e o Chile foram este ano de 2010 vitimas de terramotos à escala Mundial.
Os dois tremores de terra deram-se praticamente um em cima do outro, provocando uma onda de solidariedade em todo o Mundo, como já estamos habituados.

No Haiti, a tragédia deu-se a 12 de Janeiro de 2010 e o numero de mortos foi aproximadamente 230 mil. Para além das mortes humanas, todo um país ficou completamente destruído. Uma imagem que fica é a do Palácio Presidencial todo desfeito. Se nem a casa do Presidente tinha estrutura para aguentar um terramoto, então as casas dos seus habitantes muito menos. Daí que o número de mortos tenha sido enorme, contando muito com aqueles que ficaram soterrados. Este tremor de terra chegou a 7.0 da escala de Richter.

Um mês depois , outro terramoto atingiu o continente americano. Desta vez foi o Chile a receber esta tragédia. No dia 27 de Fevereiro de 2010 a terra tremeu no Chile. A intensidade foi maior que a verificada no Haiti já que este chegou aos 8,8 na escala de Richter. Impressionante a destruição que o tremor causou, chegando mesmo a ser sentido em cidades como Buenos Aires. Curioso foi o facto desta tragédio ter encurtado o dia em 1,26 milésimos de segundo, deslocando o eixo da terra em 8cm. sintomático nao?. Morreram neste tremor por volta de 1000 pessoas. Também houve uma grande solidariedade mundial, embora de maneira menos intensa do que em relação ao Haiti. Curioso foi que o terramoto deu-se em vésperas das eleições chilenas, assim foi o ultimo acto da Presidente Michele Bachelet.

Chile e Haiti foram vítimas destes fenómenos que começam a ser mais frequentes e de grandes dimensões. Pior é que não há maneira de os prever...

sábado, 23 de outubro de 2010

O novo single dos Matokiko

Bidé em estreia Mundial....

www.youtube.com/watch?v=cvUmv3rrUec

Professor Chinês

Legislative elections will take place in ten days in the United States. This advertisement began running on television today and I thought it would be interesting to get some perspectives on it from an audience other than other U.S. citizens:
For Portuguese readers, the translation of the English text is as follows:
Por que falham as grandes nações? O antigo Gregos… o Império Romano... o Império Britânico... os Estados Unidos da América. Todos eles cometem os mesmos erros, virando as costas dos princípios que os fez grande. América tentou passar e do próprio imposto sobre fora de uma grande recessão. Enorme chamado "estímulo" gastos enormes alterações aos cuidados de saúde, governo aquisições de empresas dos setores privados e esmagamento da dívida. Naturalmente, nós pertence a maior parte de sua dívida, então agora eles trabalham para nós. [Risos de audiência].
Let me put some context here for European readers. The political interest group that sponsors the advertisement is generally more friendly to the Republican Party (which is, at the moment, out of power) than the Democratic Party (the party of President Obama). This group's goal, regardless of which party is in power, is to try and reduce what it calls wasteful governmental spending and thus reduce the national debt. Obviously, there are other groups and people in the U.S. who dispute that the programs this group would have reduced in size and expense are "wasteful."

My guess is that, particularly for those of you in Europe who have been very close to profound economic stresses on your governments, some of the message of this advertisement will ring true. You can see the cultural fear of being overtaken by the Chinese that I must admit is a significant undercurrent in this advertisement; my guess is that a fear this specific is probably not a part of European anxieties about the current financial crisis.

On my own blog, I explain why I think this exact scenario is not realistic. But at the same time, it strikes a powerful nerve. In my own opinion, whatever other problems there might be with the vision of the future in the commercial, the problem it is trying to get at -- too much government debt -- is very real and very important, and neither of the two major political parties has proven able to reverse the problem.

So what I'm wondering is if the mostly-European audience of this blog looks at this ad and thinks of we in the U.S. folks as a bunch of racists; lunatics (and if so, why); are we missing the really important issues completely; or do you think this advertisement makes a fair point?

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Palpites XIX

Achas que Jorge Jesus vai ser despedido no final da época?

SIM 5 votos ( 23%)

NAO 16 votos ( 76%)

Assembleia de Pinguins - Os novos nomes XIV

(....)
Os Penguzan já estavam na Ilha há mais de um mês mas ainda faltava escolher o nome da sua casa bem como da rocha onde se realizariam as Assembleias. Dinguim e Pedrim foram encarregados desse trabalho. Ao fim de quatro dias de intensa busca, dia e noite, os dois avistaram uma pedra enorme mas muito redonda. Completamente diferente daquela que tinham na Antártida. Apesar de não ser muito grande em comprimento era bastante larga o que dava para todos os pinguins presenciarem as Assembleias de uma forma mais confortável. O que não acontecia no antigo Parlamento em que era tudo ao molho e fé em deus, chegando ao ponto de suceder o caso de dois pinguins terem caído da rocha durante as reuniões magnas.

Após encontrarem a pedra ideal, os dois exploradores informaram de imediato Zéguim. O lider dos Pinguins foi ao local e inspeccionou a rocha de uma ponta à outra. Olhou para a paisagem à sua volta e verificou que não havia ilhas num raio de 2 km, o que era importante para que as reuniões não fossem constantemente observadas. Desde sempre que as Assembleias eram abertas ao público, aconteceu isso na Antártida bem como no Norte de África durante o aquecimento globla, mas Zeguim prefiria que assim não fosse. Obtendo a aprovação do lider, o próximo passo a seguir era registar a pedra em nome dos Pinguins e que a Comissão de Aprovação e Distribuição das Ilhas Caçola obtivesse o seu consentimento. Esta era liderada por dois cavalos que viviam no deserto argentino mas que de vez em quando iam passar férias às ilhas, uma ovelha que tinha perdido o seu companheiro e desde então nunca mais se encontrou na vida andando perdida por esse mundo fora e um bufalo norte-americano possuidor de negócios importantes no continente sul-americano. Um dos quais a gestão das Ilhas Caçola, negócio altamente lucrativo visto que se tratava de um local frequentado por variadissimos animais.

Passado 15 dias, os pinguins receberam a boa nova : ficaram com a propriedade da pedra. Agora só faltava dar um nome. A primeira Assembleia dos Penguzan na nova casa estava marcada. O ponto de ordem seria a atribuição de nomes à Ilha e á rocha.

Reunidos na nova pedra, os 499 animais começaram a debater novas propostas e ideias. Zéguim lançou dois nomes para a Assembleia: Namiza ou Zavi. Estes eram duas figuras que tinham sido muito importantes na vida daquela tribo. A baleia havia salvo dos perigos do mar e Zavi o eterno amigo marinheiro que apareceu no momento certo. Nesta questão, a decisão foi quase unanime, pois apenas alguns pinguins de esquerda, incluindo Fernandim estavam contra a maioria. Mas esses gostavam de ser do contra por natureza. Não havia nada a fazer, por isso é que as fracturas dentro dos pinguins era cada vez maior.

A votação pendeu na sua quase totalidade para o nome de Zavi. Este teve 450 votos e 49 contra. A Assembleia deu vivas ao nome da nova rocha. A partir de em diante, todas as decisões tomadas naquele lugar eram totalmente válidas, apesar de necessitar de ratificação do Conselho de Sábios de Pinguins. Faltava agora a questão essencial : o nome da nova casa.

Zéguim propôs como sempre fazia duas propostas. Era assim que se fazia desde sempre, até com Minguim, para ser o mais democrático possível. Nunca se propunha mais de duas hipoteses para não criar mais clivagens ideológicas ou grupos partidários para além da Esquerda ou Direita. Nas outras espécies civilizadas a democracia era bipartidária e não multipartidária. Nos casos em que a pluridade de partidos existia nunca existia condições de governabilidade e estabilidade política.

Assim os nomes propostos pelo lider espiritual foram os seguintes : Pengu Island e Minguim Island.

A população começou a pensar....

( continua dia 27...)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Tema do Dia XIX

Seguindo a sugestão de Kennedy, O que podes fazer pelo teu país num momento destes?

Outubro 2010

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Este Coelho é Bravo

Pedro Passos Coelho é um homem convicto. Tem ideias e não se desvia delas por um unico milimetro.
No principio do ano pediu desculpa aos portugueses por aprovar o PEC II e até dançou o tango com Socrates.
Volvido quase meio ano e perante uma situação muito complicada não vacilou. Apesar das chantagens socráticas, o Bugs Bunny mostrou-se firme e hirto que nem uma barra de ferro.
Passou a batata da responsabilidade para o governo, porque no fundo foi este que falhou redondamente, daí que tenhamos chegado a este caos.
Não disse que iria votar a favor ou contra. Quis negociar.
É com estes lideres que Portugal vai seguir em frente. Com pessoas de convicções fortes e sabendo que rumo seguir. PPC não se deixou levar pelo "não há alternativa à subida de impostos" e apresentou soluções. Um bem haja para alguém que apresenta alternativas governativas.
Com este homem o PSD mudou de rumo, para além de ter encostado Socrates à parede. Finalmente um corajoso que o tenha feito.
Temos lider da Oposição.....ou Primeiro Ministro?

Assembleia de Pinguins - Os outros XIII

Os Rocker
(....)
Finalmente um nova casa. A gélida Antártida tinha dado lugar a um local paradisiaco. Havia ondas para surfar, vizinhos para conviver, sol para apanhar, um mar azul para nadar. Os pinguins não podiam ter feito melhor escolha. Faltava encontrar uma rocha para realizar as Assembleias. Essa tarefa coube a Dinguim e Pedrim. O mestre encarregou estes dois rapazes de investigarem na zona uma rocha que estivesse disponível.
Nas Ilhas Caçola habitava uma outra tribo de Pinguins. Diferentes no tamanho, cultura, hábitos
mas também na personalidade. Os Pinguins do Sul do hemisfério eram conhecidos por serem extremamente violentos ao ponto de caçarem por divertimento. Eram um pouco como as baleias assassinas que se distanciam da globalidade das baleias normais por estas serem mais pacificas. Na ilha ao lado dos Penguzan habita a tribo Rocker. Fisicamente eram mais pequenos que os Penguzan e tinham um ar ameaçador. A sua face cabeça era mais recôndita e tinham umas penas que faziam lembrar os samurais. Os olhos encarnados denunciavam perigo. Eram no total cerca de 1000, um numero bastante superior aos Penguzan. Logo que os Penguzan chegaram às ilhas, a primeira tribo de pinguins a chegar ás Ilhas teve a curiosidade de querer conhecer os novos amigos. Embora os Rocker não gostassem de partilhar o mesmo habitat com outras tribos de pinguins. Daí que se tenham instalado naquele local, longe dos outros animais da mesma espécie. Eram mais fechados e falavam pouco não só com outros mas entre si.

Não eram animais de confiança nem confiavam nos outros. Viviam enclausurados na sua tribo e conviviam pouco. Só quando era necessário caçar é que saltavam da toca. Mais um pormenor em relação a esta tribo : quando caçavam eram implacáveis e normalmente faziam-no em grupo de 50. Apesar destas diferenças em relação aos Penguzan, os Rocker como qualquer tribo de pinguim que se preze, também eram muito unidos. Este aspecto eram comum a todos os pinguins existentes á face da terra.

Houve um pormenor que começava a preocupar os Penguzan : desde que tinham chegado à Ilha, os Rocker tinham-se reunido todos e não tiravam os olhos de cima dos novos inquilinos.

Uma certa rivalidade começou a pairar nas Ilhas Caçola....

( continua dia 22...)

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Qual a maior crise que o país atravessa?

  1. Politica 23v (29%)
  2. Economica 23v (29%)
  3. Valores 13 v (16%)
  4. Mentalidades 10 v (12%)
  5. Credibilidade 4v (5%)
  6. Social 4v (5%)
  7. Confiança 2v (2%)

Concordam? O problema é mesmo dos politicos ou das pessoas?

Entrevista de Dilma Rousseff para o Jornal Nacional

Ontem, iniciou-se nova série de entrevistas com os candidatos a presidência do Brasil, no Jornal Nacional da Rede Globo, o telejornal de maior audiência no horário nobre da televisão brasileira.

Por isso, coloco abaixo a entrevista dada por Dilma Rousseff à Fátima Bernardes e William Bonner, ontem à noite:



Larissa Bona

PS¹: Marina Silva e o PV, depois de uma mini-convenção, decidiram adotar posição independente: não apoiarão nem Serra, nem Dilma e deixaram os militantes do partido à vontade para apoiar quem quisessem, desde o fizessem em nome pessoal, sem utilizar o nome e símbolos do partido.

PS²: Na primeira pesquisa pós 1º Turno, Serra subiu bastante, ao ponto de alguns institutos de pesquisas apontarem empate técnico. Mas, hoje, saiu uma pesquisa do instituto Vox Populi que aponta queda nas intenções de voto de José Serra.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Uma sucessão pacifica?

A sucessão na Coreia do Norte está para breve. O Supra ditador norte coreano Kim Jong Il está prestes a deixar a liderança para o seu filho Kim Jong Ul.
Embora seja transição ao estilo monárquico, muitos analistas acreditam que a passagem de testemunho pode provocar mudanças no regime de Pyongyang. Tudo porque a tenra idade do filho do ditador não garantir a continuidade das politicas implementadas.
Muitos acreditam que a inexperiência de Ul pode ser decisivo e servir como factor de instabilidade até dentro do próprio governo.
Com a sucessão existem duas vias possiveis : O regime se mantêm igual ou então poderá estar na iminência de uma guerra civil e levar à implementação da democracia.
Esta ultima hipótese é a menos provável e até ridicula, mas não é descurar problemas internas depois de Kim Jong Il morrer.
Sim porque até o mais dos tiranos ditadores é mortal.

domingo, 17 de outubro de 2010

Olhar a Semana - Aquele Abraço do Mundo para o Chile

Esta semana assistimos ao milagroso resgate dos 33 mineiros chilenos que estavam soterrados a mais de 700 metros numa provincia do Atacama.
Foi um acontecimento Mundial, porque não só emocionou os chilenos mas quase todo o mundo.
Emissões online em directo, televisões e jornais estrangeiros a fazerem a cobertura actualizando em permanência o número de mineiros resgatados.
Mais do que isso, foi a emoção com que os chilenos festejaram o resgate do primeiro homem. Reunidos em cafés, casas ou até mesmo na rua, a população do Chile sentiu que aquele salvamento fazia parte de um designio nacional. A forma como comemoraram parecia que tinham ganho um Mundial de futebol. O povo chileno deu um exemplo que o futebol não é o unico factor de união entre um povo. Este resgate foi uma prova disso mesmo.
É verdade que acidentes em minas acontecem todos os dias, mas este caso chileno foi especial. A forma como foram resgatados foi espectacular. Antes do tempo inicialmente previsto e de uma rapidez soberba. E mais uma vez com a ajuda dos Estados Unidos.......

A maneira como era celebrado a chegada de mais um mineiro, com todos a baterem palmas e a gritarem "vivas" foi muito comovente. Os mineiros não deixaram de agradecer a todos aqueles que se empenharam no seu salvamento. Aquela imagem do ultimo mineiro a sair, com o Presidente Sebastian Pinera a dar "aquele abraço" bem como o entoar do hino nacional chileno, irá perdurar durante muito tempo nas memórias de quase todo o mundo.

Tudo isto emocionou-me. E o Chile deu um exemplo ao Mundo. Os seus governantes também porque mostraram um enorme empenho no resgate dos mineiros dando prioridade à vida humana atribuindo-lhe igual valor independentemente do status quo de cada um. A atitude do Presidente Chileno ao cantar o hino nacional no meio dos mineiros foi excelente.

É caso para dizer "Viva Chile mierda"!

sábado, 16 de outubro de 2010

As ultimas Ondas

Melhores momentos do Rip Curl Pro Search Peniche 2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Palpites XVIII:

Achas que o Orçamento vai ser aprovado?

SIM 14 VOTOS 93%

NAO 1 VOTO 1%

Total 15

Assembleia de Pinguins - A despedida de Zavi XII

(....)
Os Pinguins não cabiam em si de contentes com o aspecto da nova casa. Uma ilha paradisiaca, com um mar azul era perfeito para o começo de uma nova vida.
A Clarisse atracou ao pé da praia e os pinguins começaram a sair um a um do barco. Os mais jovens não fizeram por menos e atiraram-se para o mar, apesar da preocupação das mães mas com o apoio dos pais.

Zéguim foi o ultimo a sair, porque queria dar um abraço forte de agradecimento a Zavi. Primeiro por os ter salvo naquele fatídico dia em que Minguim desapareceu e depois por os ter trazido sem qualquer custo às Ilhas Caçola. O marinheiro abraçou sentidamente o lider dos pinguins e disse-lhe que podia contar sempre com a ajuda dele.
- Para onde vais Zavi? - perguntou um Zeguim curioso.
- Não sei muito bem. Ainda tenho alguns animais para descarregar e quando acabar este trabalho vou procurar humanos. Não sei muito bem onde, mas tenho o sentimento de que a raça humana não foi toda dizimada pelo aquecimento global. Tal como foi possível salvar algumas dezenas de animais, é provavel que homens e mulheres também tenham sobrevivido. Terei que ir dar a volta á procura deles. E depois casar com uma bela mulher e ter filhos. É a sina de qualquer homem.....
- Acho que fazes bem. Tu mereces Zavi, por tudo o que fizeste não apenas por nós mas também pelos animais deste planeta. Tenho a certeza que encontrarás a tua cara metade e farás feliz os teus filhos. Sabes bem que tens a porta desta nossa casa sempre aberta.
- Obrigado Zéguim. Sei que sim e prometo voltar com frequência, afinal é sempre mais fácil vir a este lugar do que ir para a Antartida, pelo menos o sol aqui brilha com mais frequência.
Estas foram as ultimas palavras do marinheiro Zavi. Os motores da Clarisse ligaram-se. Os pinguins estavam todos em fila e com as suas mãos em jeito de despedido. Tinham visto um amigo partir. Mais do que isso. Para os Penguzan, Zavi já fazia parte da familia, era também um pinguim, mas com pele de humano.
No horizonte, todos viram a Clarisse desaparecer com o por-do-sol como pano de fundo.
Alguns deitaram lágrimas pois Zavi tinha sido um grande amigo, principalmente para Luisim e Martimim.
Casa nova, vida nova mas ainda havia vários problemas para resolver.
Primeiro os Pinguins tinham de se reunir para escolher o nome da ilha. Mas faltava um pormenor muito importante. Não existia forma de realizar as Assembleias fora do habitat natural, porque a Ilha não tinha uma rocha que servisse para o acto. O Conselho de Sábios Pinguins exigia que assim fosse. Fôra sempre assim. Estava escrito na Lei dos Actos e Decisões.
Só assim se podia efectuar a Assembleia com vista à escolha do nome da ilha. Zeguim já tinha dois nomes em mente : Penguisland e Ilha Minguim.
Que nome iriam eles escolher?
Entretanto os mais novos aproveitaram as primeiras ondas da ilha e começaram a surfar....
( continua dia 20...)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Slats the Surfer!

Kelly Slater venceu o Rip Curl Pro Search 2010 em Portugal batendo o Sul Africano Jordy Smith por 13.33 a 11.43!
Falta uma vitória em Porto Rico para se tornar Campeão pela 10ª vez

Hoje Apagamos 3 velas

de Olhar Direito.

Revisão Judicial

Here in the U.S., one of the motive forces behind a lot of politics is the power of our court system. One person, one lawyer, and one judge can defy our entire Congress and our President -- and win. A lot of people here really don't like that; they claim it overrides the wishes of the majority. I notice that they don't make that sort of complaint nearly as often when their political party is the one out of power at the moment, but that's really a different story. The complaint is that the judges aren't elected and aren't accountable to the voters -- they hold their seats for life (with a few exceptions) and the only practical limit on the power of the courts is the obligation of a judge to explain his or her reasoning in a logical, reasonable sort of way when issuing a decision.

This is playing out right now with the "Don't Ask, Don't Tell" policy about gays and lesbians serving in our military. This particular law was always more than a little bit strange, if you ask me -- if you are in the military, and are gay, you could not tell anyone else in the military about it, and no one was supposed to inquire or ask about whether you were gay or not. But if someone found out -- let's say, your bunkmate walked in on you embracing your lover -- or if you proclaimed that you were gay, then the military could dishonorably discharge you from service. The justification for this was that it would be "bad for morale and unit cohesion" were it known that gays were serving alongside straight people.

People being people, there were always those who wanted to gossip about their friends and neighbors, and others whose motives were even less admirable than that, and hundreds of gay soldiers and sailors wound up being thrown out of our military. For a nation that prides itself on a long tradition of honorable military service for all of its citizens, and for a nation which uses its military so very much around the world, you would think that we simply can't afford to play these kinds of games with our military. But apparently, accommodating those who find associating with homosexuals while trying to claim to not be bigots is a higher priority for some of our lawmakers.

So  a group of gays challenged this law and a judge agreed with them that the law violates the Constitution.  This is not so extraordinary, but what is extraordinary is that one judge here in California believes that she has the power to tell the entire military, and President Obama, that they can no longer enforce that law.  As of right now, there is a court order against any discharge proceedings against any military service member for either being gay, engaging in homosexual sex acts, or affiliating with people who are gay.

The big lesson for the readers here is that in the U.S., the President does not hold all the power. Our Congress -- which is not really the same thing as a Parliament -- does not hold all the power. The courts have a lot of that power too. A single judge, with the right case, has the power to change our laws when they violate our Constitution and its basic ideas. There are those who say this makes our system of government very chaotic and anti-democratic. I'd agree with those criticisms. Nevertheless, I think that makes our government better. It makes sure that we live in a society governed by laws, not a society governed by the day-to-day whims of the majority.

One of our Founding Fathers, Alexander Hamilton, wrote about this extensively in the earliest days of our Republic in an essay which we now call The Federalist No. 78. As far as I know, this sort of thing is unique to nations whose legal history traces back to Great Britain. Nations based upon a civil law system, many of which trace their legal history to the Napoleonic Code of the early nineteenth century,* seem to lack strong Constitutional courts, and rely on their Parliaments and the ebb and flow of political discourse to keep the law in compliance with their Constitutions.

Even in Great Britain, it seems that the judiciary is not nearly so strong as to be able to overrule Parliament all that effectively. I noticed with the case of Simon Singh, the appeals courts in England did not go so far as to try to pronounce a new rule to govern defamation cases, but instead worked to find a way to make the facts of that case fit in to established rules. I'd agree that a judge should use existing law when possible rather than making new law all the time, but at the same time, when a case presents a clear and important injustice, a judge should be empowered to reach the right result for the right reasons, right away, instead of only pointing to a problem and hoping that the legislature will fix it.

It seems to me that without a strong and independent judiciary, a country leaves aside a powerful protector of individual liberty. I know there are several lawyers from civil law nations who read and comment here, so maybe you can tell me why this view is incorrect. But if you were to ask me what I am most proud of about my nation, I would say that it is precisely because of the fact that any one of our citizens can go into our courts and force the entire government of the United States comply with the law.


* I notice that in Europe, people refer to these long periods of times using Roman cardinal numerals; in English, this would translate literally as "XIX Century." But our custom in the US is to use Arabic ordinals, as in 19th century." I wonder how it got to be that way. Neither way is better than the other, really, it's just a matter of what you're used to seeing.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Espectaculo garantido

Após a realização da 4ª ronda, foram apurados os primeiros quatro finalistas da prova. Agora 8 surfistas vão disputar entre si as restantes vagas para os quartos de final. Com Adrian Buchan, Kelly Slater, Jeremy Flores e Jordy Smith na próxima fase é garantido que vamos ter espectaculo e emoção até domingo. A eles podem-se juntar Owen Wright que teve a melhor onda da prova com nota 10, Jadson Andre e Travis Logie que eliminou Mick Fanning. Amanha se verá em Peniche!

Assembleia de Pinguins - Viva a Argentina XI

(...)
A viagem fora longa, mas nem por isso o entusiasmo de conhecer uma nova casa esmoreceu. Todos estavam contentes por finalmente poderem desfrutar de uma nova vida, depois do longo período que durou o aquecimento global.

A costa era enorme. A praia estava metida num vale que era suportado por duas enormes rochas e atrás do paraiso surgia uma enorme vegetação. A Clarisse ao passar pelo lado sul da praia deparou-se com uma imensidão de mar. Depois surgiram um sem numero de ilhas quer á esquerda quer à direita. Tinham chegado.
As ilhas Caçolas eram compostas por 58 ilhas, todas elas com diferentes caracteristicas e ambientes. As que se situavam a mais a norte eram as preferidas dos pinguins porque se situavam numa região mais polar e com um ambiente mais propício à vida dos Penguzan.
Após uma passagem pelas 14 ilhas que componham o sector Norte do arquipelago, os pinguins tinham de tomar uma decisão. Mais uma que seria votada : qual o local em que iriam construir as suas vidas mas também que nome dar à Ilha.
Todas as votações teriam de ocorrer em terra firme. Isto é, a questão da nova casa não deveria ser votada no barco de Zavi. Nenhuma Assembleia teria validade caso se registasse um escrutinio em andamento.
Durante a escolha da nova casa, os pinguins passaram por diversar ilhas vizinhas. Enquanto passavam, os habitantes ficaram muito curiosos em saber quem eram os novos inquilinos daquele arquipelago. Diversos tipos de animais sobressaíram das suas tocas para conhecer os habitantes mais recentes. Focas, leões marinhos, crocodilos, hipopotamos e até uma tribo de pinguins viviam nas Ilhas.
Não era tarefa fácil escolher o local da nova casa. Só que desta vez a responsabilidade foi inteirinha de Zéguim. O Conselho de Sábios Pinguins, que fiscalizava o comportamento da Assembleia e posteriormente ratificava as decisões tomadas pelo parlamento ou pelo Mestre. Tinha também a tarefa de nestas alturas, em que a Lei Fundamental dos Actos e Decisões dos Pinguins não conseguia resolver um imbróglio juridico, de reunir em qualquer local da Terra, parado ou em andamento, e tomar uma decisão. Foi o que aconteceu desta vez.
Assim, coube ao lider da tribo escolher a ilha mais adequada.
Zéguim não perdeu tempo e decidiu por uma casa ao lado de outra tribo de pinguins e das focas.
Só faltava arranjar um nome....
( continua dia 15...)

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Uma Vida Culturalmente Perfeita: Apontamentos Sobre a Modernidade em Portugal

I PARTE - O Reino dos Príncipes Perfeitos

Em Portugal, a Idade Média assumiu-se como revolução burguesa, movimento que nos finais do século XIV vinha já acompanhando o que na Europa central ficou conhecida como Guerra dos Cem Anos. Entre a segunda metade desse século e a primeira do seguinte, Portugal consagrou-se como nação comercial, reforçando o seu papel nas praças da Inglaterra e dos Países Baixos, assimilando saberes de navegação, contratando navegadores italianos e estruturando os concelhos. Foi assim que dobramos o cabo e que, sem o saber, contrariamos a dogma do mestre Aristóteles.

O espírito da Idade Média confundiu-se com o dogma e a autoridade, o que limitava o espírito crítico e a experimentação controlada. As primeiras universidades estavam todas viradas para o comentário de Aristóteles, de tal forma que “divergir dele em um ponto de física (tal como a Escolástica o entendia) era tão herético e imperdoável como negar o próprio Deus”. Como o próprio António Sérgio continua, o comentário “era um sonho de subtilezas formais, um jogo de ilusões aéreas”, onde nunca interessava pôr em perigo os dados adquiridos ou procurar experimentar, observar e deduzir. Para investigar, espírito livre, e para ser livre era necessário que o investigar substituísse a autoridade, que o método, a lógica e a experimentação substituíssem a retórica.

Galileu cedo se interessou pelas leis da mecânica e, ajudado pela matemática, fundou o método hipotético-dedutivo. Dizia ele que as hipóteses se deveriam encontrar com as experiências antes tentadas, juntando, desta forma, os métodos analítico e sintético (aos quais, respetivamente, ele designa de resolutivo e compositivo). E, contra os peripatéticos que durante séculos tentavam encontrar no que observavam o que tinham de pré-concebido, Galileu desafiou os comentaristas e, ao contrário destes, chegou mais perto de Deus quando encontrou a Verdade tida pelo demonstrável e pelo demonstrado.

Ao nascer a ciência a partir do demonstrável, o ocidente delegou o mistério para o espaço do religare, do sagrado, ou seja, do que fica encoberto e que apenas a Deus e à Igreja compete responder. É por essa razão que Descartes reserva a Deus o acesso ao essencial e que Espinosa reconhece a falibilidade da razão, dizendo que os homens também se movem pelas afetações emocionais, ou que Newton reserve certos segredos da gravidade e que Einstein tenha tentado até ao último dia da sua vida, encontrar a fórmula que decifrasse a mente de Deus. Ora, o Renascimento, e ao contrário do que muitos pensam, não foi um corte total com a Idade Média, mas sim que se contemplou em continuação.

Portugal estava, nessa altura, nas bocas do mundo, laborando nas andanças do humanismo e da experimentação com Garcia de Orta, Pedro Nunes, Damião de Goes, João de Castro, Duarte Barbosa e Duarte Pacheco, para quem a “experiência é madre de todas as coisas [pois que] nos faz viver sem engano das abusões e fábulas que alguns dos antigos cosmógrafos escreveram acerca da descrição da terra e do mar”. E, principalmente, pela técnica empregue nos Descobrimentos e do que estes trouxeram de conhecimento e experimentação. O português, do mais instruído comandante ao menos instruído marinheiro, tinha colocado o Aristóteles no seu devido lugar; tinha, sem o saber, trazido o mundo dos conceitos e dos factos.

Quem melhor sintetizou essa dupla natureza de Portugal nesse tempo foi Camões com o seu espírito crítico e incisivo sobre os Descobrimentos. Síntese que se encontra na proposta de uma vida culturalmente perfeita, anunciada na ilha dos amores. Ali Camões propôs que os marinheiros (o Homem), depois que tinham chegado a Calecute, de terem exercido uma função, pudessem ser eles próprios, contemplando o tempo livre e escutando a voz da deusa. É talvez por isso que, e contrariamente à proposta protestante de vida votada à oração e ao trabalho que traria o capitalismo – como nos falou Max Weber -, Portugal foi resistindo aos novos movimentos renascentistas; resistiu com a marca do manuelino que mais não foi que um gótico tardio; resistiu o mais que pôde à entrada do racionalismo, combatendo-o com uma Inquisição que fingia beatificar todos os portugueses e demonizar o estrangeirado; resistiu à ideia de Europa que ganhava força, emigrando para toda a parte, evitando a melancolia, a saudade sem ação e a loucura. Portugal ficou-se a acreditar nas dualidades da natureza humana que mais não eram do que as dualidades resultantes do final do medieval: o trabalho e o espírito, a razão e a paixão, Deus e o diabo, saudade e ação, Platão e Aristóteles. Poder-se-ia dizer, tal como Agostinho da Silva, que “Portugal, depois do século XV, só vai ser grande naquilo em que continua a ser medieval; no resto se empequenece.”

Bye bye Mick

Mick Fanning foi eliminado na 3ª ronda do Rip Curl Pro Search Portugal, deixando a possibilidade de Kelly Slater ganhar o 10º titulo Mundial. haverá novo campeão em Peniche....

Guerra Santa ou Corrida Presidencial?

Hoje, dia 12 de outubro, é feriado nacional no Brasil, porque é dia de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil, e também dia das crianças. Por isso, hoje é um dia mais do que oportuno para falar de eleições presidenciais.

Muitos devem estar pensando: o que tem a ver um feriado religioso com as eleições presidenciais? O Brasil não é um Estado laico?

Sim, a República Federativa do Brasil, segundo o inciso VI, do art. 5º da sua Constituição Federal, é um Estado laico que considera inviolável a liberdade de crença e o livre exercício de qualquer religião, de modo que, neste país, não há religião oficial.

Entretanto, é bem sabido que o Brasil é o maior país católico do mundo e que tem uma das maiores comunidades evangélicas do planeta. Aqui, é muito raro encontrar um muçulmano, um judeu, um budista, por exemplo.

Somos cristãos por excelência e é, justamente, esta cristandade que parece, agora, nortear os rumos da eleição presidencial, que está virando quase uma guerra santa.

Atribui-se a expressiva votação obtida por Marina, evangélica fervorosa, à migração dos votos dos religiosos indignados com o fato de que Dilma Rousseff apóia o aborto.

Na verdade, em um primeiro momento, Dilma pronunciou-se pró-aborto e, depois, no meio da campanha, mudou de idéia e declarou-se contra o aborto. Tendo, inclusive, Marina protestado a respeito e acusado a candidata do PT de emitir uma opinião de ocasião, apenas para ganhar a eleição.

Além disso, correm dois boatos na internet que reforçam a aversão dos religiosos a Dilma:

a) De que ela, supostamente, teria dito que nem Jesus Cristo lhe tiraria a vitória no 1º Turno;

b) E que Dilma seria lésbica e que estaria sendo processada por sua ex-companheira, Verônica Maldonado, sua ex-doméstica, com quem, supostamente, teria tido uma união de 15 anos e que, agora, pleiteia alimentos na Justiça.

Nenhum dos dois boatos é confirmado, inclusive, eu pesquisei e só encontrei informação a respeito deles na blogosfera. Não que a blogosfera seja um meio que deve ser desmerecido, mas notícias como essas devem ter respaldo na grande imprensa, coisa que ainda não vi. Contudo, de todas estas questões, o que pesa mais mesmo é o tema do aborto.

É óbvio que a campanha de Serra está explorando o evento ao máximo e isto parece estar desestabilizando Dilma, que parece ter se enfurecido com os episódios.

No domingo, houve o primeiro debate entre os candidatos a presidente, na Band, e Dilma comportou-se de maneira extremamente agressiva, coisa que jamais havia feito no decorrer de toda a campanha. Fez acusações a Serra e sobrou até a para a mulher dele, Mônica Serra, que teria dito que Dilma era a favor da morte de criancinhas.

Finalmente, esta eleição está ficando emocionante.

Larissa Bona

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Saca a afundar...

na foto Dustin Payne
É o fim da linha para Saca. Depois de perder nas eliminatórias, o português não conseguiu nas repescagens contra Brett Simpson por quatro pontos de diferença.
Também o grande rival de Slater, Andy Irons ficou pelo caminho logo na 2ª eliminatória.
No entanto, os fâs portugueses não devem ficar desiludidos pois Slater, Fanning, Taj Burrow, Adrian Buchan e outros surfistas de qualidade seguem em frente na prova portuguesa.
Amanhâ realiza-se a 3ª ronda.

7. Uma Uniao Iberica

Ao longo da história Portugal e Espanha foram aliados mas também adversários.
Foram várias as situações em que as duas Nações travaram batalhas, quiseram conquistar o vizinho mas também assinaram tratados.
O dominio dos Filipes em 1580, quando Filipe II de Espanha, filho de D.Isabel de Portugal e de Carlos V, veio a ser o sucessor ao trono de D.Sebastião. Como este ultimo não tinha descendência, levantou-se o mesmo problema aquando da crise de 1383-1385 como já relatámos nas nossas crónicas.
O dominio espanhol durou até 1640 altura em que se deu a restauração da independência.
Esse foi sem duvida um momento de vitória espanhola, mas já em Aljubarrota os portugueses tinham levado a melhor e com menos efectivos.
Outra questão que levou "nuestros hermanos" e portugueses a se lançarem numa competição foram os descobrimentos. Os portugueses iniciaram uma nova forma de conquista, mas os espanhois não quiseram mais uma vez ficar atrás e pela mão do genovês Cristovão Colombo ( rejeitado por D.Manuel), conquistaram a América, enquanto que Portugal ficou com África e as Indias. Desta divisão nasceu um dos muitos tratados que Portugal e Espanha celebraram : o tratado de Tordesilhas.
Antes tinha sido escrito entre as duas jovens nações a 1411, um acordo, após a Batalha de Aljubarrota em que Castela reconheceu a independência de Portugal.
Mas o primeiro acordo de significativa importância para o nosso país foi o Tratado de Zamora de 1143 que reconheceu D.Afonso Henriques como Rei de Portugal e a "primeira" independência de Portugal em relação a Castela.
O ultimo tratado conjunto com Espanha foi o Tratado de Olivenza. Ainda hoje não se sabe se é Olivença ou Olivenza.....
É um facto que na história dos dois países houve mais guerras entre ambos do que consensos.
Talvez por existir inveja entre os dois povos....
Mas a verdade é que foram estes dois países que conseguiram ficar neutros durante a II Guerra Mundial devido à astúcia de Salazar e Franco, entraram para a Comunidade Europeia no mesmo ano, irão organizar o Mundial 2018 em conjunto bem como coincidirem quase sempre com a mesma cor partidária nos respectivos governos.....
Esta é uma união que dura há seculos, mas como será que se desenrolaram?

(continua dia 25...)

domingo, 10 de outubro de 2010

A NOVA COMUNICAÇÃO SOCIAL

1 – Há vinte anos o telefone fixo, as cartas, telegramas e faxes eram ainda os meios de comunicação mais eficazes e fiáveis. A televisão dava notícias conforme a orientação do canal e os jornais obedeciam a parâmetros rígidos de acordo com os respectivos estatutos editoriais. A interactividade era quase nula.
De repente tudo mudou. De repente tudo continua a mudar. Comunicar já não é receber notícias. Não é ser sujeito passivo. É ser notícia. Quem não está na net não existe. De repente há duas sociedades paralelas: a “sociedade on-line” e a “sociedade off-line”. E este fosso vai-se agravar, ao ponto de os nossos país serem analfabetos e muitos de nós, em breve, também.
Os novos meios de comunicação social vieram para ficar e muito está por inventar. A evolução é diária e esmagadora. Podemos mesmo atingir um ponto de esquizofrenia comunicacional, provocado pelo excesso de informação e pelo receio de estar fora desse “brave new world”. Aliás, vai ser aqui que as multinacionais vão assentar as baterias do marketing: quem não participa não existe!

2 – Para além deste primeiro risco, que por força da propaganda integradora globalizante, nos pode acabar por isolar como seres humanos, há um risco de manipulação ainda não totalmente entendido e muito menos resolvido. Podemos mesmo chegar a um nível de terrorismo “netiano”. Os actuais instrumentos de comunicação são aos milhares. Muitos atacam anónimos, incógnitos, insidiosos. Sem “curriculum”, sem escrúpulos, sem rosto. Podemos sempre ser envolvidos de forma inconsciente em esquemas mais ou menos obscuros. Dirão que já é assim com a televisão e jornais. Sim, mas há um controle, uma regulação e um código de conduta consolidados que impedem essa manipulação para além de limites “razoáveis”. Aqui não há e por definição não pode haver. Actua-se judicialmente quanto aos sites ou blogues que incitam a crimes de forma declarada e mais nada.
Como é evidente, este risco tem, por outro lado, a vantagem de acedermos a conteúdos muito diversificados. Podermos “comer” do que gostamos e não do pré-fabricado. Muita gente começa a desistir da TV. Em suma podemos escolher. E podemos falar com todo o Mundo. A globalização é um facto, do Japão à Amazónia. Descobrir e discutir problemas que a todos afectam, com uma rapidez de mega-byte. Criar grupos de pressão a nível mundial. Mudar o mundo. Criar novos modelos políticos e sociais mais capazes de enfrentar a globalização. Talvez seja o começo da criação de um único país planetário.

3 – É neste contexto que surge alguma dicotomia entre as redes sociais e os blogues. As redes sociais são um fenómeno com cerca de cinco anos que disparou com o Facebook e o Twitter. Os blogues parecem uma coisa do passado. E, no entanto, começaram em 2002! Cada um pode escolher onde melhor se sente. As chamadas “redes sociais” são imediatistas, pouco reflexivas (em geral) e de acesso rápido. Altamente comunicativas, padecem de profundidade. Estão mais viradas para o consumo informativo banal ou convites variados de festas e aniversários.
Os blogues, quando feitos a sério, requerem trabalho, pesquisa, aprendizagem, experimentação e maior responsabilidade. Aliás, há muitos blogues cuja mensagem (ou ausência dela) melhor caberia no Facebook. Diga-se, ainda, que muita gente tem deixado os blogues, aparentemente porque apenas queria comunicar, falar, comentar. E nesse particular, com excepção do futebol, os blogues não são o ideal. Há preguiça de ler, pouco tempo para comentar. Quem “faz” Facebook ou Chats, fica com falta de tempo para mais e vice-versa… E faz a sua opção.
Não cabe discutir o que é melhor ou pior; mais ou menos frívolo. A verdade é que podemos estar em todo o lado e acima de tudo pensar pela nossa cabeça. A integração de meios em breve nos trará surpresas. Surpresas que tornarão inútil esta discussão. A convergência vem aí.
Jorge Pinheiro (tb. em Expressodalinha)

Sacam o Talento...

O primeiro dia dedicado aos homens no Supertubos foi para os melhores do Mundo aqueceram na primeira ronda. Destaque para as acrobacias de Kelly Slater, astúcia de Fanning e um excelente desempenho do nosso Saca ficando em segundo lugar na sua bateria. Aqui alguns resultados dos principais candidatos:

Taj Burrow 1º na sua bateria com 10.17

Mick Fanning 1º com 12.67

Kelly Slater 2º com 13.10

Tiago Pires 2º com 10.00

Amanha entram em campo Andy Irons

Olhar a Semana - Ninguém assume a responsabilidade

Há quinze dias nesta rubrica perguntei de quem era a responsabilidade caso o Orçamento de Estado 2011 não for aprovado.

Desde então, não se tem falado de outra coisa no nosso país. Ainda bem que assim é porque finalmente as questões com relevo nacional estão a merecer destaque. Pena é que estejamos num beco sem saída, e a acreditar na capa do Sol desta semana, vamos ter mesmo uma crise politica que não nos dá jeito nenhum nesta altura. E corremos o risco de Socrates governar até 2014, assim se for até 2012 já é menos mau.

O que se está a passar em volta da questão orçamental é um pouco o espelho da nossa Nação. Ninguém assume a responsabilidade neste país. Seja daquilo que for. Olhando para as comemorações do Centenário da Republica, vimos que os discursos proferidos pelo PR e PM não surtiram os efeitos desejados. Senão vejamos: O PR falou em responsabilidade. Qual foi a ilação? Que o governo deveria actuar de melhor forma e a oposição aprovar o Orçamento. E a resposta? Ora, Socrates não quis comentar como de costume quando não lhe convém e Passos Coelho continua a afirmar que não aprovará o Orçamento. Já o discurso do PM também se centrou na responsabilidade. Uma clara indirecta aos sociais-democratas.

Socrates está claramente em primeiro no que toca a estas situações : durante este tempo todo não assumiu por uma unica vez a crise financeira. Até os submarinos são culpados pelos erros socialistas. Atirar areia para os olhos dos outros é muito fácil, mas assumir responsabilidades nem por isso. Estamos perante o caos e um beco sem saída porque ninguém no espectro politico vai assumir responsabilidades perante a actual crise financeira e a mais que certa crise politica que se vai instalar. Ora, com este tipo de governantes não poderemos augurar um bom futuro, porque ninguém quer ficar com os encargos dos maus resultados devido á perca de votos. Se Socrates culpa o PSD e o PSD o governo, os portugueses culpam quem?

sábado, 9 de outubro de 2010

Blogosfera : Politica ou Terrorismo I

Confesso que antes de me decidir por um dos temas propostos tive bastantes dúvidas. Parecia-me difícil uma escolha quando me apetecia divagar entre quatro ou cinco dos seis assuntos propostos. Acabei por me decidir por: Blogosfera: Politica ou Terrorismo” porque me parece que é neste tema que melhor se ilustra alguma incompreensão sobre o fenómeno com que estamos a lidar.

A blogosfera não pode ser caracterizada nunca por um único termo. A blogosfera não é, não pode ser uma realidade única. Da mesma forma que a humanidade não pode ser descrita num único adjectivo ou nome, a não ser que este seja - a diversidade.

Há blogs que praticam terrorismo a vários níveis. Há blogs que insultam, que axovalham, que confundem factos com análise que usam e abusam de sofismos. Há blogs que são meros instrumentos de egos sem consciência, há blogs que confundem liberdade de expressão com a possibilidade de dizer a primeira coisa que lhes vem à cabeça. Há blogs que pensam que a utilização de palavras fortes lhes dá automaticamente razão transformado uma mensagem sem nexo numa grande revelação. Há em suma maus blogs.

Também há blogs que praticam o contraditório, que exprimem de forma clara e sem rodeios os seus pontos de vista mas que não fazem no entanto processos de intenção. Há blogs que analisam em profundidade e outros que preferem as associações livres de ideias. Há quem prefira a politica ligeira e quem prefira a discussão ideológica profunda. Há quem até pense que o melhor mesmo é misturar as duas coisas. Em resumo há também bons blogs.

Terrorismo? Sim existe. Politica? Sim também existe. O que não existe, não pode existir é uma qualquer avaliação comum destas realidades. Tão pouco ou mais importante ainda não pode haver qualquer ilusão ou tentativa de procurar criar essa unidade, de separar, classificar, cercear. A blogosfera se alguma coisa é, é precisamente a diversidade. E nessa diversidade há lugar para tudo: É nossa (de cada individuo) a responsabilidade de fazer o crivo - de absolutamente mais ninguém.

Quanto ao crime (terrorismo, difamação ou outro) esses existem tanto no mundo virtual como no físico tal como já existem as leis, os juízes e as policias para os julgar e investigar: Não precisamos de mais.

Texto gentilmente escrito por Fernando Vasconcelos

Carissa Champs!

Carissa Moore venceu o Rip Curl Pro Search Peniche 2010. Parabens a esta surfista de extrema qualidade. Venceu Sally Fitzigibbons nos quartos à justa, Claire Bevilacqua nas meias e Stephanie Gilmore nas final, estas duas com grande vantagem

Akuku "o Polígamo"

Vejam esta historia impressionante de poligamia

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Hola

I am pleased that Francisco has invited me to make occasional contributions to this blog and I hope that readers here enjoy what I have to say from time to time.

Francisco tells me that there is interest in English-language posting so I will write in my native tongue here; hopefully this provides good practice for those who wish to improve their English.  I have family in Italy (Ciao, oratori italiani!) and speak some Italian as a result, but I speak virtually no Portuguese and need to use a computer translator to help me understand what is written in that language. If you feel like commenting or writing to me, feel free to do so in whatever language is most comfortable for you; I will find a way to understand you.

I am a lawyer in the United States, 40 years old, married with no children, an atheist, and writing about politics and the news is one of my hobbies (I also have a lot of fun cooking gourmet food). You all have a feel for some of my opinions with my recent message to Francisco concerning my opinion of how US President Obama has performed in his first two years. I hope to distinguish myself from many of my countrymen in that I realize that there is a whole world outside the borders of the United States and things that happen outside the borders of the USA are important too.

I write under the name "Transplanted Lawyer," which refers to an episode in my life when I moved from one part of the USA to another, and then back again. This is a challenge for a lawyer to do because each state within the United States has very different rules about how a lawyer goes about practicing his profession. 

I maintain my own blog as well.  I use a pseudonym when I write because I have aspirations to one day be appointed as a judge, and I have some opinions which are unpopular in my own community which could affect my business whether I am made a judge or not, and therefore wish to keep my personal beliefs separate from my public persona while still expressing myself freely.

So I will look forward to sharing thoughts with you all from time to time here!

Olhar Live @ USA

Now Live @USA.
After we arrived to Brazil with our correspondent, we gave a great step after Burt Likko join our team from United States of America.
Share Button