quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

2010 com o pé esquerdo............

..........estes são os votos da Equipa do Olhar Direito

........prometendo em 2010 cheio de novidades e animação!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Ao virar da Década...........

Amanha ao final da Meia Noite começa uma nova década.....

Década essa que se espera de mudanças , como foi a que passou.

Ninguém se esquece da última década. Novos problemas teve o Mundo de enfrentar : Guerras de civilizaçõs, pandemias de gripe, crises económicas, catástrofes naturais como nunca antes tinha havido. Talvez tivesse acontecido no passado situações semelhantes mas ninguém sabia ou o impacto não foi tão forte como agora. Tudo porque a década que passou pode ser designada como a da informação. A emergência das redes socais, blogues, informação na hora veio revolucionar e propangandear de uma forma mais célere a maneira de contactarmos. Não há maneira de voltar atrás, estamos cada vez mais ligados e apressados. A informação e o conhecimento chega-nos ao segundo. Ao ritmo que absorvemos as coisas acabamos sempre por estar informados.

A grande imagem e acontecimento da Decada aconteceu a 11 de Setembro de 2001. O atentado às Torres Geméas mudou os nossos habitos, pensamentos e prioridades. Tudo mudou a partir desse momento.....

Na nova década perspectivam-se mudanças ainda maiores. A principal preocupação serão as alterações climáticas. Também vamos ter de mudar o nosso estilo de vida, adaptarmo-nos às novas condicionantes e de nos preparar para aquilo que vai acontecer. Continuaremos com a preocupação do terrorismo( que também mudará ainda mais a nossa vida...) mas haverá novas formas de contacto social que permitirá uma maior interacção sem sair de casa ou do trabalho. Será benéfico ou prejudicial para o relacionamento?

Como será a sociedade da nova década?

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

João Paulo II

Karol Woytila marcou uma época na Igreja. Foi sem dúvida alguma dos Papas com maior influência e crença na história da Igreja Católica. Ao contrário do seu sucessor, Joao Paulo II transmitiu uma imagem de aproximação, tolerância e simpatia ao seus fiéis. E até aqueles que não são devotos , viram em Joao Paulo II um tolerante, um pacificador e um verdadeiro representante de Deus na Terra. Cumpriu com sucesso a sua missão. Ao unir povos e transmitir uma mensagem de paz.

Houve no entanto dois momentos que marcaram o legado de Joao Paulo II.

O primeiro foi a queda do Muro de Berlim. Joao Paulo II sempre foi visto pelos Comunistas de Leste como uma ameaça à expansão da sua ideologia. Pelas suas raizes e pensamentos, Karol Woytila não era bem visto. Muito menos se conseguisse chegar a Papa.

O segundo facto foi ter sobrevivido a um atentado em 1991. Milagrosamente, João Paulo II conseguiu escapar a uma tentativa de assassinato. Terá sido Deus?...

Há quem pense assim mas a verdade é que Joao Paulo II mudou o curso da história nos finais do Século XX.

Com ou sem ajuda divina, vai ficar no coração dos fieis....e não só

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

3 - Constituição de Portugal

Primeira bandeira de Portugal e D.Afonso Henriques.

Após a Reconquista, a Península Ibérica ficou dividida em vários reinos. Um desses Reinos foi o de Portucale.

Em 1096 , Afonso VI entrega o governo do Condado Portucalense ao Conde D.Henrique e a D.Teresa.
Deste Condado nasceria o Reino de Portugal.
Entretanto, D.Henrique morre em 1112 e D.Teresa sucede-lhe como Rainha do Reino de Portugal. Até à maioridade do seu filho, D.Afonso Henriques.
D.Teresa pretendeu fortacelera a sua posição política. Tentou seguir o rumo do traçado pelo seu marido. Ao fortelecer a vida portucalense, quis dar independência ao Reino. Apesar de ter criado muitos anti-corpos dentro do Reino, especialmente na nobreza.

Foi a 24 de Junho de 1128 que se trava a batalha mais "esquisita" , "estranha" e "complicada" de toda a nossa história. A Batalha de São Mamede opôs D.Afonso Henriques e a sua Mãe, D.Teresa.

D.Teresa perde e é expulsa do Reino que dirigiria durante 15 anos. Pelo próprio filho. D.Afonso Henriques toma conta do condado e declara-o independente.

D.Afonso Henriques era neto de D.Afonso VII. Após a vitória sobre D.Teresa , teve de enfrentar as forças de D.Afonso VII de Castela. Ao mesmo tempo que travava guerras contra os muçulmanos. Foi após a Batalha de Ourique em 1139 que Afonso Henriques é aclamado Rei de Portugal.

Em 1139 nascia o Reino de Portugal e a sua primeira Dinastia, tendo D.Afonso Henriques como 1ºRei de Portugal. A 5 de Outubro de 1143 é reconhecida a independência de Portugal pelo Rei Afonso VII de Leão e Castelo após a assinatura do Tratado de Zamora.

Em 1179 o Papa Alexandre III através da Bula Manifestis Probatum confirma e reconhece Portugal como país independente e soberano protegido pela Igreja Católica.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Naquele Tempo IV - Macgyver

Macgyver é um clássico das séries de televisão. Para além de Michael Knight , Macgyver preencheu muitos serões da nossa infância-adolescência....

Para além de ser um heroi que resolvia todos os crimes e era o terror dos homens maus ( muitas séries norte-americanas daquela altura eram assim....); Mac tinha a particularidade de praticamente ser um homem dos sete costados. Ora andava de jipe, de parapente, autocarro, cavalo, entre outros......

Mas a grande caracteristica de Macgyver ( e que todos comentavam..) era que este super-heroi dos anos 90 tinha sempre tudo o que precisava à mão. Podia estar na rua com nada das mãos que tirava do bolso um objecto qualquer que resolvia os problemas todos. Lembro-me perfeitamente de um episódio em que estava cercado numa cabana e de repente tinha ali à mão todos os artefactos necessários à prosecução dos seus intentos.

É bom não esquecer o seu melhor amigo : um canivete....

Só isto revela a inteligencia de Macgyver

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Natal

Feliz Natal ou Boas Festas?

São os votos da equipa do Olhar Direito.

Um conto de Natal....

O Natal já não tem o mesmo significado á medida que vamos crescendo.....

Em pequenos só nos interessam os presentes. Fazemos uma lista, damos aos nosso pais e exigimos que eles nos comprem tudo. Se nos falta algum brinquedo da lista, amuamos. No nosso imaginário, o Pai Natal é o nosso melhor amigo. Aquele que traz os presentes nas costas. Que nos vai dar alegrias. Pouco interessa a reunião com a família, a união entre povos e a ajuda aos mais desfavorecidos. O nosso umbigo quando somos crianças é demasiado grande....

Depois tudo isso se torna irrelevante. Os presentes são cada vez menos, o interesse por eles também. Aliás, até começamos a achar ridiculo o porquê de termos de dar presentes numa altura destas. O ano está a acabar, Dezembro é um mês sem interesse e ainda por cima está frio. Muito frio!! Condimentos suficientes para darmos menos importância ao Natal. Imaginam o Natal no Verão? Com todos felizes porque está calor, ninguém está preocupado com constipações ou gripes A............... E no final do ano a carteira das pessoas normalmente está vazia.............E somos assaltados por campanhas só por causa do Natal : são os jantares especiais, só porque é Natal, quando no resto do ano está tudo metido para seu lado, são as festas "especiais" em honra do Natal, os anuncios e campanhas atraentes também só por causa do Pai Vermelho.

E por fim, o Natal daqueles que não têm nada nesta altura. Daqueles que vivem mal. Sem um presente para receber. Só que essas pessoas não podem ser só recordadas por causa do Natal. Porque no resto do ano também viveram mal. E durante esse período ninguem lhes dá importância.

O Natal alcançou na era da globalização e do consumismo um poder enorme. Tudo serve para se "utilizar" a palavra Natal.

Só espero que não acabem com a verdadeira razão do Natal.

Para vocês qual é?

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Pobre 2009

Este ano foi dos piores que passaram.....

Em termos globais o ano 2009 foi o de todas as crises : a crise económica que abalou os mercados e levou milhares de empresa à falência e trabalhadores ao desemprego. À crise económica juntou-se uma crise sanitária. Com o aparecimento da primeira epidemia de gripe do Século XXI. Estou a falar da Gripe A.

A juntar a estas duas crises, surgiu mais uma : a crise ambiental. O mais que provável aquecimento global não teve o combate que merecia na recente cimeira de Copenhaga. 2009 agradece, pois será 2050 ou 2060 a não ter que sofrer com as consequências.

Com a crise económica, sanitária e ambiental, eis que ao findar o ano surge mais uma crise. A crise política em Portugal. Apenas três meses depois da tomada do novo governo, parece que o PS está farto do seu primeiro-ministro, a oposição tenta criar as maiores dificuldades e o PR está mais alerta do que nunca. Condimentos necessários para que em 2010 tenhamos uma crise política bem viva. E com 2011 e as presidenciais no horizonte.

De nada valeu a 2009 "dar" três eleições a Portugal para que este país estabilizasse.

Mas com isso está 2009 nas tintas.....

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Estamos Tratados Parte XI

Com o Tratado de Lisboa a Europa passa a ter um presidente permanente (tendo sido escolhido um desconhecido na Europa e no resto do mundo), uma alto-comissária (será alto ou alta?) que não se conhecia antes e um presidente da Comissão, que ao fim de cinco anos no serviço, o mundo político reconhece. Ou seja,aproveitando a boleia da pergunta de Kissinger, agora há três pessoas para atender o telefone na Europa. Mais 27, tantos quantos os ministros de negócios estrangeiros. Ou alguém acha que por obra e graça de um Tratado desaparecem os interesses específicos de cada país?

Com o Tratado de Lisboa, muitos dos temas que obrigavam à unanimidade no Conselho passam a poder ser decididos por maioria. Para muitos, este é um grande avanço porque se reduz muito bloqueio por causa deste ou daquele interesse nacional. Ao mesmo tempo, o Parlamento Europeu e os seus mais de 700 deputados passam a ser co-decisores em muito mais assuntos. Só um distraído é que pode pensar que negociar o voto de 300 e tal deputados vai ser mais simples do que superar o veto de Malta ou de Portugal.

Outra das maravilhas anunciadas é o fim das presidências rotativas que, dizia-se, criavam muita instabilidade. De seis em seis meses mudar o responsável pelos dossiers era uma desorganização. Acontece que as presidências rotativas não acaba. O chefe de estado ou de governo do país da presidência deixa de presidir, porque há um presidente permanente, mas as presidências sectoriais continuam a ser rotativas. Ficámos com o pior das duas soluções: perde-se a simbologia, as presidências rotativas perdem importância e, provavelmente, interesse, mas a obrigação dos governos nacionais e confusão rotativa mantém-se

A maior virtude do Tratado de Lisboa é não ser a Constituição Europeia. E a sua aprovação tirar-nos do trauma colectivo em que a Europa se tinha metido por causa dos sucessivos chumbos.

Resumindo, o Tratado de Lisboa não resolve muitos dos problemas, cria novos e, sobretudo, não é um milagre. A Europa precisa muito mais de lideranças políticas do que de tratados. Mas isso não se arranja por consenso.

texto de Henrique Burnay (www.31daarmada.blogs.sapo.pt)

domingo, 20 de dezembro de 2009

Os melhores de Portugal?

Benfica e FC Porto jogam hoje no Estádio da Luz.
Quem vencer ficará mais próximo do líder Sp.Braga.
Dizem que se vão defrontar as melhores equipas de Portugal. Que têm mais força, melhores jogadores, jogam mais bonito, será?
Também são os maiores rivais. Apesar de rivalidade Benfica-Sporting ser enorme, devido a circunstâncias geográficas, a verdade é que adeptos do Benfica e Porto não se podem ver uns aos outros por causa da sua enorme rivalidade. Tanto o Benfica , em Lisboa como o Porto no Norte representam duas forças enormes. Não só a nível desportivo mas também em termos sociais.
Daí que estes embates sejam sempre preparados de forma minuciosa e muito cuidada.....E o que está em jogo seja sempre mais do que um resultado. Mas sim a afirmação de uma região sobre a outra....
Serão Benfica e FC Porto os unicos com capacidade para vencer em Portugal?

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Palpites XI

Achas que os EUA vão respeitar os acordos de Copenhaga?
  • SIM 8 votos 30%
  • NAO 18 votos 69%

Ainda há mãos por limar

O mundo do futebol anda em alvoroço. Não por causa desta mão, mas por tudo o que ela representa no Mundo do futebol.
Os problemas não são os golos marcados em fora de jogo, com a mão ou os penaltis inexistentes. A verdade é que a juntar a isto temos os escandalos de corrupção por esse mundo fora.
O futebol tem se vindo a tornar um desporto cada vez mais sob suspeita. A não introdução das novas tecnologias nos estádios é uma desculpa. Porque a batota vai continuar. E nunca como hoje existem fortes indicios para acreditar que no futebol há cada vez mais batota.
O que deveria ser um jogo familiar e honesto está a tornar-se num desporto sujo. O facto de movimentar milhões faz com que seja imperioso ganhar.
Ao contrário de outros desportos onde o fair-play é regra; nomeadamente o Rugby, o jogo de futebol está a perder essa caracteristica. Não tem sido visto como um desporto exemplar. Existe muitas faltas simuladas, agressoes, escandalos, violência...........
É preciso limar as mãos que estão a "acabar" com este desporto.....

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Um Tigre no Buraco

Tiger Woods, um dos mais conceituados golfistas de sempre está a pensar abandonar a sua brilhante carreira. Não porque tenha tido um acidente, perdido um duelo e ficado derrotado, mas porque a sua mulher não quer que ele jogue mais. Tudo porque descobriu que o seu marido lhe era infiel. E agora parece que andam à "caça" das amantes dele. Esta história só vem comprovar o poder que as mulheres têm nos dias que correm. Até os patrocinadores (principal suporte de Woods), estão a rescindir contratos. O Mundo do golfe está triste pois vai perder uma das suas jóias, tudo por causa de uma mulher. Ou será melhor dizer : por causa de várias mulheres?

Woods falhou no shot e acabou sem o taco na mão.

Depois de anos de sucesso, de ser visto como um exemplo tanto no desporto como na vida; eis que lhe aparece um dilema :

a mulher ou o golfe? (como decidiam....)

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Blogstória

Continuação da História, Bloggincana de Dezembro ver http://www.oculosdomundo.blogspot.com/ Mas a verdade é que havia qualquer coisa nos espelhos. Pareciam que tinham vida. Será que também falavam?. Era estranho mas Flávio sentia que aqueles estavam a incomodar o seu espírito. Algo lhe dizia que tinha a ver com o seu futuro. Sentia a sua vida em perigo.... Tal como a da sua mãe.....

continua aqui -->http://carla.ro.blog.uol.com.br/

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Imigração Ilegal e Anistia no Brasil

O Brasil é conhecido, mundialmente, como exportador de imigrantes ilegais e isso não é novidade. Na verdade, o que há de novo é que aqui também há imigrantes ilegais e não são poucos.

O Ministério da Justiça calcula que haja cerca de 50 mil imigrantes ilegais, enquanto ONGs estipulam que o número de ilegais no país beire os 200 mil.

E sabe qual é a nacionalidade da grande maioria dos imigrantes ilegais no Brasil? Pasmem: PORTUGUESES. Em segundo lugar, vêm os bolivianos.

A diferença é que os portugueses não chegam a ser explorados no país devido ao nível sócio-cultural que ostentam.

E para combater a ilegalidade, o governo brasileiro sancionou uma Lei de Anistia, em 02 de julho de 2009, para regularizar a situação dos estrangeiros ilegais no país, e o prazo para requerer a anistia acaba agora dia 30 de Dezembro de 2009.

Aqui ponho o link de um texto que fiz para o site brasileiro (http://www.lawrei.com.br/) do escritório de advocacia português para o qual trabalho, Miguel Reis & Associados, onde dou todas as informações necessárias sobre a Lei da Anistia e como requerer a mesma. Para acessar o texto CLIQUE AQUI.

Larissa Bona

OBS.: Site português da Miguel Reis & Associados: http://www.lawrei.com/

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Resultados 1ªfase - Concurso de Poesia

Resultados da 1ª fase do 1ºconcurso de poesia Olhar Direito:
  1. Francisca Soromenho com Graphic Lyrism 3 pts
  2. Andre Rocha com Catharsis 2,8 pts
  3. Luis Brandao com Ópera Anónima com 2,6 pts
  4. Sandra Andrade com Momentos 2,2 pts
  5. Carlos Reis (exaqueo) com Desvarios 2,2 pts
  6. Michele Alexandra Gomes com Saber Amar 1,8 pts
  7. Yucania Cruz com Procura Absoluta da Humanidade 1,6
  8. Helena Felix com Bruxas 1,6
  9. Luis Filipe Pereira Reis com Querer 1,4 pts
  10. Andreia com Minha fonte de Inspiração 1,4 pts

Passam os oito primeiros à Segunda fase do concurso.

Resta -me agradecer a participação de todos e em especial ao Luis Filipe Reis e à Andreia.

Na Segunda Fase, que começara logo no dia 5 de Janeiro eis as regras:

- Cada um publicará dois poemas. Os temas serão divulgados oportunamente. Os poemas serão divulgados alternadamente para dar possibilidade aos concorrentes de melhorarem a sua performance no segundo poema.

- Só saberão o resultado dos poemas no fim de cada ronda. No fim da primeira ronda de poemas e que vão saber os resultados. Embora a Marta possa comentar. E no fim da segunda serão feito os resultados finais. Da primeira e Segunda ronda conjuntamente. Todos saberão os resultados no próprio dia.

- Passam os primeiros 5 classificados.

Oportunamente enviaremos um email para saberem os temas e a data das publicações.

Nota: Como tiveram oportunidade de reparar, os poemas não foram publicados na data por mim indicada. Peço desculpa pelo facto. Na 2ªfase, os poemas serão publicados no dia exacto.

Agora tenham um bom Natal e começem a pensar nas vossas obras...

2.6 Reconquista

A Reconquista é a designação historiográfica para o movimento cristão com início do século VIII que visava à recuperação dos Visigodos cristãos das terras perdidas para os árabes.
Por volta do ano 711, aquando da invasão berbere, obrigando os visigodos a refugiarem-se na montanhas das Astúrias.
Foi em 718, que Pelágio (uma espécie de Viriato); dá inicio à Reconquista. Esta durou cerca de oito séculos. Foi durante esta fase que se deu o nascimento do Reino de Portugal e de outros reinos hispânicos.

Perguntam : Quem foi Pelágio? Não se sabe ao certo a sua origem, mas existem três teorias: desde que ele era um servo, a um galego e por fim que era Duque da Cantábria.

Voltemos à Reconquista.....

A primeira grande vitória sobre os árabes deu-se em 722 na Batalha de Covadonga. Tendo como mestre Viriato em termos tácticos, Pelágio e a sua trombeta conseguiram que os cristãos chegassem à esquerda das gargantas de Covadonga sem serem sentidos pelos árabes. Aquando da aproximação destes, os cristãos recuaram e os primeiros, atribuindo ao temor esta fuga simulada, precipitaram-se em sua direcção. Do cimo dos rochedos surgiram guerreiros que dizimaram os africanos e os renegados godos com tiros e lançando rochedos.
Depois da batalha de Cangas de Onís, em que os sarracenos tiveram uma estrondosa derrota; os povos africanos começaram a recuar. Os cristãos tinham ganho esta luta.

Tempo agora de falar dos Reinos Cristãos....

O primeiro Reino Cristão foi o das Asturias, fundado por Pelágio. No Século X foi a vez do Reino de Navarra ser constituido.
No século XI, Sancho de Navarra, anexou o condado de Castela. E aquando da sua morte, dividiu os reinados pelos seus três filhos. Nasceram então os Reinos de Castela e Aragão.
Com esta divisão e também pelo facto de cada Reino ser entregue a cada filho dos Reis, existiram várias lutas e guerras dentro da Península Ibérica.
Com isto nasceu o Reino da Galiza e de Portucale.
E 1605 , Fernando I antes de falecer repartiu os seus reinos pelos filhos. Coube a Garcia ficar com o Reino da Galiza. Afonso VI de Castela após ter morto os seus irmãos ficou novamente com todos os reinos.
Afonso VI oferece o reino da Galiza a Raimundo, conde de Borgonha. A Galiza até ao Tejo ( antes de ser reconquistada aos mouros), fica mais tarde nas mãos de D.Henrique, irmão de D.Raimundo. D.Henrique fica com o condado Portucalense, que mais tarde viria a ser independente graças ao seu filho D.Afonso Henriques.

Mas como nasceu o condado Portucalense?

Em 1093 os nobres galegos e do condado portucalense tomam aos arabes, vindos da Mauritânia, Santarém, Lisboa e Sintra estendendo a Reconquista até ao Tejo. Apenas Santarém voltou a ser dominada pelos Sarracenos. Cidade que D.Afonso Henriques devolveu à pátria em 1147.

continua dia 28....

domingo, 13 de dezembro de 2009

UM CLIMA CÉPTICO

Paira no mundo um clima de cepticismo global. Em Copenhaga os interesses económicos discutem por quanto mais tempo vão poluir o planeta e que contrapartidas dão para mais umas toneladas de CO2. Não é o clima que está em discussão. São apenas números. Os cépticos dizem que o CO2 até faz bem. O povo que gela e o povo que arde fica confuso e quem tem fome não percebe onde fica o Natal. A espionagem política alastra. Fogem documentos comprovativos de dados climáticos manipulados. O povo fica com mais frio e com mais fome e desconfia que o Natal é, provavelmente, produto de uma manipulação genética entre o burro e a vaca, no palheiro divino. Já não sabemos. O Solstício de Inverno invade-nos os corações e entramos no consumo desenfreado e compulsivo. Salvam-se alguns postos de trabalho. É a nossa caridade natalícia. A caridade que nos dará o reino dos céus, já que o outro está poluído e deus anda distraído. A crise parece esquecida no meio dos embrulhos acetinados e do papel couché. O casino da bolsa voltou a funcionar. “Les jeux sont faits”… Mais um ou dois anos e teremos outro estrondo e o CO2 fica adiado para a cimeira do “Salve-se Quem Puder”. Estranhamente, um Presidente da nação que mais mata por segundo ganha um Nobel da paz, no preciso momento em que anuncia mais guerra. Ai, que bonito que era o discurso e que bem construído… O raio que o parta! O clima anda estranho e eu ando céptico. Ou será ao contrário? Por cá os “palhaços” andam à solta e, como somos pobrezinhos, em vez de espionagem, andamos na espiolhagem política. Umas boas festas e mantenham-se activamente cépticos.
Jorge Pinheiro

sábado, 12 de dezembro de 2009

Bandeira da Bosnia

A bandeira da Bósnia é sem duvida uma das mais bonitas que por aqui já passaram. Não sei porquê, mas o azul fica muito bem nas bandeiras. Chama a atenção, muito mais que o encarnado e verde.....

Não foi fácil para a Bósnia adoptar esta bandeira. Até porque foi preciso lidar com vários sensibilidades.....

Em 1991, após a independência a Bósnia adoptou uma bandeira com um escudo azul e faixa branca com flores de lis douradas. Este escudo foi utilizado pelos Reis Bósnios. Mas como irritou as comunidades croatas e sérvias, tiveram que mudar.....

Mais tarde, houve três propostas para a bandeira da bósnia. Mas nenhuma delas foi aceite.

No segundo grupo de propostas, as cores predominantes era o encarnado e azul nas laterais com o mapa do país no meio rodeado de estrelas douradas. Também não foram aceites.

Foi Carlos Westendorp quem se aproximou do modelo que hoje conhecemos, mas a primeira proposta apresentada tinha um fundo azul claro como fundo.

A bandeira actual foi adoptada a 2 de Fevereiro de 1998. O Parlamento bósnio não chegou a um consenso e por isso teve de ser o Alto Comissariado das Nações Unidas a eleger a actual bandeira.

As três pontas do triângulo representam a teoria trinacional da Bósnia ( croatas, sérvios e bosníacos). As estrelas representam a Europa, nomeadamente a UE que teve um papel primordial na sua independência.

Foi uma maneira de agradecimento....

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Mulheres XX

Shakira....Shakira!

Recentemente em Portugal, não tive oportunidade de conhecê-la.

Excelente forma de festejar a 20ª Modelo aqui no Blogue

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

"Roberto Barbosa - Um Olhar de Fogo" - Lançamento

Lançamento do Livro de Jorge Pinheiro "Roberto Barbosa, Um Olhar de Fogo" (http://www.expressodalinha.blogspot.com/) no IADE pelas 18h30, amanha dia 11 Dezembro

Nao faltes

Una Voz Cubana

Carta para mis amigos desconocidos

Se puede haber nacido en el capitalismo mas salvaje del planeta y haberle ido mal toda la vida,creer que no es una sociedad muy justa y pensar que el socialismo es la solución a esos problemas,eso es un tema filosófico que cada cual lo interpreta según lo que le ha tocado vivir y el medio donde se ha formado.

Pero cuando hablamos de derechos humanos, tenemos que apartarnos de toda ideología y concentrar nuestro análisis en algo mas simple como es esta corta vida.

Nadie quiere vivir sin libertad,porque es un derecho decidir que quieres hacer con tu vida,que decir,que opinar,por quien votar en elecciones libres y multipartidistas donde tengas la opción de escoger,determinar que quieres estudiar,si no quieres ir al ejercito,si quieres salir a buscar fortuna a otras tierras y si te va mal o bien regresar a tu casa junto a tu familia,ir de compras y elegir que comer,que ropa usar,a que discoteca ir,donde pasar tus vacaciones,poner tus fotos en Internet,conocer amigos de otras culturas,dialogar,intercambiar visiones de futuro,coordinar proyectos o empresas para negociar,son estas algunas de tus libertades en ese país que te toco nacer.

Pero en un país donde lo anteriormente mencionado esta vedado para sus ciudadanos,donde existe un apartheid,donde se discrimina por la forma de pensar,por la forma de vestir,hasta por la música que oyes,es algo que va mas allá de lo que podrías soportar.

Tal vez eres uno de aquellos que creció oyendo un susurro de una revolución de los pobres, de los humildes y te identificaste con ella,quizás leíste alguna literatura o escuchaste muchos apasionados discursos sobre una luz en el camino y viste en eso un rayo de esperanza,no es pecado,eres humano,sensible y de buenos sentimientos,pero la realidad que en gran parte desconoces es tan distinta y diferente que aun hoy delante de tus ojos te niegas a creer.

La revolución de los pobres que te hablo no es distinta de otras revoluciones de la historia,que en su afán de cambio,borro todo lo que pareciera pasado,aunque fuera bueno,asesino o desterró a sus hijos mas prósperos y prominentes,se devoro a sus propios hijos con la ilusión de no apartarse de su misión de proteger a los desposeídos,pero herró el camino,porque la historia no se escribe solo para que se reproduzca en libros y por mas empeño y recurso invertido en la imagen de la revolución,su descomposición ya apesta.

Tal vez no tuviste ojos para ver,porque solo te llegaba la información permitida a salir de la cortina de hierro,seguro nunca pudiste escuchar las voces de lamento del esclavo azotado,pues no teníamos medios para amplificarlo hasta ti,pero si has madurado,podrás oler,tocar y saborear,lo que para ti ya es conocido.

La corrupción,el abuso de poder,la censura,la discriminación,la violencia,la prostitución,la falta de atención medica,de oportunidades,la cárcel por disentir,el dolor por el familiar fusilado,ahogado en el mar por intentar escapar,son algunos olores que empiezas a sentir de aquella revolución que anchaba tu corazón.

Ahora me puedes tocar,soy un exiliado,uno mas de los casi tres millones que se han acumulado a lo largo de este medio siglo de tiranía,que por decir lo que piensa no puede regresar,si pones ahora mismo tu mano bajo el monitor,podrás recoger una de mis lagrimas,en ella encontraras el sabor de la tristeza,la frustración de quien siente que sus mas sagrados derechos humanos están siendo violados por una dictadura militar sin corazón,que es incapaz de comprender cuanto daño le ha hecho a las generaciones que han vivido bajo su bota y cuanto han atrasado a la nación que los engendro.

Tu haz vivido tal vez bajo una bota y me sabrás comprender,nuestros sentimientos como humanos están por encima de cualquier ideología,raza o religión,por lo que te pido que habrás tus ojos para ver mi realidad y escuches este grito de dolor de un cubano,que solo te pide comprensión,mis derechos deben ser respetados tanto como quieres que se respeten los tuyos,quiero tener un futuro tan lindo como el que sueñas para ti,quiero que mi tierra sea prospera para no tener que emigrar,quiero que los políticos que elija me representen y luchen por mi bienestar,que la policía no me golpee por reunirme con amigos a hablar de planes para un futuro mejor,que la justicia no me castigue porque me quise expresar,que no se me encarcele por gritar que vivan los derechos humanos.

Si crees que pido mucho,me puedes olvidar,pero si crees que lo que pido es justo,cada vez que veas a un cubano que enfrenta a la tiranía que lo oprime,bríndale tu solidaridad y te estaré tan agradecido,como si lo hicieras por mi.

Frank Caner

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Guerra em tempo de Natal

O Natal deveria servir para reflectir, as pessoas terem um espírito pacífico e mais tolerante. É essa a mensagem do Natal. Em todo o Mundo milhões de familias reunem-se para celebrar esta quadra. Em muitos casos, o Natal serve para juntar a familia, unicamente possível nesta quadra. Livre de guerras e maldade, é este o espírito do Natal....

Mas há uns anos para cá este espírito tem-se vindo a perder.

Tudo por culpa de um passáro amarelo e de um rinocerante cor-de-rosa.

Sabem de quem estou a falar?

Da Leopoldina e da Popota, esses dois animais que aterrorizam as crianças do nosso país. Até já chegou ao ridiculo do passaro amarelo se vestir à "Tomb Raider" como que a ameaçar os miudos de que se não forem comprar brinquedos podem ser alvos de um assalto. Já a Popota dança ao ritmo dos Buraka Som Sistema, conseguindo afastar todos aqueles que gostam da musica deste grupo.

Infelizmente o consumismo atingiu este estado de coisas. Ou será também a globalização?...... Ninguém sabe ao certo, mas a verdade é que tende a piorar porque os milhões que se gasta com esta publicidade é enorme. E apenas por mês e meio, porque a partir de dia 25 estes dois animais vão voltar a hibernar com a promessa de regressarem no ano que vem com mais novidades.

trarão companhia?

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Ópera Anónima - 11ºPoema

Silêncio!Peço ao intento alto
Do meu pensamento…
Uma hora a menos de sonho…
Peço só …ausência de sentidos,
De linhas estupidamente incompletas.
No plano mais exíguo da noite!
Destes dias.
Silencio…ausência de sentidos, sentindo a ausência,
De todo o sentido ausente,
Com que me ausento de mim…
E no clarão heterogéneo da genética da realidade,
Peço! Silencio… (para em silêncio me silenciar)
Porque o silêncio do pensamento…
É a música, sem timbre, sem cadência, sem sonância,
Mais sonante das músicas.
A musical, insonoridade
Do silêncio…
É um acesso restrito da mente,
Onde grito em vinil riscado
Entre as paredes anónimas do ser…
E não me ouço….
Xiu….silêncio.

Poema de Luis Brandão

Sei que ando devendo uns posts sobre o tema Federações do Brasil, ocorre que nas últimas semanas foram tantos temas polêmicos e interessantes que eu deixei a série de lado.

Mas hoje retorno com o tema e vou falar sobre o Rio Grande do Sul que, em minha opinião, se trata da Unidade Federativa do Brasil menos brasileira de todas, muito embora possua um papel marcante na história deste país.

Localizado no extremo sul brasileiro, o Rio Grande do Sul (RS) faz fronteira com Uruguai e Argentina (sul e oeste) e ao norte com o Estado de Santa Catarina. Sua capital é Porto Alegre.

A história deste Estado é marcada pela guerra, o que considero a primeira característica que distingue essa federação das demais do Brasil, pois o país, como um todo, sempre teve anseios pacifistas.

Os conflitos armados, envolvendo o RS, começaram a partir da formação do Império, no século XIX, com a Guerra Cisplatina, passando pela Guerra dos Farrapos – a mais significativa revolta que houve no Brasil, liderada por Bento Gonçalves e participação mais que especial de Giuseppe Garibaldi - e só foram acabar no governo de Getúlio Vargas em 1928.

O clima do Rio Grande do Sul também é completamente diferente do resto dos Estados do Brasil. Lá as quatro estações são bem definidas e, no inverno, há cidades que chegam a nevar.

A população do RS também é bastante distinta, porque há menos mestiços e mais descendentes de europeus, principalmente, portugueses, italianos e alemães, que nos demais Estados.

Na verdade, relativamente aos imigrantes italianos e alemães, existem verdadeiras colônias com dialetos e tudo, inclusive existem cidades onde o português não é a língua mais falada.

Esse é um traço a mais que distingue o RS das outras unidades federativas, pois que me conste, apenas os Estados da região Sul possuem dialetos. Em todos os demais, a população apenas fala o português.

Outra coisa interessante é que se trata da única federação brasileira onde há um movimento separatista significativo. O que a meu ver denota o espírito de nação que o povo deste Estado, também conhecido como gaúchos, assumiu.

De certo, a existência de tais movimentos é algo tradicional no Rio Grande do Sul, desde a Revolução Farroupilha, quando foi proclamada a República Riograndense, que durou oito anos.

Além do mais, trata-se de um povo extremamente tradicionalista e que cultua as tradições gauchescas do Estado: os trajes típicos como as bombachas, os chimarrões, os churrascos e a maneira de ser do gaúcho, tchê!

A economia do RS corresponde a 7,7% do PIB nacional, baseada na agricultura de commodities como soja, trigo, arroz e milho, pecuária e indústria de couro e calçados, alimentícia, têxtil, madeireira, metalúrgica e química, isso sem falar da produção de vinho.

Já o poder Judiciário deste Estado é nacionalmente conhecido por suas decisões de vanguarda, inclusive no que tange à assuntos polêmicos, como direitos dos homossexuais.

Por fim, destaca-se que o Rio Grande do Sul é o berço de diversas personalidades como Elis Regina, Gisele Bündchen, Getúlio Vargas, Daiane dos Santos, Ronaldinho Gaucho, Dunga, Luís Felipe Scolari, Nelson Gonçalves, Xuxa e outros.

Larissa Bona

PS: Ainda não processei o feito de que nossos amigos portugueses serão nossos adversários na Copa do Mundo de 2010. Pelo menos, viva o grupo G da copa, o grupo mais lusófono de todos.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Tema do dia XI

A democracia está doente?
Dezembro 2009

11 evento

domingo, 6 de dezembro de 2009

Olhar a Semana - Ao menos sabemos organizar....

Portugal esta semana esteve nas bocas do Mundo : Pelo menos na boca do "mundo" da América Latina e do "mundo" europeu.

No Estoril e em Belém, Portugal organizou dois eventos a nivel Mundial. E ficam a saber, para aqueles que gostam deste tipo de acontecimentos que em Novembro do próximo ano vai ser organizado em Portugal a Cimeira da NATO. Mais uma oportunidade para mostrarmos a nossa boa organização. E quem sabe para Socrates continuar a mostrar a sua projecção internacional. Se chegar lá....

A Cimeira Ibero-Americana e cerimónia da entrada em vigor do Tratado de Lisboa foram os acontecimentos que decorreram na Capital. Sempre na capital e seus arredores. Pois é necessário organizar jantares e o PR não está para sair do Palácio de Belém.

Foi também mais uma oportunidade para que o trânsito estivesse condicionado. É mais uma benesse que damos a quem nos visita. Principalmente tratando-se de ditadores ( se Chavez, Castro ou Morales tivessem vindo, estavamos de quarentena....); é necessário dar-lhes toda esta atenção. Em primeiro lugar os presidentes de outros países, e depois sim os cidadãos nacionais. Faz-me confusão este rigor em relação à segurança e condicionamentos de trânsito neste tipo de eventos. Até a zona de Belém que só ia ser utilizada na Quarta Feira já estava condicionada no Domingo......

Pena que não tenhamos as mesmas preocupações quando se trata de outro tipo de eventos. E que o conteúdo destas duas cimeiras tenha sido quase nulo. Declaração a condenar os acontecimentos nas Honduras? Tudo bem. Mas se os EUA apoiam que interessa a opinião dos outros? E o Tratado de Lisboa que entrou em vigor à força após terem "forçado" os irlandeses a mais um referendo?

Temos visita do Papa em Maio e ao que se sabe as obras no terreiro do Paço vão ser aceleradas. Pena que os lisboetas não tenham o mesmo tipo de tratamento ao poderem usufruir daquele espaço mais cedo. Só por causa do Papa. E que sua Santidade irá dar uma missa naquele espaço. Há por ali uma Igreja que eu não estou a ver ou vão também fazer uma em especial para o Papa?

Quando Obama vier a Portugal ninguém vai trabalhar, pois vai ser proibido sair de casa....

sábado, 5 de dezembro de 2009

Minha fonte de Inspiração - 10ºpoema

Preciso de ter contacto com ela

Para sentir sua voz e seu toque

Para que possa transmitir isso

Em meu caderno

E com minha caneta

Escrever sua beleza

Em minhas palavras

Mas o seu toque feminino

É tão doce que me derreto num olhar

E deixo minha imaginação apoderar-se

De minha caneta

E escrever tal perfeição

Em mínimas letras

Tento seu nome escrever

Mas é demasiada a sua importância

Demasiada para ser

Jamais minha ignorância

Que beleza em pessoa

Que enaltece qualquer ser

Deixa minha cabeça à toa

Sem saber o que escrever

No seu rosto

Quero passar minha mão

Mas o brilhar dos seus olhos é ofuscante

Que deixa meu coração

Em ansiedade constante

Sua face me fascina

E perfeitas são as suas saliências

Quero tocar-lhe

Quero dizer-lhe

Como ela é minha essência

Essência do meu viver

Que jamais sairá

Deste saber

Que ninguém mais do que eu a amará

Poema de Andreia

Exposição Taurina

Exposição de fotografia e Pintura Taurina até dia 19 Janeiro na Rua Serpa Pinto, nº10 no Chiado..

Para os amantes da Festa Brava

Em directo do Cabo....

Zacumi dá as Boas Vindas

Também vamos estar na África do Sul

- Acompanhamento dos jogos

- Uma retrospectiva de todos os Mundiais

- Uma visão da África do Sul

- Heróis de Portugal ( radiografia dos nossos jogadores)

Vem connosco até à África do Sul

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Terra de Barões

No Brasil os fenómenos de compra do poder têm uma origem que é, aliás, há muito tempo estudada por lá. Ao contrário de cá, onde esses fenómenos são vistos do ponto de vista jurídico e jornalístico, sempre faltando o olhar do sociólogo, do historiador, do politólogo ou simplesmente do antigo actor político em confissões, no Brasil principiou-se a narrar a história da colonização como forma de encontrar os parâmetros culturalistas de um Estado autoritário e patrimonialista. A resposta que os brasileiros encontraram esteve primeiro na obra de Max Weber; foi por aí que Sérgio Buarque começou na década de 1930, dedicando-se no "Raízes do Brasil" ao carácter passional do brasileiro, imagem do Homem Cordial e descendente directo do iberismo, aquela forma de estar que colocava portugueses e espanhóis frente a um capitalismo de índole protestante, praticando o personalismo necessário. Seria, como no dizer de António Cândido, “[de] nossos ancestrais ibéricos ter-se-ia, pois, herdado, o culto a personalidade ou personalismo, traduzido por uma valorização extrema da autonomia individual e uma aversão a qualquer tipo de dependência. O princípio de hierarquia, tal como entre os ibéricos, teria aqui também sido sobrepujado pela competição individual (…) Em terra onde todos são barões não é possível acordo coletivo durável, a não ser por força exterior respeitável e temida.”

Essa força exterior respeitável e temida encontra, Raymundo Faoro, na génese do Estado brasileiro; com um regime e uma cultura política centradas no patrimonialismo-estamental, o Brasil seria, para Faoro, a manifestação da falta de uma burguesia anti-feudal em Portugal. Sem a implementação de um sistema feudal, a burguesia limitou-se a querer suplantar a nobreza, copiando os seus vícios; ora, com a chegada do capitalismo não se observou a quebra do regime patrimonialista, mas sim a sua continuação, moldando-se, natural e artificialmente, às transições políticas e às mudanças jurídicas. Com o patrimonialismo observa-se, também, o surgimento e o alimentar contínuo de um Estado que domina a iniciativa privada, que invade o espaço público sem deixar que ele se expresse autonomamente, criando-se um quadro em que a sociedade se encontra divorciada dele, onde o público se transforma na figura do chefe de Estado.

O que Buarque e Faoro falam é de um processo em que Cícero não entrou, pois não houve o salto da casa para a sociedade. Assim, quando se propagou a divisão entre o público e o privado ficou-se por uma névoa de comportamentos e conceitos que não permitiram a divisão perfeita entre as duas esferas: o privado que entra no público com o Estado familiar; o público que entra no privado obrigando esse mesmo privado a fugir, de cautela, aos impostos que não quer pagar; porque, tal como Buarque diz, o personalismo vence nas relações entre o Estado e a família. Porque o “negócio” ou é familiar e então assume uma das vertentes do personalismo, ou seja, não quer ter nada a ver com o Estado ou o “negócio” é estadual e quer estar debaixo da asa dele o tempo todo. O mesmo acontecendo com o autoritarismo quando a regra de Políbio fica de fora e o dono passa a controlar as duas esferas, ficando todos dependentes do poder mais ou menos discricionário do chefão, do chefe e do chefinho.

O que vemos é a importação de um modelo patriomonialista-estamental de sociedade, onde impera o Estado como dono da iniciativa, onde impera o senhor do engenho, depois grande proprietário. Dali surge o coronelismo como fenómeno rural, vertente moderna do pater famílias que ganha peso na sociedade com o apoio dos agentes de um Estado que permanece grande para pequenos problemas e tem de delegar micro-poderes - que no micro são grandes e assolam as vidas das pessoas através do controlo passional ou material -, ou através da iniciativa tradicional do proprietário que, através de um poder consumado local ou regionalmente, congrega interesses variados que chegam à esfera do nacional e do governamental. É o proprietário que tanto negoceia com o governo liberal ou com o governo conservador, que tanto negoceia com a monarquia e com a república.

Nas cidades surge o mandonismo e o clientelismo, netos e sobrinhos do coronelismo que aprenderam a não utilizar o elemento passional, mas que no entanto são mais eficazes, pois ora se fazem no meio da anomia social reinante, captando votos semanas antes ou mesmo no próprio dia da eleição, ou são rede de contactos dentro ou fora de partidos, entre empresas e altos-cargos do Estado. É o bacharel que pratica a tão célebre frase “Yes Mr. Prime Minister.”; é o traficante, sobrinho-neto do coronel, que na favela assenhora-se do morro para controlar os votos dos moradores, negociando-o com os candidatos à prefeitura; ou ainda é o deputado que recebe dinheiro de alguma empresa ou Administração Estatal.

Porque tudo terá começado no pau-Brasil e na sociedade de barões, acabando hoje em Panetone Gate, com repercussões para a democracia que espera-se, dê uma resposta ao sucedido; o judicial já deu. Só esperamos que Arruda (DEM), dado como candidato a vice pela faixa tucana 2010, não possa candidatar-se de novo; pelo menos trocar de partido já não pode.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Personalidade do Ano 2009 - 2ª Edição

Mais uma vez no Olhar Direito realiza-se a votação para a Personalidade portuguesa do Ano 2009. De todos os portugueses que este ano tiveram grandes feitos, escolhemos quatro que pela sua importância durante o ano mas também pela relevância que têm junto da Sociedade portuguesa. Especialmente no corrente ano.

Os nomes escolhidos para este ano foram :

José Socrates - apesar de tudo o que se disse dele, das suspeitas, do caso freeport, da sua governação e da crise internacional,a verdade é que conseguiu vencer as eleições legislativas. Nao com maioria mas manteve-se como Primeiro-Ministro. E isso foi uma grande vitória. Para além de ter recuperado nas autárquicas e apenas ter perdido nas europeias.

Durão Barroso - A entrada em vigor do Tratado de Lisboa também é uma vitória para ele. Conseguiu unir a Europa e 27 membros com culturas diametralmente opostas. O que é obra. Para além de ter sido reeleito Presidente da Comissão Europeia.

Carlos Queiroz - Apesar de uma campanha tibuteante, Queiroz conseguiu o apuramento para a fase final do Mundial 2010. E com condições para disputar a final. Porque qualidade e vontade não falta à Selecção. Lembram-se de 1991?

António Lobo Antunes - Não tanto porque fez este ano( lançou um romance), mas pelo que representa para a sociedade e cultura portuguesa. É justa esta homenagem pelo Olhar Direito a um grande escritor português.

Ana Jorge - Foi ela que alertou a população para a Gripe A, fez com que os portugueses seguissem à risca os planos, se comportassem de maneira adequada e para que não se entrasse em pânico generalizado. Todos sabemos como reagem os portugueses a estas situações. Teve um grande papel na mobilização e prevenção da sociedade em relação à pandemia. Meteu de lado a cor partidária e actuou como uma verdadeira Ministra da Saúde.

São estes os escolhidos, dia 1 de Janeiro saberemos quem ganhou.

Prognosticos?

Os desafios da América Latina

Por força da realização da Cimeira Ibero-Americana em Lisboa, é preciso fazer uma análise ao que é o crescimento e os problemas deste continente que emerge em termos económicos mas que em termos políticos continua com um atraso evidente.

Sem dúvida que os países latino americanos estão a crescer economicamente. Países como a Argentina e Brasil são uma prova disso mesmo. Mas o facto é que ambos os países continuam a apresentar diferenças sociais demais evidentes. A diferença entre os ricos e pobres é bastante notória. Quem fala da Argentina e do Brasil, fala do resto. Ao contrário de África que tem os seus problemas estruturais e que conta com uma ajuda enorme do resto do mundo, os países latino americanos continuam a apresentar sinais de evolução mas ao mesmo tempo de pobreza. Veja-se o caso do Brasil onde o crescimento é evidente mas depois tem um problema social grave para resolver. Ao contrário da Europa, onde o seu crescimento económico teve um salto social também muito grande. O que parece não acontecer na América Latina.

E isto leva-nos a outro problema. As constantes agitações políticas, veja-se o caso das Honduras; a perpetuação no poder de chefes de Estado como Chavez, Evo Morales ou Uribe são um factor de agitação e instabilidade na região. Apenas a Argentina de Kirchner consegue fazer o seu caminho sozinho, conseguindo separar-se da maioria dos homens latinos. Já Lula da Silva não sabe bem por onde andar. Se por Chavez ou Obama levando o Brasil atrás de si.

A América do Sul, mais do que África, é um continente onde as oscilações e as diferenças sociais são bem evidentes. O descontrolo do crescimento, a falta de politicas sociais adequadas e os problemas politicos fazem deste grande continente um problema para o Rei de Espanha resolver. Porque a unica semelhança que estes países têm é a língua!

Nada mais

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Querer - 9ºpoema

Querer é uma arte, é saber
São dimensões do universo
Do amor, de bem querer
Assim o digo aqui em verso

Quero-te por uma noite
Mas incorrigível insatisfeito
Quero-te noite após noite

Quero contigo envelhecer
Todos os dias amanhecer
No teu sorriso me perder

Quero contigo adormecer

Velar o teu sono de princesa
Nos teus sonhos poder entrar
Aí admirar a tua beleza

Por menos não quero nada
Por mais já tenho tudo
Desde que te tenha a ti
Segura, dentro de mim

Poema de Luís Filipe Reis

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Perfis

424 pessoas responderam a um desafio neste blog.
Que qualidade é mais importante numa pessoa?
Que mais admiramos no outro?
O que deve ser marcante em alguém?
A Honestidade, disseram 230 (54%) ; A Inteligencia , entenderam 70 (16%) A Responsabilidade apontaram 60 (14%) A Educação decidiram 40 (9%) A Simpatia, escolheram 24 (5%)
Ou seja, gente honesta acima de tudo, inteligente e com sentido de responsabilidade. Devem ser educados e, não fica nada mal se forem simpáticos.
Poderiamos perguntar, então quem deu mais valor à honestidade não precisa da simpatia nem liga a isso?
Não será bem assim.....
Normalmente quem é honesto tem sentido de responsabilidade e, se o tem ,é porque é inteligente.
Educação implica honestidade e sentido de responsabilidade.............
Será este o raciocínio certo?
Pode alguém honesto não ter sentido de responsabilidade nem ser educado?
A simpatia o que é?
Um honesto é antipático?
A honestidade também foi a qualidade eleito por mim e sei bem que por vezes, se somos honestos não podemos ser simpáticos.
Assim, mais vale um antipático honesto...
Não será?
Que pensam disto?

Momentos - 8ºpoema

Momentos!
Momentos, são momentos de amor, ternura e Paz interior.
Para ser Feliz, temos que ter esses ícones em nossas Vidas.
Pois, do contrário nada adiantaria.
O Ser Humano, antes de mais nada,
precisa de muita Paz Interior para ser feliz.
Precisa ter a coragem de lutar pela sua própria felicidade.
Não pode esperar que outros a tragam..
O presente está em agente descobrir este caminho, para irmos de encontro a ela.
A Simplicidade da Vida é o que mais nos faz feliz...
A singela do coração amado e desejado por outro, nos torna
forte e cheios de Coragem para Vivermos...
Ame os seus momentos.
Faça os mais belos possíveis. Viva Mais, ame Mais.
De Créditos a você Mesmo.
Abra uma Conta só para Você!
A Conta do Amor dentro do Seu coração... Não passe a senha
para qualquer Pessoa.
Escolha uma ideal e de confiança.
Para que quando precisares, ela esteja ali, Bem pertinho de
Você.
Abra a Conta do Seu Coração para pessoas certas.
Viva os meus MOMENTOS, Como se fossem os últimos e
exclusivos. Seja muito Feliz nesses Momentos eternos.
Seja feliz e ame a sua felicidade.
Lembre-se: Ninguém pode construir a felicidade por Você!
Somente VOCÊ, é responsável por ela.
Tenha lindos momentos.

Poema de Sandra Andrade

http://www.sandraandrade8.blogspot.com/

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

2.4 - INVASÕES BERBERES

1 - Estamos no séc. VII d.C. O carácter electivo da monarquia visigótica que governava a Ibéria era motivo de guerras civis entre famílias e partidos rivais. O feudalismo da oligarquia militar e religiosa, de características germânicas e influenciada pela noção ariana de castas, tornava-se cada vez mais repressivo para o povo. No Concílio de Toledo (694) foi revelada uma conjura dos judeus espanhóis para derrubar a monarquia visigótica e a religião cristã. Inventada ou não, serviu de pretexto para a sua prisão e passagem à condição de escravos, com confisco das respectivas fortunas. Os judeus espanhóis pedem, então, ajuda aos judeus do norte de África, em especial aos residentes na colónia de Ceuta. Embora o Islão estivesse já expandido no norte de África, Ceuta mantinha-se ligada a Bizâncio. Era seu governador o Conde Julião, inimigo dos visogodos e, em especial, do rei Rodrigo, por questões pessoais (a lenda fala do rapto de uma filha). Na Península a guerra civil alastrava. Com a morte de Vitiza, o rei eleito, Rodrigo, enfrentava uma revolta de grande parte da nobreza que queria ver no poder Agila, filho de Vitiza. É neste contexto que o Conde Julião, de Ceuta, é solicitado a conseguir o apoio dos Berberes à causa de Agila.
2 - O Islão estava num momento de grande expansão. A monarquia visigótica agonizava. A chamada dos Berberes para ajudar a facção de Agila transportou, em navios fornecidos pelo Conde Julião, uma frota de mouros através das Colunas de Hércules. O nome do estreito passaria a chamar-se Gibraltar ("a montanha de Tarik") topónimo do chefe mouro Yaabal Tarik, governador de Tânger, que comandou as forças invasoras. O exército de Rodrigo foi completamente derrotado, sendo o triunfo berbere facilitado pelo apoio da oposição interna e por grupos de judeus descontentes.
Rapidamente o exército berbere ocupou Córdova e Toledo (capital visigótica) e Sevilha acba por cair após prolongado cerco. O objectivo deixou de ser o apoio a uma facção goda e passou a ser a conquista da Península. A zona que hoje é Portugal foi conquistada com facilidade. Os fugitivos romano-godos das Espanhas refugiaram-se nas Astúrias e Galiza, de onde partiria a reconquista.
3 - Depois da conquista os cristãos submeteram-se com relativa facilidade. Não houve grande confrontação religiosa. O culto cristão mnteve-se, sujeuto a um tributo especial. Aliás, a doutrina corânica repele a imposição violenta da fé: "não façais violência aos homens por causa da fé" (sura II, 257). Acresce que a conversão dava menos proveitos, pois os convertidos deixavam de pagar o tributo especial. Não houve, portanto, "guerra santa", apenas a mudança de senhorio que, aliás, foi bem vinda para as classes populares e camadas rurais oprimidas pelos senhores visigodos.
A liberdade religiosa era total. Muitos mudaram; outros permaneceram na fé cristã. Na região do Algarve ("ocidente" em árabe) a islamização foi quase total e no Alentejo também, deixando de haver referências aos bispados de Beja e de Évora. Sóa anorte de Portugal se manteve resistência. A cidade de Braga, por exemplo, as lutas foram violentas e acabaram por determinar a destruição da cidade. O poder nas zonas acima do Tejo oscilou muito e, principalmente, acima do Douro só esporadicamente era mouro. Basicamente quem se opunha era a nobreza visigoda. Muitos nobres, porém chegaram a acordos territoriais e comerciais com os berberes. Outros refugiaram-se nos Pirinéus, nas Asturias ou na Galiza. Daí partiria a reconquista cristã da Península.
4 - Em 740 dá-se no norte de África uma revolta de tribos berberes que se apoderam de Tânger e vencem as tropas Sírias enviadas para dominar a sublvação. Esses reforços acabam por se transferir para o sul da Península (cerca de 7000 homens), tendo-lhes sido dadas terras. Em breve seriam uma aristocracia feudal que iria paulatinamente submeter os berberes das regiões mais a norte.
A este domínio islâmico da Península chamaram os árabes al-Andalus (ex-Bética; ex-Vandalícia) que, numa primeira fase dependia do Califado de Damasco (único califado do Islão) e os seus governadores dependiam directamente do governador da Ifriquia, com sede na Tunísia. Na Península a capital foi, primeiro, Sevilha, mas logo em 717 era já Córdova. Em 756 o al-Andalus corta as amarras com Damasco, entretanto ocupada pelos Abássidas e torna-se primeiro um emirato omíada autónomo e depois um Califado independente, com Abd al-Raham III. A partir de 1080, porém, o califado desagrega-se por convulsões internas e é abolido. O poder passaa ser exercido por chefes locais. São os Reinos das Taifas ("bandos").
Portugal, por coincidência ou fado, aproveita este momento e consegue a sua independência. Em 1143 Afonso Henriques auto-proclama-se rei. Em 1250 cai Silves, último bastião muçulmano no Algarve, sob o comando do exército de Afonso III. A Espanha teria de esperar pelos Reis Católicos, para em 1492 recuperar a autonomia.
Jorge Pinheiro

domingo, 29 de novembro de 2009

OLHAR A SEMANA - CONTRA NATURA

1 - À medida que o planeta aquece novos potenciais negócios surgem no degelo dos pólos. Por baixo das águas congeladas do Ártico parecem existir reservas de ouro e de petróleo insuspeitadas (ou talvez não). A luta pelas plataformas petrolíferas no buraco de ozono começou. Pode mesmo suspeitar-se que a ganância dos países mais "civilizados" tenha motivado a emissão descontrolada de gases para atmosfera. Que a não assinatura de tratados anti-poluição tenha por base as melhores expectativas de resultados das grandes petrolíferas inglesas, americanas e francesas. Podemos ver conspiração em tudo. A Antártida é mais difícil de descongelar, mas a usura do combustível faz milagres. Os pinguins não terão descanso e nós continuaremos a andar alegremente em carros de alta cilindrada. Os recursos são finitos, mas é infinita a estupidez humana.
2 - Na véspera de 1 de Dezembro, data solene em que se celebra em Portugal a "Restauração" do governo dos "filipes" sobre Portugal (1580-1640), surgem propostas espanholas para um acordo ibérico no lobby a efectuar em Bruxelas. Uma posição que Portugal olha com desconfiança ajuizada. Vejamos. Como se sabe "de Espanha nem bom vento, nem bom casamento". Por uma obsessão qualquer que ultrapassa a mera continudade territorial da Península, os espanhóis sempre quiseram mandar em nós. Temos nove séculos de lutas políticas e campais com esses vizinhos imperiais. Nunca a História quis que essa união se desse. Esta nova tentativa, por muito democrática que pareça, é nova tentativa de hegemonia. Que percentagem nos caberia nesta "sociedade"? Quem falaria? A quem pertenceriam os louros de uma eventual vitória? Quem ficaria a ganhar mais? Poderão dizer: mas agora estamos na União Ibérica; vários países formam blocos para sustentar interesses mútuos; é importante que a Ibéria forme um bloco unido. Se é verdade que realpolitik assim o determina, pergunto: mas não era suposto a União Europeia ser o caminho para uma Federação? Então esta criação de blocos todos a "puxar a brasa à sua sardinha" é o quê?
Jorge Pinheiro

sábado, 28 de novembro de 2009

Derby de Estreias

Daqui a pouco Sporting e Benfica entram em campo no Estádio José de Alvalade.
Apesar da distância de 11 pontos do Benfica em relação ao Sporting, nestes jogos a vantagem não conta. Mas sim a motivação, concentração e a sorte.

É também a estreia de Carvalhal e Jesus em derbys. Dois dos melhores treinadores nacionais que "finalmente" têm oportunidade de treinar os grandes de Portugal.

Qual deles sairá vencedor? ou haverá empate?

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Mulheres XIX

Aqui está a Miss Universo 2009

Vem da Venezuela e chama-se Stefania Fernandez...

E ainda dizem que o Mundo está poluído....

Hoje é o Dia d..............................

Conseguem inventar assim um dia "estupidamente" especial? Ou uma razão para faltar ao trabalho? Bom fim de semana grande!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Saber Amar - 7º Poema

Ah! Se pudéssemos apagar todos os erros do passado.
Se pudéssemos esquecer todo pranto que derramamos, todos os erros que cometemos, todas as magoas que guardamos dentro de si, todas as vezes que magoamos.
Não sei porque as coisas tem que ser assim.
Porque é tão difícil saber o que realmente nos faz feliz.
Um pingo d água que cai na beira do mar e parece que nunca mais vamos encontrar.
Nos dando a sensação de que não esta em nenhum lugar.
Muitas vezes não enxergamos.
Não conseguimos ver o que esta ao nosso redor.
Não paramos em momento algum.
Não olhamos para o céu.
Não observamos a natureza.
Não sentimos a brisa do ar fresco beijar a nossa face, jogar nossos cabelos.
Passamos pela vida com pressa, queremos ser mais velozes que o tempo.
Porque o tempo é guerreiro e não espera por ninguém.
Mas eu já sonhei.
Sonhei que o tempo me pertencia.
E quantos querem que o tempo pare diante de si.
Sonhei que o tempo parava enquanto eu dormia.
De frente para o tempo é fácil lembrar da infância, da ingenuidade.
A facilidade de sorrir, sem ter que fingir.
Lembrar de quem éramos.
Do que se quer ser;
E todos nós passamos por momentos assim na vida.
Momentos em que parece que olhamos diante do espelho e tentamos desvendar através dele o que somos, tentando desesperadamente mergulhar no fundo da alma.
Quanto tempo realmente demora para conhecer alguém?
Dias
Meses
Anos
E para nos conhecemos?
Talvez a vida inteira, e no final dela descobrimos que quando começamos a lidar com nós mesmo, e hora de partir.
Embora saibamos que é assim, morremos e passamos a vida apontando o dedo, procurando nos outros o que não temos em nos mesmo.
É complicado.
É complicado viver em mundo onde a mil e um becos.
Becos que as vezes parece não ter saída.
Muros que criamos
E depois não derrubamos.
É fácil temer o que não conhecemos.
E passar a vida reclamando, sem luta pelo o que queremos.
A vida não é o apagar e o acender de uma luz.
Não é uma história que a qualquer momento podemos arrancar uma página indesejada.
Mas podemos virar a página reescrever uma nova história.
Derrubar os muros e construir canteiros.
Pedir perdão Mas que seja de coração.
Em vez de aperto de mãos,
Um abraço.
Em vez de somente amigos
Irmãos.
Escutar! Saber falar!
As palavras tem força, pode fazer milagres.
Mas também pode ferir, machucar.
Ser amado Para saber amar.

Poema de Michele Alexandra Gomes

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Desvarios

Desvarios

O mundo gira.

O quarto gira.

Tudo gira á minha volta.

Borboletas de mil cores rodopiam ao meu redor deixando atrás de si rastos de luz cintilante

Sento-me na cama, ela baloiça, canoa nos braços das ondas de tempestade.

Tudo é neblina de um cinzento espesso. Ouço gritos de gaivotas e vozes de comando.

Uma luz rompe o nevoeiro, aproximando-se numa estranha dança. Baloiçando de cima para baixo e de baixo para cima.

Aproxima-se cada vez mais e a canoa volta-se.

Mergulho no mar gelado mas afogo-me num mar de lençóis de cetim.

Estou salvo!

Deitado em cima da cama mantenho ainda nos lábios o sabor do mar salgado.

Sou invadido por uma estranha tranquilidade que se transforma em leveza.

A minha cabeça, os meus braços, o meu tronco, as minhas pernas, flutuam no ar.

Num passe de magia atravesso paredes e alcanço a liberdade dos céus

Abro os braços e deixo-me levar, folha ao vento.

Voo lentamente por cima de casas, de árvores, acima das nuvens em direcção á lua que me revela timidamente a sua face.

Estendo a mão para tocar-lhe e ai caio, vertiginosamenteeeeeeeeeeeeeeeeeeee.

Caio, até que subitamente aterro em mim, deitado em cima da cama.

poema de Carlos Reis

Globalização: A diversidade ameaçada - Um Governo, uma forma de pensamento (parte II)

Leia a parte I AQUI

É proibida qualquer cópia parcial ou total sem o prévio conhecimento e autorização da autora. Artigo redigido por Marta Sousa.

[...] O fenómeno do mundo global atravessa toda a sociedade contemporânea em quase todos os seus parâmetros sendo assim difícil definir num conjunto sucinto de palavras o que se entende por globalização. A comunidade académica enfrenta inclusive um debate acerca da terminologia que deve ser usada para classificar o fenómeno. Muitos consideram o termo "globalism" especialmente nas universidades americanas, no entanto na cultura europeia e anglo-saxónica o termo "globalization" é o mais usado desde o desmoronamento do bloco comunista. A melhor definição de globalização que consigo conceber é não mais que uma evolução naquilo a que chamamos de Capitalismo Industrial. Quando falamos de globalização este termo está indissociavelmente ligado ao sistema económico capitalista, concebemos assim a emergência de um novo sistema mundial.

Um olhar pela Globalização Económica...

A globalização aparece sempre indissociavelmente ligada a questões de foro económico. Não é surpresa para nignuém (e é algo que aliás está provado) que assistimos a uma supremacia do poder económico sobre o poder político. A internacionalização dos produtos e bens assim como a desregulamentação do mercado desencadeado pelos EUA e pela Inglaterra assim como a multiplicação das multinacionais criaram aquilo a que hoje chamamos de liberalismo económico.

Muitos investigadores apontam para o início do sistema económico capitalista na sua plenitude logo no século XIX, no entanto essa visão pode ser deveras questionada. Na minha óptica o capitalismo na sua versão neoliberal surgiu apenas na década de 80 do século XX com Ronald Reagen com programas destinados a retirar o Estado da economia e a permitir que o mercado se auto-regulasse. O momento alto destas teorias Keynesianas dá-se com o colapso do Império Soviético em 1989. O objectivo da administração Reagen era retirar na totalidade a intervenção do Estado na economia, como é natural o mundo todo veio "arrasto" destas medidas dado que o principal centro financeiro mundial era Nova Iorque.

Wolton refere que a globalização assenta em 3 pilares básicos: Política, economia e cultura. Na economia este processo que se deu após a II Guerra Mundial tem-se caracterizado por uma forte expansão do capital estrangeiro devido essencialmente ao crescimento do progresso teconlógico, das diminuações aduaneiras e, claro está, da crescente liberalização dos movimentos de capitais.

O aumento de exportações para países como China, está relacionada com a crescente integração na economia mundial de uma abertura nunca antes vista, à qual nem os velhos e conservadores comunismos resistem (exceptuando Cuba e Coreia do Norte as únicas Repúblicas a que podemos chamar 100% comunistas).

Portugal é um dos países que sofrem directamente com o fenómeno da globalização dado que muitas das multinacionais que produziam no país iniciaram (devido ao desregulamento do mercado) um caminho para países nos quais os salários são mais baixos e os direitos humanos e laborais questionáveis. Falamos de: China, Vietname, Laos, etc. Em toda a UE o nosso país é o terceiro mais afectado com este tipo de medidas sendo apenas ultrapassado pela Finlândia e Eslováquia.

Encontramos o sector automóvel como um dos mais afectados tendo 2/3 de novos desempregados. Empresas como a Autoeuropa têm vindo progressivamente a diminuir a sua produção em Portugal sendo certo que mais tarde ou mais cedo fecharão as portas. A juntar ao sector automóvel os têxteis e o calçado representam cerca de 45% dos novos desempregados nacionais pior que tudo isto é o facto deste fenómeno se ter vindo a agravar nos últimos anos.

São dados que não podemos ignorar. São situações que nos deixam a pensar. Será o liberalismo selvagem caminho?

  • SANTOS, Boaventura Sousa, Globalização: Fatalidade ou Utopia?, Edições Afrontamento, 2001
  • GEENWALD, Bruce, The Irrational Fear That Someone in China Will Take Your Job, Wilwy Edition, 2008
  • FOURNIER, Anne, Sectes, Démocratie et mondialisation, Presses Universitaries de France, 2002
  • HUNTINGTON, Samuel, The Clash of Civilizations and the Remaking of World Order, Simon & Schuster, 1998

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Ahmadinejad no Brasil

Manifestação contra Ahmadinejad na Praia de Ipanema no RJ - até Mãe-de-Santo tinha!



A manchete que hoje povoa não só os jornais brasileiros, mas também os jornais do mundo todo, é a visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ao Brasil.

Ele chegou aqui ontem, mas no domingo já houve diversas manifestações no país, contra sua presença, sendo a mais significativa a que reuniu mais de 2000 pessoas na praia de Ipanema no Rio de Janeiro.

Tal manifestação foi encabeçada pelas comunidades judaica e árabe, por grupos homossexuais e até mesmo grupos afro-religiosos (estes eu ainda não entendi o porquê da sua participação, já que eu suspeito que Ahmadinejad sequer tenha conhecimento do que seja o candomblé).

O presidente do Irã chegou acompanhado de uma comitiva de mais de 300 pessoas, incluindo-se aí não só membros de seu governo, mas também empresários.

No encontro, que aconteceu no Palácio do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Lula apoiou o programa nuclear iraniano, desde que para fins pacíficos, ao mesmo tempo em que Ahmadinejad elogiou a presença diplomática do Brasil na Ásia e Oriente Médio e defendeu a nossa presença no Conselho de Segurança da ONU.

Todavia, Lula não deixou de cobrar menos extremismo do Irã e o fim do apoio ao Hamas.

Além das questões polêmicas, eles discutiram o intercâmbio econômico-comercial e investimento entre os dois países, cooperação em biotecnologia, nanotecnologia, agricultura e no setor energético, sem falar da promoção de intercambio cultural.

Durante a reunião, houve mais protestos frente ao Itamaraty.

Analistas como Samuel Feldberg, entendem que a visita de Ahmadinejad não beneficia o Brasil em nada e que se é interesse do país intensificar o comércio com o Irã, que organizasse uma visita de empresários brasileiros depois que o país de Ahmadinejad retrocedesse em seu discurso.[1]

O colunista de Folha de São Paulo, João Pereira Coutinho, disse que receber Ahmadinejad é um insulto ao Brasil e que Lula erra ao acreditar que o país terá vantagens comerciais no futuro.[2]

Para o periódico espanhol, El País, visita do presidente iraniano pode tirar o prestigio de Lula.[3] Já o New York Times diz a vinda de Ahmadinejad pode prejudicar as ambições brasileiras de tornar-se um ator mais influente no cenário mundial.[4]

Está certo que a Ahmadinejad é persona non grata na comunidade internacional, justamente pelas barbaridades que professa, no entanto devem-se levar em conta dois fatores muito importantes para analisar o porquê de Lula relacionar-se com o Irã.

Primeiro que a política externa do governo Lula, assim como a do governo de Ahmadinejad, é o multilateralismo.

Ele abriu os horizontes do comércio internacional brasileiro, diminuindo o foco dos Estados Unidos e Europa, e se concentrou em estreitar laços com nações que o país não tinha muito costume de comercializar, como países africanos e do Oriente médio.

Além do mais, observa-se que o Brasil possui uma balança comercial extremamente positiva em relação ao Irã, com um saldo de US$ 1,11 bilhão, sendo que apenas importamos US$ 14,78 milhões deles[5]. Inclusive, a Petrobrás tem escritório em Teerã.

Ou seja, é do interesse do empresariado nacional, estreitar esta relação com o Irã.

Assim como todos os demais, repudio inteiramente a Ahmadinejad, entendo que é um absurdo que ele negue o holocausto, defenda que Israel seja varrido do mapa, discrimine minorias como os homossexuais, que apóie grupos terroristas e não me senti confortável em tê-lo em meu país.

Mas também observo que devemos levar em conta que, muito embora ele seja presidente do Irã, ele não é o Irã.

E por mais que eu também não goste de Lula, entendo que ele está sendo coerente com sua política externa ao receber o presidente do Irã em nosso país. Pena que o presidente do Irã se chama Mahmoud Ahmadinejad.

Larissa Bona

PS: Está programada uma visita de Lula ao Irã no primeiro semestre do ano que vem.

[1] http://www1.folha.uol.com.br/folha/podcasts/ult10065u656319.shtml [2] http://www1.folha.uol.com.br/folha/podcasts/ult10065u656353.shtml [3] http://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/ult272u656631.shtml [4] http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u656103.shtml [5] http://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/ult272u656085.shtml

Share Button