Etiquetas

terça-feira, 11 de julho de 2017

Sinais de insegurança de May

A tentativa de Theresa May unir todos os partidos em torno do Brexit não é má ideia, mas revela alguma insegurança política por causa das críticas dos conservadores. 

A posição da primeira-ministra não é favorável, pelo que, no próximo ano é possível que haja pedidos de demissão dentro do partido, enquanto os trabalhistas vão esperar por novo acto eleitoral antecipado. Os conservadores vão tentar mudar de líder sem recorrer a eleições gerais, mas as confusões podem originar um aproveitamento do Partido Trabalhista no plano político e também nas sondagens. 

Os apelos a uma unidade nacional e à cooperação dos restantes partidos só acontece porque May está frágil dentro dos conservadores. No último ano, raramente falou em união para ultrapassar os problemas do Reino Unido. O Brexit também exige um comportamento adulto das restantes forças, só que a primeira-ministra está a pedir mais do que isso. 

As outras forças não devem corresponder à chamada da primeira-ministra por causa da jogada que esteve na origem da antecipação das eleições e também devido à vontade de realizar o chamado "Hard-Brexit", algo que, nem os trabalhistas e liberais-democratas estão dispostos a aceitar. 

O isolamento dentro do partido é cada vez maior, pelo que, precisa de procurar apoio fora para ter legitimidade política nos próximos anos. Na minha opinião, haverá eleições dentro de dois anos depois da conclusão das negociações com a União Europeia, sendo que, a primeira-ministra ainda pode liderar o navio, mesmo havendo acto eleitoral interno nos conservadores em 2018. No entanto, os primeiros sinais depois das eleições de 8 de Junho são bastante preocupantes, mas May parece ter características semelhantes a Margaret Thachter.

Sem comentários:

Share Button