terça-feira, 27 de junho de 2017

Os dois caminhos que o Brasil ainda pode evitar

A crise política no Brasil relacionada com a investigação de processos judiciais vai originar alterações profundas no futuro. A resignação não será a atitude dos brasileiros nesta situação porque o escândalo nem sequer é aceite junto da elite.

A vergonha é algo com que os brasileiros não vão lidar por causa da corrupção que envolve os políticos. O país está novamente nas bocas do Mundo por piores razões, apenas três anos depois da realização de grandes eventos desportivos que voltaram a dar uma boa imagem.

A classe política mancha tudo o que o Brasil tem de bom. O futebol, o samba, as paisagens e as produções artísticas.

O problema é que o país não pode ser governado por Neymar, Deborah Secco ou Gilberto Gil, pelo que, é necessário escolher um político que saiba liderar e esteja imune às tentativas de suborno. Os últimos desenvolvimentos não deixam ninguém descansado porque parece que a teia ainda é maior do que se pensava. Por outro lado, o poder judicial também não tem credibilidade junto da opinião pública.

Neste momento, existem duas soluções plausíveis. A entrada em cena dos militares ou a eleição de um candidato com características semelhantes a Nicolás Maduro. No primeiro caso, corria-se o risco de se chegar a uma ditadura militar pouco comum na América Latina, mas a segunda opção pode trazer um candidato parecido com Nicolás Maduro. A história democrática do Brasil não aceita nenhuma das soluções, pelo que, em 2018 ainda se vai tentar construir um novo caminho neste regime.

1 comentário:

Tawfik Mohammed disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Share Button