Etiquetas

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

O Refém

Após um ano de governação é possível concluir que António Costa está refém do parlamento. 

No primeiro ano o governo socialista ainda teve tempo para gerir a gerigonça e a oposição como quis, além de ter um aliado importante como é Marcelo Rebelo de Sousa. Tudo correu bem a Costa que gosta da habilidade política para chegar ao poder. 

Na entrada para o segundo ano de governação tudo vai ser diferente, como se viu na questão da descida da TSU. Os socialistas não estão apenas reféns do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista Português, mas também do Partido Social-Democrata. Nesta equação, O CDS fica a perder porque dificilmente consegue impedir qualquer acção do governo de forma isolada. 

A possibilidade do PSD condicionar a acção governativa tem sido um dos principais aspectos da legislatura. O BE e o PCP deveriam ser mais solidários com o PS, mas roeram a corda em diversas ocasiões, como aconteceu na questão da TSU. No entanto, ainda não foram alvo da mira do primeiro-ministro porque o que dá votos é bater no PSD e em Passos Coelho. Costa é um político que segue as tendências, pelo que, seria natural que se deixasse influenciar pelos asssessores e compinchas socialistas que a melhor estratégia é culpar o inimigo número um. 

Não se adivinha um ano fácil para Costa porque PCP e Bloco pretendem mais responsabilidades ao governo, senão a contestação na rua vai aumentar. 

1 comentário:

João Menéres disse...

O Costa do castelo ainda vai engolir o que disse : O PSD não conta para nada !
Ai não ?

Share Button