sexta-feira, 4 de novembro de 2016

O respeito que se tem de ter pelo "OFF"

A actividade jornalística tem de ser regida por várias regras morais, já que, existem poucas leis positivas que orientam o comportamento da profissão. No fundo, ninguém pode colocar barreiras para não se escrever o que se apetece. É óbvio que pode haver consequências se forem cometidos excessos...

Uma das questões mais importantes é passar para o papel o que foi dito em OFF. Ou seja, aquilo que não está escrito no rascunho ou dito no gravador. 

A regra ainda não é totalmente respeitada como se viu pelo lançamento do novo livro de José António Saraiva. As confidências de algumas personalidades ao jornalista estão todas cá fora por vontade exclusiva do último. 

A partir do momento em que a caneta deixa de escrever ou o gravador faz "STOP" significa que o jornalista terminou o trabalho. As restantes conversas são entre duas pessoas que não estão a cumprir qualquer missão. Não é correcto, o profissional aproveitar-se de uma situação para tornar público uma notícia ou evento que não estava a ser registado. 

Na vida como no jornalismo não pode valer tudo, e esta é uma situação que descredibiliza o profissional da comunicação porque viola a confiança estabelecida entre duas pessoas que estão numa posição de trabalho. A confraternização pode vir mais tarde, mas não tem de constar nos autos. 

Sem comentários:

Share Button