quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Debates não prejudicam Trump

A pequena vitória de Clinton no último debate não retira gás à campanha de Trump. Não acredito que os confrontos ainda sejam decisivos num país em que o escrutínio é diário. As populações dos swing-states não se deixaram influenciar por aquilo que se passou na segunda-feira.

Os debates são mais importantes para as cadeias de televisões e os analistas do que para as pessoas que costumam encher os comícios. 

A credibilidade de Trump é algo que está a crescer todos os dias. As ideias e medidas já são conhecidas, faltando convencer a população que será melhor líder que Hillary Clinton. A antiga primeira-dama passa uma imagem fria, além dos escândalos que surgem não favorecem um candidato à Casa Branca, ainda por cima sendo mulher. A suposta experiência política só serve para os debates que são sempre objecto de milhões de análises em todo o Mundo. 

Na minha opinião, Trump ganha pontos na discussão política, sobretudo ao abordar a política externa e a economia. As propostas económicas de Clinton não criam mais emprego. O discurso habitual que o governo vai dar oportunidades a todos não tem efeito. Ao invés, Trump tem uma solução para evitar que as empresas abandonem o país. 

As diferenças na política externa também são importantes. Trump não quer que os Estados Unidos sejam  polícias do Mundo, embora ataque os inimigos com rigidez. Hillary mantém o discurso de Obama sobre o poder que os norte-americanos exercem em várias zonas do globo. No entanto, recua na intenção de colocar tropas para combater o Estado Islâmico. 

O estilo dos candidatos não será o factor principal na hora da votação.

Sem comentários:

Share Button