Etiquetas

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Uma semana depois

Uma semana depois do governo liderado por António Costa ter entrado em funções percebemos que algumas promessas não ser cumpridas, embora haja sinais positivos. O acontecimento mais preocupante foi a entrevista de António Costa ao Público e as declarações do PCP sobre o não apoio condicional ao executivo socialista. 

O primeiro-ministro garantiu que não haverá condições para eliminar a sobretaxa em 2016, mesmo depois de ter dito no parlamento que o fim do imposto extra não é uma questão de "se" ou "quando". O anúncio foi feito um dia após o PCP ter ameaçado o PS para cumprir os acordos sob pena de não haver suporte parlamentar. Neste momento são apenas os comunistas que falam, já que, o Bloco de Esquerda tem mantido uma posição institucional. 

As notícias não são todas más para o novo governo. A desconvocação de uma greve por parte do Metro de Lisboa revela a primeira vitória devido ao acordo de reversão da concessão dos transportes públicos das zonas urbanas. No entanto, ainda falta a confirmação por parte do executivo que vai mesmo anular as privatizações. Não acredito que isso seja prioridade para Costa porque o Estado irá ter custos na eventualidade de haver reversão. O problema pode ser resolvido mais tarde e o que interessa ao governo é não ter a CGTP na rua. Sinceramente não entendo como o chefe de governo vai lidar com as manifestações promovidas por um parceiro na Assembleia da República. Para já, tudo joga a favor do poder central em termos de protestos. 

Temos a certeza que o futuro maravilhoso prometido por Costa não se vai concretizar, mas também podemos confirmar que haverá oposição à esquerda do executivo. Os primeiros 7 dias do governo levam a questionar porque razão a esquerda se deu ao trabalho de derrubar o governo da direita eleito nas recentes eleições legislativas. 

Sem comentários:

Share Button