Etiquetas

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Portas está a ir para Belém

A possibilidade de Paulo Portas avançar para uma candidatura a Presidente da República foi avançada por Pedro Santana Lopes numa entrevista ao Diário de Notícias. Apesar do líder centrista ter dito que "tou nem aí", temo que isso seja tão verdade como as decisões "irrevogável". 

O cenário tem pernas para andar na eventualidade do próprio Pedro Santana Lopes ter o apoio do PSD, o que parece mais provável, e se o PSD e CDS não consigam obter maioria absoluta. Nesta última hipótese os dois partidos só deverão impedir o PS de alcançar os deputados suficientes para governar sozinho. Caso isto aconteça tanto sociais-democratas como centristas vão provocar a queda do novo executivo o mais breve possível até porque o Presidente da República não tomará qualquer iniciativa de entendimento porque está de saída, sendo que as presidenciais 2016 são logo a seguir. Outro aspecto tem a ver com o processo interno dos partidos. Mesmo que os socialistas não consigam a maioria absoluta, o PSD e o CDS vão ter eleições internas para escolher uma nova liderança, que pode passar por uma candidatura dos actuais líderes. Neste cenário Portas não se recandidata e deixa o lugar para outro, embora sempre com o seu controlo. 

Uma derrota nas legislativas deixa Portas com a possibilidade de ser candidato a Presidente da República com o apoio do partido, da direita e de parte do PSD que não escolheu Santana Lopes para Belém. Caso o PSD tenha novo líder, Santana Lopes pode perder o apoio do partido, mas como já se anunciou a candidatura antes da legislativas e sem saber o destino de Passos Coelho, não vai desistir. Ora, Portas quer ocupar o espaço de Santana. Este cenário ganha força se Marcelo Rebelo de Sousa não for a jogo. O professor não vai ter o apoio do PSD com ou sem Passos Coelho, pelo que, só a sua iniciativa pode baralhar as contas de Portas. Como o comentador está à espera de um apoio partidário para avançar, acho que desperdiçar a única oportunidade que tinha para conquistar todo o espaço do centro-direita. 

Com o caminho livre, Pedro Santana Lopes e Paulo Portas serão os senhores que representarão o PSD e CDS, que estarão na oposição e com novas lideranças. 

Sem comentários:

Share Button