segunda-feira, 6 de abril de 2015

Olhar a semana... "putativas presidenciais"



O ano de 2015 será marcado pelo impacto dos resultados das eleições legislativas que deverão ocorrer no último trimestre deste ano.
Já o ano de 2016 reserva a sua abertura para a realização das eleições presidenciais. Para estas ainda faltará, mais coisa menos coisa, cerca de um ano. Mas, estranhamente, tem sido o processo eleitoral presidencial que mais tem agitado a agenda política: são os putativos candidatos a candidatos, nomeadamente à direita (casos de Marcelo Rebelo de Sousa, Santana Lopes, Marques Mendes, Rui Rio, Manuela Ferreira Leite, Fernando Nobre de novo, e até mesmo Paulo Portas); são as esperanças e os sonhos socialistas que resvalam numa lista vip interminável (Ferro Rodrigues, Maria de Belém, João Cravinho, António Vitorino, Edite Estrela, Jaime Gama); são os mais que desejados mas mais distantes Durão Barros (PSD) e António Guterres (PS); e os incómodos nomes confirmados como Henrique Neto e Sampaio da Nóvoa.
Se à direita tudo não passa de “soundbites” e do condicionamento de eventual candidatura de mal-amado Marcelo Rebelo de Sousa, já no seio da família socialista a realidade é outra.
Apesar da direcção nacional e do líder António Costa afirmarem, e bem, que o processo das presidenciais terá espaço e tempo próprios, a verdade é que os dois nomes já anunciados (ambos na área de influência eleitoral socialista) deixaram já alguns sabores amargos entre os socialistas. Henrique Neto criou alguma instabilidade, mesmo que a sua candidatura seja indiferente a António Costa (como o mesmo o afirmou) mas a candidatura de Sampaio da Nóvoa mais mal-estar deixou no interior do PS, como fortes críticas internas de claro desagrado quer em relação à candidatura (embora a memória de alguns socialistas seja curta, depois de Sampaio da Nóvoa ter sido figura no último congresso do PS), quer em relação à forma como a direcção tem gerido o processo. Embora, neste caso, só se entendam as reacções como a necessidade de palco e ribalta para alguns políticos que têm uma enorme carência de mediatismo.
Não faz qualquer sentido estar a focar atenções e recursos numas eleições que só deverão acontecer daqui a cerca de 12 meses, mais ainda quando daqui a cinco ou seis meses estaremos em plena campanha eleitoral para as legislativas. Tudo o que envolve, neste momento, presidenciais são “fair divers”, é entretenimento político, é estar a desviar atenções e concentrações discursivas no que é, para os portugueses e para o país, o mais importante: as legislativas de 2015 que poderão marcar, ou não, nova viragem política nacional.

Sem comentários:

Share Button