domingo, 16 de novembro de 2014

A cair aos poucos

Quando estamos a pouco mais de um ano para as próximas legislativas o governo de Passos Coelho tem vindo a desfazer-se. Com a saída de Miguel Macedo o executivo fica sem a sua espinha dorsal, mantendo apenas Paulo Portas, Paulo Macedo e dois dos ministros mais contestados como são Nuno Crato e Paula Teixeira da Cruz. Não fosse a teimosia de Pedro Passos Coelho e os responsáveis pela educação e justiça também já tinham tido guia de marcha. 

Não obstante as razões que estão por detrás das mais recentes demissões há um factor que parece incontornável. A maioria dos ministros já denota cansaço e um desgaste que não disposto a suportar durante mais um ano, além de que não querem estar associados a uma derrota eleitoral. Por estes motivos acho que Passos Coelho deveria convocar eleições para o início de 2015. Não compreendo como o primeiro-ministro não aproveita a fuga de um ministro para mudar mais dois ou três para que ninguém note. 

O chefe de governo vai chegar ao fim da legislatura com poucas caras que estiveram no início da prometida reforma. No entanto, o único que se mantêm de pedra e cal é Paulo Portas. Será que a saída do vice-primeiro-ministro há um ano não teria sido melhor para o executivo?

Pois bem...

Sem comentários:

Share Button