quinta-feira, 11 de setembro de 2014

As quatro razões para a saída de Paulo Bento

A derrota da selecção nacional na primeira jornada da fase de grupos do apuramento para o Euro 2016 coloca em causa a continuidade de Paulo Bento já que a participação no Mundial também não foi famosa. 

Por muito menos Carlos Queiroz foi despedido após o Mundial da África do Sul há quatro anos. É verdade que os presidentes eram diferentes, mas a atitude perante os maus resultados e as fracas exibições tem de ser radical. 

Em primeiro lugar Paulo Bento falhou os objectivos a que se propôs. No Mundial disse que pretendia chegar aos Oitavos-de-final e foi aquilo que todos vimos e neste primeiro jogo rumo ao Euro 2016 também não logrou vencer e convencer. As expectativas da FPF não foram cumpridas no Brasil nem em Aveiro. 

Em segundo lugar e o mais importante é que a selecção não joga nada. E não me venham com a história de não termos jogadores. A maioria joga nos principais clubes portugueses e europeus. No entanto, a base de recrutamento não pode ser sempre a mesma. Viu-se em Aveiro que André Gomes, Ricardo Horta e William Carvalho são muito melhores do que Vieirinha, Raúl Meireles e Miguel Veloso. Embora não tenhamos pontas-de-lança espero que Paulo Bento não cometa a loucura de voltar a convocar Postiga e Hugo Almeida. Se assim for, franceses e dinamarqueses agradecem. 

Em terceiro lugar não se entende as não convocatórias de Ricardo Quaresma e Danny. O primeiro é um talento e não percebo porque razão Paulo Bento continua a exclui-lo, mesmo que haja problemas disciplinares por detrás desta opção. O jogador do Zenit também está na mesma situação do mustang. Como não sabemos as razões da não convocação destes dois jogadores podemos efectuar as especulações que bem entendermos. 

Em quarto e último lugar as pessoas deixaram de acreditar nesta equipa. E quando assim é já não há balão de oxigénio que salve o seleccionador. Senão vejamos: na próxima jornada Portugal defronta a França num particular antes de viajar para Copenhaga. Uma má exibição contra os franceses, mesmo num amigável, vai colocar muita pressão num jogo que é decisivo num grupo que tem poucos jogos e por isso, é difícil recuperar das desvantagens pontuais. 

Por estas quatro razões entendo que Paulo Bento deve sair do comando técnico da selecção nacional. Não esperemos por mais outra desgraça para agir. 

Sem comentários:

Share Button