Etiquetas

domingo, 20 de julho de 2014

Olhar a Semana - Culpar a Rússia por tudo e por nada

A queda de um avião da Malaysia Airlines na Ucrânia devido ao disparo de um míssil está a gerar uma onda de críticas por parte da comunidade internacional a Vladimir Putin. A primeira voz contra o presidente russo, foi, como não podia deixar de ser Barack Obama. O presidente norte-americano sem qualquer tipo de provas acusou Moscovo por estar detrás do atentado. Mais tarde, vieram a público gravações entre conversas de separatistas a vangloriar-se pela queda de um avião civil. No entanto, não se pode confirmar que se trata de soldados pró-russos porque a cassette é divulgada pelas autoridades ucranianas sem saber quem eram os responsáveis.

Em primeiro lugar é preciso perguntar o que fazia um avião civil naquela zona que é, como todo o mundo sabe, de conflito armado. Por outro lado, não me parece que os separatistas tenham abrido fogo sobre um avião civil e depois estejam na disponibilidade para permitir às autoridades internacionais de recolher os corpos. 

A comunidade internacional, em particular os Estados Unidos, estão a cometer um erro enorme ao acusar Putin por cada desastre que acontece no leste ucraniano, sendo que o presidente russo já mostrou disponibilidade para iniciar negociações com Kiev. Contudo, o problema está mais naqueles que estão no terreno e não na via diplomática. E é aqui que tanto os EUA, Reino Unido e Bruxelas estão a precipitar-se porque querem criar um inimigo e proteger as autoridades ucranianas. No fundo, a opção de Washington tem sido isolar Moscovo de tudo e mais alguma coisa, sem ter provas concludentes sobre o que está a dizer, mas mesmo que saiba de alguma coisa não se pode responsabilizar Putin por cada acidente. De facto, o caso do avião malaio parece ser um acidente, uma vez que os supostos agressores (ainda não se sabe o que se passa), poderão ter pensado que se tratava de um avião militar. Outra questão que se colocar é que nestas situações os criminosos costumam reivindicar os atentados e explicar o porquê. Até ao momento não houve nada disso, pelo que não percebo esta perseguição feita pelos Estados Unidos da América.

Sem comentários:

Share Button