terça-feira, 29 de abril de 2014

Do contra. É sempre do contra

O governo esteve muito bem na proposta relativamente à descida do gás. No entanto, António José Seguro veio criticar mais uma vez a medida do governo anunciada por Luís Marques Mendes no seu comentário semanal na SIC. 

Temos aqui três intérpretes diferentes e só um é que esteve bem: o governo. Porquê? Porque o executivo vai adoptar uma medida que trará benefícios às pessoas e à sua vida económica. No fundo, os portugueses vão sentir no bolso a redução do gás e da electricidade. Ainda bem que assim é porque já não se aguenta mais aumentos, seja na carga fiscal, seja nos consumo dos bens. 

Os outros dois protagonistas deste filme estiveram muito mal porque, basicamente não fazem parte deste película. Embora não seja uma medida guardada a sete chaves, Luís Marques Mendes voltou a antecipar-se ao governo e publicamente anunciar esta medida. O que se passa com Mendes? Ele quer audiências a todo o custo ou é mesmo a porta-voz oficial do executivo? Na minha opinião ele é uma mistura dos dois, mas, infelizmente, esta política de comunicação não está a fazer bem ao governo liderado por Passos Coelho, retira ao governo os méritos do anúncio de uma medida destas.

Por fim, António José Seguro disse mal da opção do governo. É natural que assim seja já que estamos em pré-campanha eleitoral para as europeias, mas o povo está farto de oposições deste tipo: destrutivas e com poucas alternativas. 

Se a maioria das pessoas estão fartas de ouvir o governo, também não é menos verdade que o discurso da oposição não conquista ninguém.

Sem comentários:

Share Button