Etiquetas

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

As cenas da vida privada afectam o coração dos eleitores

A questão tem de ser colocada quando uma intriga atinge alguém "denominado" famoso. Neste caso a vítima das revistas cor-de-rosa foi François Hollande devido ao seu caso extraconjugal. Mais do que isso é a forma como o actual Presidente se encontrava com a sua amante. É no mínimo caricato e susceptível de variadas interpretações. 

Daqui a dois anos realizam-se eleições presidenciais com a forte possibilidade do regresso de Nicolas Sarkozy. Sei muito bem que os franceses, tal como os americanos, importância a questões relacionadas com a vida privada dos seus líderes. Penso que uma situação semelhante em Portugal não teria impacto numa provável reeleição de um líder. Acho que os portugueses estão nas tintas para os problemas sexuais dos nossos governantes, até porque também não se questionam sobre alegados casos de corrupção que muitos ex-governantes já tiveram de aturar na praça pública. 

Apesar da curiosidade portuguesa ser conhecido há questões que as pessoas não querem saber porque também ligam pouco à política. Ainda vivemos num tempo em que a promiscuidade política-sexo não dá direito a queda de um governo ou membro de um ministro. Se num simples caso de "favorecimento" ninguém abandona o barco porque o deveria fazer quando está em causa uma questão pessoal?

Muitos falam na imagem e integridade que um político deve ter. Concordo que o líder de um país tem de ter os dois atributos sob pena de não ser reconhecido pelo seu povo. Lá por fora esse culto da imagem é uma marca importante e até aproveitada por certos políticos para ascenderem ao poder. Para mim o mais importante é que um político se dê ao respeito. Perante este cenário acho que Sarkozy esteve bem ao assumir oficialmente o seu relacionamento com Carla Bruni e condeno veementemente Hollande pela sua fuga nocturna. Não se trata de questões sentimentais mas de respeito e um chefe de governo ou de Estado tem de manter a tal imagem e integridade. Ora um líder deve ser visto pelo seu povo como alguém "sem espinhas" e que não "tenha telhados de vidro". 

Se a lógica imperar Sarkozy pode vencer as próximas presidenciais se se confirmar o avanço da sua candidatura. Penso até que Hollande vai perder por questões meramente políticas mas este caso atingiu o coração dos franceses, por isso é que nunca o irão perdoar. 

Sem comentários:

Share Button