domingo, 8 de setembro de 2013

Olhar a Semana - Não iria influenciar mas ajudava

Qualquer entrevista nesta altura de um membro partidário iria influenciar o sentido de voto. Passos Coelho deveria ter o cuidado de não ter aceite o convite da RTP já que não se sujeitava a uma reprimenda da Comissão Nacional de Eleições. 
Espero que a CNE tenha a mesma orientação no caso de na mesma situação estar António José Seguro. Acho que os líderes partidários deveriam desaparecer da campanha autárquica, isto porque a presença pode perturbar a campanha no terreno. Nos dias de hoje não há nenhum líder que tenha uma popularidade, pelo que o melhor é deixar os candidatos sozinhos no terreno. Para não influenciar positiva ou negativa uma campanha cada vez mais supra partidária e que quer descolar da imagem negativa com que as estruturas partidárias são vistas na sociedade em geral. 

É curioso verificar o poder que a CNE tem sobre o Primeiro-Ministro mas também em relação às redacções. Não entendo como é que a Comissão proibiu a existência de debates durante a campanha que não promovam a igualdade entre todos os candidatos. Cada redacção tem direito a escolher a linha editorial que bem entender e é importante evitar que se traga para a discussão pública palhaçadas como as que nos últimos dias temos assistido. 

Sem comentários:

Share Button