Etiquetas

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O PS anda distraído...

Ao dar uma primeira vista de olhos pelos candidatos do PS às autárquicas, parece-me que a vitória desejada por Seguro não irá ter uma expressão significativa, pelo menos na diferença de votos contados e não no número de Câmaras Municipais conquistadas. De facto, estas eleições não servem para castigar o governo mas para eleger aqueles que estão mais próximos das populações. Nota-se que já entrámos em "modo autárquicas", pelo que o líder da oposição vai ter que esperar melhores dias para criticar o governo. 

No entanto, parece que o líder socialista não tem mão no seu partido. Para quem se diz que foi eleito através das bases, Seguro tem pouca influência nas estruturas locais. O secretário geral devia fazer destas eleições o seu melhor momento enquanto líder socialista, já que o governo ainda continua debaixo de fogo. Esperar pelas europeias pode ser tarde e o próprio Seguro poderá pagar caro a inércia de não apostar tudo nestas autárquicas. Não vejo Seguro a falar para os concelhos, uma fotografia que seja ao lado dos candidatos. Não basta "lançar" candidaturas, é preciso que esses momentos cheguem aos media. Apesar de ter a capital ganha, o líder da oposição não pode ficar apenas contente com essa conquista. Tal como acontece com Passos Coelho vencer as capitais de distrito é fundamental e será por aí que se vão fazer as contas finais. Contudo, as eleições que se aproximam são muito mais importantes para a manutenção da liderança de Seguro do que uma eventual confiança presidencial no executivo, isto é, Seguro tem aparecer mais vezes do que Passos Coelho.

1 comentário:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Bom dia
Gosto de ler os seus artigos e ultimamente dedicou-os à vida política.
Concordo que estas autárquicas não serão uma resposta completa ao Governo, mas aguardo algumas surpresas. Os que são da mesma cor politica não me parecem querer defender os interesses do povo mas sim apoiar as ordens do governo.

Share Button