Etiquetas

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Um Vice disfarçado de PM

À primeira vista a composição do novo governo parece-me acertada. As entradas de Pires de Lima, Rui Machete e Jorge Moreira da Silva são de aplaudir e garantem qualidade a um governo que estava demasiado preso às figuras de Portas, Relvas e Gaspar. A ascensão do CDS é visível com a chegada de Portas a vice-Primeiro-Ministro e a nomeação de Pires de Lima para a economia. Neste novo formato as faces mais visíveis serão a de Paulo Portas e António Pires de Lima, pelo que o CDS ganha notoriedade já que mantêm Mota Soares na segurança social e Assunção Cristas na agricultura. 

Esta remodelação é uma tentativa do CDS impôr as suas políticas bem como tentar ganhar um novo fôlego para as próximas legislativas sejam elas em que ano forem. As vitórias do governo terão um rosto que se chama Portas e nos falhanços será Passos Coelho a dar a cara. Apesar de ficar claramente a perder, a tomada do poder por parte do CDS pode dar algum descanso a Passos Coelho e ao PSD no sentido de não ficarem muito expostos, contudo o alvo da contestação será sempre o PM e nunca um outro ministro, é assim que as leis do jogo democrático funcionam. 

Apesar da pequena vitória dos populares este governo é melhor do que o anterior. Pires de Lima pode trazer novidades na pasta da economia, bem como Jorge Moreira da Silva em relação ao ambiente. O problema é que não são duas pastas com relevância política e cujo resultado favorável não contribuirá para a mudança de opinião relativamente ao executivo como um todo. 

Há que dar os parabéns a Paulo Portas porque conseguiu levar o CDS ao topo do governo. No entanto, há o perigo da queda ser maior e aí não acredito que o actual líder possa resistir. Apesar de algumas mudanças positivas, este governo tem um prazo de validade, pelo que o melhor é começar a preparar a sucessão enquanto o líder se anda a divertir a negociar com a troika, porque se não houver movimentações internas nestes dois anos, o CDS corre o risco de voltar a ser o partido do táxi, até porque o povo não perdoa e além do mais não gosta de Portas, seja ele ou não um PM disfarçado de Vice.

1 comentário:

Observador disse...

Diria antes que este governo PARECE ser melhor que o anterior.
Coisa para confirmar ou desmentir nos tempos que se seguem.

No caso de falhanço, PSD e CDS saem a perder. E muito.

Neste momento de promessas, há quem, dentro dos dois partidos, 'reze' para que o fracasso seja uma realidade.

Digo eu.

Share Button