quinta-feira, 2 de maio de 2013

Responsabilizar pela gestão danosa do Estado

Muito se fala em responsabilizar criminalmente aqueles que tiveram responsabilidades governativas e deixaram o país nesta situação. A gestão danosa é um crime, sendo mais grave quando se trata de questões relacionadas com o Estado. 
Responsabilizar os responsáveis pela austeridade cega em que nos encontramos seria díficil, já que apenas se podia apontar o dedo aos Primeiro-Ministros. 
Os governos vêm e vão mas quem paga a factura é sempre o zé povinho, como se costuma dizer. As consequências das irresponsabilidades só se verificam anos mais tarde e numa altura em que não se pode fazer rigorosamente mais nada para se evitar a catástrofe. Geralmente são pessoas bem intencionadas e que pretendem recuperar o país os bombeiros de serviço. Passos Coelho é o bombeiro de Portugal que tenta apagar os fogos que foram criados durante anos na máquina do Estado. A sua missão é de louvar mas impossível de ser compreendida pelas pessoas, é natural que assim seja porque o bolso está cada vez mais vazio e não há maneira de o ver crescer. Quem paga a factura é o que está sentado na cadeira, porque é ele que tem de tomar as decisões mais complicadas. Não o faz de ânimo leve e apresenta-se com cara de poucos amigos. As medidas duras têm de ser implementadas custe o que custar, não para benefício próprio mas porque o país está em primeiríssimo lugar. Não se pode crucificar alguém que com coragem toma decisões difíceis e em nome da colectividade, alguém que procura a todo o custo evitar que o futuro seja bem mais negro. O enorme corte na despesa que se anuncia vai demorar anos a produzir efeitos, os mesmos  que levaram a tornar a situação insustentável. Será duro para todos mas principalmente para aqueles que viveram à grande e à portuguesa à custa do Estado. 

Podem julgar politicamente o PM por inúmeras opções que tomou de forma errada, no entanto não se pode querer a sentença criminal a alguém que tem a coragem de prejudicar a sua imagem em detrimento do que é melhor para o país. 

7 comentários:

Fernando Vasconcelos disse...

Até concordo que não se pode responsabilizar Passos Coelho. Ele está a tomar uma decisão politica - certa ou errada mas uma decisão politica. Mas é precisamente por isso que quando se clama pela imputação criminal dos erros políticos eu pergunto sempre: E quem determina o que foi um erro "legitimo" de uma politica danosa por incompetência ou irresponsabilidade? Quem é que terá essa competência? Uns pseudo-economistas que hoje dizem uma coisa com a mesma descontracção com que amanhã dirão exactamente o inverso? Acho que é fundamental que a responsabilização se faça mas sem confundir o que é crime do que é opção politica mesmo que a consideremos errada - como a propósito acontece com o que penso da politica do actual governo: Totalmente errada e despropositada.

Francisco Castelo Branco disse...

aí é que está a dificuldade: saber distinguir "opção política" de "crime".

No crime ou gestão danosa a pessoa sabe que aquela opção, para além de irresponsável é ilegal. Na opção política só existe irresponsabilidade.

Fatyly disse...

Olha a minha cara de pena dele, dos amigos dele, dos eleitos por ele, dos anteriores, dos anteriores dos anteriores, do PR porque todos se encobriram uns aos outros e jamais "será duro principalmente para todos os que referi". Quem contratava para a função pública o amigo, do amigo, do prima e da prima etc, etc?
Gabaram-se de início que eram o "super sumo da batata" e o que agora foi implementado e o que mais virá...pecam por tardias. Resultado? Metem os pés pelas mãos, tudo feito em cima do joelho, salvaguardar os lobies e Vitor Gaspar é parecido com quem joga o euromilhões e não acerta um número!!!! Só por cima merecia uma daquelas medalhas de entregam com pompa e circunstância!!!!!

Todos, mas todos deveriam ser julgados, penalizados e espoliados numa justiça "mais célere" e olha agora mais o buracão das "swaps", que maravilha hem? e não sabiam? coitados deles...de todos!!!!!!

Quem não quer ser lobo que não lhe vista a pele e estes têm a coragem? que coragem? Acho que têm sim falta de maturidade e de salvar a sua imagem lá fora, porque por lá há uns lugares apetitosos que renderão mais por muito menos trabalho... em detrimento de um povo, cuja maioria onde me encontro sempre pagou o que devia e sobretudo em termos de impostos.
Em que casino apostaram? e agora pago ou deveriam pagar-me????

Quer cá, quer lá fora...todos já andam em campanhas eleitoralistas e o povo que se lixe.

Uma coisa PPC (agora com discurso de bom samaritano) cumpriu uma única coisa que prometeu: empobrecer ao máximo o povo!!!!

Felizmente que vai havendo políticos honestos, as tais excepções que realço sempre.







Francisco Castelo Branco disse...

então como é que se julgava? com que fundamento?

Fatyly disse...

Como? Deves saber bem melhor do que eu...mas fundamentos "por gestões danosas, corrupção e investimentos de bradar aos céus", mas indo bem lá atrás, 20 anitos chegavam mas convém fechar os olhos e deixar prescrever e depois disto...tudo serve apenas como arma de arremesso político e nós a pagarmos "reinados de pouca-vergonha, do vale tudo".

Os processos que decorrem não têm fundamentos que chegam? Então?

Agora nova receita de austeridade. Nova? Qual quê...idêntica e sobre sempre o elo mais fraco. Discurso indecifrável como convém, volta e meio elogiando o esforço de todos os portugueses...blá, blá trinta e um de boca.

Não quero que o governo mude, para quê? Queria apenas que dois ou três elementos fossem substituídos e talvez este governo de direita, desculpa fachista...olha-se mais para o povo que o elegeu do que...

deixa p'ra lá...o tempo irá dar a resposta e a penalização que merecem, quer eles, quer os da UE!

Sê feliz que eu também tento ser e já nem entro em discussões que não levam a lado nenhum!



luís rodrigues coelho Coelho disse...

Pois parece-me que enquanto os políticos forem impunes continuarão a cometer grandes danos ao país.
O único julgamento que eles tem é o voto popular mas este não chega para pagar os erros cometidos.

Em vez de ser o pobre a pagar toda a factura, que sejam os gestores públicos a pagar pelos extras e pelas verbas adicionais e alterações aos custos orçamentados.

Recordo a Ponte Vasco da Gama... o Centro cultural de Belém...a Expo 98...com a benção de Cavaco e seus pares...
Os orçamentos foram alterados por quê...?
Se erraram nos cálculos a culpa foi deles...e de mais ninguém.
Verificou-se que foram alterados uma...duas e muitas vezes até ao final...
Não será isso uma forma distinta e descarada de roubar e lesar todo o País...??????

Fernando Vasconcelos disse...

O voto julga as escolhas politicas não julga o crime. Não sei se os exemplos que deu serão crimes. Talvez sejam. Ou seja caso os orçamentos tenham derrapado com a conivência e para beneficio dos que encomendaram o trabalho são crimes com toda a certeza. A questão que se coloca é se a própria decisão de fazer uma obra como essas ou decidir da construção de uma auto estrada por exemplo pode só por si constituir um crime. Penso que é neste ponto que temos de ter cuidado em distinguir a opção por uma politica que é julgada pelo voto de gestão danosa quer seja para proveito próprio quer seja por incompetência que essa sim deve ser julgada pelos tribunais e acrescento de forma rápida e célere.

Share Button