quarta-feira, 15 de maio de 2013

Alguns nomes que estão a ser lançados

As autárquicas aproximam-se e os candidatos começam a saltar cá para fora. A lista de nomes para as autarquias, assembleias e freguesias é infinita e não é possível decorá-la. Nesta altura a curiosidade é enorme para saber quem é o "candidato" da terra. Alguns são meros militantes partidários de base que avançam em nome do partido mas outros fazem-no pelo apego à vila onde nasceram. As autárquicas têm esta particularidade especial: a vontade de estar à frente dos destinos da "terra" onde sempre nasceram é sempre especial. 
Dos inúmeros nomes que já são conhecidos, cabe-me destacar dois pela negativa: João Ribeiro, ex porta voz do PS e candidato à Câmara de Setúbal e Carlos Abreu Amorim, deputado pelo PSD que concorre à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, onde vai tentar fazer esquecer Luís Filipe Menezes. Conhecendo o perfil político dos dois candidatos só posso afirmar que é uma má opção por parte dos dois partidos. Tanto um como o outro não fizeram muito trabalho quando tiveram responsabilidades nos respectivos partidos, no entanto isso não é problema para alguém que queira ser candidato. A questão está relacionada com o peso de quem vai avançar. Tanto João Ribeiro como Abreu Amorim têm tarefas complicadas. O primeiro joga em terreno comunista e não sendo ele um histórico socialista não me parece que tenha a força suficiente para mudar. O PS costuma jogar forte em Lisboa e Porto e esquece as restantes capitais de distrito, locais onde normalmente o PSD consegue vencer. A aposta em João Ribeiro é revela isto mesmo. Já Abreu Amorim não tem o perfil indicado para aqueles que apoiaram Menezes durante anos o vejam como alguém capaz de o substituir. É verdade que não é fácil chegar aos calcanhares de Menezes em Gaia, no entanto a aposta em alguém que faz parte do círculo histórico do PSD faria mais sentido. Talvez Rui Rio quem sabe.....

As autárquicas estão à porta e apesar da crise vai ser interessante saber qual será a cor do cartão que os portugueses darão ao governo, contudo a aposta do PS em nomes pouco sonantes pode dar a Seguro uma vitória moral e não uma banhada como se espera. 

Sem comentários:

Share Button