Etiquetas

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Festival Ching Ming


Comemora-se amanhã em Macau o Dia dos Antepassados, o Festival Ching Ming (cantonês) ou Qingming (mandarim).
Feriado obrigatório em Macau, Hong Kong, Taiwan e, desde 2008, também no interior da China, o Ching Ming é comemorado no 104º dia após o solstício de Inverno ou 15º dia após o Equinócio da Primavera.
Normalmente, no calendário Gregoriano, este dia corresponde ao dia 5 de Abril.
Este ano, curiosamente, comemora-se no dia 4.
Um duplo 4 (4 de Abril) de mau augúrio no cantonês (quatro pronuncia-se sei, muito semelhante ao som de morte) e é um número a evitar a todo o custo (na matrícula do automóvel, no número do portátil, no andar do prédio)
O Ching Ming é um dia tradicionalmente reservado pelas pessoas para saírem de casa, fruirem a Primavera, o renovar da Natureza, e, simultaneamente, cuidar dos túmulos dos antepassados.
Os crentes deslocam-se aos cemitérios, oram junto aos túmulos dos seus antepassados, limpam e cuidam do aspecto desses túmulos, fazem oferendas.
Essas oferendas consistem normalmente em comida, chá, vinho, fai chi (os tradicionais "pauzinhos") e papéis votivos, muitas vezes representando dinheiro e outros bens materias (carros, casas, telefones).
Uma forma de manter os espíritos dos antepassados bem alimentados e felizes, acreditam os seguidores destas práticas, uma vez que, mais uma vez de acordo com a crença, os espíritos dos antepassados continuam a necessitar destes bens materiais após a morte.
Neste dia é normal ver as famílias reunidas nos cemitérios, ou lugares circundantes, a tomarem uma refeição com as oferendas que transportam, acreditando que estão a tomar essa refeição também em conjunto com os seus antepassados.
Supostamente uma tradição com mais de 2500 anos de prática, com raízes na Dinastia Tang e no Imperador Xuanzong, comemora-se amanhã em Macau o Festival Ching Ming, ou Dia dos Antepassados.
Que não se deve confundir, de maneira nenhuma, com o Dia de Todos os Santos, uma tradição católica, comemorado em Portugal no dia 1 de Novembro e aqui no dia 2 de Novembro.

16 comentários:

ana disse...

É muito interessante esta comunhão familiar, embora estranha para nós.
beijinho. :)

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

Não se trata de uma prática religiosa, ana
Pelo contrário, é profundamente pagã
Mas faz parte da tal diversidade de costumes, de tradições, de culturas, que tornam Macau num sítio realmente único
Beijinho

Pedro Coimbra disse...

O que é que aconteceu?????

francisoc disse...

um vírus Chi ming

Pedro Coimbra disse...

Deve ter sido, Francisco :))
Livra, até me assustei a ver a minha cara tantas vezes! :))

Share Button