segunda-feira, 15 de abril de 2013

Derrota sem espinhas

Menezes e Seara não podem candidatar-se às Câmaras do Porto e Lisboa respectivamente. A decisão judicial é para respeitar mesmo que em causa esteja uma decisão política, e em meu entender uma lei mal feita que pode ter diversas interpretações. Com a nega a Fernando Seara seria um escândalo que Menezes tivesse luz verde. A haver decisões diferentes caíria o carmo e a trindade neste país, mas nós já estamos habituados a decisões contraditórias por parte da justiça. No entanto, acho que a decisão em relação a Seara influenciou o acordão na questão de Luis Filipe Menezes. 

Para o PSD é um enorme problema. A cinco meses de meio das autárquicas vai ter substituir os únicos candidatos que lhe podem trazer uma vitória moral nas eleições, já que a vitória nas urnas será sempre do PS. No entanto, caso Seara ou Menezes, ou mesmo os dois vencessem as respectivas Câmaras seria um balão de oxigénio. Para além da questão temporal, é preciso substituir alguém com qualidades reconhecidas. À primeira vista não há nenhum em Lisboa e Porto que ganhe de caras as autarquias. Com Rui Moreira no Porto tendo o apoio do CDS e um Costa forte na capital, resta ao PSD lançar dois nomes que evitem uma derrota histórica para os sociais democratas. 

Na minha opinião, quem fica a ganhar com esta decisão é Rui Moreira e António Costa porque assim não têm adversários de peso. Por outro lado, Pedro Passos Coelho arrecada mais uma derrota política porque deveria ter tido em conta a questão da lei que limita os mandatos e substituir de imediato os dois candidatos, porque mesmo que ganhem em recurso tanto Menezes como Seara já vão feridos de ilegalidades para a campanha autárquica.

1 comentário:

Fatyly disse...

Primeiro foi o "de" e o "da", depois foi repetirem a inconstitucionalidade de "cortes", depois foi a demissão dos três juizes do TC, a carta à Troika sem dizer nada ao povo e aos parceiros políticos versus oposição...ou seja ir além da lei e ainda bem que Seara não vai, a não ser que os Lisboetas quisessem um "encantador de desencantor, um super destruidor de árvores e autor de tantas rotundas que é obra". Bolas!

Já agora explica-me uma coisa se não te importares:

o que significa uma vitória moral? Qual é o seu peso num país recheado de imoralidades?

Share Button