segunda-feira, 4 de março de 2013

O eterno problema

Há quase 40 anos que em Portugal é moda fazer greves, sobretudo no sector dos transportes. Desde que estes entraram em falência técnica os protestos aumentaram a um ritmo acelerado. Empresas como a CP, Metro de Lisboa e Soflusa viveram anos e anos à custa do dinheiro das ajudas do Estado. 
Esta onda de greves faz-me lembrar o trabalhador português típico que quer receber mas não trabalha. O não trabalhar enquadra-se numa lógica de chegar tarde ao local de trabalho, fumar não sei quantos cigarros por dia e depois sai do emprego por volta das 21, não porque produziu mas porque andou a navegar na net porque não tinha mais para fazer. Estando a maioria das empresas de transporte em declínio, não percebo a razão das greves. O que estas empresas deveriam fazer é agradecer ao governo por ainda existirem, mesmo não estando de boa saúde. Seja feita justiça ao secretário de Estado Sérgio Monteiro que tem equilibrado as contas neste sector. No entanto, este é um sector que necessita de uma reformulação imediata. Ter várias empresas diferentes para gerir a linha de comboios, o metro, os barcos e os autocarros, tudo na zona de Lisboa é um disparate e um desperdício de dinheiro. 
Estes serviços deveriam ser integrados numa grande empresa que englobasse os transportes públicos. Quem vai de Lisboa para Cascais utiliza a CP, caso seja preciso mudar de transporte, troca também de empresa.Não se entende esta falta de coordenação, ainda para mais em cidades populosas como Cascais e Sintra que, no meu entender deveriam "cooperar" com Lisboa neste aspecto. Não era má ideia a criação de empresas intermunicipais que gerissem estes serviços para facilitar até na questão dos títulos. Certamente que poupariam muitos euros e sairiam beneficiados porque motivava as pessoas a usar com mais frequência os transportes públicos. 
Eu acho uma vergonha as inúmeras greves que se faz neste sector, nomeadamente a nível da CP e Metro de Lisboa. Aqui está uma boa oportunidade para reformar o Estado. 

Sem comentários:

Share Button