quinta-feira, 28 de março de 2013

O esperado aconteceu

A entrevista de ontem do ex-PM, como se esperava foi uma tentativa de se desculpar perante os portugueses. Neste aspecto Sócrates não acrescentou nenhuma novidade e até confirmou aquilo que a maioria dos analistas preconizava. 
O que não se esperava eram as críticas ao Presidente da República e à forma como este se comportou perante a crise política. Devo recordar ao antigo Primeiro-Ministro que foi o próprio a demitir-se quando não obteve o apoio do PSD para aprovar o PEC IV, quando não havia nenhuma normal constitucional que obrigasse a que isso fosse feito.  Ao falar em "dois pesos e duas medidas", Sócrates está nitidamente a vitimizar-se o que aliás é uma das suas principais faculdades, característica que não encontro em Pedro Passos Coelho. 

Esperava que na entrevista de ontem, Sócrates fosse ajustar contas com o actual PM. Fiquei positivamente surpreendido pela atitude nesta matéria, contudo fico estupefacto quando sugere ao governo que pare com a austeridade. Foi por causa da austeridade que Sócrates caiu e tudo por causa dos inúmeros PEC apresentados em sede parlamentar. 

Acho que é perceptível perceber a razão pela qual o PM aceitou ser comentador da RTP: Por um lado, quer fazer oposição ao Presidente da República ganhando respeito junto da opinião pública para uma candidatura daqui a 3 anos. Quem costuma ganhar as eleições presidenciais é alguém cuja cor política seja diferente do Presidente da República actual, pelo que Sócrates pode ganhar votos criticando Cavaco e ao mesmo tempo fazendo-se de virgem ofendida. Por outro lado, enquanto comentador da estação pública, Sócrates vai comparar o presente com o passado, defendendo naturalmente que durante o seu mandato a situação do país era muito melhor. Claro que o país estava melhor há dois anos, no entanto por alguma razão os portugueses escolheram mudar de PM. 

Foi uma entrevista que não apresentou grandes novidades porque todos os portugueses conhecem bem José Socrates, contudo o seu regresso veio baralhar as contas e colocar a política ao rubro.


Nota: Este é o ultimo post até à Páscoa, regressamos dia 1 de Abril. A equipa do Olhar Direito deseja uma Páscoa feliz a todos que nos visitam. 

1 comentário:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Não vi a entrevista. Ouvi os apontamentos nos telejornais e até me pareceu que lhe deram demasiada importância.

Novidades não foram nenhumas mas ele irá continuar a atirar farpas...assim lhe abram as portas.

Share Button