Etiquetas

terça-feira, 5 de março de 2013

Liberal, logo tolerante XVII

Um liberal é por natureza tolerante. Em relação a si mesmo mas também para com os outros. Aquele que defende valores importantes como a família, a iniciativa privada, o ser compreensivo perante as decisões dos outros mas não resignado tem uma atitude tolerante perante os problemas que se lhe colocam no dia a dia. 
Ser liberal é muito mais do que defender valores políticos próximos da auto regulação económica e também com o papel do Estado na sociedade. Vai muito para além disso. Os liberais não gostam de incursões alheias pela sua vida privada nem têm essa atitude perante os outros. Preferem arriscar individualmente do que agir em sociedade, confiando em primeiro nas suas capacidades e não na falsa honestidade com quem se trabalha. 

Por norma os liberais confiam mais nas suas capacidades do que os outros, pelo simples facto de não se deixarem influenciar pelas opiniões alheias. Ser livre nas escolhas a tomar é o primeiro passo para ser tolerante nas atitudes de discordância que se tem perante os outros. 

Repare-se na forma como este governo, dito liberal aceita as manifestações de descontentamento de maneira democrática. Não há uma repressão público, um sinal de intolerância para com aqueles que, mostrando falta de respeito, interromperam as audiências com os ministros ou fizeram esperas ao próprio PM. 

O aspecto da tolerância é muito importante em política mas também na vida em geral. A compreensão e aceitação originam um novo fôlego, bem como novas ideias e oportunidades. A visão liberal reflecte-se nas políticas prosseguidas e na sua orientação, mas tudo gira em torno da tolerância. Esta é o contrário de radicalismo, bem como de outras ideologias.

Sem comentários:

Share Button