Etiquetas

quinta-feira, 14 de março de 2013

Francisco I

Em primeiro lugar, devo congratular-me pelo nome escolhido por Georgio Bergoglio. Finalmente chegou a hora dos franciscanos serem líderes da Igreja Católica, no entanto este é um Papa jesuíta que adoptou um nome franciscano. 

Ao contrário do que vaticina o Pedro no post abaixo, não acredito que Francisco I seja a continuidade de Bento XVI. Ainda não sei muito sobre este Papa, contudo as primeiras reacções à eleição do Bispo de Roma, levam-me a pensar que estamos perante um homem humilde, com bom coração, e coloca as pessoas em primeiro lugar. Apesar das suas posições sobre alguns assuntos polémicos, tenho a esperança que Bergoglio coloque acima dos seus pensamentos, o bem estar comum. Se assim for, o Papa pode abrir uma nova era na Igreja Católica que tanto precisa de reformas. Não digo mudar mentalidades, mas há certos aspectos que a sociedade já não aceita, nem mesmo as defendidas pela Igreja. 

O papel do novo Papa será atingir o coração das pessoas, através das palavras que elas querem ouvir e não das que sejam impostas pelo líder religioso sob a orientação da Igreja Católica. Um facto que retirei do primeiro discurso de Francisco, foi ter feito uma piada perante milhares de fieís. Eu não percebo italiano, mas deu para perceber o riso tímido com que os presentes reagiram perante as palavras de Bergoglio. Na altura fiquei a pensar que isso poderia ser um bom indicador, além do mais a serenidade com que encarou a multidão deu para fazer uma primeira avaliação positiva. 

Acho que Papa vai criar uma nova imagem da Igreja Católica no que respeita aos seus princípios e valores. Tenho a convicção da vontade deste Papa em efectuar mudanças e alterar mentalidades no seio do Vaticano. 


5 comentários:

FireHead disse...

Diz-se, com razão, que o mundo vai de mal a pior. A nossa sociedade está descaracterizada e cada vez mais sem valores nem princípios. Ora, se os católicos de verdade acreditam que a Igreja é que salva, logo nada mais normal do que ser o mundo a adaptar-se à Igreja para se salvar, e não o contrário. Se é o mundo que está podre e decadente, é a Igreja que o tem de acompanhar na podridão e decadência? É óbvio que não.

Este Papa pelo que vejo é um fiel guardião da Tradição bimilenar da Igreja. Há coisas que não podem jamais ser mudadas, por muito que desagrade aos progressistas e modernistas. A Igreja não é uma democracia, felizmente. Se se dizem católicos e têm reservas em relação à posição da Igreja acerca das coisas, porque é que continuam então a ser católicos? Se acreditam que podem ser seguidores de Jesus Cristo e negar a Tradição começada precisamente com Ele, de que esperam para se tornar protestantes? O que não falta são seitas que dizem que são cristãs e que aceitam todas e mais algumas porcarias mundanas profanas e blasfemas.

E é exactamente por isso que o evangelista Mateus escreveu que "muitos serão chamados, mas poucos os escolhidos" para a salvação.

Rui da Bica disse...

Oxalá ! :))... Concordo plenamente, no entanto, 2 dados "duvidosos" : a idade não parece ser aquela de que todos estavam à espera e o facto de ter sido o maior "concorrente" à eleição do anterior Papa.
Não se trata do que se possa considerar "sangue novo" para as "mudanças" necessárias !?
.

Pedro Coimbra disse...

Não acredito em mudanças, muito menos em mudanças radicais, Francisco.
Francisco I é um fiel seguidor da escola de Bento XVI, um profundo conservador, um dogmático no pior sentido do termo.
O facto de ser humilde, de ser alguém que cultiva um estilo de vida franciscano (sim , de Francisco de Assis, FireHead) vai mudar com eleição como Papa.
Uma eleição que Bergoglio não queria talvez por não querer perder essa faceta que mais positivamente o caracteriza.
Insisto, same same but different.

francisoc disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Francisco Castelo Branco disse...

Pedro

Depende como enfrentar os poderes instituídos do Vaticano, no entanto a simplicidade não significa mudanças a nivel institucional.

Se há instituição dificil de mudar, a igreja é uma delas

Share Button