sábado, 30 de junho de 2012

Novo modelo de portagens, a partir de Outubro, na A28 e demais SCUTS




A  A 28  - Auto-Estrada do Litoral Norte constitui-se como o eixo estrutural da região Norte Litoral.  Articulada com várias zonas industriais dos municípios que atravessa, por ter sido construída como via rápida, parte do  IC 1 , construído no início da década de 1990 para servir de alternativa à N 13, estrada já então congestionada e urbanizada em grande parte do seu percurso.

Devido ao seu perfil foi classificada como auto-estrada e integrada na rede nacional, tendo para isso sido realizadas algumas melhorias de asfalto; foi concessionada à então Euroscut Norte (actual Auto-Estradas do Norte Litoral) e passou a regime SCUT, apesar de não ter sido construída neste regime.

Esta auto-estrada liga o Porto a Vilar de Mouros e atravessa os concelhos de Matosinhos, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Esposende, Viana do Castelo e Caminha, nos distritos de Viana, Braga e Porto.

Em Abril de 2010, o então ministro das Obras Públicas, António Mendonça, afirmava que a introdução de portagens em três SCUT do norte e centro era  uma "questão de justiça, equidade e solidariedade relativamente aquilo que é praticado em todo o país".

O  PSD, já liderado por Pedro Passos Coelho, mostrou-se disponível para viabilizar não só a introdução de 'chips' nos automóveis, mas também a cobrança em SCUTS a partir de 1 de Julho, desde que se verificassem  “três requisitos”:  “universalidade, equidade e transparência nos critérios”.  O objectivo do PSD era acabar com aquilo que apelidou  de “sentimento generalizado de injustiça”.

A 15 de Outubro de 2010, a A 28  passou a ser taxada através de portagem electrónica entre Matosinhos e Viana do Castelo - o troço urbano junto ao Porto e a Matosinhos manteve-se gratuito. A alternativa existente continua a ser a velhinha e (cada vez mais)  sobrecarregada N13. Os sistemas de transportes públicos (rodoviários e ferroviários) não se revelam também solução eficaz para a maioria dos utilizadores.

O regime de discriminação positiva, tal como vigora actualmente, às auto-estradas ex-SCUT deveria terminar hoje (30 de Junho de 2012), nas regiões com um índice de poder de compra acima de 80 por cento da média do PIB per capita nacional, tendo o Governo decidido prolongar, por mais três meses, as isenções parciais das portagens.

De acordo com comunicado do Ministério da Economia e do Emprego,  "o regime de discriminação positiva actualmente praticado nestas vias não é consentâneo com os princípios estabelecidos pela Comissão Europeia - Directiva Eurovinheta", que "impõe que as portagens devem ser aplicadas sem discriminação directa ou indirecta, por razões associadas à nacionalidade do utilizador, ou que, ainda que não estejam expressamente relacionadas com a nacionalidade, conduzam de facto, através da aplicação de outros critérios de distinção, ao mesmo resultado".

Em todo o país existem actualmente sete concessões que antes estavam abrangidas pelo regime Sem Custos para o Utilizador (SCUT). As populações e empresas locais com residência ou sede na área de influência destas auto-estradas, que passaram a ser portajadas, beneficiaram até agora de um sistema misto de isenções e de descontos nas taxas.

O comunicado do Ministério da Economia e do Emprego adianta que após este período (3 meses)  “será aprovado e aplicado um regime de descontos e/ou taxas nestas vias que obedeça a critérios de aplicação e montante que estejam em conformidade com o disposto na legislação europeia e que garanta e salvaguarde que, da aplicação do regime de cobrança de taxas de portagens, não resulte a discriminação dos utilizadores destas auto-estradas".

Esperemos que das conversações entre o  Governo e a Comissão Europeia possa resultar um modelo que não agrave mais os custos para os (já sobrecarregados) utilizadores nem prejudique as relações económicas entre a Região Norte de Portugal e a Galiza.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

A Grande Viagem dos Salmões - 1ª tentativa XXXIV

(....)

A vez de Salmonisco estava a chegar. Tinha de passar mais uma vez pela boca dos ursos, sabendo que desta vez o salvamento de Salmonão dependia da ultrapassagem deste osbtáculo. No entanto haveria mais perigos para enfrentar.

Salmonisco ganhou bastante balanço, tendo saido da água a grande velocidade. Contudo, mal saiu cá para fora, encontrou uma boca enorme pronto para o comer. Ainda bateu com a escama num dente mas rapidamente saiu cá para fora, evitando assim ser comido. O Urso fechou imediatamente a boca mas não conseguiu apanhar o peixe. Não era Ursosami o envolvido. Salmonisco caiu de novo para dentro de água ficando aliviado por ter escapado por pouco à morte.

Os outros esperavam ansiosamente a sua chegada. Como não sabiam o que se passava fora de água, aguardavam pacientemente pela boa nova. Uma das mais ansiosas era Salmoinês que sentia Salmonisco em apuros.

- Isto não está a correr bem, ele nunca mais vem.....- pensava ela.

Durante a espera, havia quem não quisesse esperar pelo lider e seguir o seu caminho. Salmozão afirmava por váriadissimas vezes que Salmonisco já não estava vivo e nunca iria ter com eles, pelo que era melhor continuarem todos sem o lider. Este era também um dos rivais de Salmonisco dentro dos Salmonix. Havia ficado com o primeiro grupo porque sabia da possível desagregação que Salmolipe iria ter entre os seus pares.

No entanto, a maioria os salmões que acompanhavam Salmonisco e haviam ultrapassado a Boca dos Ursos queriam esperar pelo seu lider. Todos confiavam na sua capacidade. Salmozão tinha  a seu lado dois ou três salmões, isto num grupo de quase 30.

(continua dia 30....)

Obamacare, seguro de vida eleitoral

A 4 meses das eleições norte-americanas, Barack Obama obteve uma vitória importante na sua caminhada para ser reeleito como Presidente dos Estados Unidos.
Numa altura em que a sua popularidade não está em grande, devido ao desemprego mas também com problemas no défice, a denominada Obamacare é um balão de oxigénio para o actual Presidente dos Estados Unidos, que não tem a sua reeleição garantida. Apesar de tudo, esta vitória pode ser um passo importante para a ganhar a Romney, nem que seja por uma curta vantagem. Contudo, a vencer as eleições, Obama não deverá conseguir uma diferença maior do que obteve com John Mccain há quatro anos atrás.
Para já, Obama respira de alívio com este triunfo, no entanto Romney está a ser uma autêntica surpresa.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

O nosso fado será sempre o mesmo?

fotografia tirada da página de Cristiano Ronaldo no facebook




O Jornal Record juntou todas as capas após os jogos decisivos das fases finais de europeus e mundiais em que Portugal participou desde 2000 até ao jogo de ontem. Desde o Euro 2000 na Holanda e Bélgica que a selecção não falha um torneio, aumentando assim as probabilidades de conseguir conquistar o torneio ou simplesmente chegar o mais longe possível.
Desde esse ano, o de 2000 que os resultados da equipa das quinas foi o seguinte:  Euro 2000, Meias finais - eliminados pela França, Mundial 2002 - não passámos da fase de grupos, Euro 2004 - eliminados pela ...... na Final, Mundial 2006 - Eliminados pela França nas Meias finais, Euro 2008 - eliminados pela Alemanha nos Quartos, Mundial 2010 - Eliminados pela Espanha nos Oitavos e Euro 2012 - Eliminados pela Espanha nos penalties.

Estes foram os nossos resultados desde o começo da década, desde que a nossa presença tem sido permanente. Esquecendo 84 e 66 porque já vai longe, Portugal conseguiu 4 meias finais, ultrapassando apenas uma vez essa fase. Foi no nosso Euro. Portanto, há muito que a selecção faz parte das quatro melhores equipas dos torneios, sendo que falta passar com maior frequência essa barreira. Quando Portugal não consegue bons resultados de inicio, ficámos pelos Quartos, Oitavos ou mesmo, no caso de 2002, não conseguir passar a fase de grupos.

Concluimos que as bestas negras de Portugal são a França e a Espanha, embora a Alemanha também não seja um bom adversário. Em quatro ocasiões, a nossa selecção foi eliminada por estas três equipas. França por duas vezes em 2000 e 2006, a Espanha em 2010 e 2012 e a Alemanha em 2008. Ao invés, nunca eliminámos estas equipas na nossa caminhada em termos de jogos a eliminar, porque como se sabe, a Espanha caiu aos pés de Portugal na fase de grupos do Euro 2004, mas era outra Espanha. No fundo, foi o fim de uma geração que depois deu lugar a uma que ganha tudo. A ultima derrota da La Roja em europeus foi precisamente frente a Portugal. Contudo, nem só de bestas negras se faz o caminho da selecção. Holanda, Inglaterra e Rep Checa nunca lograram vencer a equipa de todos nós.

É quase um dado adquirido que se Portugal quiser estar presente outra vez numa final terá forçosamente de tentar evitar Espanha, França ou Alemanha no começo da segunda fase das provas.
Também é uma realidade que os resultados de 2002, 2008 e 2010 relacionam-se com algo mais do que uma derrota desportivo. Em 2002 foi a vergonha que se viu com o seleccionador António Oliveira, em 2008 o ciclo Scolari já tinha chegado ao fim e em 2010 Queiroz não conseguiu domar um grupo de vedetas, acabando ele próprio por se queimar.

No entanto, é nosso destino que algo de "sobrenatural" aconteça para não passarmos o ultimo obstáculo. Em 2000 foi aquele penalti de Abel Xavier. Nada a dizer mas seria escusado meter a mão. No Mundial da Coreia todos se recordam do murro de JVP e dos castigos a Paulo Bento e não só. E que dizer do facto da equipa não ter sido informada que não era preciso jogar para ganhar, pois o Polónia-EUA favorecia a selecção. Em 2004, quando o país estava quase a festejar, Charisteas decidiu estragar a festa antecipada. Em 2006, mais um jogo contra a França e mais um penalti que deixou a desejar. Em 2008 foi também um golo irregular de Ballack que nos eliminou, no Mundial 2010 as questões de divisão não podem explicar tudo e até houve um golo meio-irregular de David Villa que nos colocou fora. Apesar de ontem não haver razões de queixa do árbitro, a trave impediu-nos de continuar a sonhar. E o poste ajudou a Espanha poder conquistar algo inédito na história do futebol.

Ainda não foi desta que o nosso destino se encontrou com a Taça Henri Delaunay. Apesar das tentativas e de alguns infortúnios, esta Selecção sabe que a sua hora chegará. Há que continuar a lutar contra as estatisticas e as bestas negras, contra algumas ajudas extra para os adversários, um possível mau estar que haja antes e durante os campeonatos, mas a bola não irá bater trave sempre. E pode ser já no Brasil, onde além da selecção da casa, a portuguesa será de certeza acarinhada em qualquer estádio que entre.




À espera das facas afiadas e dos apoiantes da Rep.Checa

Depois de consumada a derrota de Portugal ( os espanhois são melhores e perante esse facto nada há a fazer....), chega a hora de fazer o balanço ( muito positivo claramente...) e começar a preparação rumo ao Brasil 2014. Convêm que a fase de qualificação não seja tão sofrida como a que foi para chegar ao Euro 2012, sob pena do capital de credibilidade e qualidade não se perder rapidamente. É preciso no entanto, mudar alguns paradigmas do futebol português, porque ha existirem mais soluções alternativas ao 11 inicial, Portugal poderia ter abordado o jogo de ontem com outro risco, mas o cansaço não permitiu.

Feitas as contas nacionais e do regresso a casa, todos à espera que Paulo Bento meta tudo cá para fora em relação às criticas que antecederam o Campeonato da Europa. O seleccionador nacional prometeu e vai cumprir. Será numa entrevista que ele próprio já anteveu que vai dar.....mesmo antes de ter sido convidado. No fundo, Bento convidou-se a si próprio para ir à Televisão contar tudo e pôr as coisas nos nomes.

Agora sim vem a melhor parte da participação portuguesa do campeonato da Europa. Aquele momento em através da Comunicação social se revelam factos interessantes que por certo estiveram por detrás das derrotas portuguesas. E não me venham falar que o Charisteas ou as bolas nos postes são explicação para tudo, porque de facto quando é preciso vencer, ou seja quando é preciso matar, Portugal perde sempre.

Após a estadia nas mui distantes Polónia e Ucrânia, regressamos ao nosso país e à sua pequenez. Todos estamos à espera do que Bento vai revelar. Com isso irá abrir-se uma nova frente de polémica e troca de palavras entre os responsáveis do nosso futebol. São eles próprios que desestabilizam e fazem a bola andar para trás. Em vez de se preocuparem com a formação e outras questões, o mais importante é dar entrevistas para abrir uma frente de batalha completamente desnecessária. Ora, Paulo Bento apesar do excelente Europeu não pode estar isento de culpas. Todos já o conhecemos dos seus tempos do Sporting em que "só" ganhava Taças e segundos lugares. Não quero retirar o mérito ao seleccionador mas ele devia aproveitar este excelente momento para unir as pessoas à volta da Selecção. Com as futuras declarações, Bento só vai afastar as pessoas da equipa nacional e criar divisões. Parece que a união só serve nos bons momentos e quando estamos longe de Portugal. Quando voltamos a este cantinho, tudo o que foi aprendido lá fora rapidamente é esquecido.

Apesar da curiosidade em saber quem é que esteve de facas afiadas e com cachecóis da Republica Checa, acho que Paulo Bento devia lidar bem com as críticas e seguir o trabalho rumo ao Mundial 2014.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Quem terá mais ajuda do FMI?

Portugal e Espanha decidem a passagam à final do Euro 2012 de futebol. Este é um derby ibérico que se tem repetido ao longo dos ultimos dez anos. Nos dois ultimos dois jogos o saldo é um empate, pelo que o resultado de hoje vai desempatar a favor de uma das selecções.

Não é apenas a carga futebolistica que está em causa no relvado de Donetsk mas também há um facto curioso que entra hoje em campo. Ambos os países são governados pela Direita e as duas nações estão sob a alçada do FMI, embora os espanhois não terão que ser condicionados pelas medidas de austeridade. Também neste aspecto nuestros hermanos são favorecidos em relação, esperamos é que o turco Cakir não esteja sob influência do FMI e da senhora Merkel.  

Por tudo isto, os dois países ficarão parados durante 90, 120 ou até minutos para festejarem uma vitória que lhes trará enorme alegria, ajudando a esquecer por poucos momentos é certo, o momento dificil que atravessam. A Espanha é campeã da Europa e do Mundo mas entra sempre com "ganas" de ganhar e Portugal há muito que procura o tão ambicionado título e nunca como agora está mais perto de consegui-lo.

Infelizmente tanto Espanha como Portugal poderão ter que vir a enfrentar a poderosa Alemanha na final. Aí será dificil alcançar uma vitória pois a influência de Merkel ainda é grande. Assim resta-nos vencer La Roja e esperar que os italianos (também eles em vias de pedir ajuda...), ganhem aos Alemães. No fundo, gregos, irlandeses, espanhois e portugueses estarão amanhâ com Squadra Azzura.

Do ponto de vista futebolistico, Portugal não tem que temer a Espanha, apesar do tiki-taka, embora com menos velocidade e mais previsibilidade. No entanto, nós cá contamos com a Padeira, com Nuno Gomes, mas essencialmente com a estrela do momento.

Querem apostar que se Portugal vencer a palavra crise vai deixar de ser pronunciada quase diariamente? Bom mas hoje não é dia para pensarmos no défice, nas contas públicas nem nas mais que prováveis medidas de austeridade.

Há quem diga que  aquele perder, será o primeiro entre os dois a cair na bancarrota. Não foi por mero acaso que a Grécia foi a primeira a ficar fora do Euro.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Taxar abortos é a nova brincadeira de Gaspar

Todos sabemos que a situação orçamental não está perfeitamente controlada, apesar das avaliações da troika. Vitor Gaspar e Passos Coelho tentam a tudo o custo evitar mais austeridade, isto se tivermos em linha as ultimas noticias bem como a não rejeição por parte do PM de ter que tomar eventuais medidas num futuro próximo.

Para não ter que aumentar ainda mais os impostos, irá ser uma inevitabilidade?, Coelho e o Drácula das Finanças procuram outras formas mais subtis de arranjar dinheiro para os cofres do Estado. Já sem poder cortar os subsídios de Natal e de Férias, os dois querem que os cidadãos que não pagam bilhete nos transportes colectivos paguem multa, e o mais escandoloso é que as grávidas que pretendam abortar o façam mediante o pagamento de uma taxa moderadora entre os 20 e 25 euros.

Sabemos que é preciso ir buscar dinheiro que não estava previsto, mas escusado será dizer que haveria outras formas mais realistas para o fazer. Por este acto nota-se bem o desespero que Gaspar e Coelho têm, senão terão de inevitávelmente pedir mais ajuda ao FMI e em troca disso implementar mais medidas de austeridade, lembram-se da Grécia?

Pode ser com que esta nova taxa o número de abortos diminua, o que até pode levar a uma nova discussão sobre este tema no nosso país, mas a medida é caricata e sem sentido. Quantos aos prevaricadores que costumam usufruir do serviço de transporte sem bilhete, cuidado porque em vez dos habituais picas teremos inspectores das finanças a fazer o controlo das passagens.

Portugal também é inovador na forma de cobrar impostos.

Mais um no clube dos desempregados

O Chipre é o quinto país da União Europeia, depois de Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha; a pedir ajuda ao FMI. Com o pedido de assistência cipriota, os países em dificuldades completam uma mão cheia, prometendo não ficar por aqui, já que a Itália deve ser a nação que se segue neste contágio epidémico da dívida que está a dar cabo da Europa, ao ponto de se falar em bancarrota na Grécia e necessidade de mais austeridade em Portugal.

O caso cipriota é particularmente interessante, tendo em conta que a sua economica ficou muito exposto à dívida grego e devido às relações de proximidade e comercial entre os dois países era natural que Nicosia tivesse de se socorrer de uma ajuda financeira. Assim sendo, a provável bancarrota grega poderá levar a ilha ao fundo.

Em vésperas de mais um Conselho Europeu a situação cipriota deve ser tema de debate. É notório que a Zona Euro continua a degradar-se apesar das tentativas falhadas de antigo dueto Merkel-Sarkozy em criar mecanismos de rigor orçamental. No entanto, nem sempre a organização do orçamento é suficiente para fazer a economia crescer. Tudo bem que é preciso arrumar a casa, mas esta nunca será competitiva se ficar quieta no seu lugar. Ao mesmo tempo das limpezas é preciso arranjar forma, para que os outros a possam visitar.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

A Malapata inglesa......

Os ingleses estavam confiantes mas foram os italianos que acabaram por festejar. O 0-0 manteve-se até aos 120 minutos do jogo entre Inglaterra-Itália referente aos quartos-de-final do Euro 2012. Faltava saber quem seria a quarta melhor selecção europeia depois de Portugal, Alemanha e Espanha.

Os ingleses cansados viam nas grandes penalidades a unica forma de vencer uma Itália que desperdiçou várias ocasiões de golos e manteve o dominio de jogo desde a segunda parte até aos minuto 120. Quando Proença apitou para as grandes penalidades, da bancada onde vieram milhares de ingleses, havia um sentimento misto. Se por um lado, o jogo estava acabado e ainda não estavam eliminados, por outro muitos recordaram o passado recente:  nas ultimas cinco vezes que os ingleses foram a penalties em fases a eliminar nas grandes competições tinham perdido sempre.

A saber : Mundial 90, Euro 96, Mundial 98, Euro 2004, Mundial 2006 e agora no Euro 2012.

Os ingleses ainda quiseram mudar a história quando estiveram em vantagem por 2-1 após o falhanço de Montolivo, mas quando Pirlo marcou "à Panenka" ou "à Postiga", a equipa inglesa foi-se abaixo, tendo Ashley Young e Ashley Cole falhado e acabado por dar a vitória aos italianos.


Será dificil perceber o que está por detrás desta forma de perder nas eliminatórias das fases finais, mas já está um obstáculo psicológico à selecção inglesa neste tipo de eventos. Curioso é que foram os próprios britânicos que mais fizeram por chegar às grandes penalidades. Haverá volta a dar?

84 anos a sonhar com o poder

Demorou 84 anos a chegar ao poder, mas a verdade é que a Irmandade Muçulmana conseguiu chegar ao lugar que há muito aguardava. Um ano e meio depois da queda de Mubarak e após enormes dificuldades para que as eleições se realizassem, a frente islamita egípcia convenceu os egípcios de que era a melhor solução para "substituir" Mubarak.
Entretanto, no meio desta confusão eleitoral, o histórico Presidente egípcio faleceu sem ter assistido a uma mudança radical no país dos Faraós mas também na região.

No fundo, o objectivo da IM foi conseguido. Provocar uma revolta popular, derrubar Mubarak e chegar ao poder. Não sei se os egípcios foram forçados a tomar esta escolha ou simplesmente a maioria da sua população é muçulmana mas a verdade é que em termos políticos, aquele país vai virar de um extremo para o outro. Contudo, não será fácil convencer os militares, muitos deles aliados do antigo regime; a aceitar esta vitória da Irmandade, mesmo com os 51,73 que Mohamed Mursi obteve na votação.

Será interessante como reagirá a comunidade internacional a estes acontecimentos, nomeadamente os Estados Unidos. Recorde-se que eles tiveram um papel fundamental na destituição de Hosni Mubarak. Mas com certeza que não quererão mais um problema de radicalismo no maior país árabe.

domingo, 24 de junho de 2012

Quem manda é sempre a Alemanha. E Merkel

Foi desta forma que a Chanceler Alemâ comemorou cada golo que entrava na baliza da Grécia. E foram 4, os golos que a Alemanha marcou aos helénicos nos quartos de final do Euro 2012 que se disputam na Polónia e Ucrânia.
Merkel vinga-se assim dos gregos que a odiam tanto, mas esta é uma vingança fria que Angela serve, bem ao estilo alemão.

Isto numa semana que marcou a formação do novo executivo grego que saiu das recentes eleições gregas. Para evitar que algum partido que constitui a nova maioria faça algum disparate, isto é, tenha sequer pensado em rasgar o acordo de entendimento; Merkel afirma a sua superioridade e mostra quem manda. Seja na economia ou no futebol, a Alemanha está sempre por cima da Grécia e assim vai ficar até aquele país conseguir recuperar os seus indices económicos. Mas esta postura foi essencialmente para o Syriza. Que não pensem os gregos em dar colo ao unico partido que é contra a politica de austeridade da Senhor Merkel. Segundo apurámos junto da Chanceler, Merkel está mortinha por encontrar Portugal na final, para poder mostrar também perante os portugueses que quem realmente manda é ela própria.

E não um qualquer Coelho que se ache legitimamente Primeiro-Ministro só porque foi eleito no seu país. Isso já não se usa.

sábado, 23 de junho de 2012

O Jogo do Anjo - Carlos Ruiz Zafón


Em plena Barcelona do Século XX, Carlos Ruiz Zafón mergulha-nos numa história interessante.  Nesta narrativa, o autor espanhol leva-nos a um meio romance, meio ficção.

David Martin é  um escritor que se vê envolvido num enorme jogo de interesses, mentiras e confusões. Ao ter sido contactado por um editor famoso fica melancólico ao ponto de criar um fantasma dentro de si. Martin parte em busca de um mistério jogo. No meio dessa aventura, todas as personagens com que o escritor se vê envolvido acabam por morrer....

Martin sente-se perseguido, mas a certa altura ele começa a pensar senão a fugir de si mesmo, e todas as personagens por si idealizadas acabam por ser uma falsidade.
É um bom livro que requer atenção e também é importante não deixar de o ler durante alguns dias. Recomenda-se uma leitura permanente. 

A Grande Viagem dos Salmões - familia destruída XXXIII

(...)

Caglão e o seu grupo tinham ficado transtornados após o massacre dos Lobix. A alcateia conseguiu alimentar com grande parte dos Salmonix que foram parar àquelas paragens. O sentimento que reinava no grupo era de profunda tristeza por aqueles que não sobreviveram.

Não havia maneira nenhuma de escapar já que o rio era pouco profundo e os Lobos sentiam-se como peixes na água naquele território. Com poucos membros e a moral em baixo, havia pouca motivação naquele grupo.

Caglão colocou mesmo a hipotese de acabar por ali com a viagem, mas Salberto não deixou que isso acontecesse. Apesar de tudo era necessário continuar para salvar Salmonão....

Entretanto, no outro lado da costa, Salmonisco preparava-se para enfrentar os ursos.....

(continua dia 29..)

sexta-feira, 22 de junho de 2012

A Grande Viagem dos Salmões - Chegará a tempo? XXXXII


(...)


A salvação de Salmodiana dependia muito daquilo que Salmolipe conseguisse fazer. Apesar do erro cometido, ele ainda acreditava que veria Salmodiana viva. E ela ainda tinha a esperança que alguém o vinha salvar, no entanto não estava propriamente à espera de Salmolipe mas mais de Salmonisco. No entanto, o lider dos Salmonix não tinha a mínima pretensão de ir em busca de Salmodiana, até porque ela anteriormente havia escolhido ficar no grupo de Salmolipe. Sendo assim, Salmonisco seguiu o caminho com aqueles que acredita serem os mais capazes de conseguirem ultrapassar os obstáculos que esta aventura trazia. Ao ter saído do grupo principal, Salmodiana revelou ter optado pelo caminho errado bem como uma enorme falta de espírito e inteligência.

Se tivesse ficado com Salmonisco, Salmodiana nunca teria sido raptada ao ponto de estar entre a vida e a morte, mas agora que havia mudado de clube arriscava-se a ser abandonada e a ficar com aqueles que não gostava para sempre. No fundo, teria de aturar salmões que diziam mal dela sem a sua presença, bem como de nunca ter a oportunidade de crescer como salmão. Enquanto isso, Salmonisco seria sempre lider e idolatrado por toda a comunidade. Salmodiana corria agora o risco de Salmolipe chegar tarde, até porque ao passar na gruta dos Mártires, o Salmão encontrou um perigo com o qual não contava. Um leão marinho faminto e que estava prestes a fazer de Salmolipe o seu alimento do dia...........

E o futebol lá vai cumprindo o seu papel...

Portugal conseguiu o apuramento para as Meias finais do Euro 2012 graças a um golo de Cristiano Ronaldo. Apesar de partir com poucas expectativas para este Europeu e de estar incluido num grupo com selecções mais apetrechadas em termos de craques, a Selecção Nacional vai cumprindo ultrapassando etapas, alcançando a sua sexta presença nas meias finais de uma grande competição.

Muitos criticam o excesso de mediatismo em torno da Selecção e do fenónemo futebolistico mas a verdade é que continua a ser o desporto-rei que tem levado o nome de Portugal bem alto. Assim de repente, não me lembro de uma actividade em que um português tenha alcançado sucesso a nível internacional, embora os nome de Souto Moura e Durão Barroso saltem à vista pelas recentes distinções.

Embora a maior parte da população portuguesa goste do fenómeno, há quem ainda olhe com desconfiança e aborrecimento para o futebol, no entanto a selecção nacional tem conseguido com os seus feitos cativar adeptos que em primeira instância não ligavam a estas "reuniões". É impressionante como hoje se consegue encher "mini estádios" por esse país fora para apoiar a selecção.

Portugal vai deixando adversários de peso pelo caminho. Contudo agora terá de medir forças com a Espanha ou a França, duas selecções que costumam ser um obstáculo à presença de Portugal em finais. Hoje realiza-se o Alemanha vs Grécia. Em termos politico-desportivo vai ser um desafio curioso, com a presença garantida de Angela Merkel. É uma oportunidade unica para que a vingança seja um prato que se serve grego....
Também é por isto que o futebol é cada vez mais um fenómeno importante na nossa sociedade.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Ideias Politicas : Que partido deveria ser o CDS? III

Há quem entenda que o CDS é um partido da Direita. Não daquela Direita pura e dura, mas um tanto conservadora e pouco sujeita às mudanças do tempo e da sociedade.
De há um tempo para cá, o PP tem vindo a tentar tornar-se num partido mais liberal, menos conservador, querendo libertar-se das ideias democratas-cristâs que o não têm deixado crescer mais no panorama político português. Embora nos ultimos anos tenha crescido a nível parlamentar, o CDS de hoje está bem longe daquele CDS que com Freitas do Amaral tinha relevância na sociedade portuguesa.

Independentemente dos lideres que têm passado no partido, há muito que o conservadorismo e a democracia-cristâ tomaram conta da ideologia do Partido Popular. No entanto, há quem queira que o CDS seja um partido mais liberal, defendendo uma ideologia mais aberta e que se adeque aos novos tempos.

É neste ponto que começa a discussão. Como é que é possível que um partido consiga reunir diferentes ideologias, embora semelhantes?

Tem essencialmente a ver com a questão profundidade que um partido de Direita consegue ter. Falamos em profundidade ideológica e assimilação de várias doutrinas,valores e principios que são diferentes para cada "área", mas que conseguem coabitar entre si dentro do mesmo espaço. Neste caso, no partido mas também na Assembleia da Republica, onde o grupo parlamentar reune várias sensibilidades. 

Deveria o CDS optar por uma ideologia em vez de aceitar as diferentes orientações doutrinárias?

(continua dia 25...)



Ilibado, pois claro!

Como não podia deixar de ser Miguel Relvas foi ilibado pela ERC no caso das alegadas pressões sobre o jornal Publico.
Esta é uma não notícia mas que confirma aquilo que já todos esperávamos: todo o circo montado à volta desta questão não ia dar em nada e o braço direito do Primeiro-Ministro sairia desta situação com um grande sorriso nos lábios.
Ainda não foi desta que a oposição conseguiu criar uma crise política dentro do actual executivo. De facto, as entidades reguladores no nosso país estão muito dependentes do poder político. No fundo, elas são o próprio poder político.
Tal como outras entidades reguladoras, a Entidade que superintende a Comunicação Social é uma fachada e não serve para nada.
A não ser para dar mais poder a quem manda em Portugal : os Relvas e Varas do nosso descontentamento.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Golfinhos também sabem surfar

A solução de unidade nacional

Ao contrário do que seria expectável, a formação de um governo de unidade nacional na Grécia vai ser uma realidade. Não com o Syriza mas com o Dimar, uma espécie de Esquerda Democrática grega que obviamente não partilha dos mesmos valores e ideiais de Tsipras, nomeadamente em relação ao que fazer com o memorando da troika.
ND, PASOK e DIMAR constituirão assim o futuro governo grego que tentará em primeiro lugar evitar a mais que anunciada bancarrota grega. No entanto, afigura-se dificil a coabitação entre estes partidos, não só pela suas diferenças ideológicas que desde logo são enormes, mas sobretudo pela visão que têm para o país e o seu papel na Europa.
Com um governo fraco quem fica a ganhar é novamente a esquerda radical, que numa possível terceirea eleição pode ficar em primeiro lugar. Neste momento todos os cenários e não é de excluir um novo acto eleitoral. É óbvio que o governo de unidade nacional tem de ter tempo, mas se a Grécia tiver que sair do Euro uma nova crise política abrir-se-à. 
Apesar de algumas melhorias, o futuro da Europa e dos países sob ajuda do FMI continua a jogar-se em Atenas, sendo que muito irá depender daquilo que o novo governo irá fazer, isto se conseguir mudar o estado das coisas.
 Para mim, estas eleições não resolveram o problema político, porque dificilmente haverá consenso dentro de um governo com ideias tão díspares. Mesmo que todos queiram tirar a Grécia do actual marasmo em que se encontra, o que se comprova que os governos de unidade nacional nem sempre são a solução para resolver as crises politicas e até financeiras. Esta hipotese dificilmente teria viabilidade no nosso país.

terça-feira, 19 de junho de 2012

O polvo francês

Platini foi um enormíssimo jogador, para mal dos nossos pecados. Passeou classe por todos os relvados que pisou, culminando uma carreira brilhante com o titulo europeu de 1984.
Desde que assumiu a presidência da UEFA, Michel Platini tem tido atitudes e declarações descabidas causando indignação junto de alguns clubes e selecções. A reforma da Champions deixou muito a desejar, sendo que países como Portugal ficaram claramente a perder. As suas mudanças visam sempre prejudicar os mais pobres e dar mais aos ricos.

Quando vamos entrar numa fase crucial do Europeu com o inicio dos Quartos-de-final, Michel Platini não podia ter afirmado que gostava de uma final entre Espanha e Alemanha. São sem dúvida as equipas mais fortes e deve ter sido esse o espírito que conduziu o Presidente àquelas declarações, mas o lider do organismo que tutela o Europeu não pode proferir tais afirmações. E ainda para mais, quando no mesmo dia a Espanha foi claramente beneficiada frente à Croácia e com isso evitou uma eliminação histórica.

Pode-se dizer que Platini não inclui a sua França neste prognóstico, mas a "sua" final é a desejada por quase todo o mundo. Contudo, como reagirão os franceses se tiverem de medir forças com a Alemanha ou com a Espanha? Seria bom fazer pedir uma antevisão ao Presidente da Uefa para ver se mantêm ou altera o prognóstico feito ontem no primeiro balanço da prova.

Este Europeu também foi marcado pelas previsões de um polvo português. Veremos se o Polvo francês identificado na fotografia também irá acertar nas suas previsões. É que se por acaso Espanha e Alemanha chegarem ao jogo decisivo com polémica, vai haver muita revolta dentro do organismo. E não digo em relação a Portugal, porque continuamos a ser pequeninos tal como a Grécia, mas Inglaterra e França poderão fazer ouvir a sua voz.

Podemos considerar que as declarações de Platini foram uma tentativa para enganar os media e o publico e assim esconder a preferência do coração, mas depois do que vimos ontem, já começaram as suspeitas.





Greve dos Professores



No último dia 17 de maio, trinta e quatro universidades federais entraram em greve no Brasil. E de lá para cá, mais universidades aderiram ao movimento, de modo que até hoje já se contam cinquenta e sete universidades em greve.

Considerando que o Brasil possui sessenta e seis universidades federais, observa-se que 85% por cento destas estão paralizadas, deixando mais de um milhão de alunos sem aula.

As universidades federais são as intituições de ensino superior mantidas pelo governo federal e, apesar de serem públicas – palavra que no Brasil possui sentido pejorativo – ainda fornecem ensino superior de muita qualidade. Na verdade, a qualidade de ensino nas federais está há anos luz da grande maioria das universidades privadas.

Tanto é verdade que, antes da disseminação de universidades privadas pelo país, o sonho de qualquer família era que seu filho vestibulando (aquele que estuda para prestar o vestibular, a temida prova de ingresso nas universidades) conseguisse entrar uma federal (maneira como nos referimos a estas universidades no Brasil).

E era um verdadeiro evento passar no vestibular, ao ponto que os nomes dos aprovados eram anunciados no rádio e as famílias faziam festas enormes para celebrar o feito. Hoje em dia, já não é tanto assim, porque com as universidades privadas, o vestibular perdeu o seu glamour. Mas a grande maioria continua sonhando com as federais.

Curiosamente, até a criação das cotas raciais, sociais e do raio que o parta, apenas os filhos de famílias abastadas, que sempre estudaram em escola particular, conseguiam entrar nas federais, porque o ensino público fundamental no Brasil é uma vergonha e, por isso, as pessoas que estudam em escolas públicas, salvo raras exceções, não tem condições intelectuais de competir por uma vaga.

Enfim, voltando para o tema da greve, nota-se que não apenas os professores entraram em greve, mas também o corpo administrativo e técnico. Como sempre, as reinvidicações são as mesmas: melhores salários, melhores condições de trabalho e um plano de carreira.

Apesar de entender que uma parte considerável dos professores universitários federais – não a maioria felizmente – é pernóstica, arrogante e até mesmo preguiçosa com vocação para pseudo semideuses do saber, pois como o emprego de professor universitário se dá mediante concurso público e com estabilidade no cargo, alguns se dão ao luxo de fingir que trabalham, acredito que a reinvidicação dos professores é justa.

É uma vergonha para um país como o Brasil não ter um plano de carreira para seus professores universitários e é ridículo pagar um piso de mais ou menos 639€ para pessoas com pelo menos formação de mestres, obrigadas a trabalhar em estruturas físicas precárias.

E o mais engraçado de tudo é que, mesmo com a demanda por mão-de-obra qualificada, o país cortou 1,2 bilhões de euros das verbas de educação. Por que não seguimos o bom exemplo da Coréia do Sul? Como é que se quer ser uma potência mundial deste jeito?

Larissa Bona

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Reforma da administração local e reorganização administrativa do território




Falar em reforma da administração local e reorganização administrativa do território, obriga claramente a pensar no concelho com maior número de freguesias (89) - Barcelos.

O “Movimento Freguesias Sim”, com origem na terra do galo, marcou presença, em Lisboa, na manifestação de Março, recolheu assinaturas para uma petição contra a aplicação da lei e promoveu, em Barcelos, uma manifestação no dia 10 de Junho. O movimento promete aumentar a contestação e prepara-se mesmo para apoiar outras organizações de contestação em concelhos vizinhos.

A estratégia passa pela contestação e aproveitamento do curto prazo de que o governo dispõe aliados à recusa da maioria dos municípios em se pronunciarem e provocar assim uma avalanche de processos para a Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa.

Objectivo?  Causar o caos e forçar o Governo a desistir do processo.

A constituição deste  organismo já se encontra algo conturbada com  as recusas dos Grupos Parlamentares da oposição e da Anafre em indicarem membros.

De acordo com a Lei 22/2012, compõem esta unidade, «cinco técnicos designados pela Assembleia da República, um dos quais é o presidente", «um técnico designado pela Direcção-geral da Administração Local», «um técnico designado pela Direcção-geral do Território», «cinco técnicos designados pelas comissões de coordenação e desenvolvimento regional (CCDR) (um por cada uma), sob parecer das respectivas comissões permanentes dos conselhos regionais», «dois representantes designados pela Associação Nacional de Municípios Portugueses» e «dois representantes designados pela Associação Nacional de Freguesias».


E quem perde e ganha, em termos políticos, com todo este processo?

- O Partido Socialista (PS) embora tenha subscrito o Memorando de Entendimento com a Troika e tenha sido o principal impulsionador da reforma “piloto” em Lisboa, alega não ser esta a forma e modelo e afasta-se confortavelmente (a cerca de um ano das próximas autárquicas) do processo. 
Em Fevereiro de 2011, o então secretário de Estado da Administração Local, José Junqueiro, afirmava que a ideia era replicar o modelo que foi feito em Lisboa - de redução das actuais 53 freguesias para 24 - a todo o território nacional. O responsável garantia que não existiam ideias pré-definidas e deixava em aberto a possibilidade de, além da redução do número de freguesias nos 308 municípios portugueses, haver também uma diminuição do próprio número de autarquias.
Já no final de Janeiro, o secretário Nacional do PS, Vitalino Canas, havia confirmado que "o acordo em Lisboa teve a cobertura política" de Sócrates e Passos Coelho e que serviria de "teste" aos dois partidos para um novo mapa nacional: "Se correr bem, pode estar aqui a dar-se o primeiro passo para uma reforma administrativa que pode ser mais importante do que a regionalização".

- O Partido Social Democrata (PSD) encontra-se na situação mais delicada. Historicamente um partido com forte implantação no poder local, o PSD tem o ónus de liderar um processo que não agrada às suas estruturas locais e provoca um desgaste destes juntos dos seus eleitores (relembro que estamos a cerca de um ano das próximas eleições autárquicas).

- Os outros partidos optam ou pela defesa do processo (no caso do CDS – parceiro do PSD no governo) ou pela contestação no caso dos restantes partidos. O que os une neste processo? Dada a menor expressividade nas autarquias, serão beneficiados com a redução das freguesias pois terão maior facilidade em compor listas para as mesmas.

O que falhou no processo?

É inegável a necessidade de uma reforma da administração local, reorganização administrativa do território e da lei eleitoral. A comunicação, o modelo aportado pelo Livro Verde e a cronologia do processo foram grandes inimigos do mesmo.

Teria corrido bem de outra forma?

Muito provavelmente, as reticências e a contestação existiriam na mesma e com os mesmos motivos.


Quando a união faz a força

A vitória de Portugal sobre a Holanda e o apuramento para os Quartos-de-final foi uma demonstração de como a união faz a força e que só remando todos para o mesmo lado é que se alcança o sucesso. Por vezes, quando há espírito de equipa e união nem sempre se consegue ganhar, mas no desporto como na vida o mais importante é dar tudo.
Em contraste com a selecção nacional que vestiu o fato macaco aliando uma qualidade técnica dos seus jogadores, a Holanda é o contrário, como se percebe pelas declarações de Van der Wiel. E que mesmo estando rodeado de estrelas, senão houver uma "solidariedade" dificilmente se chega ao objectivo proposto. No futebol e no desporto é cada vez mais assim, tendo em conta a diminuição das diferenças entre as colectividades. Também na vida é espírito de equipa para se conseguir algo. Não basta o individualismo nem os egocentrismos. Quando alguém vence, é porque "uma equipa" está por detrás. Daí que seja de louvar a atitude de Ronaldo ao ter recebido o Prémio de melhor jogador do encontro, bem como as declarações após a má exibição frente à Dinamarca. Do melhor do Mundo ouvimos sempre a palavra "equipa", e isso nem sempre acontece quando noutras áreas uma personalidade se destaca à custa do trabalho.
Seja no desporto ou na vida, ninguém ganha sozinho como também não se pode ser isolado após as derrotas.
A metodologia do treino está cada vez mais virado para o colectivo do que para arranjar soluções para que alguém  tire algum coelho da cartola.
Caso esta mentalidade se mantenha e aproveitando as qualidades individuais dos nossos jogadores, o caneco pode vir para Lisboa.

Os Gregos querem-no a ele

Apesar da vitória da Nova Democracia de Antonis Samaras nas eleições gregas, o partido que ficou em primeiro lugar não conseguiu uma maioria absoluta, pelo que vai ter de se coligar ao PASOK e Venizelos. Também é verdade que o objectivo dos dois partidos mais moderados é que a Grécia se mantenha no Euro, e portanto o acordo da troika manter-se-à......
Contudo há um pequeno problema :  o Syriza ficou em segundo lugar e neste momento pode ser um entrave à formação de um governo de coligação entre ND e Pasok, sendo que não é crível que estes dois partidos consigam um entendimento logo no primeiro encontro.
Perante esta dificuldade, o Presidente grego já encetou contactos com Fernando Santos para que seja convidado a formar um governo de unidade nacional. Santos é o unico com credibilidade naquele país neste momento, e a passagem da Grécia aos Quartos de final do Euro 2012 elevou o técnico português a herói nacional.
Não se sabe qual a resposta de Fernando Santos, mas ao que tudo indica vai aceitar o convite, até porque ele é o unico que consegue gerar um consenso naquele país, sendo que ainda não se conhece a sua posição em relação ao acordo de resgate.

domingo, 17 de junho de 2012

Olhar a Semana - a primeira moção

Completados que estão um ano sobre o mandato do executivo liderado por Pedro Passos Coelho, eis que o PCP apresenta a sua primeira moção de censura. As dificuldades que o país atravessa a isso obriga, e ainda para mais com o espectro da falência da Grécia a pairar.

A jogada do PCP é de mestre e retira o protagonismo ao Bloco de Esquerda, que de certeza absoluta já tinha algo do género preparado na manga para daqui a um ano. Como o PS ainda não faz parte deste filme, até porque a apresentação de uma moção de censura iria contra o memorando da troika assinado pelos socialistas, cabe aos comunistas iniciarem e agitarem as águas. Perante esta atitude, pode vir a existir uma reacção por parte dos sindicatos, sendo que as manifestações podem vir a aumentar.

Em termos práticos, esta moção não vai ter efeitos até porque de momento, a coligação respira saúde, isto para além das avaliações da troika estarem a ser positivas. Contudo, no plano da especulação político, a iniciativa dos comunistas pode vir a "agitar" algumas personalidades do PS mais desalinhadas com a actual liderança socialista. É de prever que António José Seguro se abstenha na votação mas que aproveite para atacar o governo PSD-CDS.

Convêm sublinhar que para inicio de legislatura, esta moção é um mau sinal para o governo. Não tanto pelas consequências imediatas mas por aquilo que poderão ser as tormentas do futuro. Não tem sido fácil a Passos Coelho governar nestas condições, mas tem conseguido aguentar o barco.

sábado, 16 de junho de 2012

14.3 História de Portugal: A Fuga do Rei




A partida da família real em 1807 a caminho do Brasil é talvez um marco ensombrado pelo epíteto da fuga e do medo. No entanto, a partida do rei e de parte da elite portuguesa teve como intuito salvaguardar a governação do reino e do império visto que após as conquistas na Europa, Napoleão colocara familiares seus nos tronos desses Estados. Salvaguardar a família real era pois salvaguardar o Estado, numa época em que o absolutismo ainda definhava e se anunciavam as revoluções liberais. D. João VI é já um rei que anuncia esse tempo. Apesar de grande parte do seu reinado se ter desenrolado no que ficou conhecido como absolutismo, desde cedo aprendeu a gerir o poder da Coroa nos anos da regência. Todo o seu reinado foi demasiado atribulado, anunciando não só o terramoto da independência do Brasil como a guerra civil que se lhe seguiu.
Resultado das invasões francesas, a partida da Casa de Bragança para o Brasil assegurou a manutenção da dinastia, mas não conseguiu travar o novo jogo geopolítico que acabou por se desenrolar até 1815 e que depois dessa data ditou a nova balança da Europa. Com o Brasil independente, consequência da estadia da família real e da elite portuguesa, Portugal passa para a periferia da nova geopolítica colonial e desenha-se deste modo a nova gestão de dependências económicas e financeiras.  

A Grande Viagem dos Salmões - Ursosami vs Salmonisco XXXXI

(....)

Ursosami e os mais velhos voltaram ao local de ataque para concluir a matança, ainda que faltasse poucos salmões para atravessar o obstáculo.
No entanto, a presa mais apetecível era Salmonisco. Ursosami sabia da importância que o lider tinha no grupo, pelo que a reunião também se deveu a alinhar uma estratégia para matar o chefe dos Salmonix. Há muitos que os Ursos tentavam este feito, mas nunca o haviam conseguido. Apesar dos inúmeros visionamentos, das tácticas e de toda a preparação, na hora da verdade quem saía a ganhar era sempre Salmonisco.

No fundo, esta era uma guerra particular entre Ursosami e Salmonisco. De um lado um Urso pardo com cerca de 90kg, gigante e com os dentes afiados. Do outro lado, Salmonisco, um salmão fininho com poucas escamas mas com uma enorme aerodinâmica e velocidade, fazendo com que fosse impossível de o agarrar.

No confronto entre os dois o saldo era claramente favorável ao Salmão, sendo que os anos passavam por Ursosami sem que este conseguisse sequer morder no pequeno peixe. Nas quatro passagens de Salmonisco por aquele lugar, ganhou sempre. Contudo, Ursosami jurava a pés juntos que era desta que derrotaria o salmão.

(continua dia 22...)

sexta-feira, 15 de junho de 2012

A Grande Viagem dos Salmões - Algo vai mal XXXIX



A táctica que os ursos estavam a levar  a cabo não estava a dar grandes resultados em termos reais. Havia muitos salmões a passarem pela sua frente e não havia forma de os conseguirem comer. No sentido literal da palavra.

Ursosami era o lider deste grupo que costumava caçar nestas paragens. A tribo por ele comandada era constituída por 30 animais, sendo que existia bastantes crias no grupo. Era para elas que os pais trabalhavam arduamente, enfrentando as perigosas cascatas e correntes do rio. Apanhar salmões afigurava-se como uma tarefa mais dificil do que à primeira vista parecia. No entanto, a sua força era uma vantagem para eles.
Apesar da caçada não estar a correr de feição, existia no seio do grupo a sensação que algo iria mudar a qualquer momento.

Enquanto que os Ursos descansavam, alguns Salmões aproveitavam a folga para poderem passar sem qualquer perigo, contudo os grandes bichos não demoraram muito e voltaram rapidamente ao local do ataque.

Salmoinês, Salmosofia, Salmoisco, Salozãozinho e outros conseguiram passar sem quaisquer dificuldades. Faltavam poucos para passar e desta vez a vitória iria para o Salmonix. No entanto, ainda faltava Salmonisco passar a barreira....

(Continua dia 16...)

A Grécia pode mudar a história

Pois é. A esquerda radical grega pode no próximo dia 17 de Junho ganhar as eleições gregas. Se a vitória do partido de Tsipras vai trazer benefícios para a UE e o Euro só saberemos mais tarde, mas é uma realidade que caso consigam vencer o mapa político europeu pode sofrer uma grande mudança. Não é expectável que os gregos votem na continuidade, isto é, que escolham o Partido Socialista grego ou a Nova Democracia para governar. Uma coisa é certa : não haverá maioria absoluta para nenhum dos partidos responsáveis pela actual situação financeira, pelo que a existir um vencedor absoluto esse será apenas o Syriza.

A Europa pode entrar numa revolução política, tendo em conta a mudança de mentalidade que a vitória do Syriza pode provocar em muitos sectores que estão descontentes com o actual rumo seguido por Merkel....

Será Alexis Tsipras uma dor de cabeça para a Chanceler Alemâ?

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Merkel também bate nos espanhois

Após muitos anos a ralhar com Portugal devido à sua situação financeira, Angela Merkel vem agora bater nos espanhois. A chanceler fala numa espécie de "década desastrosa", justificando assim a situação a que nuestros hermanos chegaram.
Como está visto, nós não temos que ter a mania da perseguição, porque pelos vistos Merkel acha que tem autoridade para dizer aquilo que pensa, intrometendo-se na política de um Estado soberano. O argumento que a Chanceler tem todo o direito de meter a foice em seara alheia porque a Alemanha está a ajudar a resolver a crise dos outros não colhe. A Alemanha pode ajudar com uma forte fatia, mas não é a unica que está envolvida no resgate aos países em dificuldades.
Depois dos portugueses preguiçosos, eis que os espanhois são irresponsáveis. Felizmente Sarkozy há muito que desapareceu no mapa, assim já só temos de ouvir uma voz.
Ao contrário do que sucedeu nos outros países sob "supervisão" alemâ, é de esperar uma forte reacção do governo espanhol a estas declarações.

Depois de Espanha, o perigo parece pairar na Itália, mas Mario Monti já veio afirmar que não é preciso ajuda. Não foi isso que os ex-primeiros ministros de Grécia, Irlanda e Portugal afirmaram?

O contágio vai subir por essa Europa fora....

faz bem ao ego

Digam o que disserem, critiquem à vontade, mas as vitórias da Selecção nos Europeus ou Mundiais fazem bem ao ego nacional e são festejadas por todos, mesmo por aqueles que pouco ligam ao fenómeno futebolístico. Nestas alturas há sempre um chorrilho de críticas, mas não há ninguém que não passe por estes momentos de confiança nacional. Há muito tempo que a equipa das quinas funciona como um espécie de refúgio. Convêm não esquecer que não é só em Portugal que o fenómeno atingiu proporções gigantescas, sempre apoiadas por uma boa comunicação social. Não são as derrotas que nos deixam tristes, mas as vítórias dão sempre mais alegria.
A vitória da selecção é equiparada a uma nomeação de um politico para um cargo importante.

Não critico aqueles que vibram com a selecção e que durante um mês têm o sonho que a equipa levante o caneco, até porque são capas destas que fazem o país sonhar. Tendo em conta o momento dificil que estamos a atravessar, a taça bem que podia vir para Portugal....

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Surf at Lisbon, Film Festival

No Cinema São Jorge, dias 14,15,16 e 17.

Contadores "mal contados"

A luz que a EDP nos cobra todos os dias está cada vez mais cara. Isso não é nenhuma novidade e não ser que haja alternativas, a empresa agora nas mãos dos chineses continuará a praticar preços altos.
Também não uma novidade para ninguém o facto do custo que nós pagamos ser devido a muitos factores que não unica e exclusivamente o consumo de electricidade. Veremos se quando a RTP for privatizada se a taxa que temos de pagar à estação pública continua na factura.

Os aspectos referidos irão continuar a ser uma pedra no sapato de todos aqueles que pagam electricidade, neste caso 11 milhões de portugueses. Agora, a novidade prende-se com a questão de alguns contadores estarem a ser "mal contados", como diria "o senhor la palisse. Não é de espantar que em casa dos portugueses aparecem contas a rondar os 90 euros, isto nos meses de inverno. São os aquecedores, dirão alguns contadores de contadores de electricidade.

Nesta questão, um dado positivo: a acção e denúncia da DECO relativamente a esta questão. Para quem tenha problemas com o consumo, tem aqui uma excelente aliada nesta guerra Consumidores vs EDP.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Rio +20



Amanhã, 13 de junho 2012, começa a Rio +20. Trata-se da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável que acontecerá na cidade do Rio de Janeiro.

As conferências da ONU sobre desenvolvimento sustentável tiveram início em 1972, com a Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano em Estocolmo, ou seja, desde a década de 70 que a comunidade internacional começou a preocupar-se com o tema.

Entretanto, foi na ECO 92 (Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Deselvovimento), que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro em 1992, que o meio ambiente foi finalmente estabelecido como pilar do desenvolvimento sustentável.

A ECO 92 foi um marco porque, além de determinar que a preservação do meio ambiente também tinha cunho social, teve como resultados a criação da Convenção da Diversidade Biológica, da Convenção-Quadro sobre Mudanças Climáticas, de uma agenda para o meio ambiente no século 21 e inovou com a inclusão da sociedade civil nas discussões climáticas.

Por esta razão, a conferência, que se inicia amanhã, recebeu o nome de Rio +20, pois recorda que há 20 anos, nesta mesma cidade, ocorreu uma das principais convenções sobre o meio ambiente das Nações Unidas.

Neste ano, os dois principais temas da Rio +20 é a economia verde (produzir sem degradar o meio ambiente) e governança internacional (para permitir que haja o estabelecimento da economia verde internacionalmente). 

Isto é, esta convenção não trata de ecologia, pois temas como emissão de CO2 e biodiversidade não serão abordados, mas sim como crescer, erradicar a pobreza e ao mesmo tempo preservar o meio ambiente. E antes mesmo de começar, a Rio +20 já possui várias polêmicas.

A primeira e mais infantil, foi a ameaça de esvaziamento da mesma, em virtude dos altos preços praticados pela rede hoteleira do Rio de Janeiro, que cobra em média 160€ por um quarto em um hotel três estrelas.  Com isso, as delegações ameaçaram não vir mais e o governo brasileiro teve que intervir.

A segunda é a concidencia da Rio +20 acontecer no mesmo ano em que foi aprovado o polêmico Código Florestal brasileiro, que até agora não se sabe se protege o meio ambiente ou se protege quem destroi o meio ambiente.

A terceira é a ausência de líderes de peso como Barack Obama, Angela Merkel e David Cameron, o que pode causar o enfraquecimento do evento, apesar do suposto otimismo da ONU em relação aos mesmos. Realmente, qual a força de uma convenção internacional sem EUA, Alemanha e Reino Unido?

E a cereja do bolo foi as declarações de Marina Silva, ex-senadora, ex-ministra do Meio Ambiente, candidata derrotada à presidência da República pelo Partido Verde e ativista ambiental renomada mundialmente, que disse que a Rio +20 será uma perda de tempo enquanto os países se limitarem a discutir a cor da economia (em alusão a um dos temas principais da conferência, a economia verde).

A Rio +20 termina dia 22 de junho de 2012, vamos ver o que vai dar.

Larissa Bona

Ideias Politicas : a ideologia no nosso sistema parlamentar II

Uma democracia constituida por partidos muito centrados na sua própria ideologia pode ser um perigo?
A questão tem muito interesse, visto que no nosso quadro politico não há muitos partidos que se centram unica e exclusivamente a sua actividade numa unica ideologia. Sob este prisma podemos considerar os partidos de esquerda que defendem têm um forte cariz ideológico a acompanhar as suas doutrinas e valores.
Se puxarmos mais para a direita, reparamos que os dois partidos de centro são bastante voláteis na defesa dos seus principios, actuando tanto ao centro como ao centro esquerda ou centro direita.
É principalmente aqui que a discussão se torna útil fazer.


Acredito que um partido deverá centrar-se apenas numa unica ideologica.Quem defender que os partidos não têm ideologia mas sim doutrinas e valores, acho que devem basear a sua actividade com base num unico ponto para assim se demarcarem dos restantes partidos e consequentemente conseguirem chegar mais facilmente aos eleitores.
Na minha opinião, a identificação de um partido faz-se não só pelas pessoas que o compõem mas sobretudo e essencialmente pelo "caminho ideológico" que trilham. É fundamental que cada organização estabeleça os seus critérios e aponte para uma solução.

O nosso espectro político é composto por dois partidos que têm esta pureza ideológica que falo. Os partidos de poder, PS e PSD variam muito consoante o lider. Nota-se muito no PSD de Passos Coelho um cariz liberal, mais virado para a Direito do que é costume nos sociais-democratas. Ao invés, o PS há muito que deixou a sua marca de esquerda, passando a actuar mais ao centro.

Sobre o CDS, será feita uma análise mais detalhada, pelo facto de estarmos perante um partido que não tem essa pureza ideológica que tanto faz falta aos nossos partidos com assento parlamentar.

(continua dia 18...)

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Dois pesos e duas medidas?

O recente pedido de ajuda espanhol à UE está a causar indignação junto dos países que também pediram resgate financeiro.
Ao contrário do que acontece na Grécia, Portugal e Irlanda, a Espanha não vai oferecer contrapartidas, leia-se austeridade; em troca dos cem mil milhões de euros. O lider do PS fala em desigualdade e exije um tratamento igual para todos os Estados. A Irlanda também já veio reclamar outro tipo de tratamento na questão das contrapartidas, taxas de juro entre outros.
Se a Espanha tem um tratamento preferencial, é caso para dizer que vivemos numa Europa dos ricos e dos pobres. O povo espanhol não vai sofrer tanto como os gregos, portugueses e irlandeses, pelo facto de não lhes serem impostas medidas de austeridade que diminuem a sua qualidade de vida. Não se entende esta medida, ou podemos compreender esta atitude sob o prisma que o FMI aprendeu que a austeridade não é o unico caminho possível para salvar as contas públicas de um país. A aposta na economia, a criação de emprego e o desenvolvimento de um país não se faz só "metendo" as contas públicas em ordem, é preciso ter em atenção outros aspectos.
O aparente tratamento diferenciado irá causar uma onda de indignação nas respectivas populações mas também dentro da própria UE.
Parece que os espanhois estão a receber mais dinheiro do que aquilo que precisam......
A atitude do governo português tem de ser também o de conseguir as melhores condições para a sua população....

domingo, 10 de junho de 2012

10 de Junho - dia de Portugal, Camões e das Comunidades portuguesas

Hoje é dia de repensar Portugal. O passado, presente e o futuro da Nação merecem, mais que nunca, uma forte reflexão.

“Ou nos salvamos a nós ou ninguém nos salva” é a opinião epressa pelo presidente da comissão organizadora das comemorações do Dia de Portugal, António Sampaio da Nóvoa, neste 10 de Junho.

Não posso deixar de concordar com o reitor da Universidade de Lisboa. A maior responsabilidade no processo de (re)colocar Portugal na rota do progresso e levar a cabo as reformas estruturais constantemente adiadas e necessárias, é de todos nós.

Para o professor, o futuro “está no reforço da sociedade e na valorização do conhecimento, está numa sociedade que se organiza com base no conhecimento”. Nada mais acertado, ao contrário daqueles que ainda defendem um Portugal baseado em salários (ainda mais) baixos.

Sampaio da Nóvoa não escamoteou a importância do destino europeu: “A Europa não é uma opção, é a nossa condição”. Mas a União, em seu entender, precisa de uma nova divisa: “Liberdade, diversidade, solidariedade”. Tal como Portugal, também a Europa atravessa um período em que se exige reflexão e novas abordagens para a uma saudável e próspera União a 27.

O Touro vai cair... e a Europa também

O que andaram Portugal, Grécia, Irlanda e Espanha a fazer durante estes anos todos? Porque demoraram tanto tempo a pedir ajuda?
Não se entende a razão destes países adiarem o mais rapidamente possível aquilo que parece uma inevitabilidade. Quem acaba por pagar mais tarde são os próprios países, os cidadãos mas também uma União Europeia e uma zona Euro que parece estar em colapso total. 
Com o pedido de ajuda anunciado pela Espanha, a Grécia cairá definitivamente e Portugal vai continuando a resistir até onde puder. Veremos se com a crise espanhola, aqueles que mandam na Europa acordam do pesadelo e começam a encontrar soluções para os problemas, porque senão pode muito bem vir uma tempestade da qual a Europa demorará décadas a sair. Por vezes, não vale a pena adiar o problema......
Foi o que andaram estes países a fazer durante este tempo todo, será que alguns países europeus são como alguns clubes portugueses que andam a evitar o problema da falência....
É melhor reconstruir de novo.............

sábado, 9 de junho de 2012

Meter a Merkel no Bolso

Hoje quando os jogadores de Portugal entraram em campo contra a Alemanha vai estar em jogo muito mais do que uma partida de futebol. O que vai estará em discussão será a vingança de um povo que sente oprimido e maltratado por uma Alemanha cada vez mais imperialista, arrogante e desorientada, pelo que uma vitória sobre os Alemães fará bem ao egocentrismo português.
Não vão entrar apenas 11 jogadores, mas quase 11 milhões de portugueses. Pode o resto do Euro correr-nos mal, porque o que nos interessa mesmo é meter Angela Merkel no bolso.....

Ideias Politicas : A pureza ideológica I

Há quem afirme que os partidos não têm ideologia, que apresentam meras doutrinas ou são regidos por valores.
Dentro dos que consideram que um partido tem de ter obrigatoriamente uma ideologia, há quem entenda que pode ser constituída por várias ideologias ou como se lhe quiserem chamar doutrinas.
Não concordo que os partidos apresentam meras doutrinas ou são fundados em alguns valores. Para mim, todo e qualquer partido tem o seu pensamento, no fundo a sua cartilha de principios e valores com que baseia a sua actividade. É esta a essência da política e dos seus representantes, porque no fundo o que distingue um partido do outro é isso mesmo : a ideologia.
O debate político é ao mesmo tempo um diferendo ideológico, mesmo que as personagens principais acabem por defender o mesmo, embora de maneira completamente diversa. O caminho até pode ser o mesmo, mas a forma de o percorrer é sempre distinto. 


As doutrinas, os valores e os princípios, ou o que se queira chamar são linhas de orientação que todas as forças politicas têm na sua cartilha. Normalmente estes são depois transpostas e elencados nos programas dos partidos e em caso de vitória numa eleição, nos respectivos programas eleitorais e de governo.
No fundo, a Ideologia é aquilo que está no nascimento da força politica ou do Movimento e que em face disso, irá determinar alguns valores e principios.
O debate político está cada vez mais pobre porque hoje em dia discute-se mais as pessoas do que as ideias. O que fazem as primeiras está sempre na linha da frente da atenção mediática em desfavor do nascimento da segunda, e isto acontece muito por culpa dos próprios partidos que se esvaziam cada vez mais nas suas ideologias. Mesmo até nas doutrinas, valores e principios que defendem.
A discussão dos lugares para a empresa X ou Y é mais importante que a proposta feita pelo deputado Z. Mesmo nos debates parlamentares, assistimos cada vez mais a uma troca de galhardetes do que ao debate sobre uma proposta bem como às suas alternativas.....

Questão diferente é saber se um partido se deve concentrar na defesa da sua própria ideologia em vez de "permitir" e "aceitar" várias doutrinas.....Sobre esse tema, falarei mais adiante, mas o que importa agora discutir é se a pureza ideológica deve ser o caminho da nossa democracia.....

(continua dia 11..)

quinta-feira, 7 de junho de 2012

esquecer a troika, por uns momentos...

Amanhã tem inicio mais um campeonato da Europa de futebol e como tem sido recorrente nos ultimos anos a selecção nacional vai estar presente. Como tem sido hábito nos ultimos anos, neste mês quente e com muitos feriados à mistura, a crise passa para segundo plano e a esperança de milhões de portugueses está nos pés de 11 jogadores. Mais uma vez o futebol vai tentar ajudar o moral dos portugueses, mesmo daqueles que não gostam dos clubes, vêm na Selecção um escape para esquecer os problemas do dia-a-dia. E mais uma vez teremos a comunicação social em peso a acompanhar o evento. Desde 2004 que de dois em dois a fé de trazer o caneco é enorme.
No entanto, não se sente grande entusiasmo à volta do Euro 2012 e dos comandados de Paulo Bento. Tendo em conta que os portugueses estão a passar por diversas dificuldades e aliado á indefinição em torno da situação grega, nesta época balnear parece que o futebol vai ficar para segundo plano. Contudo, nesta época especial sabe bem esquecer a troika, os problema do país, a bancarrota e ir para a esplanada beber uma cervejola e assistir aos jogos...........Sim, porque de politica também estamos nós fartos e segundo circula por aí a troika também vai fazer uma pausa durante um mês.

Tema do Dia XXXVI

À semelhança do que acontece noutros países, os politicos devem ser responsabilizados pela gestão danosa?

terça-feira, 5 de junho de 2012

Os Tributos no Brasil


Fonte: brunokabuki.blogspot.com

Hoje falo de um assunto que intriga (ou enraivece) muitos brasileiros, pois, diariamente, vemos nos jornais, portais de internet, na televisão, no rádio e etc. comentários de economistas, políticos, jornalistas e outros, dizendo que o Brasil possui uma das maiores cargas tributárias do mundo.

Sabendo disso, vamos observar um interessante estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário[1]:

- O Brasil tem a 15ª maior carga tributária do planeta.
- Estima-se que em 2012, os brasileiros trabalharão quase 05 meses para pagar todos os impostos, de modo que são pagos mais de 60 tributos diferentes para os governos, nas esferas federal, estadual e municipal.
- Em outras palavras, estima-se que o brasileiro precisa trabalhar, em média, 150 dias para pagar os seus impostos, sendo que, há 10 anos, precisava trabalhar 133 dias, havendo um aumento de 20 dias na década.
- No mundo, o Brasil é o 2º país que mais precisa trabalhar para pagar impostos, ficando atrás apenas da Suécia, país no qual a população necessita trabalhar 185 dias para pagar seus impostos. Em terceiro lugar, temos a França, com 149 dias, em quarto, a Espanha, com 137 dias, e em quinto os Estados Unidos, com 102 dias.
- As pessoas que são consideradas de baixa renda, ganhando até R$3000 (1200€) por mês, levam 143 dias para pagar seus impostos.
- As pessoas que estão na faixa da classe média, com renda entre R$ 3000 e R$10000 (1200€ a 4000€) mensais, levam 159 dias para pagar seus impostos.
- E aqueles que são considerados alta renda, com rendimentos mensais superiores a R$ 10000 (4000€), precisam de 152 dias para pagar seus impostos.
- Resumindo, a classe média é quem paga mais impostos no Brasil.
- São arrecadados R$ 47 mil (€ 18,8mil) por segundo; R$ 2,8 milhões (€ 1,12 milhões) por minuto e R$ 169 milhões (€ 67,6 milhões) por hora no Brasil de tributos.
- Do início do ano até dia 28.05.2012, cada brasileiro pagou R$ 3.107,87 (1243,15€) em impostos.
- Os 05 produtos com mais impostos são a cachaça (82%), casaco de pele de vison (82%), vodca (82%), cigarro (80%) e perfume importado (78%).
- Os 05 produtos com menos impostos são a batata (11%), plantas (13%), grama (13%), medicamentos de uso animal (13%) e jornal (14%).
- Dos combustíveis, 53% do preço da gasolina é imposto.
- Dos eletrodomésticos, o campeão de impostos é o forno de micro-ondas, cujo 59% do preço são impostos. - Na alimentação, o que pesa mais é o açúcar, com 32% do seu preço de imposto.
- O tênis importado é o item de vestuário com maior tributação, 59% do seu preço.
- Já o shampoo é o item de higiene com maior tributação, sendo 44% do seu preço correspondente a impostos.
- Na área de diversão, os ingressos lideram com 41% de impostos.
- E se você tiver interessado em casar-se, saiba que o traje do noivo e vestido da noiva levam 35% de imposto. Por sorte, a cerimonia na igreja tem 0% de tributação, pelo menos isso.

Se formos analisar logicamente estas informações, podemos chegar à conclusão que o país é um dos que mais arrecada recursos com impostos no mundo.

Entretanto, a população não consegue enxergar esta abundância de dinheiro nos serviços públicos, de vez que se vamos a hospitais não temos atendimento médico de qualidade, já que faltam medicamentos, profissionais e até mesmo leitos nas instituições hospitalares, sendo muito comum vermos pessoas em macas nos corredores dos hospitais.

A mesma coisa se pode dizer da educação, com escolas sucateadas, professores mal remunerados e sem qualificação, falta de merenda escolar e greves em quase todas as universidades federais. Isso sem falar dos problemas de segurança, já que temos taxas de homicídios similares a países que estão em guerra civil, sendo que aqui, supostamente, se vive um clima de paz e amor.

E pior, o brasileiro, apesar de pagar muitos impostos, como não possui contraprestação estatal, é obrigado a pagar à iniciativa privada tudo aquilo que ele supostamente teria direito através do Estado.

Assim sendo, se você quer educação de qualidade, tem que pagar uma escola privada; se você não quer morrer a míngua nos hospitais públicos, tem que pagar um plano de saúde; se você quer proteger a sua integridade física, pague uma cerca elétrica, transforme a sua casa em um bunker e não saia nunca mais de lá.

E em Portugal, com esta crise, vocês tem noção de quantos dias precisam trabalhar para sustentar o Estado?

Larissa Bona

Share Button