terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Florida´s choice between Romney and Gingrich

Esta madrugada disputam-se as primárias da Flórida. Vai ser uma votação interessante em 67 "municipios" que estão separados por fusos horários diferentes, pelo que se adivinha uma madrugada excitante.
Romney venceu o New Hampshire e Newt conseguiu surpreendentemente ganhar na Carolina do Sul o que lhe deu uma força para continuar na corrida. A votação na Carolina mudou o rumo da campanha mas as ultimas horas têm sido de apreensão para o candidato da esquerda na fotografia. Romney tem neste momento 37 delegados contra os 25 de Gingrich. Restam Santorum e Ron Paul numa segunda linha, mas a desistência de um destes em favor dos favoritos pode ser importante. É verdade que ainda faltam muitos Estados, mas a vitória na Florida pode ser psicologicamente importante, pelo que muitos analistas acham que Newt devia desistir caso perca hoje por uma grande margem.
Tudo aponta para uma segunda vitória de Romney e por uma grande margem. Sábado há primárias no Nevada e na Terça Feira que vem é a vez dos Estados do Montana, Colorado e Minnesota.
Se até lá, Romney bater Gingrich na maioria das votações pode confirmar a sua eleição dia 6 de Março na famosa Super Terça Feira. Até lá Santorum ou Paul deverão cair, apesar das fortes esperanças do primeiro.

A Caminho do Maracanã: Ricardo Teixeira


Fonte: Site da FIFA

Excepcionalmente, publicarei hoje a etiqueta “A caminho do Maracanã”, que deve ser publicada as quintas e não as terças, porque a ando devendo desde Dezembro do ano passado.

E hoje falo de um personagem chave para a Copa do Mundo de 2014: o Sr. Ricardo Terra Teixeira. Mas quem é Ricardo Teixeira? Trata-se do Presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) desde 1989, e também Presidente do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014, o COL.

Nascido no Estado de Minas Gerais, Teixeira conheceu a filha de João Havelange, então Presidente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD), que depois se tornou a CBF, e com ela se casou. A princípio tentou carreira no mercado financeiro, mas esta empreitada não foi bem sucedida e o seu sogro, que na época já era presidente da FIFA, o elegeu presidente da já CBF.

A partir daí, Teixeira tornou-se o dono do futebol brasileiro, com uma gestão permeada de denuncias de corrupção, lavagem de dinheiro, nepotismo e tudo mais de ruim que se possa imaginar – que o diga o jornalista Andrew Jennings da BBC, que fez uma reportagem reveladora para o programa Panorama, desvendando toda a podridão que existe no mundo do futebol.

Pois foi justamente Ricardo Teixeira ou Tricky Ricky, como o chama Andrew Jennings, com todo este currículo, quem assumiu a presidência do COL da Copa do Mundo de 2014.

Geralmente, a presidência do COL é assumida por ícones do mundo do futebol no país sede, como Platini na Copa da França ou Beckenbauer na Copa da Alemanha, mas nunca presidentes das Federações de Futebol do país.

Entretanto, aqui no Brasil, a ganância de Ricardo Teixeira pelo poder, pela possibilidade de aproveitar-se do cargo para obter vantagens pessoais, já que teria aos seus pés todos os patrocinadores de um dos eventos mais importantes do planeta e, principalmente, pelo seu desejo oculto nada oculto de ser Presidente da FIFA, o fez também Presidente do COL.

Para quem possa interessar, dou aqui o link do perfil de Ricardo Teixeira feito pela Revista Piauí, reportagem essa que chocou o país pela arrogância, audácia e certeza de impunidade do mesmo, pois como a CBF é uma associação privada, muito embora de interesse público, nada se pode fazer para destituí-lo do cargo: http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-58/figuras-do-futebol/o-presidente. Leiam a reportagem, é estarrecedora.

Depois da reportagem da Revista Piauí – infelizmente o programa Panorama da BBC não passou no Brasil – a opinião pública voltou-se contra Ricardo Teixeira e criou-se o movimento #ForaTeixeira nas redes sociais. Já vi gente dizendo que não torce mais para a seleção brasileira enquanto ela for a seleção do Teixeira, ou seja, o impossível até já aconteceu: brasileiros torcendo contra o Brasil!

Porém, suspeito que Ricardo Teixeira não considere isto um grande dano causado pela reportagem, pois como ele mesmo diz “está cagando montão” para tudo isso.

Na verdade, a grande dor de cabeça que a esta reportagem lhe trouxe foi a revelação involuntária de sua filha de que votou contra Sep Blatter nas eleições para Presidente da FIFA. Desde então, Blatter está em pé de guerra com Teixeira, ao ponto que Blatter já demonstrou apoio a Platini para a Presidência da FIFA, frustrando os sonhos de Teixeira.

E para piorar, a Presidente Dilma não quer vê-lo nem pintado de ouro, se recusou a encontrar-se com ele e nomeou Pelé embaixador do Governo Federal só para ela não ter que sair nem em foto com Teixeira.

Entretanto, como a Copa do Mundo é supostamente um evento privado, muito embora totalmente financiado com dinheiro público (em torno de 43 mil milhões de euros sairão dos bolsos dos contribuintes), Dilma nada pode fazer para tirar Teixeira do cargo.

Não sei se aí em Portugal há o mesmo ditado, mas aqui no Brasil diz-se que o peixe morre pela boca e foi o que aconteceu com o Ricardo Teixeira: brigado com a FIFA e rejeitado pelo Governo.  Que Mundial organizado hein?!

Larissa Bona

My Sweet Florida

Romney e Newt Gingrich lutam hoje pela segunda vitória no Estado da Flórida, um dos mais importantes. É a quarta eleição desta caminhada para a nomeação republicana. Rick Santorum acredita num bom resultado e Ron Paul parece condenado a ficar pelo caminho já hoje.....

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Desavenças institucionais

O que já se esperava aconteceu : Cavaco e Passos estão de costas voltadas mesmo nunca estando de amores. É publico que o Presidente nunca gostou do Primeiro, quando este assumiu a liderança do Partido Social Democrata. Passos vem de uma linha e uma orientação completamente diferente da do actual Presidente da República.

Apesar da relação institucional que tem de existir entre Belém e São Bento, amizade é coisa que nunca existirá entre os dois. Mas isso nunca foi um forte de Cavaco : criar amizades com Primeiros-Ministros, até porque também Socrates sofreu do mesmo. Desde que tomou posse, Cavaco não tem deixado (e bem) de se pronunciar sobre a vida política portuguesa, mas muitos entendem que os conselhos e avisos do PR são uma ingerência na política do executivo. Mas o PR como chefe de Estado tem todo o direito de opinar, mas é verdade que certas vezes exagera.

As declarações de Marcelo e Marques Mendes são preocupantes e revelam um mau-estar que existe dentro do PSD por aquilo que Passos Coelho conquistou. Algo que muitos no PSD não conseguiram almejar. O voto de confiança dos portugueses.

É no entanto, de realçar a postura do lider do PS ao afirmar que não é importante as desavenças entre PR e PM. Seguro mais uma vez toma uma atitude responsável.

Esta é uma questão que todos os governos sofrem, só que quando as duas figuras são da mesma cor partidária, é caso para começar a pensar numa eventual dissolução....

A grande Viagem dos Salmões - Que caminho? VII

(...)
A grande viagem para chegar aos rios onde Salmonão estava preso era dificil e bastante perigosa. Para além de terem de ultrapassar vários inimigos mais poderosos que eles, tinham de enfrentar as diferentes temperaturas e mares que iriam surgir pelo caminho.

Um dos problemas a enfrentar eram os rios que secavam e podiam matar alguns salmões. Também as fortes tempestades eram inimigas destes peixes que eram vulneráveis às fortes correntes.

Durante a viagem existiam sempre conflitos entre os próprios salmões porque ninguém queria passar pelos mesmos sustos e havia quem sugerisse um caminho diferente para chegar ao destino principal. Um dos membros que mais conflitos gerava e era acusado de criar mau ambiente era Salmolipe, um salmão encarnado que sempre quis ocupar o lugar de Salmonisco.

Estavam os salmões tranquilos a passar o oceano quando cerca de 200 salmões ficaram para trás.

- Se não me querem acompanhar e salvar o nosso companheiro, tudo bem. Mas não vão por outro caminho diferente pois assim estão a arriscar as vossas vidas. Por lá existem muitas baleias azuis que vos engolem num minuto e com a ajuda dos golfinhos e tubarões, ficam atolados e de lá não conseguem sair. - avisou o Líder.

- O melhor mesmo é voltarem para casa e não arriscarem a vossa pele. Não queiram chegar primeiro só por arrogância e vaidosice. O caminho que vós tomarão é bastante perigoso - continuou.

- A tua atitude é que é arrogante, Salmonisco - Todos os anos vamos pelo mesmo caminho e as perdas são inúmeras. Arriscamos a vida por nada e ainda por cima somos levados para a boca dos ursos. Todos nós sabemos que existem milhares de ursos à nossa espera em cima dos rios e tu continuas a insistir no mesmo na mesma estratégia. Os que são mais fracos e têm menos força estão naturalmente mais vulnerávies. É óbvio que queremos salvar Salmonão, mas não estamos dispostos a ficar pela metade quando sabemos que existem outras possibilidades - replicou Salmolipe.

- Que sugeres então meu caro?

- Podemos dar a volta pelo Oceano Indico e entrar por lá, não sabemos se há Ursos ou não, mas se houver podemos voltar para trás e seguir o teu caminho original. - sugeriu Salmolipe.

- Não me parece boa solução, os animais do mar estão por lá e nesta altura vêm à procura de comida, pelo que somos um alvo fácil- advertiu Salmonisco.

Começou então um burburinho no meio dos salmões, cada um sugerindo um caminho diferente mas com medo dos perigos que advinham de um e do outro lado.

(continua dia 1..)

O mesmo caminho para a Siria

No último ano temos assistido a uma revolução histórica no Médio Oriente. As quedas de ditadores como Ben Ali, Mubarak e a morte de Kadafi vieram dar esperança a todos aqueles que sofrem na pele a repressão e o autoritarismo e Estados Monárquicos ou republicas ditatoriais que levam à pobreza dos seus povos e ao enriquecimento das "familias" do poder.

A Siria é o quarto país a enfrentar a ira do povo até às ultimas consequências, mesmo que isso signifique a morte para muitos cidadãos. Ao que sabemos, pelo menos 5000 pessoas já morreram na Síria.

A oposição já se reuniu e até já existe um Conselho Nacional Sírio, equivalente ao Conselho Nacional de Transição que conseguiu liquidar Kadafi e os seus seguidores. Bashar Al Assad não cede, da mesma forma que Kadafi não cedeu; mas o lider Sirio não é um combatente pelo que não o veremos de arma em punho e a ser assassinado pelos seus. Mas a realidade é que os gestos que verificámos na Siria são iguais aos da Libia ao ponto dos observadores da Liga Árabe; que nestes momentos não servem para nada, pedirem uma intervenção estrangeira.

Veremos até que ponto a NATO, Nações Unidas e os próprios Estados Unidos resistem a uma intervenção militar em Damasco, para que o Governo seja derrubado. À semelhança do que aconteceu na Libia, porque sem ajuda externa o CNT nunca conseguiria derrubar as forças de Kadafi, e ao que se sabe foram mesmo estas que lançaram a bomba para o carro do ex-ditador Libio.

Há uma prática recorrente neste tipo de ditadores árabes que estão agarrados ao poder : Têm o prazer de dizimar a sua própria população.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Qual o senhor que se segue?

O FC Porto perdeu esta noite ao fim de 56 jogos em Barcelos para a Liga portuguesa. Cinco são os pontos que separam FC Porto e o Benfica ao cabo de 17 jogos. Apesar da curta distância e dos inúmeros pontos em disputa é quase certo que o projecto Vitor Pereira está a chegar ao fim. A eliminação da Taça e a saída prematura da Champions são motivos suficientes para que Pinto da Costa pense num substituo para Vitor Pereira no final da época. A manta é curta e o futebol produzido deixa muito a desejar, mesmo que a falta de um Ponta de Lança credível na equipa azul e branca não seja culpa do actual técnico.

Até ao jogo da Luz, o FC Porto ainda terá de jogar no campo do Nacional e aí se verá de que fibra é feita o actual campeão, mesmo tendo em conta as saídas de Belluschi e Guarin. Aliás, não se entende a não utilização do colombiano quando este foi fundamental na conquista dos troféus da época passada. O FC Porto tem no imediato dois grandes testes na sua candidatura à revalidação do título : Choupana e Luz são deslocações dificeis e pelo meio ainda há o Manchester City.

Perante este cenário há que começar a especular sobre o sucessor de Vitor Pereira no banco dos dragões para a próxima época em que terá de ser feita uma limpeza de balneário. Domingos pode ser uma solução caso o Sporting acabe a época sem Taça e fora do acesso à Champions. Pedro Emanuel está a fazer um excelente trabalho na Académica e conhece a casa como ninguém. E tem mais competência que o seu ex-companheiro. Leonardo Jardim está preso a um contrato de três anos no Braga e ainda é cedo. Jorge Costa está muito longe e a ganhar na Roménia. E ainda há o surpreendente Sérgio Conceição que está a fazer um excelente arranque no Olhanense e promete vir a ser um treinador no futuro. E também tem a escola portista. Curioso que dos nomes apontados apenas Jardim não foi "fabricado" no Dragão.

São os treinadores da casa que têm sucesso no Dragão. Tirando Jesualdo Ferreira, todos os outros campeões foram baptizados no Dragão e na nossa 1ª Liga não faltam Dragõeszinhos à espera de serem chamados pelo Mestre para irem treinar a equipa do seu coração.

Os três da vida airada

O da esquerda tem dificuldades económicas
O do meio anda desaparecido
O da direito está preso.

Olhar a Semana - Entre a tempestade e o paraíso

A situação portuguesa continua num impasse. Se por um lado o Governo dá sinais de esperança como "2012 marcará o fim da crise" ou "2012 será o ano de viragem", também não é mentira que as noticias vindas lá de fora são preocupantes e desanimadoras.

A ameaça de cortar ainda mais o rating é constante e os juros da dívida portuguesa voltam a subir. Apesar de estarmos quase em eleições na Grécia, a verdade é que paira a incerteza sobre se os gregos vão entrar em incumprimento definitivo.

É certo que o esforço de Portugal em cumprir o programa da troika está a ser bem sucedido, mas é preocupante o excesso de optimismo revelado pela maioria dos membros do executivo.

Há quem diga que vamos necessitar de mais um pacote de austeridade, mas também há quem ache que nada disso é preciso. Sim ou não a mais resgate? Veremos no futuro.

Já vimos este filme anteriormente, mas temos a esperança que o final desta vez seja completamente diferente.

Lá fora a tempestade é certo, mas cá dentro pintam-nos o paraíso. Em que ficamos?

sábado, 28 de janeiro de 2012

Tema X : Fim dos Feriados

ÉS A FAVOR OU CONTRA O FIM DOS FERIADOS DO 5 DE OUTUBRO E 1 DE DEZEMBRO?

Bandeira da Croácia

Como forma de homenagear a entrada da Croácia na UE, vamos fazer a caracterização da história da Bandeira.
Esta é uma das bandeiras mais bonitas do Mundo.
A actual versão foi adoptada em 21 de Dezembro de 1991, um pouco antes da sua independência.
Enquanto fazia parte da Jugoslávia, as cores eram a mesma mas em vez do Brasão havia uma estrela no meio.

As cores são semelhantes aos outros países eslavos : azul, vermelho e branco. Simbolizam o pan-eslavismo, movimento politico, social e cultural do século XIX que buscava a união de todos os povos eslavos.

Há quem diga que o vermelho significa o sangue dos mártires, o branco a paz e o azul a devoção a Deus. Não difere muito do significado das outras bandeiras.

Também existe a versão que cada cor representa uma região da Croácia.

O escudo do brasão é do tipo português

A coroa na parte superior é formada por brasões históricos. A saber : brasão da Croácia, Brasão de Dubrovnik, brasão da Dalmácia, Brasão da Istria, Brasão Eslavônia.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

A senhora que é tudo e mais alguma coisa

Esta senhora é
  • Dirigente do PCP de Almada
  • Presidente da Comissão de Utentes da Margem Sul
  • Movimento de Utentes do Serviço Publico
  • Comissão de trabalhadores da TAP

Esta senhora é tudo aquilo e é por isto que o país anda entupido e parado.

Aqueles que falam em mordomias, nomeações politicas, reformas e mais o que não sei quê. Que acham disto?....

E os conflitos de interesses?

(via www.31daarmada.blogs.sapo.pt e www.abcdoppm.blogs.sapo.pt )

A despedida do líder

Manuel Carvalho da Silva, 62 anos, lider da CGTP intersindical. Vinte e cinco anos depois, o líder histórico da CGTP vai-se retirar do sindicalismo após muitas batalhas em defesa dos trabalhadores. Carvalho da Silva participou em 3 greves gerais e foi uma voz combatente contra os governos capitalistas, como ele sempre chamou. A sua luta acentuou-se mais nos ultimos dez anos. Período em que a crise se fez sentir mais e o desemprego atingiu niveis históricos.
A sua luta foi constante e as opções tomadas foram quase todas discordantes daquelas que o Executivo propunha. As reuniões da Concertação Social foram marcadas quase sempre pelo abandono a meio das discussões. Por aqui Carvalho da Silva também ganhou um papel fundamental e um mediatismo que João Proença e a UGT nunca tiveram.
Apesar dos seus discursos serem quase sempre repetitivos e desadequados em relação ao tempo, o lider sindical nunca teve ligado a partidos nem a qualquer outra organização. A sua luta foi sempre a defesa dos trabalhadores.
Quem sabe se o futuro não reserva a liderança do Partido Comunista.

Tratado de Lisboa : Comentado e Anotado

Coordenação:
Gonçalo Anastácio
Professor Manuel Lopes Porto

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Causas & Coisas - Manicómio

Há cerca de dois dias uma lontra foi vista num café nas praias da foz do Porto. Quem viu o sucedido diz que esta sentou-se, espero que a atendessem e farta de esperar foi-se embora.
Não há nenhuma fotografia, câmera escondida ou um depoimento da lontra. Apenas e só relatos de pessoas que naquele momento estavam tranquilamente a gozar um dia na esplanada.

Ontem em Lisboa um leão foi visto numa esplanada na baixa lisboeta. Pensa-se que era a "brasileira" mas como na altura todos temiam pela sua segurança, ninguém tem registos fotográficos ou televisivos do acontecimento. O referido animal estava, ao que se consta, a ler o jornal desportivo a fim de saber as últimas antes do escaldante Barça-Real que iria assistir provavelmente na casa do actual Primeiro-Ministro. O leão andou a vaguear pelas ruas de Lisboa triste e chateado pelos ultimos resultados do Sporting.

Na segunda feira uma girafa foi vista num cinema em Faro. Ao que apurámos, o animal estava sentado na primeira fila pelo que quem quis assistir ao filme "Sherlock Holmes, o jogo das sombras" , não pôde ver nada porque o animal estava a tirar a vista a todos os presentes. Não há registos fotográficos nem vídeos porque no cinema é proibido qualquer tipo de aparelhos que perturbem o bom visionamento da película, embora haja quem insista em atender o telefone durante o filme. E comer pipocas de boca aberta.

Não sabemos se estas histórias são verdade ou mentira. A verdade é que alguém contou a alguém e esse alguém foi dizer a outra. Que por sua vez foi a outra que naturalmente não se conteve e foi contar ao vizinho.

Pelos vistos, não é só a crise financeira, politica e social que está a levar Portugal para a bancarrota ou mesmo para o fundo. A crise mental também chegou ao nosso país e agora para nos distrairmos um pouco dos temas habituais inventamos situações em que animais se comportaram como humanos.

As censuras na liberdade

Esta semana veio a lume notícias de alegadas pressões do governo para acabar com um programa da Antena 1, devido a um comentário anti-Angola que um residente desse programa proferiu.
Vai daí, e como temos de ser bons amigos de Eduardo dos Santos e dos angolanos, a RDP acabou com o programa, ou vai acabar; para que a liberdade de expressão e imprensa não seja cumprida na sua totalidade.
Este é mais um caso de "alegada" censura a um orgão da comunicação social. Já tivemos o caso Marcelo, Manuela Moura Guedes, Publico e a questão do Jornal Sol. Os casos atrás referidas foram durante a vigência do reinado Socrates, agora é o executivo de Passos Coelho que se estreia nestas lides.
Muito se fala de liberdade de expressão, informação, imprensa etc etc...... Também se diz por aí que foi uma grande conquista de Abril, mas a realidade é bem diferente. E apenas temos conhecimento dos casos que vêm a público.
Não é mentira que as direcções das televisões, rádios, jornais ou as administrações que detêm o controlo desses mesmos orgãos de comunicação, têm o direito de interferir e escolher quais os programas que são mais ou menos aconselháveis para vender mais. É um direito que lhes assiste porque o mercado assim o dita. Depois o público escolhe o que é melhor para si.
Apesar de vivermos em democracia e esta funcione plenamente, estes casos de pressão sobre os orgãos de comunicação social irão continuar porque as funcionam.....mesmo assim!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

A Grande Viagem dos Salmões - Nemo VI

(...)

Salmonisco liderava o grupo de salmões que acabava de chegar a crusat. Ao chegar ao pequeno coral, Gomel guiou-os ao Rei Napula III. Rapidamente salmões e peixes-palhaços estavam a conviver uns com os outros. Os seus habitats ficavam próximos e era frequente haver uma troca de relações entre estas duas espécies. Normalmente, aquando das suas viagens anuais os Salmonix paravam sempre em Crusat. Desta vez não era excepção, mas havia um propósito ainda maior.

- Meu amigo Salmonisco. Há quanto tempo. Outra vez de viagem para os rios perigosos do Alaska? - perguntou Napula

- Rei Napula, estamos mais uma vez de partida para uma grande aventura. O ano passado o nosso companheiro Salmonão ficou preso por causa de uma foca que o capturou. É nossa intenção ir em busca de um familiar nosso - replicou Salmonisco.

- Bem sabes que podes contar com o meu apoio moral, infelizmente a nossa viagem não coincide com os mesmos locais mas mesmo assim rezaremos para que consigam ultrapassar todos os perigos que esta viagem acarreta. Terão de enfrentar baleias, tubarões, Ursos, as correntes perigosas, os rios secos e muito mais.

- Eu sei Majestade, mas tenho a certeza que a união prevalecerá sobre esses perigos. Há muito que fazemos a mesma viagem e cada ano que passa sabemos contornar os obstáculos. Somos ágeis e aerodinâmicos, pelo que sobreviveremos. - garantiu Salmonisco.

- Assim o espero. Que quereis de mim?

- Gostava de contar com alguns amigos palhaços para nos ensinar a técnica para fugirmos aos ursos quando estivermos nos rios baixos.....

- Bem, não sei quantos peixes palhaços estão dispostos a morrer pela vossa causa, mas tenho a certeza que a Brigada Peixe-Palhaços pode dispensar alguns elementos - confirmou o Rei.

- Muito Obrigado Majestade.

- Não tendes de agradecer. Vai ter com Gomel e pede que ele te leve a Nemo. Ele é o capitão da Brigada. Diz que vens da minha parte e precisas de reforços. Serão postos à tua disposição alguns soldados corajosos.

Napula e Salmonisco despediram-se e o Salmão foi ter com Nemo. Conseguiu que o próprio capitão e mais 50 peixes-palhaços partissem na aventura. Logo de seguida, despediram-se de Crusat e seguiram viagem rumo aos rios da Columbia. Mas antes ainda tinham de passar pelo mar....

(continua dia 30...)

Porque Será?

A maioria dos apaixonados pelo futebol, em especial os profundos admiradores de José Mourinho, fazem esta pergunta: porque será que Mourinho não consegue vencer Guardiola? A resposta não é óbvia. Mas, e segundo muitos dos críticos do desporto rei, tem tudo a ver com o foro psicológico. Poderá dizer-se que esse seria o campo em que Mourinho sempre foi mestre. É verdade. Sempre usou a arma da psicologia, com os famosos mind games, para derrotar os adversários mais poderosos. Fê-lo no FC Porto, no Chelsea e no Inter. Fê-lo com competência e brilhantismo. Porém, no Real Madrid é diferente. No principal clube da capital espanhola tudo tem que ser momentâneo. Não existem objectivos a longo prazo. Quem não ganha à primeira, dificilmente terá uma segunda oportunidade. Desde que o mundo é mundo que isso se passa. Mesmo com o projecto de Florentino Perez no verão de 2000, ano em que o clube levantou a Taça dos Campeões Europeus, foi o 5º lugar na classificação da liga doméstica que dominou a actualidade madrilista. Portanto Perez teria que construir uma equipa para ser campeã nessa mesma temporada. Mourinho não ganhou à primeira e a clivagem mental ante o Barcelona foi crescendo. Também os craques raramente se apresentam à altura nos clássicos. Destaque para Ronaldo e Xabi Alonso. Estes dois astros acusam muito a pressão frente aos Blaugrana.
No Barcelona é diferente. As equipas constroem-se, claro que para vencer no presente, mas também a pensar no futuro. É para isso que servem as canteras. Repare-se em Messi. O herdeiro de El Pibe joga contra o Real Madrid da mesma foram que faz contra o Tenerife. Para ele é igual. Emprega a mesma arte, demonstra a mesma atitude e define o mesmo objectivo.
Escrevo cerca de uma hora antes do pontapé inicial do jogo da segunda mão da Taça do Rei. Não faço qualquer tipo de prognóstico. Mas, em todo o caso, retenho que enquanto perdurar o complexo face ao Barcelona, dificilmente Mourinho baterá Guardiola. E ser campeão nacional de Espanha não significa, neste particular, bater Guardiola.

O caminho para a felicidade está no liberalismo moderno

Uma sociedade feliz é uma sociedade onde os cidadãos vivem num estado de plenitude, satisfação pessoal com as suas vidas e equilíbrio físico e psíquico.
                      
No seguimento de vários estudos sobre a chamada “happynomics”, O economista do Deutsche Bank, Stefan Bergheim, no seu artigo “The happy variety of capitalism, characterised by an array of commonalities”, analisou 22 países considerados ricos e concluiu que numa sociedade onde os indivíduos se consideram felizes estão verificados os seguintes 10 indicadores:

1. Elevado grau de confiança nos demais cidadãos;
2. Baixo nível de corrupção;
3. Baixo desemprego;
4. Elevado grau de educação;
5. Salários elevados;
6. Elevada taxa de ocupação das pessoas idosas;
7. Economia paralela muito reduzida;
8. Ampla liberdade económica;
9. Baixa protecção do emprego;
10. Elevada taxa de natalidade.

Ora, estas condições só se verificam numa sociedade assente no princípio de que o Estado deve ser um pano de fundo, regulando mas não se imiscuindo quer na vida dos cidadãos quer na economia, criando as condições acima elencadas que permitam aos seres humanos a sua realização plena em liberdade ao invés de criar dependências e actuar de forma paternalista, protegendo os cidadãos deles próprios.

Como? É simples, nesta sociedade, todos os indivíduos devem ter uma palavra a dizer sobre a direcção das suas vidas em tudo aquilo que for razoável. Para que uma sociedade deste tipo seja uma realidade, a mesma deve assentar no respeito pelo individualismo e num profundo entendimento sobre a natureza humana, i.e., o que move os seres humanos, quais os seus medos e aspirações, bem como criar instituições que satisfaçam as necessidades básicas dos seres humanos. Só assim podem os cidadãos deixar de se preocuparem com a sua sobrevivência e passar a pensar noutro nível – a sua realização pessoal.

Agora, qual o tipo de governo que permite uma sociedade deste tipo existir? Um governo assente no liberalismo moderno, que regule a economia de forma a dar a muitos o que o liberalismo clássico apenas dá a alguns. Ora, segundo Alan Wolfe em “O futuro do Liberalismo” o liberalismo moderno assenta em 3 vertentes: (i) vertente substantiva – liberdade dos cidadãos para realizarem as suas aspirações em condições de igualdade; (ii) vertente procedimental – obediência ao direito na resolução de conflitos e respeito pelos direitos fundamentais dos seres humanos; e (iii) vertente temperamental – na medida em que ser liberal é um estado de espírito (um liberal inclui em vez de excluir, aceita em vez de censurar, respeita em vez de rejeitar.



Concluindo, as sociedades onde os indivíduos se consideram mais felizes, são também as mais desenvolvidas – segundo Stefan Bergheim – Austrália, Suíça, Canada, Reino Unido, EUA, Dinamarca, Suécia, Noruega e Holanda. Ou seja, quanto maior o grau de liberdade de uma sociedade, maior o valor criado pelos seus cidadãos, o que leva ao aumento da realização pessoal dos cidadãos e à criação de riqueza.

Obama State of the Union Speech

Um prestar de contas, um relançar do optimismo ou mesmo um inicio de campanha presidencial podem ter sido o mote do "State of the Union".
Uma responsabilidade presidencial que emana da Constituição e que punha o Presidente perante as duas câmaras do Congresso. Esse tempo passou, hoje em dia, com todas as cadeias de televisão, rádio e blogosfera atentas. Ele fica perante a nação e é julgado por aliados, adversários políticos internas bem como inimigos externos.
Desta vez, como acontece em cada quatro anos, o Presidente traça as linhas gerais do que foi a governação passada, futura e importante para Obama, o que vai ser a sua campanha para a reeleição. Sem nunca falar em tal, lê-se nas entrelinhas. Foram mais ou menos trinta e cinco os temas abordados. Desde a emigração, tema quente em cada campanha;a economia em franco crescimento, defendendo o empréstimo de 0% à indústria automóvel onde a GM voltou a ser o maior produtor mundial, justificando a autorização para novas pesquisas de petróleo na plataforma continental, ao mesmo tempo financiando o desenvolvimento das energias renováveis, novos programas de financiamento a universidades e estudantes. Em tudo deu o seu toque democrata.

O ponto alto foi quando afirmou que nenhum inimigo da América pode dormir descansado e fez referência a Bin Laden. Nos cumprimentos habituais à chegada felicitou o Secretário da Defesa pelo "bom trabalho de hoje à tarde". Veio a saber-se já hoje que se referia aos dois americanos libertados na Somália pelos "Navy Seals". Pôs em pré-aviso que o tempo dos ricos pagarem impostos irrisórios "is over", numa clara alusão directa que vai ser o seu cavalo de batalha na campanha. Não foi um discurso à Obama mas satisfez os seus. Deixou apreensivos os seus adversários, retirando-lhes algum oxigénio ao anunciar um crescimento estável na economia. A resposta Republicana, servida imediatamente pelo Governador do Indiana veio tímida, a meu ver.

Numa coisa todos os comentadores são unânimes : o discurso vai ter reflexos nas primárias republicanas que estão em "full swing" esta semana na Flórida. A escolha, a meu ver vai recair em Gringich que, não sendo o candidato perfeito é de certeza, o único à altura de debater e se bater com Obama.

texto de Diogo Sousa

Para nascer pouca terra, para morrer toda a terra: Cadernos de Estocolmo

O tempo não tem solução, dirá quem por ele sacrifica a cabeça e as mãos, as pernas que se cansam. Não tendo solução, o tempo ultrapassa-se a si mesmo e deixa de haver tempo com que contar.

Diremos destes que é pelo tempo que vivem. Tempo que dividem em pré-determinadas linhas de agenda “8 acordar e pequeno-almoço” das “9” às “12” uma carta de amor diagonal “planear dossier e ligar a” (letra ilegível) “13 voltar”, espaço vazio para “18 partir”. Para casa corre-se e uma vez aí chegados divide-se o tempo pelo número de divisões e pisos. Uma elogia em dois atos bem divididos em que duas pessoas, suando pelo mesmo método, surgem no lugar de uma. Ou direi elegia?

Mas nas jigajogas da vida, nas maquinações do presente, há ainda quem deixe correr o tempo e nele viva. Pode bem ser objeto de satisfação. Pode bem ser elemento presente mas de nós independente. Um tempo que nos permita, como no último álbum de Leonard Cohen, visitarmos o lugar onde o sofrimento começou.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A primeira vez

A primeira vez é sempre diferente. Há várias primeiras vezes para felicidade ou infelicidade nossa consoante os casos. A primeira vez que entramos na escola (se nos lembrarmos já não é mau sinal), o primeiro beijo (se ainda nos lembrarmos é bom sinal) a primeira vez (aquela em que aposto pensaram quando leram o titulo - desta não se terão esquecido seguramente), o primeiro filho (para quem repetiu com mérito a prática anterior), o primeiro livro escrito (para quem for mais dado às letras), o primeiro post (para quem acha que verdadeiramente algo a dizer), o primeiro post num blog novo (para quem não se cura da doença anterior).

Facto é que existe algo comum em todas essas ocasiões: o sentido da responsabilidade, o nervosismo da espera e a angústia de não saber por onde começar (e não sejam malandros que não estou só a pensar nisso).

Neste post, o primeiro que aqui faço não queria deixar de começar por agradecer aos distintos contribuidores e em particular ao Francisco o convite, tanto mais que tantas e tantas vezes discordamos respeitosamente.

E o primeiro post de hoje só poderia ser precisamente sobre o respeito e o papel fundamental que ele tem em Democracia. Sem o respeito por aqueles que pensam diferente de nós não existe qualquer verdadeiro diálogo. Não se trata de tolerar as opiniões diferentes trata-se de as aceitar e de as ter como honestas, intelectualmente honestas.

Significa isto que as acusações baseadas em intenções estão para mim fora desse conceito de respeito. No meu conceito discutem-se ideias com a veemência possível mas no respeito absoluto do pressuposto da honestidade do interlocutor. Sem isso o que acontece é uma troca de epítetos mais ou menos desagradáveis e que não contribuem absolutamente nada para o esclarecimento do tema em causa.

Infelizmente não é com esse respeito que se discute politica e economia na maioria dos casos e no processo destroem-se não só as más ideias como também as boas e no caminho as pessoas e qualquer esperança que exista de liderança. Esse cinismo - porque é fácil construir processos de intenções - contribui na sua quota parte para o sentimento que por vezes nos assalta de que já não existem verdadeiros lideres.

Há problemas sérios e modelos que deixaram de funcionar talvez fosse altura de reflectirmos sobre a nossa forma colectiva de os abordar. Porque aqui em primeiro lugar discutimos ideias é desse respeito que vou fazer a minha cartilha.

Olhar Direito o Brasil: observando os vizinhos




Prezados amigos do Olhar Direito,

Volto depois de um curto período de férias, no qual fui conferir a Argentina e o Chile, pois nós brasileiros agora que estamos descobrindo a vizinha América Hispânica, porque no passado estávamos tão obcecados com Estados Unidos e Europa, que nunca nos demos ao trabalho de olhar para os lados.

A Argentina foi simplesmente invadida por brasileiros! Você anda no meio da rua e só escuta o som de vozes brasileiras, falando aquele nosso português suave, ou de vozes argentinas falando o portunhol.

Inclusive, o Real, nossa moeda, é amplamente aceito por lá, ao ponto que há lugares que preferem receber em Real que em Peso argentino, em especial os ambulantes. De fato, o único local onde não se aceitou o Real foi no supermercado.

Minha impressão sobre a Argentina foi a pior possível, talvez por ter ido numa época economicamente péssima para eles.

É incrível a quantidade de mendigos nas ruas, sem-tetos e manifestantes acampados nas praças, especialmente na famosa Plaza de Mayo, que abriga a Casa Rosada, sede do governo argentino e morada da recém re-eleita Cristina Kirchner.

Falando em Kirchner, ela acabou de escapar de um diagnóstico de câncer, pois descobriu um tumor na tireóide que depois se revelou benigno, e agora só se emprega em travar uma guerra contra a imprensa, usando todo em qualquer artifício para censurar quem se manifesta contra ela.

No meu passeio, fui à La Bombonera, mítico estádio do Boca Juniors, equipe pela qual jogava Maradona. Para os amantes do futebol, trata-se de uma parada obrigatória.

No estádio tem um pequeno museu com os troféus ganhos (como a Taça Libertadores da América e Taça do Mundial Interclubes), camisas e chuteiras de estrelas do time, como Palermo e Riquelme, e, para quem pagar um pouquinho mais, tem um tour pelo gramado e dependências do estádio. Aliás, aproveito para contar-lhes algo muito interessante que aconteceu durante o tour pela Bombonera.

Ao final do passeio, a guia nos mostrou o camarote de Maradona, mas antes fez o seguinte discurso para o grupo formado por cerca de 10 estrangeiros, das mais variadas nacionalidade, e cerca de 20 brasileiros: “aquele é o camarote do maior jogador de todos os tempos, que não é Pelé, palmas para Maradona”. Adivinhem quantos brasileiros bateram palmas? Nenhum, só os gringos! Não é falta de educação, é a rivalidade...

Buenos Aires tampouco é só pobreza, tem muitas áreas ricas, com construções novas e modernas, como a Recoleta, Puerto Madero (onde há excelentes restaurantes e até cassinos) e Belgrano.

Mas isso, infelizmente, é uma parte muito pequena, em comparação com a pobreza que se alastra pela cidade, realmente, fiquei impressionada, achava que pobreza escancarada em pontos turísticos era “privilégio” do Brasil.

Alguns conhecidos meus, que foram antes à Buenos Aires, voltaram dizendo maravilhas, que parecia Paris. Ou eles foram durante os tempos áureos da Argentina ou nunca estiveram em Paris. Deve ter sido por isso que me decepcionei tanto, achando que encontraria Paris na América do Sul.

Eu esperava mais, entretanto, relevo um pouco porque eles estão em crise e esta crise se nota na cara dos argentinos, que pareciam sempre cabisbaixos, exceto no show de tango da casa Señor Tango, que não devia nada às superproduções da Broadway, muito bonito, extremamente emocionante, digno de ser aplaudido de pé.

De lá, fui para o Chile tomar um choque de realidades! Saí da pobreza argentina e fui para a prosperidade do cobre, madeira e vinhos chilenos (excelentes, diga-se de passagem)!

O Chile é um país impar, pois no mesmo dia, se você quiser, pode ir de manhã à praia, molhar os seus pés no gélido pacifico (a temperatura da água é em torno de 12°C, por isso que só dá para molhar os pés) e de tarde à montanha, mais precisamente subir 3000 metros de altura na Cordilheira dos Andes, onde há uma estação de esqui.

Santiago, assim como Buenos Aires, estava abarrotada de brasileiros, embora em menor quantidade. Todos os passeios que fiz, havia brasileiros neles, mas o Real já não era tão aceito, os chilenos preferem o seu Peso e o Dólar americano.

A pujança econômica se vê por todos os lados, prédios modernos, todos de vidro e, principalmente, altíssimos – com mais de 100 metros de altura - construídos e em construção, com muitas esculturas pelas calçadas. Enfim, Santiago não é apenas uma cidade moderna, mas uma cidade bonita.

Nem parece que o país se localiza no “Círculo de Fogo”, que sempre causa terremotos de magnitudes extremas. Em tempo, o maior terremoto da humanidade aconteceu no Chile.

Ao caminhar por Santiago, você não nota um sinal sequer de que houve grandes terremotos (o mais recente foi em 2010), de vez que tudo está intacto e em pé, em virtude da desenvolvida tecnologia anti-sísmica empregada em quase todas as construções.

Ao contrário dos argentinos, os chilenos estampam sempre um sorriso no rosto. A atenção e a educação no tratamento dado pelos chilenos também é superior. Eu até entendo, ninguém fica amargurado com o bolso cheio.

Larissa Bona

Cavaco e as suas cavacadas

O Presidente da Republica teve mais uma das suas tiradas infelizes e desta vez parece ter irritado não só os desempregos mas também os portugueses em geral, ao ponto de na Internet circular uma petição com 7 mil assinantes a pedir a demissão do actual Presidente da Republica. Quantos milhões é que votaram nele?

Após o célebre "nunca me engano e raramente tenho dúvidas" e da imagem sinistra a comer bolo rei de boca aberta, Cavaco Silva, agora em modo PR no 2º mandato, vem dizer que "a reforma que recebeu do Banco de Portugal é capaz de não dar para pagar as despesas". Foi uma frase infeliz de Cavaco que é mestre nas suas cavacadas. A nossa sorte é que ele percebe alguma coisa de política e economia senão nunca tinha chegado a Belém tendo passado por São Bento.

Num momento em que os portugueses atravessam enormes dificuldades e muitos nem sequer podem poupar, esta é uma declaração descabida e sem nexo. Mas convêm recordar que é este mesmo senhor que abdicou do salário como Presidente da Republica, o que nunca na história democrática portuguesa aconteceu. E é bom lembrar que os salários dos políticos em Portugal é uma miséria. E quando se diz que muitos vivem à custa da política, é bom não esquecer que não é o salário que os vai fazer ganhar milhões para o resto da vida. e estando sentados no Plenário da AR.

Mesmo com as cavacadas, o PR deu um exemplo à sociedade e começou por mostrar o exemplo.

Como bom cidadão e Presidente que é.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

12.2 - RESTAURAÇÃO - A REVOLTA

1 - Desde 1581 que Espanha e Portugal tinham o mesmo rei. A sucessão dinástica posterior à morte de D. Sebastião fora atribuída de jure, nas Cortes de Tomar, a Filipe II de Espanha (I de Portugal). O estatuto de autonomia do reino ficou consagrado: dois reinos, uma só coroa. Os Habsburgo, porém, tomaram conta de Portugal com alguma displicência. O autoritarismo e a prepotência ditaram o fim da “união”. Todo começou em 1624 quando o conde-duque de Olivares, valido do rei, enunciou no Grande Memorial a Filipe IV (III de Portugal) os grandes objectivos políticos do novo mandato real: “O mais importante é que Vossa Majestade se torne efectivamente rei de Espanha. Que não se contente de ser rei de Portugal, de Aragão, de Valença, ou Conde de Barcelona, mas que projecte secretamente e que se esforce para reduzir esses reinos, dos quais a Espanha se compõe, ao estilo e às leis de Castela, sem a mais pequena diferença”. Em 1640 estava-se longe de atingir tais objectivos, mas a política seguia nesse sentido e as necessidades da guerra em várias frentes tinham conduzido a um reforço da tributação e da mobilização, acompanhadas da supressão do Conselho de Portugal. Foram estas as verdadeiras causas da sedição.
2 – A 1 de Dezembro de 1640, 76 fidalgos e 30 nobres (os famosos “quarenta restauradores”) perpetraram um típico golpe palaciano. De salientar que os revoltosos eram excluídos do regime, filhos segundos de casas nobres ou esquecidos no rol de pagamentos de Castela. A revolta deu-se exclusivamente para tomar conta de Lisboa, onde apenas algumas centenas de soldados castelhanos estacionavam e teve apenas os assassínios políticos estritamente indispensáveis, incluindo a defenestração ritual de Miguel de Vasconcelos, secretário de Estado em Lisboa. Só mais tarde se juntaram outros nobres e só a 6 de Dezembro o futuro rei D. João IV, duque de Bragança, aceita liderar a revolta e a luta militar.
3 – A “Guerra da Restauração” ou da “Aclamação” foi o conflito militar mais prolongado em que Portugal esteve envolvido (1640 a 1668). A guerra marítima com a Holanda foi brutal. O destino de Portugal jogou-se em muitos cenários, por vezes bem distantes. As disputas pela hegemonia europeia conduziram ao apoio da França e da Inglaterra aos rebeldes portugueses, na tentativa de impedir as intenções tentaculares dos Habsburgo. A disputa sobre a Catalunha foi essencial à vitória portuguesa. Embora com muitas vozes contra no Conselho de Estado (não esquecer a grandeza do império colonial português), Filipe IV definiu como prioridade a repressão da sublevação na Catalunha. Desde logo, porque a proximidade fronteiriça com a França e as pretensões de Luís XIII, de França, sobre o território catalão potenciavam a guerra “dentro de Espanha”. O que poderá ter salvo Portugal foi o facto de os catalães se terem sublevado primeiro e, sobretudo, o facto da França ter anexado o principado e nele ter intervindo militarmente. Só em 1656 é que os espanhóis venceram os franceses e securizaram as posições na Catalunha. Só então se voltaram para a frente ocidental. Era tarde!
4 – O apoio da Inglaterra foi decisivo, mas penoso. Um primeiro tratado imposto por Cromwell, em 1654 e outro de 1660 (já depois da morte do ditador) abria os portos de Portugal e Brasil aos ingleses, com enormes privilégios comerciais, tendo por contrapartida o reconhecimento da causa de Portugal e a possibilidade de recrutar mercenários ingleses. Com o restabelecimento da monarquia inglesa, D. Catarina de Bragança casa com Carlos II, leva o chá para Inglaterra e consolida o apoio a Portugal a troco de Bombaim e Tânger que vão no dote. Foi de Inglaterra que vieram as tropas que decidiram, finalmente, a vitória e a intermediação para a paz final em 1668.
Conseguimos a independência da Espanha, mas nunca mais nos livrámos da Inglaterra que nos “chupou” economicamente durante os séculos seguintes. A Catalunha, por outro lado, ficou na Espanha, mas não teve de aturar a ganância inglesa. É hoje a região mais rica da Ibéria. A isto se resume a História.
Jorge Pinheiro

A grande Viagem dos salmões - peixes-palhaços V

(...)

Crusat era a primeira paragem na grande viagem dos salmões. Este pequeno coral era habitado por peixes-palhaços de várias cores. Aquela que dominava era o laranja mas também haviam peixes amarelos, azuis, encarnados e até roxos. Estes pequenos seres eram conhecidos pelo seu recatamento mas também pela enorme amizade que nutriam pelos salmões. Era conhecida a forte relação entre as duas espécies, tendo inclusive existido trocas comerciais e de alimentos.

Os peixes palhaços eram governados por um rei. Naquela povoação ainda não tinha chegado a democracia dos Pinguins ou mesmo dos salmões. Napula III era o Rei-Palhaço que governava Crusat há mais de 50 anos. Embora a monarquia não fosse bem aceite pelos seus habitantes, em termos económicos e de desenvolvimento, o reino de Crusat era uma maravilha onde quase todos viviam bem, daí que não houvesse grandes manifestações de descontentamento. Cerca de 4000 peixes palhaços habitavam lá.

Zigizim avistou ao longe um enorme cardume de peixes. Tocou o sinal de alarme para que todos os peixes regressassem aos seus lares, porque o perigo por aquelas zonas era uma constante.

- São os nossos amigos Salmonix. Não há qualquer problema. Podem sair do buraco - avisou Gomel.

Os Salmonix estavam a chegar....

(continua dia 25..)

Dobrodosli Hrvatski

A Croácia votou sim no referendo à adesão à UE. 66% da população croata disse "sim" à integração europeia, no que foi um passo histórico para aquele país mas também para a União Europeia. 20 anos depois da independência da ex-jugoslávia, a Croácia vai tornar-se membro da UE e assim abrir as portas a países como a Sérvia e até a Bósnia Herzegovina.

Num momento dificil para a UE, a entrada da Croácia é um acontecimento histórico, porque significa a vitalidade e saúde democrática da própria União. Por outro lado, foi importante a UE abrir as portas aos países da EX-Jugoslávia e assim oferece a possibilidade de todos os países que sejam democráticos se juntarem ao clube.

Foi também importante a realização de um referendo para aferir da escolha dos croatas nesta questão e não ter tomado esta decisão no Parlamento. O que mostra a vitalidade e saúde da democracia croata apesar de ainda ser bastante jovem.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Olhar a Semana - Fim da linha para o sindicalismo

Esta semana o Governo, Sindicatos e Patrões chegaram a acordo para mais uma reforma laboral. É mais uma reforma assinada em concertação social que terá caducado daqui a 3 ou 4 anos quando for preciso rever mais uma vez o código do Trabalho. E assim vai andando o nosso país de reforma em reforma e de novos diplomas que servem apenas para baralhar e chatear quem tem de os aplicar.

No acordo fizeram parte Governo, os Patrões e a UGT. A CGTP ficou de fora e prometeu revoltas na rua. Nada de novo neste capítulo, mas apenas a continuação da história do nosso sindicalismo. Carvalho da Silva vai sair no final do mês e todos estamos à espera de uma nova cara mas também de uma atitude diferente por parte da Intersindical. Não é que Manuel Carvalho da Silva não seja um homem inteligente e brilhante nas ideias que defende, mas os seus ideiais estão caducos e não são úteis para quem tem de defender os trabalhadores na segunda década do século XXI.

Mas esta semana surgiu um dado novo. O confronto entre os dois sindicatos. UGT e CGTP parecem ter chegado a vias de facto, estranho para quem em Novembro andou de mão dada na Greve Geral.

Este desentendimento e troca de acusações só prova que o movimento sindical em Portugal está velho e gasto e necessita urgentemente de caras novas para que os trabalhadores sejam defendidos de forma digna e não de maneira disparatada estando contra tudo e contra todos como se ganhasse aderentes à conta das suas ideias marxistas. Porque quem fica a perder são os trabalhadores e não o executivo que olha para estes sindicatos como meras organizações que nada têm para propor em alternativa às medidas do governo. Em relação a este aspecto, a CGTP é uma autêntica nulidade pois não se lhe conhece nenhuma proposta ou alternativa para que os "seus" trabalhadores sejam tenham trabalho em condições dignas de um ser humano.

Este é um problema que o país tem de resolver, nomeadamente através de uma revisão constitucional em que também se mexa no direito à greve; porque o país não pode continuar a viver sob o espectro do comunismo sindical.

Gingrich conquista Carolina e relança campanha

Newt Gingrich vai vencer as Primárias da Carolina do Sul. Romney ficará em segundo enquanto Santorum e Paul discutirão o terceiro lugar. Como nos falhou o facto de Santorum ter ganho o caucus do IOWA por poucos votos, temos uma situação muito equilibrada : Três diferentes vencedores nas primeiras votações, o que só pode dar uma grande corrida eleitoral bastante equilibrada. Pelo menos é isso o que se espera.
Dia 31 é a votação na Flórida muito importante por dois aspectos : Obama fará o discurso do Estado da União. Será um discurso eleitoralista e os candidatos republicanos têm de saber contrariá-lo. E o segundo factor é a influência da familia Bush no Estado da Flórida.
Com o resultado de hoje temos a campanha relançada.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Gringrich conquistará a Carolina?

Ainda é cedo e as sondagens ainda agora saíram, mas se Newt Gringrich conquistar a Carolina do Sul, então temos aqui uma nova fase das eleições. E porque depois vem aí a Florida...
Lembram-se de John Mccain? Para já estão 38 contra 29

Na Carolina tudo vai mudar, ou não....

Ha poucos minutos de sabermos as primeiras sondagens sobre quem vai vencer as primárias da Carolina do Sul, é possível afirmar que este é um Estado muito importante. Desde logo, porque nas ultimas 12 eleições presidenciais os republicanos ganharam sempre, pelo que é de esperar uma votação massiva.
Depois de Huntsman ter desistido ( e apoiado Romney), bem como Perry (apoiando Gringrich), hoje Romney e Gringrich lutam pelo primeiro lugar. Nunca ninguém conseguiu ganhar IOWA, New Hampshire e Carolina do Sul. Se Romney conseguir fazê-lo ganhará uma vantagem enorme e ninguém contestará a sua vitória final. Mas muitos apontam para Gringrich e caso este vença hoje à noite, as eleições podem mudar de rumo. Uma coisa é certa : Paul e Santorum podem ser apenas meros figurantes daqui para a frente e a luta será certamente apenas a dois.

South Carolina Primary

First Victory for Ron Paul?

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Até podia ter sido didático...

As declarações do Presidente da República acerca da sua reforma e rendimento disponível causaram grande eco na comunicação social. Obviamente, que o momento mais mediático foi quando Cavaco Silva afirmou "... que a reforma de 1300 € não cobria as suas despesas..". Num país cujo ordenado médio ronda os 780 €, é chocante escutar a esta enormidade seja a quem for. Vindo de um Chefe de Estado, o caso torna-se ainda mais grave. No entanto, todas a restantes declarações foram acertadas. Destaco um ponto: poupança. Esta é uma palavra muito pouco cara à generalidade dos portugueses. Cavaco diz o óbvio. Para garantir uma velhice com dignidade é necessário poupar durante o período activo. O nosso Estado não tem condições de o fazer. Pelo menos de o fazer na integra.

Tema do Dia XXXII

Portugal está a salvo de uma instabilidade social?

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

A revolta dos pequenos

Foi assim que Ângelo Correia chamou à vitória de Mário Figueiredo para a presidência da Liga de Clubes.
O advogado que ganhou contra António Laranjo e o apoio de Sporting, Benfica e FC Porto (inédito) veio estabelecer uma nova ordem no futebol português. Pelo menos é o que se espera. Também nesta eleição houve uma novidade : Ao que se apurou 6 clubes da Liga de Honra comprometeram-se a votar Laranjo, mas apenas um, a Oliveirense seguiu o voto colectivo.
Estas são duas novidades interessantes para o futebol português e o seu futuro. A primeira é a perda de peso dos três grandes tanto no relvado como na secretaria. Depois é o fim de práticas antigas como era normal no nosso futebol : o voto por directório, onde todos votavam como se estivessem integrados num partido político. Foi isto que impediu Laranjo de subir ao poder e de Figueiredo ser eleito contra todas as expectativas.
Não é alheio o facto de Figueiredo ter prometido aumentar o número de clubes de 16 para 18, o que interessa bastante aos mais pequenos. Mas no fundo é disso que o futebol português precisa. De mais igualdade e oportunidade para os mais pequenos, sobretudo no que toca à questão dos direitos televisivos e dos patrocinios. Os clubes precisam de encontrar um equilibrio nestes dois domínios para que não haja maiores diferenças entre os participantes e não haja o risco de clubes históricos fecharem as portas. A Liga de Clubes está carecida de patrocinios fortes e é necessário ir além portas encontrar financiamento.
Com a vitória de Mário Figueiredo iniciou-se um novo ciclo no futebol português ao mesmo tempo que a eleição de Fernando Gomes para a FPF. Os novos ventos do futebol português parecem estar a chegar e agora há que aproveitar o talento dos nossos jogadores e treinadores para fazer brilharetes lá por fora.

UMA LEI QUE AFECTA O MUNDO


Google e Wikipedia são algumas das empresas que estão hoje em protesto, contra duas propostas de lei anti-pirataria em discussão nos Estados Unidos da América

Ao entrar, hoje, na Wikipedia, na versão inglesa, não se consegue aceder aos seus conteúdos. "Imagine o mundo sem livre conhecimento", é a mensagem que chama a atenção para o protesto.

"Nada como isto aconteceu, anteriormente, na Wikipedia inglesa", explica o "site", acrescentando que os wikipedistas "escolheram fechar o site inglês pela primeira vez, porque estão preocupados que o SOPA e o PIPA limite severamente o acesso à informação online. Isto não é um problema que afectará apenas as pessoas nos Estados Unidos: Vai afectar toda a gente no mundo".

O SOPA (Stop Online Piracy Act) e o PIPA (Protect IP Act) são as duas propostas em discussão.

Também o Google associou-se ao protesto, que pode ser seguido em sopastrike.com, deixando a mensagem: "Diga ao Congresso: Não censurem a web" e apela: "Combatam a pirataria, não a liberdade".

Segundo o "New York Times", as duas propostas de lei, o SOPA, na Câmara dos Representantes, e o PIPA, no Senado, são apoiadas pelos grandes grupos de media e pretende travar os "downloads" ilegais e o "streaming" de vídeos e de canais de televisão. Mas a indústria tecnológica teme que estes grupos fiquem com poder para encerrar "sites" alegando que estão a abusar dos direitos de autores.

De acordo com a proposta legislativa, se um detentor dos direitos de autor, como a Warner Brothers, descobre que um site está a oferecer cópias ilegais de uma música ou de um filme, esse autor pode pedir em Tribunal que os motores de busca, como o Google, removam o link a esses sites e obrigar que se retire a publicidade desses mesmos sites. As companhias de internet teme, por isso, e dada a amplitude da definição do termo "motor de pesquisa" que sites grandes e pequenos possam ter de monitorizar todo o material nas suas páginas, procurando alegadas violações. Uma tarefa complexa e dispendiosa.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

A Grande Viagem dos Salmões - A partida IV

(...)

Estavámos no dia da partida. Neste dia toda a população estava ansiosa, porque muitas familias iriam estar separadas e ninguém sabia se os mais próximos voltavam sãos e salvos tais eram os perigos que tinham de enfrentar por esses mares.

Muitos salmões faziam a viagem pela primeira vez. Era natural a preocupação dos pais relativamente aos mais pequenos, porque enfrentar baleias, ursos pardos, golfinhos e gansos patolas não era tarefa fácil.

- Tem cuidado meu filho - era este o anseio de muitos pais.

Cerca de 500 salmões da familia dos Salmonix iriam fazer esta jornada em busca do salmão perdido. Neste cardume estava integrada uma equipa especializada em salvamentos e preparada para enfrentar todo e qualquer perigo. Com o passar dos anos, esta equipa ia fazendo um diagnóstico dos locais mais perigosos e arranjar alternativas para evitar males maiores. Mas a viagem era mais um "salve-se quem puder" do que propriamente outra coisa, até porque os inimigos tinham mais armas e eram sem dúvida alguma mais capazes, mas a esperteza, sagacidade e mobilidade dos salmões podiam evitar os grandes inimigos.

Mas nem só de perigo se fazia a viagem dos Salmões.

Os salmões saíram da sua rocha e foram em direcção a Cusat, um pequeno coral onde habitavam os peixes-palhaços.

Começava assim a grande aventura dos salmões. Só voltariam para casa daí a um ano.

(continua dia 23)

O exemplo do Concordia

O Comandante do Barco Costa Concordia que naufragou em Itália está em prisão domiciliária e acusado de homícidio duplo, naufrágio e abandono de navio.
Este é o castigo para quem provocou a morte a dezenas de pessoas, apenas e só para cumprimentar um familiar, segundo avançam as ultimas notícias.
Este é um caso muito similar à queda da ponte entre-os-rios no Rio Paiva. Na altura pediu-se a cabeça dos responsáveis pelo desastre. Com razão o povo protesta pela negligência das empresas ou pessoas que têm de cuidar da nossa segurança. Tal como aconteceu com o naufrágio do Concordia, a queda da ponte entre-os-rios foi um acto negligente.
Como é natural em Portugal nada foi apurado e ninguém responsabilizado. Em Itália, o Ministério Publico italiano não demorou muito tempo a abrir um inquérito e apurar de imediato responsabilidades a quem foi o principal causador do desastre.
Por estas situações se nota o estado calamitoso em que se encontra a nossa justiça.
Que não seja preciso caírem mais pontes para que a nossa justiça seja célere e eficaz. E justa!

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

As primárias da Carolina do Sul

Depois das voltas de aquecimento que foram o Caucus de Iowa e as primárias do New Hampshire a campanha a sério começou há bastante tempo. Disto não tenhamos dúvidas. Basta ver o resultado conseguido por Rick Santorum no IOWA, um Caucus feito por meia dúzia de fanáticos pouco mais ou menos de braço no ar...à là Otelo, e ontem onde a vitória de Romney embora expressiva representa ainda uma realidade. Há que ter em conta o "factor" casa. Foi governador do Massachussets, estado vizinho e de tendências liberais. Atenção, liberal para um americano não tem o significado político que nós europeus lhe atribuímos. Apelidar um americano de liberal é algo que roça o insulto político...queda-se socialmente entre o PCP e o PS. Toda a área conhecida New England ou seja o extremo nordeste americano é tendencialmente liberal. Como conseguiu Mitt Romney ser eleito num estado liberal sendo republicano e de direita? Eu diria que pela metamorfose de todos ou quase todos os políticos são capazes de operar mas deixamos isso para outra altura.
Hoje sim começa a verdadeira luta, as luvas foram tiradas logo à meia noite quando todos os contendores anunciaram: South Carolina - Here i go!

E foram todos sem excepção. Na Carolina do Sul o jogo é outro. Um estado geograficamente médio mas muito populado, sulista, situado no que é chamada "the bible belt" cristâ, evangélica, de valores mais próximos dos que defendem New Gingrich e Rick Santorum ou mesmo Rick Perry. Ron Paul, o velho da trupe atrai os jovens mas afugenta os do seu escalão etário que o consideram perigoso por ter uma visão centralista e isolacionista. Vai ser uma incógnita, como incógnito como Romney o multi milionário Mórmon a quem acusam de ser um "flip flaper" que funcionou muito bem até aqui......mas que no Sul é uma desvantagem.

John Huntsman, outro mórmon e, como ele diz e seu nome indica, vai caçar para o sul o que não conseguiu no Nordeste. Quem neste momento esfrega as mãos de contente com os resultados mas não deixa de estar atento é Obama que daria tudo para ter como oponente Romney. Sentado no seu bilião de dólares, para a campanha, só teme Newt Gingrich, um orador da estirpe do próprio Obama. É preciso não esquecer que foi "speaker of the house" o equivalente ao nosso Presidente da Assembleia na era Clinton mas, mais conhecedor da "verdadeira America" que acaba de arregaçar as mangas, tirar as luvas e apregoar que ele sim é o REAGAN dos tempos modernos, título que Obama tentou roubar. Vamos

Texto de Diogo Sousa

No fundo

E por causa de um cumprimento....

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Cores várias

pintura de Filipa Saragga

A grande viagem dos salmões - O lider III

(...)
A tarefa era complicada mas não impossível, havia que fazer um grande esforço e existir um sentido de união entre todos para que Salmonão fosse retirado da prisão onde se encontrava.
Desta vez os Salmonix iriam viajar com tropas especializadas neste tipo de situações e levavam um reforço considerável do número de efectivos na sua viagem. Eram quase 2000 os salmões que estavam prontos a arriscar a sua vida para por Salmonão.

Salmonisco era o lider dos salmões. Tal como a maioria das espécies, também os salmões elegiam os seus lideres por votação, à semelhança do que faziam os humanos. No fundo, o modelo democrático instaurado por seres humanos era copiado por grande parte dos animais. Com defeitos e virtudes, este era um modelo que funcionava. Só que nos animais havia uma espécie de sucessão democrática, uma vez que só havia eleições quando o lider morresse.

Após se ter reunido com os seus mais próximos e ter ouvido os conselhos dos Sábios Salmões, o grande lider salmão anunciou que a grande viagem começaria daí a dois dias e teria como principal objectivo o salvamento de Salmonão.

(continua dia 18)

domingo, 15 de janeiro de 2012

E depois do adeus?

Concordo plenamente com a análise do Francisco no post anterior. É verdade. O Sporting de Domingos tem muito mais qualidade do que os anteriores. Também a mentalidade começa a ser outra, mais virada para dentro em lugar de estar sempre a procurar externalidades que sirvam como desculpa para os próprios erros. No entanto, há que fazer uma ressalva. Toda esta mudança de pensamento e actuação aconteceu enquanto o Sporting era, em teoria, candidato ao titulo. Mas a parir de hoje deixou de o ser. Será que o discurso se irá manter independentemente da classificação?

Paciência o título já foi!

Com a derrota em Braga, o Sporting fica inevitavelmente afastado do titulo nacional. 11 pontos para o Benfica e 9 para o FC Porto, os leões ficam agora a lutar pelo terceiro lugar com o Sp.Braga à semelhança do que aconteceu o ano passado.
Depois de um inicio de época muito má, e após a recuperação até ao jogo do Benfica, o Sporting entra de novo numa fase descendente. Para além dos desaires no campeonato, a Taça da Liga e de Portugal trouxeram empates comprometedores.
Apesar da equipa e dos jogadores serem melhores do que aqueles que vestiam a camisola verde e branca na época passada, o leão de Domingos está longe de brilhar e ser uma ameaça aos grandes Benfica e FC Porto. A linha defensiva do Sporting continua uma desgraça com dois laterais de papel. Capel cruza muito mas não passa a bola. Para já não falar dos pontas de lança. Como é possível ir buscar um ponta de lança suplente no Génova e não procurar oferta cá dentro?
Para já começa uma nova era no reino do leão. Uma era em que é preciso ir de trás para a frente e apanhar os rivais de sempre. O discurso será o de sempre mas a mentalidade e a vontade dentro de campo será diferente. O primeiro teste à capacidade de Domingos será já na Madeira frente ao Maritimo que está a 3 pontos.
Se a classificação se manter é bem possível que Domingos cumpra o sonho de treinar o FC Porto. Ou Leonardo Jardim será o eleito?

Olhar a Semana - País de Invejosos e alcoviteiros

Esta semana muito se falou em nomeações politicas e da falta de "palavra" que os nossos politicos têm no que toca a estas questões.
Muitos são aqueles que gostam de apontar o dedo a qualquer executivo quando nomeia alguém da sua cor política. E depois lá vem o discurso de sempre : "É mais um que vai encher os amiguinhos de jobs".
Passos Coelho foi peremptório na campanha eleitoral ao afirmar que não iria proceder a este de políticas caso fosse governo. Seis meses passaram e, apesar de ter mantido algumas administrações que vinham do governo anterior; como foi o caso da RTP; o actual PM não se livrou das críticas das vozes do costume devido à nomeação de gestores para a EDP e Àguas de Portugal.
Quem critica este tipo de nomeações, perfeitamente normal em política e num Estado de Direito, fá-lo sempre com o intuito de colocar em causa tudo e mais alguma coisa. Tanto criticam A como fazem-no perante o B. Não há ninguém que escape. Convêm analisar primeiro a competência e os méritos de quem é nomeado e nunca o cartão de militante ou a amizade com quem fez a nomeação.

Era curioso perguntar a quem faz alcoviteirice política se um PM o convidasse para um desses cargos se aceitava ou não a nomeação.

Este tipo de análise só mostra o quão Portugal ainda é atrasado. Não mentalmente porque não somos nenhuma pessoa singular, mas enquanto sociedade colectiva. Somos um país de alcoviteiros que está sempre a comentar e a analisar a vida dos outros em vez de fazer um comentário objectivo e rigoroso. Isto há muito que vem acontecendo no comentário político em Portugal que continua a ter os mesmos "politólogos". E os telespectadores têm de aturar as mesmas caras há mais de 10 anos. E estão na televisão, jornais, rádios, porquê? O que fizeram de tão brilhante para serem "comentadores"? São amigos de alguém?

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O Mito da Sexta Feira 13

Hoje é sexta feira 13. Como vem sendo hábito, alguns associam o número 13 e o dia da semana a um dia de azar. Como nasceu este mito que está a assustar toda a gente? Há várias teorias...
  • Na mitologia nórdica conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Há também quem acredite que convidar 13 para um jantar é uma desgraça, simplesmente porque os conjuntos de mesa são constituídos, regra geral, por 12 copos, 12 talheres e 12 pratos.
  • A deusa do amor e da beleza era Friga. Quando as tribos nórdicas e alemâs se converteram ao cristianismo, Friga foi transformada em bruxa. Como vingança, ela passou a se reunir todas as sextas feiras com outras 11 bruxas e o demônio. Os 13 ficavam rogando pragas aos humanos. Da Escandinávia a superstição espalhou-se pela Europa.
  • Foi numa sexta feira 13 que Cristo morreu e aconteceu o grande dilúvio.
  • Na Santa Ceia sentaram-se à mesa treze pessoas, sendo que duas delas, Judas e Jesus morreram em seguida, por mortes trágicas.

Estas são algumas das teorias mas poderão ser consideradas muitas outras. Conseguem inventar mais alguma?

REFUNDAÇÃO DA REPÚBLICA

Acho estranho que nos últimos dias se acuse PPC de deixar cair a máscara, de ter perdido o estado de graça... Tudo isto porque fez umas nomeações partidárias com critérios de competência pouco claros. Acresce que o homem tinha prometido ser a ética em pessoa. Ainda por cima muitos vão "trabalhar" para órgãos que não servem para nada e ganham 600 mil euros por ano. Tudo isto parece ser uma provocação em tempos de austeridade. Mas não é! Foi uma medida profundamente estudada e que visa, em genérico, o seguinte efeito estratégico: poêm-se todos os comentadores a dizer mal; os líderes dos partidos a pedir audições parlamentares; os jornais em caxas gordas a dizer mal de tudo; atiram-se com uns números comparativos com o Governo Sócrates e espera-se embrulhar o povoléu, tal a profusão de opiniões. As medidas de austeridade, essas, já estão no terreno e nada as pode mudar.  A estratégia do "lobo mau"/Troika vai até ao fim. E povo agarrado à TV discute acaloradamente os salários dos Catrogas e dos Frexes e as Maçonarias patéticas, enquanto tiver dinheiro para pagar a electicidade. Depois a TV deixa de funcionar e as notícias deixam de existir. As elites assumem-se, então, livres de peias numa atitude salvífica que vai finalmente resgatar a nação... que são eles. A austeridade vai criar um país a várias velocidades. Sendo que a mais baixa é mesmo ponto-morto. Estamos à beira de uma refundação.
Jorge Pinheiro

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

O Coelho é um bluff?

Há uns dias surgiu a notícia que o Governo ia nomear administradores da EDP pessoas ligadas ao PSD e CDS-PP.
Hoje sabemos que o governo vai nomear para as Águas de Portugal dois administradores com militância partidária igual à àrea do Executivo.
Também está cá fora o valor do salário que Eduardo Catroga vai receber como Presidente do Conselho Geral e Supervisão da EDP ( que por razões óbvias não vamos divulgar, ao contrário do que fizemos com António Mexia).

Todas estas notícias não favorecem Pedro Passos Coelho já que este prometeu transparência e nomeações por mérito nas empresas públicas.

Com estas nomeações cai a máscara do Coelho?

Conferência Olhar Direito

Brevemente numa Sala de Influências perto de si

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

MAÇONARIA - UM INQUÉRITO URGENTE

A Maçonaria pode ter sido politicamente relevante na luta social e no combate ao absolutismo. O secretismo faria sentido naqueles tempos sem "iluminismo". A disseminação por Lojas autónomas é normal para evitar a delacção, tal como acontece hoje na Al Qaeda. Hoje em dia, porém, a  Maçonaria é, obviamente, um centro de poder e um local adequado para tráfico de influências e negociatas. Não estão em causa os "bons maçons" que querem saber o que é o Grande Arquitecto. Estão em causa as mais valias que se reunem sob o Templo de Salomão. Os vendilhões que se acobertam com mantos e aventais para iludir o povo e a democracia. Aqueles que rezam a qualquer coisa para que essa Coisa lhes dê proveitos. Estão em causa aqueles que juram obediência e fidelidade uns aos outros, que traficam lugares, influências e poder. Toda a gente sabe que eles existem e que estão disseminados pelo poder. A novidade é que agora sabemos que infiltraram os Serviços Secretos de Portugal. Que traficaram informações para empresas privadas. Que foram protegidos pela liderança maçónica do Parlamento. Para além do PM ter perdido estado de graça neste triste episódio, pergunta-se: que espera o Procurador-Geral da República para abrir um inquérito? Também será maçon?
Jorge Pinheiro

A grande viagem dos salmões - A viagem II

(...)
Os Salmonix todos os anos migravam em busca de alimento e novas oportunidades. A sua viagem começava no Rio Kawake e atravessava os cinco oceanos e normalmente paravam em vários sítios. Tinham de enfrentar vários perigos durante a sua jornada e muitos companheiros ficavam perdidos ou eram comidos por inimigos da mais variada espécie. Desde baleias,a golfinhos e até a gansos patola que sobrevoavam os mares à procura de alimento fácil para as suas crias.
Mas não só de perigos era feita a viagem dos Salmões. Na sua viagem conseguiam estabelecer relações de amizade e não só com outros grupos da mesma espécie mas também com outros animais, daí que todos os anos por altura da Primavera os salmões estivessem em pulgas porque iriam iniciar mais uma aventura.
Desta vez, a viagem dos salmonix ganhava outra importância porque tinham como missão salvar um amigo.
Na viagem do ano passado, nas águas do Oceano Indico, um salmão havia sido capturado por uma foca que prendia estes peixes para depois serem vendidos às baleias azuis, que os comiam. Em troca as focas também recebiam alimento.

(continua 16 Janeiro)

A Carolina que decida

Mitt Romney esmagou a concorrência nas primárias do New Hampshire, aliás como já se esperava. Nem a vitória nem os números foram supresa para ninguém, pelo que não a nomeação do ex-governador do Massachussets. Não é pelo facto de Romney ser muito forte, mas a circunstância dos restantes candidatos serem fracos também é uma explicação para estes resultados. Por exemplo, Rick Santorum que ficou em 2º no Iowa obteve o 5º lugar com uns inexplicáveis 9.3%. Muito pouco para quem ambicionava muito.
John Huntsman também não foi além do terceiro lugar, muito abaixo do 2º de Ron Paul. A campanha deve ter terminado para este candidato que nem se deu ao trabalho de conquistar votos no IOWA.
Ron Paul foi segundo e ganhou uma nova esperança, porque a próxima votação é na Carolina do Sul onde Paul tem ambições de vencer e assim relançar esta corrida que ameaça tornar-se monótona e chata.
A votação na Carolina do Sul vai ser o grande teste para que alguns se mantenham ou não na corrida republicana.

For the Second Place...

Ao que parece a luta pelo segundo lugar será entre Ron Paul e John Huntsman.
Se Paul ficar na segunda posição, a votação na Carolina do Sul pode lhe dar algum ânimo nesta corrida eleitoral.
Caso John Huntsman conquiste a vice-liderança, será um tónico muito importante, visto que este candidato não fez campanha no IOWA e apostou tudo no NEW Hampshire.
Rick Santorum não repetirá com certeza o excelente resultado do caucus. Game over Rick?
Share Button