sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Um Coelho avesso às remodelações

Agora mais do que nunca é preciso uma remodelação governamental. Passos Coelho não pode continuar a fingir que está tudo bem. Ele próprio retirou conclusões da recente derrota nas eleições dos Açores, contudo parece que continua irredutível quanto a uma remodelação após a aprovação do OE e para que este governo entre em 2013 com mais possibilidade de resistir às manifestações.

São três os nomes que podem abandonar o governo.

O primeiro que salta à vista de todos chama-se Vítor Gaspar. O Ministro das Finanças é aquele que tem sofrido mais com a ira dos portugueses. Contudo, abdicar de Gaspar era reconhecer o erro da política que tem sido seguida.Como já vem sendo tradição, o Ministro das Finanças representa o braço direito de qualquer Primeiro-Ministro, pelo que dificilmente o chefe de governo abdica dele. No fundo, é o Ministro das Finanças que dá o aval às politicas que o governo quer prosseguir. Recorde-se que Sócrates manteve Teixeira dos Santos quando este até já era contestado internacionalmente. É caso para dizer que PM e Ministro das Finanças são os únicos que não podem cair sob pena de se criar uma crise política, isto em qualquer governo.
Outro aspecto importante é a reputação internacional do actual Ministro, ao contrário do que acontecia com Teixeira dos Santos. A imagem de credibilidade dada por Gaspar pode ser importante para que no futuro seja possível negociar com a troika. Mas é um facto que a troika sente-se segura com Gaspar a mandar nas contas do país.
Paulo Macedo seria uma boa solução, no entanto o prestígio internacional do actual Ministro das Finanças é importante para que Passos Coelho ainda mantenha alguma esperança.

O outro Ministro que está com um pé fora é Álvaro Santos Pereira. Desde o inicio que foi sempre visto como o patinho feio deste executivo, nunca tendo conquistado a confiança dos empresários e dos portugueses. No entanto, pode ser que no meio desta crise surjam medidas de incentivo ao crescimento da economia, sendo que ele pode vir a revelar-se uma autêntica surpresa.....

Por fim, o Ministro que está mais na corda bamba é Miguel Relvas. O problema que se coloca em relação a Relvas é o mesmo de Gaspar. Relvas não manda nas contas do país mas manda no aparelho. E isto é suficiente para Passos Coelho o manter no governo. Além do mais, Relvas pode muito bem ser o elo de ligação entre o PM e o CDS. Se Relvas sai, Portas ganha maior destaque, e isso Passos Coelho não quer. O PM tem aqui uma questão complicada de resolver. Ou pensa pela sua cabeça ou então cede às pressões do povo e sobretudo da comunicação social. Outra questão relativamente a Relvas é o facto da sua "honestidade" política. Quem garante que caso Relvas saia do Governo, não se vinga de Passos Coelho?

Apesar de este serem os nomes mais falados, há um Ministro que pode ser remodelável. Falo de Paula Teixeira da Cruz. A justiça continua na mesma e as declarações da Ministra em relação à impunidade no nosso pais não são aceitáveis. 

Perante os argumentos apresentados e tendo em conta o perfil calculista de Passos Coelho, o mais provável é que não venhamos a ter nenhuma remodelação governamental. Se são os Ministros mais próximos do PM que estão seguros por um fio, com quem é que  Passos Coelho se vai aconselhar? Com Cavaco Silva não é com certeza...

Sem comentários:

Share Button