quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Momentos Olhar Direito (7): Primavera Árabe

A Primavera Árabe foi sem duvida alguma o acontecimento social e político do ano 2011. O despoletar da Revolução na Tunisia, deu origem à queda de Mubarak, Kaddafi e à guerra na Siria para derrubar o regime de Bashar Al Assad.

A região ficou em alerta e até alguns Estados mais radicais compreenderam as necessidades do povo e aceitaram as imposições que advieram das revoltas populares. Há certas alturas em que não se pode recusar as pretensões populares.....

É dificil dizer se a revolução árabe que ainda decorre, pelo menos na Siria; foi uma revolução política ou social. É verdade que o poder caiu na rua, no entanto os ditadores não foram derrubados apenas pela onda de protestos. Na Libia, os revoltosos que Kadafi havia acabado, reorganizaram-se e com a ajuda da NATO mataram o ex-ditador. Desta vez com direito a imagens exclusivas para todo o Mundo. Mubarak não morreu logo, mas haveria de falecer uns meses mais tarde de doença......

Tanto o Egipto como a Líbia viveram pela primeira vez a experiência democrática com a realização de eleições recentemente. No entanto, não se pode pedir a um povo que viveu quase 40 anos em regime ditatorial que de repente aprenda a lidar com todas as regras democráticas. Apesar de alguns incidentes, o processo está a tornar-se pacifico e benéfico, mesmo tratando-se de países cuja religião e localização geográfica possam relevar-se de dificil integração. Contudo, é injusto considerar que os povos árabes não sabem viver em democracia. Podem é estar uns anos distante daquilo que são as realidades ocidentais, mas a educação cívica supera toda e qualquer dificuldade.

Outro aspecto importante da revolução árabe foi a forma como se protestou. Mesmo tendo o acesso limitado às redes sociais, os tunisinos, egípcios e de certa forma os líbios  conseguiram unir-se e juntar para se manifestarem. 

Com estas manifestações, os lideres árabes perceberam que não podiam continuar no poder eternamente e muito menos optar por uma sucessão hereditária. Fingindo que enganavam o povo, começaram a preparar o  terreno secretamente para os seus filhos. É curioso que também os filhos foram alvo da ira dos manifestantes, pois eles seriam a continuidade após a retirada do ditador.

Apesar de todos os aspectos atrás referidos, algum dia a Primavera Árabe iria eclodir. Não com a força que  e importância que teve, mas a vida é feita de ciclos e ninguém se perpetua no poder para sempre. O mais curioso é que não surge de uma forma preparada mas pura e simplesmente porque de repente há um descontentamento.........




Sem comentários:

Share Button