Etiquetas

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Coelho desmente Gaspar, que havia desmentido a troika

A polémica em torno dos subsídios de Natal e férias promete vir a ser um factor de instabilidade dentro do governo da maioria PSD-CDS. Não deixando de fora a troika que tem aqui um papel importante, isto devido ao novo tratado Orçamental que entrará em vigor.
Passos Coelho e Vitor Gaspar parecem terem opiniões bastante divergentes quanto a este assunto, pelo menos é esse o sinal que têm dado para a opinião pública. Das declarações do PM, subentende-se que o 13º e 14º mês têm os dias contados. Isto para a função publica. Passos diz que poderão voltar em 2015....mas de uma forma gradual. Ou seja, não serão todos que terão direito à devolução dos dois salários extras. Parece que existe nesta questão, uma forma de PPC querer escapar à sua verdadeira intenção: acabar definitivamente com esta despesa inútil.

Mais importante do que a intenção de PPC é a frente de batalha que a oposição vai abrir pela divergência de opiniões entre as duas figuras mais importantes do governo : o Primeiro-Ministro e o Ministro das Finanças. Mais do que isso, parece ser evidente que este executivo tem de alterar a politica de comunicação....

3 comentários:

Fernando Vasconcelos disse...

Despesa inútil? Inútil para quem? Vamos ver uma coisa o estado tem que ter pessoas que trabalhem para manter a "máquina" a funcionar. Essas pessoas t~em de ser remuneradas. Essa remuneração não sendo forçosamente "de rei" tem de ser pelo menos minimamente competitiva. Para isso nós pagamos impostos. Uma parte desses impostos são para pagar esses funcionários. Desde já fica aqui expresso que não me importo absolutamente nada que sejam utilizados num décimo terceiro ou quarto mês desde que isso contribua para que eu seja bem servido pelos serviços que o estado é suposto proporcionar-me. Logo, inútil? Que tal discutir a substância em vez da forma? Que tal colocar a verdadeira questão: Achamos mesmo que há demasiadas pessoas a trabalhar para o estado? Achamos mesmo que ganham ou têm privilégios a mais? Pessoalmente nunca tendo trabalhado para o estado, não tendo qualquer tipo de ligação com o mesmo estou à vontade para dizer: Não, não acho. E mais uma vez digo, estamos a deixar que alguns utilizem pretextos supostamente racionais para colocar em causa modelos sociais justíssimos e perfeitamente sustentáveis, basta querermos.

Francisco Castelo Branco disse...

E se esses 13º e 14º mês forem utilizados para aumentar os salários durante o ano?

Portugal e Espanha são os unicos países da zona euro que têm estes privilégios.

Na minha opinião, esta é uma forma de PPC acabar com a subsidio-dependência existente neste país.

Tenho as minhas duvidas que seja um modelo social sustentável. Justíssimo poderá ser, mas pergunto porque não tem o sector privado mais dois salários?

expressodalinha disse...

Não é correcto. Os outros países tem o subsídio no vencimento x 12. Mas está lá. Há empresas onde se paga o 16ª mês, etc, etc... Mas se já é desmotivadr a sucessão de cortes, pior é a aldrabice (má comunicação = a aldrabice).

Share Button