quinta-feira, 1 de março de 2012

Presidente da Câmara quer instalar um bordel (ops, uma safe house) na Mouraria

Ora aí está uma medida camarária digna de registo: "uma das propostas incluídas no Programa de Desenvolvimento Comunitário da Mouraria (PDCM) - um documento que foi elaborado por cerca de 40 associações que trabalham na zona e entregue este mês à Câmara de Lisboa - é a criação de uma «safe house» em 2013, um bordel para a prática de sexo seguro sem a prática de lenocínio, dado que seria gerido por uma cooperativa de prostitutas". Bordel não, mas "safe house" melhora logo imenso!
António Costa confirmou que esta é uma proposta incluída no PDCM e que está a ser estudada pela autarquia, mas referiu que para avançar iria necessitar de um "novo enquadramento legal". 
Bem, desde logo é preciso tornar a prostituição legal, coisa que não é, e já estou a imaginar a prostituição com descontos obrigatórios para a Segurança Social, declaração de rendimentos, recibos com descrição dos serviços e IVA a acrescentar, para já não falar do 13º e 14º mês porque ao que consta não serão funcionárias públicas. 
Será isto já influências do Intendente para onde a Câmara se vai transferir?

3 comentários:

Francisco Castelo Branco disse...

terão cartão de eleitor?

Fatyly disse...

Há anos que a prostituição deveria ser legalizada e como tal, pagarem os seus impostos e terem direitos como qualquer cidadão, porque o são de facto. Acabaria com muita coisa sobretudo a hipocrisia que se instalou, como se instalou em outras áreas, que sabem, que fazem, mas assobiam para o lado...e continuam a preferir tapar o sol com a peneira.

Estamos em Portugal e para quê mais uma palavra em inglês? Bordel, cabaré, ou outro nome qualquer... agora "safe house"...que finesse!

Que venha esse enquadramento legal...e se referendarem votarei SIM!

expressodalinha disse...

Nada a opor. Uma proposta banal.

Share Button