terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Tema XI: As greves

És a FAVOR OU CONTRA as greves como forma de manifestação contra as políticas dos governos?

5 comentários:

Francisco Castelo Branco disse...

As greves no nosso país têm-se sucedido.
Em trÊs anos houve 3 paralisações gerais em Portugal com o fundamento e contra as medidas de austeridade.

Na década passada, a greve foi uma forma de luta muito utilizada para protestar contra as politicas dos governos.

No dia 22 de Março, o país vai novamente parar por causa da legislação laboral.
Por apenas isto, o país vai ter que parar e muitos portugueses vão sofrer as consequências, embora a ultima paralisação nos tenha dito que a adesão dos trabalhadores esteja a ser cada vez menor.

A greve foi um direito ganho com o 25 de Abril para que em situações excepcionais se pudesse protestar. Com o aparecimento do sindicalismo em Portugal, o incentivo a esta forma de luta tem sido bastante grande.

Mas aqui não falamos apenas das greves gerais. Como todos sabemos e temos vindo a assistir as greves dos transportes têm sido quase mensais.

Há muito que a greve deixou de ter utilidade e pior ainda, de conseguir influenciar ao ponto de um governo ou mesmo um ministro tenha caído por causa desse protesto.

As grandes manifestações e "protestos populares" têm muito mais força.

Perante isto, e face á abusiva utilização do direito à greve, este é um instrumento constitucional devia ser repensado numa futura revisão da CRP.

Para ser utilizado, o direito à greve devia ser repensado ao ponto de ser necessário um bom fundamento para que pudesse ser accionado.

Fatyly disse...

Francisco Sá Carneiro irá dar-te a minha resposta:

«O povo português nunca teve os dirigentes que mereceu» - Conferência de Imprensa - 28 de Novembro de 1975

«O nosso Povo tem sempre correspondido, nas alturas de crise. As elites, as chamadas elites, é que sempre o traíram (...)» - Discurso no convívio do Vimieiro - 2 de Abril de 1978

«É necessária uma política de austeridade. Mas impõe-se que essa política de austeridade não recaia, especialmente, sobre as classes trabalhadoras (...) É preciso que ela se integre numa política de relançamento da nossa economia. Sem isto não há austeridade que valha a pena» - Entrevista a O País - 3 de Março de 1976

«Há que impor uma disciplina de actuação do poder económico e dos investimentos, para que ele seja feito com proveito para todos nós e não apenas para os detentores desse poder» - Entrevista ao Diário Popular - 8 de Julho de 1974

e os que dizem e apregoam seguir os seus ideais, estão "danadinhos" por mexer na CRP mas apenas para o que lhes convém... e nada como manter um povo cego, surdo e mudo numa de comer e calar, com uma justiça que há muito deixou de ser "cega, surda e muda"! Percebeste?

Nem digo mais nada...mas já entrámos no caminho "minado" onde todo o cuidado é pouco!

expressodalinha disse...

Nunca fiz greve. Mas, concordo perfeitamente que se faça. Sim, a greve é necessariamente política. Lutar pelos direitos laborais é política. Foi assim no séc. XIX e continuará a ser. Essa história das greves não serem políticas é uma grande treta para colar aos trabalhadores o rótulo de comunistas.

daga disse...

Sou a favor do direito à greve, mas custa-me ver que muitas vezes são os outros trabalhadores que ficam prejudicados enquanto o governo fica indiferente. Por exemplo, quando há greve de transportes, quem não tem carro ou dinheiro para gasolina, já pagou o pass e não tem como ir trabalhar, ficando sem receber aquele dia.É injusto, deviam conseguir fazer greves que afectassem o governo e não os outros trabalhadores! Deve ser utopia da minha cabeça...

Francisco Castelo Branco disse...

e aqueles que querem trabalhar no dia de greve?

a greve não e sempre geral

Share Button