domingo, 15 de janeiro de 2012

Olhar a Semana - País de Invejosos e alcoviteiros

Esta semana muito se falou em nomeações politicas e da falta de "palavra" que os nossos politicos têm no que toca a estas questões.
Muitos são aqueles que gostam de apontar o dedo a qualquer executivo quando nomeia alguém da sua cor política. E depois lá vem o discurso de sempre : "É mais um que vai encher os amiguinhos de jobs".
Passos Coelho foi peremptório na campanha eleitoral ao afirmar que não iria proceder a este de políticas caso fosse governo. Seis meses passaram e, apesar de ter mantido algumas administrações que vinham do governo anterior; como foi o caso da RTP; o actual PM não se livrou das críticas das vozes do costume devido à nomeação de gestores para a EDP e Àguas de Portugal.
Quem critica este tipo de nomeações, perfeitamente normal em política e num Estado de Direito, fá-lo sempre com o intuito de colocar em causa tudo e mais alguma coisa. Tanto criticam A como fazem-no perante o B. Não há ninguém que escape. Convêm analisar primeiro a competência e os méritos de quem é nomeado e nunca o cartão de militante ou a amizade com quem fez a nomeação.

Era curioso perguntar a quem faz alcoviteirice política se um PM o convidasse para um desses cargos se aceitava ou não a nomeação.

Este tipo de análise só mostra o quão Portugal ainda é atrasado. Não mentalmente porque não somos nenhuma pessoa singular, mas enquanto sociedade colectiva. Somos um país de alcoviteiros que está sempre a comentar e a analisar a vida dos outros em vez de fazer um comentário objectivo e rigoroso. Isto há muito que vem acontecendo no comentário político em Portugal que continua a ter os mesmos "politólogos". E os telespectadores têm de aturar as mesmas caras há mais de 10 anos. E estão na televisão, jornais, rádios, porquê? O que fizeram de tão brilhante para serem "comentadores"? São amigos de alguém?

12 comentários:

Fatyly disse...

Se esse tipo de nomeações fossem tão normais e transparentes, também deveria ser normal a aceitação de criticas e comentários por parte do governo e sobretudo dos seus militantes. Desçam do pedestal e dialoguem com o povo, mas se é para serem "tão objectivos e rigorosos e competentes como a história do pastel de Belém", meu amigo que fiquem calados. Até fiquei de boca aberta!!!!

Quem não deve não teme e porque será que vós que também fazem parte do povo, se sentem tão incomodados?

Ao tomarem medidas, arranjam desculpas esfarrapadas e culpas no executivo anterior sem se lembrarem nos 10 anos de governação de Cavaco, se isso não é alcoviteirice política...vou ali e já venho!

Digo alto e a bom som, ao longo destes 30 anos, todos o fizeram e o actual não foge à regra (apesar de não ter votado nele, dei-lhes o meu voto de confiança, já retirado há meses, porque pensava que sim, mas enganei-me) muitas nomeações são feitas pelo cartão de militante ou a amizade e ou até familiar, mas jamais pela competência, porque se assim não fosse não me venhas dizer que no anterior executivo, ministérios etc. era tudo uma cambada de incompetentes, burros e estúpidos!
O caso mais gritante - o Presidente da Câmara eleito para as Águas de Portugal, quando era um dos maiores devedores com um processo judicial e a respectiva sentença, fez o que fez numa Câmara pela sua imbecil competência, isto é o quê?

E o PSD/CDS-PP estão em todo o lado, de norte a sul de Portugal, muitos "o que fizeram de tão brilhante" para serem eleitos para altos cargos governamentais e ministeriais e outros ais?

Não preciso ir muito longe...

expressodalinha disse...

Isto (Portugal) é muito pequenino. Conhecemo-nos todos e sabemos que valemos o que valemos. Conheço alguns desses rapazinhos e não são melhores ou piores do que eu. Apenas deram "corda aos sapatos" e entraram no circo governamental. A partir daí nunca mais se sai. O Estado é isso. Uma Administração Pública nepótica e almoçarista que se sustenta dos nossos impostos.

Francisco Castelo Branco disse...

Mas isso não pode fazer de um PM mentiroso ou pouco honesto.
é aí onde quero chegar.

oiço aí muito comentador a chamar mentiroso e pouco honesto ao PM por causa destas situações.

Além disso ele nunca disse que não nomear ninguém por causa da cor política.
Disse que iria existir maior transparência. E na minha opinião, tem existido.
Também não podemos querer um Estado santinho

expressodalinha disse...

Os PM's são igual ao litro. Mandam os aparelhos e os interesses. Encontram-se todos numa "loja" ou num restaurante, tanto faz. Até há uns clubes bem mais interessantes do que a Maçonaria. Esses sim, digidos "ao assunto". Mas ninguém quer investigar... Os comentadores tb lá estão e os jornalistas, alguns.

Francisco Castelo Branco disse...

Quem manda são os varas e os relvas, e não os socrates ou Passos Coelho que estão preocupados com a politica geral do país.

Não acredito que um PM esteja preocupado com as nomeações.
O relvas apresenta nomes e o PM diz que sim só para despachar.

É ver o YES, MINISTER.

os comentadores e os jornalistas também andam a mando dos politicos.

Fatyly disse...

FCB
essa não...não é ele o responsável máximo do governo? Não me digas que assina de cruz!

É mentiroso SIM, porque prometeu o que sabia que não iria cumprir, tal como Sócrates o fez e tanto atirou pedras aos telhados dos outros que lhe caiu tudo em cima.
Também disse várias vezes que iria encolher a gordura do Estado e afinal duplicou?
Pouco honesto- como pessoa, cidadão, pai, filho ou espírito santo, não sei porque não o conheço pessoalmente e jamais sou do tipo que quando o vejo vou logo dizer adeus e atirar ou dar beijinhos, mas como político tem dado provas do contrário e sabes bem que é verdade!
Transparência? Não fosse a imprensa escrita lançar cá para fora algumas coisas mal feitas e ir por exemplo ao Portal do Governo e ver apenas o que ganha a secretária, do secretário, do adjunto, dos motoristas, consultores...que o dele e de todos os ministros e secretários de Estado é ZERO, eu diria que o óculo anda muito embaciado! Nenhum ser humano é totalmente transparente.

Como é óbvio não há Estados santinhos, como não há povos santinhos, mas para sermos respeitados devemos saber respeitar e sobretudo todos os que têm a coragem de comentar dando a sua opinião, porque na conjuntura actual, nem o governo tem "argumentos objectivos e rigorosos" para não falar na balbúrdia em que se encontram alguns serviços e que a explicação de...ou um pedido de desculpas pelo erro...é ZERO!

expressodalinha
uma grande maioria nem sequer foi preciso dar corda aos sapatinhos...tal como no futebol, já tinham lugar reservado desde que nasceram...

Fatyly disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fatyly disse...

o PM não está preocupado com as nomeações porque não lhe vão ao bolso, como vão aos nossos e acho que é a 1ª vez que falas algo de Sócrates...afinal são iguais ou não?

Então assim sendo, deveriam eliminar o lugar do 1º Ministro e já agora "do PR e porem lá um gravador e mudar as pilhas de 5 em cinco anos, que se pouparia uns milhões (palavras do Ricardo dos Gatos Fedorentos no "Conversas improváveis"!:)

Francisco Castelo Branco disse...

Cara fatyly

claro que eele tem conhecimento, mas quem trata dos cordelinhos é o braço direito dele.....

Fernando Vasconcelos disse...

Seja como for Francisco ele tem e deve saber. Aliás nem acho que a nomeação se deva discutir nesse contexto. O que se deveria discutir é se é a melhor escolha possível e para essa discussão lamento mas não tenho conhecimento suficiente. Que é uma BOA escolha é. Tem capacidade e conhecimento suficiente para defender os interesses do estado. Tanto quem nomeia como quem analisa não pode por um lado utilizar outro critério que não seja esse e por outro lado quem analisa não pode assumir que exista outra razão que não seja a competência. Se quiser duvidar é bom que tenha fundamentação. Temos de parar definitivamente com um ciclo de descredibilização mutua que apenas tem como consequência a total destruição de qualquer hipótese de alternativa.

expressodalinha disse...

Pois, só que não basta ser... A descredibilização já começou com um enorme tiro no pé. E é pena. Estavámos a aguentar as medidas de austeridade com algum estóicismo. Não havia necessidade!

Francisco Castelo Branco disse...

não vejo isso como describilização.
É apenas um fait-diver político e para alimentar os comentadores

Todos fazem o mesmo e não é por isso que são mentirosos ou pouco honestos.

São questões politicas e nada têm a ver com ética

era natural que este tema viria à baila

Share Button