Etiquetas

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Recordar 2011 a pensar no futuro

O ano de 2011 que agora finda foi fértil em mudanças. Politicas, económicas, sociais e até humanas.
Num ano vários foram os acontecimentos que "mudaram" Portugal e o Mundo.
Não falamos apenas de meras situações de circunstância mas de alterações profundas no modo como iremos viver nos próximos 10 a 15 anos. O que se passou este ano a nível politico, económico e social terá repercussão e influência nos anos vindouros.
Em nossa casa, o pedido de ajuda financeiro ao FMI veio modificar o nosso quadro a nível económico, social e político. Desde logo provocou a queda de um governo. Nem com a eleição de um novo elenco governativo foi possível criar estabilidade. Antes pelo contrário. É este governo que teve e terá de enfrentar a instabilidade social que começou no fim do ano e será enorme no próximo. A situação financeira do país irá levar a uma mudança de vida de todos nós. Não só cá dentro mas também lá por fora, mas mais em Portugal.
A consciência e a necessidade de poupar fará parte de cada português. O "podemos gastar" irá dar lugar ao "temos de poupar".

Lá por fora também existiram mudanças que irão alterar a geografia mundial. A Primavera Árabe veio dar um impulso às grandes manifestações. Não só às que se realizaram nos países Árabes mas sobretudo as pessoas perderam o medo de se reunir em massa a protestar até aos limites para que os seus desejos sejam alcançados. Veja-se o caso da Russia. E aqui as redes sociais tiveram grande importância na divulgação e concentração das pessoas. Nos próximos tempos, as manifestações serão tidas em conta por aqueles que detêm o poder. São a partir de agora uma arma política.

A situação na Europa vem trazer grandes mudanças, sobretudo a nível político e económico. Os governos estão enfraquecidos e não é de descurar mudanças profundas no futuro. Em relação ao dinheiro, a Europa será um mercado bastante apetecível para os BRIC e com isso conseguirão bater os Estados Unidos. Com ou sem Euro, a Europa perderá definitivamente a locomotiva das grandes potências mundiais.

5 comentários:

expressodalinha disse...

Se a Europa se fragmentar perde definitivamente qualquer papel geo-político. Esta crise é boa para entender isso e fortalecer os laços políticos e económicos. Esse é o meu voto para 2012. Qt ao facto nacional do ano: sem dúvida a entrada da China na nossa economia.

Francisco Castelo Branco disse...

para mim foi a mudança de governo, com tudo o que isso implicará no futuro. Nos vários dominios.

A Entrada da China na nossa economia terá repercussões num futuro longinquo.

quanto á Europa, eu acho que apesar da crise os laços politicos e económicos estão enfraquecidos. Cada vez mais. A ultima cimeira provou isso mesmo e a entrada da china na nossa economia é um facto importante nesta questão

Fatyly disse...

Como a história se repete e a humanidade não aprende nem aprenderá nada com os erros cometidos!

"A consciência e a necessidade de poupar fará parte de cada português.
O "podemos gastar" irá dar lugar ao "temos de poupar"!

um slogan já tão velho e gasto , mas ao longo destes 30 anos, ou 36 quem foi o maior gastador? Quem são os actuais gastadores?
"Procura-se"...estes são os meus votos para 2012!

Facto nacional: nenhum relevante para vós, excepto para mim: o nascimento da minha neta, que como os outros, bem como as suas mães nasceram em anos de crise...e são guerreiros e muito, mas muito poupados!

E sem culpa nenhuma...lá irei(mos) pagar a factura de LADRÕES... se eles ficarem por cá!

expressodalinha disse...

Muitos parabéns pela neta. Sem dúvida um facto memorável. Eu ainda não tenho...

Fatyly disse...

expressodalinha
obrigado pelas tuas palavras e esta é o 4º, minha nossa como estou velha e que fiquem por aqui hehehehehe

Um abraço

Share Button