Etiquetas

domingo, 18 de dezembro de 2011

Olhar a Semana - Consumismo natalício

Este ano o Natal vai ser mais pobre para muitas familias portuguesas. O despoletar da crise e o corte no subsídio de Natal para algumas familias vem trazer pouca cor nesta quadra. Podemos pensar assim se acharmos que nesta altura o mais importante é oferecermos alguma lembrança a quem mais gostamos. Se tivermos em consideração o ambiente familiar, então os cortes e o facto de estarmos em crise não seja assim tão mau. Até porque muitos já não acreditam no Pai Natal. Mas o que se está a passar nesta quadra é apenas o principio daquilo que irá acontecer num futuro muito próximo, especialmente em 2012. O pouco dinheiro que os portugueses e os europeus terão na carteira irá afectar o comércio e consumo. Mas se alguma coisa a austeridade tem é a mudança de mentalidades que vai provocar neste país. Era sobretudo nesta quadra festiva que muitos aproveitavam para gastar mais do que aquilo que possuíam. E o dito subsídio também servia para os presentes em vez de guardar para poupar. Nota-se também um menor entusiasmo em relação ao Natal, porque os portugueses estão a sentir na pele a crise e olham para o futuro com muita preocupação. Até a Leopoldina e a Popota parecem menos entusiastas. Perante isto, é possível que os valores que se perderam devido à loucura dos presentes voltem nesta quadra. Para isso ter sido possível só mesmo o estado de crise em que vivemos e alguém que tenha tido a coragem de colocar bom senso na mentalidade das pessoas. Apesar da troika nos ter tirado os presentes, o espirito familiar manter-se-à em cada casa portuguesa. Assim, com ou sem austeridade, desejamos um bom natal prometendo voltar em 2012 com mais crónicas semanais.

6 comentários:

Fatyly disse...

e alguém que tenha tido a coragem de colocar bom senso na mentalidade das pessoas...

se não formos nós próprios até onde os nossos braços chegam, ninguém muda nada e muito menos as mentalidades excepto DANDO EXEMPLOS, ou seja tu fazes eu também irei fazer. Tem que ser, vamos em frente, porque os discursos televisivos que poderiam ser ilucidativos de alguma coisa não são para a maioria da população! Mas a balança está completamente desiquilibrada, porque ao vermos a forma como gastam (incluindo não terem o bom senso de jantares fautosos onde se vê de tudo do melhor e carissimo (comida) ao que eu pelo menos não tenho acesso, o que originará no futuro? Essa é que é essa e não metam nas nossas mãos o "consumismo absurdo natalício".

Sabes o que me apetecia fazer? pena é não perceber nada de electricidade: apagar as decorações de algumas ruas, rotundas e sobretudo as do edificio da Câmara de Sintra, porque é um autêntico desperdício.

Sabes o que me apetecia fazer? era pôr toda esta cambada jovem que, "num aproveitar da crise" para obterem o que querem,mais, sempre mais...assaltam e matam destruindo a vida a quem trabalha, a lavrar e semear campos com uma corrente nos pés e quem recebe o produto dos roubos - um tiro em cada um.

Sabes o que me apetecia fazer? era receber todos os presentes carissimos que dão...a quem dão...com direitos televisivos e fazer um leilão para dar por exemplo aos bombeiros que tudo fazem e recebem tão mal ou para obter cadeiras de rodas para quem precisa e não tem como obter...ou comida!

Sabes o que me apetecia fazer? Dar-te um abraço como darei a todos que visito, e que apesar de não conhecer pessoalmente e não saber a vida de cada um (o que nada me interessa porque nem sequer ando nos corredores dos mails) dar-te um abraço e dizer: com eles ou sem eles, é ao povo que compete direcionar o barco, porque eles nada farão se o povo assim entender.

Já agora um abraço a Assunção Cristas pelo feito do aumento das pescas

e um murro a quem "destroçou" o investimento da Nissan, porque no memorando da tua amiga TROIKA refere "restrições" e não o que fizeram.

Não sei se em 2012 estarei viva, mas se estiver voltarei em 2012 com estas crónicas e outros que fazem deste espaço algo que gosto.

Um Bom Natal para ti e toda a tua família e extensível a quem aparece por aqui.

expressodalinha disse...

Há um Natal religiosa e tradicional que é simultaneamente a festa da família. O pretexto do hipotético (e errado, diga-se de passagem) nascimento de JC nesta data serve a ocasião. A tradição da família é importante. A religião é para quem acredita. A loucura consumista é recente, bem como o Pai Natal. A festa familiar mantém-se, agora com um cortejo de presentes exibicionistas. ´Houve, sem dúvida, um abastardamento dessa tradicional festa, mas com vantagem para o comércio. Pena que num ano de crise não se possa manter esse consumo, para crescimento da economia. O Pai Natal agradece, e JC está-se marimbando.Até porque para muita gente o Natal é isso mesmo: gastar, consumir, comer. E porque não? Porque temos todos de acreditar numa gruta simbólica e no nascimento de um político-filósofo de práticas mais que duvidosas e que afinal mais não é do que o Deus Mitra, comemorado na festa do solstício? Bom Natal, o que quer que isso seja.

Francisco Castelo Branco disse...

cara fatyly quanto á NISSAN é uma vergonha o gasto naquela fabrica que não serviu para nada...

mais um tiro nos pés de socrates

Fatyly disse...

Caro FCB, claro que foi de facto um gasto...mas porque não se aproveitar esse gasto e dar continuidade a uma produção que viria a dar emprego e a pagar o gasto e levantar a economia? Mais, era obrigação deste governo visionar as contas do gasto e penalizar os prevaricadores.

Sócrates deu um tiro nos pés e este governo e o seu "ir mais além da TROIKA" deu quantos tiros? O tempo o dirá!!!

É a minha modesta opinião!

Francisco Castelo Branco disse...

fatyly

tenho preparado esse tema, mas vou adiantando que a fabrica de baterias da NISSAN serve para zero!
Não é um investimento que vá ter lucro no futuro.
mais uma conta que ficou por pagar.
factos são factos.

mas o tema deste post é outro

Fatyly disse...

FCB
Tens razão, fugi ao tema do post o que desde já peço desculpa!

Share Button