Etiquetas

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Grupos de Pressão

Não deixa de ser intrigante que um país pequeno, pouco povoado, com uma sociedade pouco dinâmica e com falta de exigência, insignificante a nível europeu e desconhecido a nível mundial consiga, no entanto, ter criado tantos grupos de pressão com capacidade de afectar os processos legislativo e executivo. Hoje foram os emigrantes, descontentes com o encerramento de unidades consulares, a ameaçar não enviar mais remessas para Portugal. Em termos médios, os valor total ascende a 2400 milhões de Euros.
É mais um revés para o investimento, variável imprescindível ao crescimento económico, para o qual era canalizado o volume de remessas vindas do exterior.

16 comentários:

Fatyly disse...

Antes de se tomarem medidas há que ter em conta as consequências e será que as tiveram? É que a emigração de hoje é bem diferente da dos anos 60/70, que aí sim a maioria era quase analfabeta ao contrário da de hoje que é muito mais qualificada e investir no seu país que lhes fechou as portas e onde tudo fnciona como todos sabemos, a título de quê?

Larissa Bona disse...

Olhe, eu vou dizer. No dia a dia, eu trabalho com nacionalidade portuguesa, principalmente, com os portugueses nascidos no Antigo Estado da Índia, e posso afirmar categoricamente que a grande maioria dos Consulados de Portugal são uma m@#$%. A começar pelo o de Goa, que não deixa sequer os cidadãos portugueses entrarem no Consulado. O meu chefe, o Dr. Miguel Reis tem uma foto dele mesmo sendo expulso do Consulado. Outro dia, tive que ligar do Brasil para o Consulado de Portugal na Arábia Saudita para explicar-lhes como fazer uma legalização, porque por duas vezes uma cliente minha foi lá legalizar um documento e não colocaram o selo correto. Eu a todo custo evito recorrer aos Consulados para legalização de documentos, que é o que faço mais, já que todos os nossos processos são instruídos em Lisboa - não perdemos tempo com Consulados. Sempre recorro à Apostilha D'Haia. Olhe que eu, que nem portuguesa sou, estou reclamando porque utilizo desses serviços simples, mas imagino mesmo o dissabor de quem os necessita para assuntos mais importantes e que não possuem outra alternativa além dos Consulados.

Coloco aqui o link de um texto Dr. Miguel Reis critica o fechamento de Consulados: http://www.lawrei.eu/MRA_Alliance/?p=9136

Larissa Bona disse...

Ah, só um adendo, justiça seja feita, também tenho que elogiar os Consulados que funcionam bem: o de Fortaleza - é impecável, o de Toronto e o de São Francisco também.

expressodalinha disse...

O problema é a despesa vs a eficácia. O testemhnho da Larissa leva-me a pensar que é melhor acabar, tirar de lá esses pessoal (nalguns casos "honorário") e se necessário montar outro de novo, com gente nova.

Francisco Castelo Branco disse...

Prefiro o factor competência em vez da questão da idade, que por vezes pode ser enganadora

Fatyly disse...

O comentário de Larissa vem ao encontro do que digo, porque há consulados e consulados e ver bem como funcionam e nada como consultar muitos e muitas "Larissas" porque só quem está no terreno é que sabe.
A ameaça ao ser feita...não foi apenas por serem do contra, mas porque algo está a correr mal concordo FCB "a competência não tem idade"!

Anónimo disse...

Eu só não concordo ao chamar " grupo de pressão " à nossa diáspora! Grupos de pressão são "lobys", aqui trata-se de um terço da população nacional!....
..... Fatyli, olhe que em porcentagem não há muita diferença no intelecto de hoje e o de antanho! Nos anos 60, 70 e por aí em diante não emigraram só serventes de pedreiro. Não se iluda ou não acredite em tudo o que lê.

DCS ( retired ATP)

Francisco Castelo Branco disse...

veja-se o caso das SCUT.

Agora decidiram incendiar e até alvejar funcionários das scut.
é uma vergonha.
Se deixasse de haver sindicatos....

Francisco Castelo Branco disse...

Quanto às unidades consulares concordo.
Há sitios onde não faz sentido haver tanto desperdicio de dinheiros e ainda por cima hoje faz-se tudo pela Internet

Larissa Bona disse...

Concordo com o Expresso, depende muito de quem trabalha nos Consulados.

Por exemplo, o daqui de Fortaleza era Consulado Honorário e foi promovido à Vice-Consulado, mas desde quando era honorário, já trabalhava muito bem. Tanto é que temos pouquíssimos clientes de nacionalidade locais, porque o consulado funciona bem.

O Cônsul daqui, além de ser uma pessoa extremamente educada e humilde, é eficiente e as funcionárias também.

Por outro lado, na Arábia Saudita, que não tem Consulado, mas sim uma secção consular na Embaixada, eu não só tive de ligar para ensinar como fazer uma legalização, mas também vir para o escritório 4h da manhã, porque o responsável pelo setor só trabalhava andava lá no turno da manhã, então se eu fosse ligar para ele 08h da manhã daqui, ele já não estava lá!

E pior, até pouco tempo, a Embaixada da Arábia Saudita era a única representação portuguesa no Oriente Médio! Era realmente um inferno! Ainda bem que abriram um Consulado novo em Abu Dhabi, porque a demanda era enorme.

Além disso, os Consulados não são meras representações da Conservatórias no exterior, nem tudo pode ser feito pela internet, eles também servem para dar apoio e alguns sequer permitem que os utentes entrem nas instalações do Consulado, como é o caso do de Goa, que para mim é o pior de todos, pois lá ocorre uma verdadeiro atentado aos direitos humanos dos cidadãos portugueses.

Eu digo isso porque em Goa, um cidadão português demora até 8 meses para receber o seu Cartão do Cidadão e Passaporte. Enquanto que em Lisboa, em menos de uma semana você tem tudo isso à mão.

Eles demoram meses apenas para marcar a reunião para a pessoa ir lá tirar os seus dados biométricos, para a confecção dos documentos. E mais meses para emitir os mesmos.

E isso é grave porque aqueles cidadãos portugueses nascidos no Antigo Estado da Ìndia, no momento que registram o seu nascimento em Portugal, perdem automaticamente a nacionalidade indiana, pois a Índia não admite dupla nacionalidade, então eles passam cerca de 8 meses indocumentados, porque não podem ter mais documentos indianos e, com isso não podem, por exemplo, ir a Portugal solicitar os seus documentos de maneira mais célere, e ficam obrigados a esperar a boa vontade do Consulado de Goa para fazer os seus documentos. Além de uma arbitrariedade, é uma humilhação. Ah, são tantos os casos que eu sei, que se eu fosse escrever tudo aqui, passaria 2 dias falando.

Quanto às despesas, digo que dinheiro há, porque os emolumentos pagos não são baratos, por exemplo, uma legalização, que não passa de um reconhecimento de firma custa 11 euros, agora se o dinheiro arrecadado não está sendo reinvestido nos Consulados, são outros quinhentos. É preciso uma reciclagem de pessoal urgente também, tem uns Cônsules que acham por conta do cargo que ocupam estão acima do bem e do mal.

Francisco Castelo Branco disse...

as embaixadas deviam descentralizar os seus serviços mas nao ao ponto de os tornar consulados

Fatyly disse...

DCS
claro que não acredito em tudo o que leio, sei bem ver as diferenças, mas no "antanho" quem tirava um curso superior?
É só ver as estatísticas e comparar com a actual e na actual emigração é triste deixarem fugir a prata e o ouro do nosso país e não lhes dar oportunidade para nada...aliás até aconselhados como eu ouvi a irem para fora (não ponho em questão o irem em serviço, estágios, congressos etc).

Enfim!

Anónimo disse...

Fatyli
....trabalhadores intelectuais( malta com canudos) ou outros, regem-se pelas leis do mercado, procura e oferta, por muito que nos custe esta é a realidade, mentalizemos-nos, é saudável .....sem contar com a flexibilidade que aí está batendo à porta!..... Temos que eu saiba pelo menos dois ministros que tal como eu viram outros horizontes, que mal há nisso? E aqui entramos num pequeno problema de " sur plus ".... É que no mundo moderno, existe um número chave e racional, por todos (?) conhecido que em grosso modo diz, são sobejamente necessárias uma universidade por dada dois milhões de habitantes. Quantas temos nós ?.... Sem entrarmos no número Infinito de cursos de valor aplicável zero!

DCS ( retired ATP)

Francisco Castelo Branco disse...

já agora o que é o antanho

Anónimo disse...

Oh Francisco !!!!
Antanho = outrora

Abraço

DCS... ( retired ATP)

Fatyly disse...

DCS
Subscrevo totalmente...procura e oferta, a flexibilidade e mobilidade, mas preferes ser um caracol (aqui é tudo fácil) mas se for uma caracolada (familia) de casa às costas, ou sentires que o teu país investiu e facilitou o futuro de pequenas e médias empresas, deu ferramentas para aumento da produtividade e levantar a economia e mantinhas o que começaste?
Sózinho é muito mais fácil, mas com familia é tudo mais dificil e ficam os avós de novo com os netos como no "antanho"??? Afinal então para que serve ter uma família?

Onde está o arranque da nossa economia? É preciso este garrote todo quando há margem de manobra para aliviar as familias e empresas e não há "tomates" (desculpa a expressão) para negociar, debater o pagamento das dívidas, do que poderiasmos produzir e exportar em vez de sermos cobaidas de um laboratório de loucos?
Temos imensos cursos que não servem para nada mas vais a um emprego: não és aceite por não teres curriculum e ou por teres curriculum a mais.
Merkel e o Palhaço são donos de quê e por alma de quem? Que andam a fazer no parlamento europeu? Se uns conseguem porque não conseguiremos nós se temos a mania que somo bons em tudo até na trapalhada? Alguém entende o actual OE2012?
Retornando ao assunto...se eu pudesse emigrava de novo (cá já sou emigrante) mas garanto-te que Portugal nunca mais veria um tostão meu excepto se esta palhaçada acabasse de vez, e essa postura deveria ser de todos que levaram um chuto.

Possa pá...vem um político diz uma coisa, outro vem logo a seguir desmente... que trafulhada mas andam a enganar quem?

olha Não e não
Não sei para onde vou
só sei QUE NÃO VOU POR AÍ!!

e os emigrantes têm muita razão no que pretendem!

Share Button