domingo, 27 de novembro de 2011

Olhar a Semana - A semana de todas as indignações

Esta semana tivemos no nosso país um mar de situações que nos levam a concluir que estamos a passar por uma forte mudança a nível social. A greve geral que teve uma adesão histórica, segundo os especialistas foi mais um passo para a contestação social que promete ser dura no próximo ano. A juntar a isto, os incidentes junto à Assembleia da Republica fazem temer o pior. Vamos ou não ter violência e desordem pública no nosso país? E porque razão? De quem é a culpa? dos manifestantes ou da polícia?.....Já chegámos ao ponto de circularem videos no Youtube que podem "confundir" os telespectadores. No mesmo dia em que o país parou por causa da greve, duas agências de rating cortaram a dívida publica portuguesa para Lixo. Nada mau para quem está a iniciar um processo de recuperação económica. E é mais um motivo para que os manifestantes se revoltem : contra o governo, contra a austeridade, contra isto e aquilo, contra as agências de rating. Para ajudar à festa, o ex-presidente da Republica vem incitar as pessoas a fazerem greve dizendo que este é um direito dos trabalhadores. Ora, do que precisamos agora é de uma voz com o peso do Dr.Soares a apelar à paralisação. Também aqui discutimos os motivos da indignação social mas não chegámos a lado nenhum. No fundo, os motivos e as razões para que haja maior instabilidade social em Portugal são cada vez mais. No fundo, já ninguém acredita que este modelo vá funcionar e ajuda o nosso país, até porque o caminho que todos apoiam para o país e para a Europa é aquele que está a destruir o Velho Continente. O que se nota é que todos estão indignados e preocupados com o mau tempo que vem....

4 comentários:

expressodalinha disse...

Uma situação tanto mais preocupante quanto a nossa produção (ocidental) foi transferida para a China que vai comprando toda a dívida soberana. O dinheiro circula, mas o círculo está viciado. A guerra física é uma hipótese cada vez mais possível. Ainda havemos de ter saudades dos cortes no subsídio de Natal.

Fatyly disse...

Pois é, pois é...e

(...)
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou,
--- Sei que não vou por aí.

José Régio

Fernando Vasconcelos disse...

Oh Expresso ... A China neste momento se não forem os mercados ocidentais a sustentarem o crescimento também se afoga ... Ou para onde pensas que vão os produtos que são por lá fabricados? O que está a destruir o velho continente é a recusa obstinada da senhora Merckl em deixar-se de economia de cabeleireiro de esquina que alguns continuam a defender como sendo bonito e liberal e deixar o banco central europeu intervir à séria na história. O problema é que ela sabe que isso significa uma derrota eleitoral que ela não quer e infelizmente o instinto de preservação fala mais alto que o interesse dos povos. Falta de sentido de estado que aliás é comum a tantos e tantos governos europeus. Faltam verdadeiros estadistas. Porquê? Porque infelizmente os nossos valores colocam no poder este tipo de pessoas, não temos de nos queixar demasiado. É por estarmos essencialmente preocupados com o nosso umbigo que os nossos governantes estão preocupados com os deles ... e nós às vezes até achamos bem. Faríamos o mesmo pensamos. Pois ... mas não deveríamos. Não sei Expresso da Linha se chegaremos à Guerra mas que estamos a repetir caminhos já trilhados que foram por aí lá isso estamos. As sementes de violência estão a ser colocadas e depois vai ser complicado ... pode ser que se encontre um bode expiatório entretanto que salve a coisa (o Irão por exemplo) mas duvido ... Com a Fatyly me junto a José Régio: Não sei por onde vou, não sei para onde vou -- Sei que não vou por aí.

expressodalinha disse...

Concordo.

Share Button