domingo, 9 de outubro de 2011

OLHAR A SEMANA - A EUROPA ANDA PARVA



Cada vez se entende menos o que querem estes líderes europeus. E cada vez se entende menos o que querem os europeus. No dia em que a Grécia cair vamo-nos arrepender e muito. E, no entanto, hesitam. Hesitam todas as semanas. Ora é a bancarrota que está na iminência. Ora a seguir já não é. Outra vez mais medidas de austeridade. Depois, afinal, temos de ter algum crescimento. É preciso criar um governo económico. Depois já não é... Uns defendem o federalismo. Outros afirmam ser o pior dos males. Uns não se importam de perder soberania. Outros querem mais. Desfilam políticos, comentadores, economistas, banqueiros, trabalhadores. Nunca a televisão teve tantos colaboradores externos. Cada um diz sua coisa e nós já concordamos com uma coisa e o contrário dela própria. Estamos amorfos. Anestesiados. E, no entanto, o sistema europeu é o melhor do mundo. É a melhor sociedade. Tem o melhor sistema de apoio social. Saúde. Educação. Uma sociedade profundamente democrática e livre. Culturalmente a mais avançada. Uma sociedade igualitária e fraterna como não há outra. Porque querem deitar isto fora? Que egoísmos são estes? Que falta de discernimento! Os políticos europeus têm uma agenda contraditória: por um lado querem ser eleitos nos respectivos países, precisando dos votos dos eleitores nacionais; por outro têm de pensar no "interesse europeu", que não é apreensível para esses mesmos eleitores. A construção europeia foi feita por elites, no segredo de Bruxelas, na ausência quase total de participação dos povos. Os europeus aceitam os benefícios como um "acquis". Uma coisa que lhes deram. Uma prenda na qual não participaram. Agora querem mais e não estão preparados para voltar atrás. Mas politicamente estão impreparados para andar para a frente. Ninguém os preparou. O Capitalismo Social da Europa está em contra-ciclo com o mundo globalizado. Isso não quer dizer que tenha de falhar. Mas, para não falhar, é preciso que haja gestão política firme. E essa é a única emergência europeia.
Jorge Pinheiro

3 comentários:

daga disse...

E será que eles, os líderes europeus sabem o que querem? Parece que, depois de serem responsáveis pela criação desta "Desunião", se sentem também perdidos... pois não contavam com as diferentes culturas, as diferentes maneiras de "usar" o dinheiro europeu... daí as contradições, as atrapalhações e, por isso, a "falta de gestão política firme"!!
estamos feitos :p

Fernando Vasconcelos disse...

O problema meu caro é que os srs economistas que parecem ter a receita para a doença ainda nem sequer concordaram no diagnóstico quanto mais na cura. Por isso é que me irrita bastante haver tanta certeza na destruição do Estado Social que na verdade apenas aproveita aqueles que - mais fortes - não necessitam de ajuda. É a lei da selva que nos querem vender como solução quando ainda não sabem sequer se a doença é dos humanos ou dos animais. Por mim já decidi, com diz com tanta indecisão acho que já percebi onde está o problema ... e não é nos meros humanos mas sim nos Reis da Selva ... No nosso cartório de culpas fica apenas o facto de os termos eleito.

Fatyly disse...

Tal e qual "anda tudo parvo e a comer à conta" e veio precisamente ao encontro do que penso e de que sinto já na pele.

Também subscrevo ambos os comentários já feitos e diria só mais uma coisa:

internamente há países que investem na Saúde, na Educação e Investigação, nos apoios sociais CREDÍVEIS", nos cortes radicais nas mordomias dos que compõem o governo - desde salários, a carros, etc. etc....

e cá é precisamente ao contrário e a juntar a toda esta parvoeira, temos como Presidente da UE um português que de português nada tem!

Uma tristeza...e oxalá que acabe depressa porque já não aguento mais tanta palermice ou parvoice!

Share Button