Etiquetas

terça-feira, 5 de julho de 2011

UE: A Grécia, o Euro e as novas discussões XIV

Esta imagem reflecte bem aquilo que foi o sonho da construção europeia. Os países unidos politica e economicamente rumo a uma convergência, de forma a criar uma União Europeia forte, capaz de lutar contra os Estados Unidos da América e os novos gigantes, em particular os BRIC.

Quase 50 anos depois da primeira pedra, a União ameaça desmoronar-se ou então o que se passa com a Grécia, Portugal e Irlanda pode ser o principio de algo novo dentro da Europa. O Euro está á beira de falhar caso a Grécia entre em bancarrota. Schengen, também está a ser posto em causa e o regresso das fronteiras está para breve.

A Grécia está à beira do colapso e os outros seguir-lhe-ão o caminho. Perante isto, a via do federalismo económico é uma inevitabilidade, mas a isso juntar-se-á uma União Política com sede em Bruxelas. A discussão já não entre europeístas ou anti-europa mas sim entre aqueles que são a favor do Federalismo Europeu e os que são contra. Já nem sequer teremos aquelas questões doutrinárias sobre se é o direito constitucional ou o direito comunitário que prevalece....

Depois é a discussão em torno da utilidade dos parlamentos nacionais que estará em cima da mesa, sendo certo que as eleições europeias ganharão enorme peso.

Os gregos na bancarrota e os portugeses apelidados de "lixo", não têm outra solução que "vender" a sua soberania para que as suas finanças estejam "limpinhas" e sem "cactos". A partir desta situação, outros países seguirão o mesmo caminho, até ao momento em que a política dos "Tratados" deixará de funcionar por completo.

Se Bruxelas quer o fim das golden shares ou que o Parlamento grego aprove as medidas de austeridade, porque continuamos a fingir que ainda somos um clube unido e que remamos para todo o mesmo lado?

5 comentários:

Fatyly disse...

Adoro bandeiras, é algo que páro para ver, mas o teu texto não é apenas sobre elas, mas sobre a UE, que a meu ver tudo falhou, porque quando se constrói um prédio sem fundações e alicerces seguros...um dia vem abaixo.

Quem alinhou subscreveu que a união seria sempre para o bem e para o mal...e como estão em processo de divórcio...os advogados que façam o seu papel porque no dia em que referendarem se queremos ou não sair do euro...eu deixarei o meu recado ao Pai Santo:):):)

Jamais ando a fingir... e nunca alinhei nesse maldito clube.

Mas quem sou eu? ninguém!

Francisco Castelo Branco disse...

mas se nunca neste país se discutiu a europa?

quanto mais um referendo...

daga disse...

os Ingleses não "alinharam" no Euro, isso já me deixou de pé atrás, porque geralmente sabem muito bem o que fazem... e agora vê-se que o seu "common sense" sempre se justificou :p

Francisco Castelo Branco disse...

Daga concordo plenamente.

Eu que os critiquei, agora tenho de dar a mão á palmatória.

esperteza britânica

expressodalinha disse...

A Europa vai perceber o erro. Pena que seja à nossa custa.

Share Button