Etiquetas

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Causas & Coisas - Politicamente correcto

De há uns anos para cá esta expressão entrou no quotidiano dos portugueses, não apenas para denunciar algo que se devia fazer na política mas sobretudo substituindo a palavra "fica bem".
Esta é uma expressão que advêm do inglês "very polite" e que significa comportar-se bem, ser-se bem educado, etc etc....

Hoje em dia em vez de chatearmos alguém com o "sorri porque fica bem", " tens de fazer aquilo que ele manda porque parece bem", ou "fica bem dizer isto ou aquilo", usamos apenas a expressão politicamente correcto. É politicamente correcto dar os parabéns a alguém que não conhecemos só porque trabalhamos com essa pessoa, dar imensas gargalhadas quando no fundo não achámos piada nenhuma à anedota ou simplesmente bater nas costas quando um nosso camarada foi eleito para um cargo político.

Tendo em conta que a nossa sociedade é cada vez mais snob e elitista, não há nada que façamos que não seja "politicamente correcto", e quem não alinhar no grupo é apelidado de rebelde ou anti-social. Nos dias de hoje, ser-se politicamente correcto é ter as mesmas ideias que os outros, seguir a carneirada, rebaixar perante o outro só porque tem mais poder e tem o nosso destino nas mãos. É igualmente fazer um sorriso perante alguém que nos está constantemente a incomodar em vez de darmos logo dois pares de estalo.

É óbvio que exagero, mas está criada a ideia de um certo "politiquês", que todos devem seguir sem sequer questionar. E perguntar o porquê das coisas ou dos acontecimentos é algo que os portugueses fazem cada vez menos.

E o "politicamente correcto", infelizmente nada tem a ver com a política ou os seus jogos de bastidores, porque é uma forma de snob e maquiavélica de se fugir a um certo estilo de vida que não se quer na sua totalidade com medo de rótulos por parte dos outros.

Esta expressão devia estar associada à rectidão e honestidade com que se faz política e não para ser utilizada por pessoas que usam e abusam deste novo instrumento "elitista".

Pelo menos desta vez, a culpa não é certamente dos políticos.

4 comentários:

daga disse...

concordo com esta análise e, portanto, também detesto o "politicamente correcto", porque formata as pessoas, levando-as a agir como "fica bem". Não querem dar nas vistas, não querem ser diferentes, não querem pensar pela própria cabeça, não querem ser livres :p

Francisco Castelo Branco disse...

Apoiado.

Fatyly disse...

Fizeste-me sorrir e rebobinar o passado onde "o dever" significava o "politicamente correcto"! Possa pá...que ódiooooo!

Felizmente nunca fui tramada pela PIDE nem pelos BUFOS que se infiltravam nas escolas etc e tal...e sem nunca ter deixado as bases sólidas da educação que tive, jamais em tempo algum fiz ou apliquei o politicamente correcto porque felizmente sempre mantive saudável a minha "massa cinzenta".
Depois, 35 anos anos de trabalho (com mais 4 que me gamaram) não pisei ninguém e nunca dei graxa para subir profissionalmente...mas era pão-pão, queijo-queijo porque fingir não é minha arte! OU gosto ou não gosto, numa querela ponho-me dos dois lados da barricada, sei dar o benefício da dúvida...mas se repetirem corto de imediato...

mas se estou aqui a escrever, neste país que me acolheu, a culpa foi sim dos políticos e também será culpa dos políticos se até ao final do ano, melhor em Janeiro (mês do meu aniversário) se o orçamento for ainda mais curto, acabarei com a internet, mas antes enviarei um email a todos os políticos com um conteúdo sem ponta de "politicamente correcto" mas com tristeza e muita garra onde serão todos baptizados...mas sem os famosos palavrões!:)

Olarilólé!!!!

Francisco Castelo Branco disse...

a culpa não é dos politicos, é de todos nós.

Não devemos sempre meter a culpa nos politicos. Funcionamos como um pais.

Como dizia Novalis, "todo o cidadão é funcionário do Estado", mas isso é discussão para o tema do dia deste mês

Share Button