Etiquetas

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Assembleia de Pinguins - Zéguim em descrédito XLVI

(...)

A Comunidade estava novamente com problemas. Após a morte de mais um elemento, a contestação a Zéguim subiu de tom.

Só havia dois caminhos a percorrer : - A demissão imediata do lider espiritual e a convocação de eleições o seu cargo, ou então caso o Mestre não seguisse por seu pé, a comunidade necessitar de ajuda externa.

Era óbvio que a paz há muito que tinha deixado os Penguzan. A escolha das Caçolas foi um erro tremendo. O povo exigiar respostas imediatas e não queria estar mais num impasse. Entretanto, aconteceu um encontro entre um membro da comunidade Penguzan, um Rocker Pinguim e um intermédiário para encontrar uma solução. Sentindo que iria existir uma guerra nas suas ilhas, o Tubarão Karls, que mandava naquelas ilhas, decidiu evitar o conflito e organizar um encontro entre as duas partes.

A guerra não poderia ser o ultimo caminho.

Segundo a alinea c) do artigo 500º do Estatuto que Regia o funcionamento das Ilhas Caçola sempre que houvesse um possivel conflito entre dois povos, a ultima tribo que houvesse chegado à ilha. Neste caso, eram os Penguzan que tinham de abandonar as Caçola, mas Zéguim mostrava-se irredutível em sair dali.

Só que a maioria da população queria deixar este local. Nomeadamente os pais das vitimas. Estavam já em maioria aqueles que desejavam voltar ao gelo da Antártida onde nunca tiveram problemas de maior. Pelo menos mortes nunca tinha acontecido.

- Daqui não saímos!Isto foi só um acidente, não podemos deixar tudo para trás por causa de um pequenino acidente - concluiu Zéguim.

Alguns dos seus conselheiros ficaram estupefactos com esta declaração. Aliás, a atitude do lider já começava a roçar a arrogância. Não se preocupava com o bem estar da sua tribo, mas apenas com o seu bem estar próprio. Muitos amigos começaram a deixar de acreditar nele, quando era óbvio que as Caçola representavam um perigo. Mesmo com a presença de Antalya.

A situação para o lider estava muito complicada. Como o fazer cair? Só matando-o!

( continua dia 27)

3 comentários:

daga disse...

então mas a comunidade não era democrática? era preciso matar o lider? não bastava eleger outro?

Francisco Castelo Branco disse...

E os jogos de bastidores?

esqueceu...

daga disse...

pois, realmente em democracia também se matam liders... nem preciso começar a enumerar :(

Share Button