Etiquetas

domingo, 20 de março de 2011

Olhar a Semana - Eleições no Hemisfério Sul

O que todos previam vai acontecer : Portugal vai a eleições legislativas a dois anos do termo do mandato e quase meio ano após as eleições presidenciais. Todos estavam à espera do momento certo para que o PM atirasse a toalha ao chão....

Mas será mesmo assim?

Não é por não ter conseguido convencer os partidos a votar umas medidas impostas por Bruxelas que Socrates vai desistir. Se a situação para ele fosse muito má, nem sequer ia para o Parlamento discutir mais medidas de austeridade sabendo de antemão que estava a violar a confiança depositada pelo PSD aquando do acordo do ultimo Orçamento. Já nessa altura o discurso da vitimização quase resultou só faltavam poucos meses para as Presidenciais e os sociais.democratas não queriam um país sem PM nem PR......e muito menos sem Orçamento. Socrates ter saltado por cima de todos e ir devolver as medidas à Alemanha.

Ao provocar eleições antecipadas, estão reunidas todas as condições para uma campanha eleitoral que terá o soundbyte " a responsabilidade é dos outros.." . E todos sabemos como José sabe convencer o Zé Povinho. Até porque o PSD terá de dizer ao país a verdade : isto é, que virá mais austeridade mesmo com os sociais-democratas no poder. Porque se não o fizer, quando chegar ao poder poderá não ter o apoio popular e certamente começará mal. O problema é que os portugueses continuam divididos : Nem o PSD tinha maioria absoluta e mesmo com o CDS seria dificil governar à vontade. E Cavaco não quer de novo um governo de maioria relativa numa situação de crise económica. Perante tudo isto, de certo que recuaremos até aos primórdios da nossa democracia em que para combater o comunismo foi necessário as forças principais do nosso país se unirem num projecto político. Agora, para não deixar o país ficar ir à falência, o Presidente da Repbulica mediante os resultados eleitorais irá chamar a si os responsáveis politicos e propor uma coligação entre PS,PSD e provavelmente CDS. Se assim for a esquerda radical ficará com menos voz até porque é muito provável que obtenham resultados insignificantes nas próximas eleições. Até porque um governo de bloco central duraria até o fim do termo do mandato de Cavaco Silva e as medidas para ultrapassar as dificuldades não vão variar consoante a cor partidária.

Parece que o nosso país está mais voltado para Direita e isso é consequência do completo falhança das politicas socialistas nos ultimos anos : corrupção, despesismo publico e muito tachismo. Não é que do lado laranja não haja, mas assumem de frente que querem entregar o país aos privados.

Para além da vitória de Coelho, um outro cenário é a vitória de Socrates. Com ou sem maioria absoluta, se o actual PM vencer então é porque não há nada que o derrote. Convém lembrar que Passos Coelho nem um ano tem à frente do PSD e que tem ainda muito para caminhar, mas é bom lembrar que até hoje cumpriu sempre com a sua palavra. Socrates pode muito bem aproveitar a inexperiência de Passos Coelho que se estreia nestas lides.

Vêm aí dias de agitação e quarta feira pode ou não ser o fim de Socrates. Uma coisa é certa : o país está cada vez mais instável, sem rumo social, politico ou económico. A culpa é de todos certamente mas é estranho num país com 34 anos de democracia não ver todos os partidos parlamentares sentados à mesa com o PR a servir de moderador e a procurarem uma solução cabal para os problemas do país, independentemente das questões ideológicas.

É que qualquer dia aparece um tipo vindo do nada com um discurso unificador e pega nisto com toda a facilidade.

Esse será o dia da mudança.....

5 comentários:

Fernando Vasconcelos disse...

Pois que se sabia que iria acontecer sabia-se, talvez não agora mas com o próximo orçamento era a aposta mais segura.
De resto não apostaria assim tão de caras em "resultados insignificantes" para a esquerda radical. Há um descontentamento que pode ser facilmente aproveitado e as gaffes politicas tendem a ser esquecidas ... em grande parte porque a atenção que damos no momento de votar - os que se dão sequer a esse trabalho - é mínima.

Francisco Castelo Branco disse...

Por acaso acho que o BE atravessa uma crise. Já o PCP tem o seu eleitorado de sempre, mas os bloquistas não vão subir mais aquilo que ja têm, até porque a linguagem já está gasta e nota-se dentro do próprio partido cansaço relativamente ao discurso bélico.

talvez daqui a dois anos tivessem um resultado bom, mas se as eleições forem agora acho que quem beneficia, dos pequenos partidos é o CDS.

expressodalinha disse...

Concordo com o que diz o Fernando. Não é líquido que não haja votação significativa à esquerda. Até porque poucas pessoas identificam o PS com esquerda (nem o próprio PS). De qq forma estamos entregues aos bichos. Sugiro importar um PM da Baviera.

daga disse...

não gosto nada desse último cenário :( embora não seja impossível...

expressodalinha disse...

Digo da Baviera que, mesmo assim, devem ser mais "quentes" :)

Share Button