quinta-feira, 24 de março de 2011

A década dos Cobardes

De há 10 anos para cá temos assistido a uma autêntica fuga às responsabilidades por parte dos nossos governantes.
Senão vejamos : António Guterres depois de uma banhada eleitoral nas Autárquicas de 2001 decidiu abandonar o barco mesmo com maioria absoluta no Parlamento. Tudo aconteceu depois de na final do Masters Series de tenis o então Primeiro Ministro ter recebido uma enorme vaia.

Em pleno Euro 2004 e depois de uma derrota nas europeias do mesmo ano, Durão Barroso viajou para Bruxelas num momento muito dificil para o país. Muitos consideraram nobre o acto de Barroso mas a verdade é que a fuga para Bruxelas foi uma forma de fugir às responsabilidades do país. Também tinha um maioria parlamentar estável e um ano antes havia sido assobiado em plena inauguração do Estádio da Luz.

Em 2011 é Socrates que sai de cena, por enquanto. A versão falhada que sem PEC não iria continuar como PM porque era um sinal do não apoio do país relativamente à suas medidas. Ora, conhecendo Socrates só mesmo um anormal é que acredita que nada existe por detrás disto. Até porque segundo o próprio não é pessoa para virar a cara á luta.

Infelizmente o unico que se manteve no poder foi Pedro Santana Lopes, e foi necessário Sampaio correr com ele.

Com os exemplos da ultima década, temos tudo para temer o pior. É que está visto que nenhum governante consegue levar o seu mandato até ao fim, tenha ou não maioria relativa. Lembram.se de Cavaco? foi até ao fim. O Estado de graça dos PM´s dura muito pouco por culpa da contestação social que nos ultimos anos tem aumentado em Portugal. O facto de se cansarem rapidamente faz com que a sua motivação seja menor à medida que a governação vai endurecendo. Isto é uma atitude pouco credível, porque embora o país esteja em dificuldades quem foi eleito tem o dever de cumprir o seu compromisso com os portugueses. E não arranjar PEC´S,eleições ou bruxelas para fugir ás suas responsabilidades e entregar o pantano a outros.

Perante esta situação dificilmente os portugueses querem ir votar porque acham sempre que o PM não é credível. A crise politica não é de agora.

Parece que voltámos á I Republica em que havia governos e PM´s como automoveis na Rotunda do Marques.....

2 comentários:

daga disse...

concordo com esta análise, pois também sempre achei que Barroso só queria "fugir às responsabilidades" e dar-se bem na Europa...
também acho que "quem foi eleito tem o dever de cumprir", mas é mais fácil cumprir quando não existe crise (por isso Cavaco foi até ao fim)
pois na I Republica houve 45 governos de 1910 a 1926 :p

Francisco Castelo Branco disse...

So significa que os nossos governantes são fracos. Não é admissivel que perante a primeira dificuldade atirem a toalha ao chao.

NO tempo de Cavaco não houve crise porque........

Share Button