sexta-feira, 30 de abril de 2010

O contacto com os eleitores...

A campanha eleitoral em Inglaterra é um exemplo para Portugal. Não falo desta, que está a decorrer até dia 5 de Maio, mas na sua generalidade. Existe um contacto com a população, com quem realmente vota no seu deputado. O sistema britânico proporciona este tipo de politica. Devido ao seu sistema uninominal, cada "região" elege o seu deputado. Já o sabemos, não é novidade para ninguém. É de salutar vermos imagens em que os candidatos estão num estudio a responder às perguntas dos espectadores. Ou num auditório reunidos à volta do candidato a colocarem questões sobre o estado do seu concelho.

Uma das imagens que retirei desta campanha, foi David Cameron reunido com alunos de uma escola inglesa. Isto mostra bem do que é feito a democracia britânica. Lembro-me perfeitamento quando explodiu o caso das despesas dos deputados, muitos deles tiveram que explicar à sua população o sucedido.

Em Inglaterra nao há comicios em que apenas falam o lider do partido e seus seguidores. São as pessoas que têm a voz. A oportunidade de revelar aos candidatos quais são os seus verdadeiros problemas.

É verdade que estamos perante realidades e mentalidades diferentes. Mas era bom que em Portugal os politicos adoptassem uma atitude de mais diálogo com a população. O que na realidade já tem vindo a acontecer....

Quem não gostou de ver Brown reunido com uma deputada do seu partido para depois a ter vilipendiada?

Tudo tradições da mais velha democracia do Mundo...

Palpites XIV

Achas que as touradas vão acabar?
SIM 20V (7%)

NAO 240V (92%)

Votos apurados: 260

quarta-feira, 28 de abril de 2010

O problema do Socialismo

O Socialismo está podre. Falhou na sua totalidade. Depois de termos assistido a um "Socialismo" ditatorial até ao fim do Século XXI; aquilo a que o nosso PM chama de "Esquerda Democrática"( para se distinguir do antigo Socialismo radical....), parece ter os seus dias contados. Mas apenas na Europa, porque parece que na América Latina tem servido para galvanizar as suas economias. Há um ano atrás nas eleições europeias, os governos socialistas foram derrotados em todo o seu esplendor. Aqueles que estavam no poder foram ultrapassados (até pela extrema-direita..), e os da oposição nem sequer lutaram taco a taco com a direita.

Os casos da Grécia, Portugal e Espanha reflectem bem o falhanço desta corrente ideológica que precisa de ser melhor implementada. Todos estes países têm governos socialistas. E o que está a acontecer? A Grécia está na falência, Portugal há muito que estará e a Espanha virá a seguir.

Coincidência ou não, todos estes países têm os mesmos problemas: Défices públicos altos, contas publicas desastrosas, gastos incontroláveis. Mas há mais : criar uma ilusão nos eleitores que está tudo bem, nomeação de "boys" para as empresas públicas. Existe igualmente muita contestação social. Embora estejamos a falar de uma corrente que se devia preocupar com os mais desfavorecidos, a verdade é que são sempre os mais necessitados que sofrem com as medidas de austeridade que é necessário realizar. São sempre eles e os primeiros. Neste aspecto, concordo com a Esquerda radical portuguesa. Se estivessemos perante um governo de Direita, não haveria que reclamar. A grande questão é que estamos perante um partido que foi construido por uma ideologia social. Em que a não haveria classes sociais.

Mais dois outros países são vitimas do Socialismo : Reino Unido e Hungria. Foi na ilha que começou a crise financeira. Culpa de um governo Socialista. Recentemente na Hungria, a Direita venceu o Socialismo pela primeira vez em 30 anos. Sinais dos tempos?

A máxima dos governos socialistas é gastar, gastar, gastar. Que depois os outros estarão cá para pagar. Depois iludem os seus governantes sobre o que se passa com as contas publicas. Criando uma sensação de que vamos crescer quando na realidade vamos direitinhos à falência. Aconteceu com a Grécia, acontece neste momento com Portugal e em Espanha o desemprego já vai nos 20%.

O Socialismo nos moldes actuais parece estar esgotado. Até porque pode levar a fenómenos como a corrupção.

Esqueci-me de uma coisa : A tentativa de controlar os meios de comunicação social está no Primeiro Artigo do Manifesto Socialista.

2.1.3. Período pré-povoamento: o ouro vermelho

Pau-brasil



No Post passado, vimos que, a princípio, a descoberta do Brasil havia tornado-se um problema, pois a Coroa portuguesa tinha nas mãos um território a explorar, mas o investimento a ser feito era muito alto e Portugal não tinha dinheiro, nem pessoal, para tanto.

Por isso, o Rei preferiu dar prioridade à exploração da rota para as Índias, entretanto também sabia que a Terra de Santa Cruz tinha de ser ocupada, afinal de contas, lá havia pau-brasil.

Aliás, esta árvore pertencente à família das leguminosas, cujo nome cientifico é Caesalpinia Echinata, possui uma madeira avermelhada, da cor de brasa (daí o nome de brasil), da qual se extrai um corante contendo o pigmento “brasilina”, muito utilizado desde a Idade Média para o tingimento de roupas.

Inicialmente, apenas se tingia as roupas dos membros da Igreja, com este corante, uma vez que a cor vermelha era restrita aos eclesiásticos.

Contudo, o vermelho caiu no gosto da moda da burguesia que, como diz o cantor cearense Falcão, “fede, mas tem dinheiro para comprar perfume” e, portanto, a madeira desta árvore valorizou-se, de modo que se tornou o “ouro vermelho” da época.

Desta forma, D. Manuel viu, na proposta do consórcio liderado por Fernão de Noronha, a oportunidade de não só ocupar e explorar o novo território a custo zero, mas também uma maneira de contentar o segundo escalão da nobreza, que havia sido excluído do comércio com as Índias.

Neste sentido, abre-se um parêntese para comentar quem foi Fernão de Noronha (também conhecido como Fernando de Noronha e Fernão de Loronha, dizem que este é seu nome verdadeiro).

Nascido nas Astúrias, este judeu, que se converteu ao catolicismo, era um rico empreendedor, armador, comerciante português, sogro de Pedro Álvares Cabral e representante do banqueiro alemão Jakob Fugger[1].

Assim sendo, em 1503, ou seja, no ano seguinte à assinatura da concessão, sai de Lisboa a expedição comandada por Gonçalo Coelho (dessa vez é certeza que foi ele quem a comandou), da qual também participava Américo Vespúcio, com o objetivo de dar início à exploração do pau-brasil.

Em 24 de julho de 1503, a frota composta de seis navios descobre uma ilha belíssima que, atualmente, faz parte do Arquipélago de Fernando de Noronha, destino turístico disputado por mergulhadores e parque nacional.

Assim como a descoberta do Brasil, a descoberta desse arquipélago tem uma polêmica, pois muito embora o seu nome tenha sido atribuído a Fernão de Noronha, dizem que foi a expedição de 1501 que a descobriu e não a de Gonçalo Coelho junto com Vespúcio.

Mas o que na verdade importa é que, quando esta segunda expedição chegou à ilha, a Nau Capitânia naufragou, sendo este o primeiro naufrágio no território brasileiro, bem como o primeiro dos dezoito que ainda ocorreriam naquele arquipélago.

Isso ocasionou que a frota se dispersasse, sendo que parte dela, comandada por Gonçalo Coelho, foi para um lado e a outra parte, liderada por Américo Vespúcio, foi para o outro.

Os relatos do que aconteceu dali em diante são bastante confusos. Dizem que Vespúcio foi para a Bahia, que havia sido o ponto de encontro estabelecido caso algum navio se perdesse.

Por sua vez, Gonçalo Coelho navegou em direção ao sul, colocou o marco do descobrimento, que é uma pedra lavrada, na cidade de Porto Seguro, no sul da Bahia, e seguiu para o Rio de Janeiro, onde fundou várias feitorias.

Enquanto isso, Vespúcio seguia esperando por Gonçalo Coelho na Bahia, mas como este não aparecia, decidiu explorar o território e navegou também em direção ao sul, até Cabo Frio, onde fundou uma feitoria e deu início à extração do pau-brasil.

Larissa Bona

Próximo post em 12.05.2010 – 2.1.4. Período pré-povoamento: ê,ê,ê índio quer apito, se não der pau vai comer.


[1]
Jakob Fugger, também conhecido como “O Rico” era o homem mais rico da Europa na época dos descobrimentos. Ele tinha tanto dinheiro que até emprestava aos Reinos e foi o primeiro estrangeiro a investir no Brasil.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Nick , the Best Friend

Nick Clegg is an outsider of this election. He were consider a non candidate. The two main parties for centuries occupied the House of Commons. But in this Election, we had a new face : Nick Clegg, the leader of Liberal Democrat Party. He is the man who will make a coalition with Tories or the Labour. Preferencially with David Cameron. Nick hates Brown, like all United Kingdom. He´s not prepared to help Mr.Brown on the government. So, probably if Mr.Cameron need help, Clegg will give an harm. Nick Clegg wants an electoral system reform. It´s a good idea on a country who lives with only two parties. Probably after 6th of May, neither big party manages to get an absolute majority, it will mean the first hung parliament since 1974......

Maybe Brown and Cameron are looking for Nick Clegg as "best friend".

Even more than the old friend of UK....the President of United States!

Caros leitores, para vocês isso é brincadeira?



Estou perplexa com até que ponto a crueldade humana pode chegar, que baixeza, que covardia! Uma mulher de 38 anos agredindo um bebê de 7 meses.

Esta foi a manchete que estampou os jornais e portais de internet no Brasil ontem.

O que este pobre ser pode ter-lhe feito para gerar tanto ódio? NADA! Ele era apenas a razão pela qual ela recebia um salário.

E o pior de tudo que ela prestou depoimento à Polícia, não foi presa (aqui a prisão imediata só se for em flagrante), viu vídeo e disse que tudo o que ela fez era "brincadeira”.

Brincadeira? Agora é novo sinônimo de Sadismo? Atenção, membros da CPLP, fiquem alertas! Temos alteração no vocabulário!

Esta @#$%&* (isso mesmo coloco símbolos porque minha vontade era de escrever um palavrão, mas em respeito aos leitores fica assim) será indiciada por crime de tortura e estupro contra pessoa vulnerável, ambos considerados crimes hediondos pela legislação criminal brasileira e, portanto, com a execução da pena mais estrita.

Esse post eu escrevi ontem à noite, contudo hoje pela manhã, quando abri meu computador para subí-lo, eu me deparo com nova manchete: “Mulher que batia em filha adotiva pode responder por tortura”.

Neste caso, a mulher é uma procuradora de justiça aposentada de 57 anos e a criança é uma menina de 2 anos de idade. Isso prova que a violência doméstica não é coisa de gente pobre e sem instrução, como é o caso da babá-monstro.

Eu não sei se sou por demais ingênua, mas isso tudo me choca muito.

Aqui deixo meu total repúdio àqueles que judiam de crianças, idosos e todos aqueles que não têm a capacidade de se defender!

Larissa Bona.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Pretoria

Pretoria - Different landscapes in one city

Portugal Real XI : Factor C

O que é o factor C?
  • Cumplicidade?
  • Compadrio?
  • Cunha?
  • Companheirismo?
  • Camaradagem?

No nosso país, podia ser qualquer uma delas. É o meio mais facil de chegar a algum lado. Seja uma empresa, partido, serviço, equipa............... Com a revelação do Processo Face Oculta confirmou-se que o Estado é o maior "padrinho" do Factor C. Em qualquer das variantes acima mencionadas. Os amigos sejam eles de natureza familiar, partidária ou simplesmente de uma noite de copos, prevalecem sempre sobre aqueles que por mérito querem conquistar um lugar. O estudo, empenho e mérito já no chegam neste Portugal mais Cunha(do) do que nunca. Quem tira um curso com uma média elevada já não tem a garantia de um emprego. Porque o Factor C passou à frente. Sem estudo ou empenho.

E não só ao nivel do Estado que isto acontece. Também no privado funciona desta maneira. O que demonstra que os compadrios, companheirismos, cunhas, cumplicidades ou camaradagens ainda funcionam neste Portugal pequenino.

Portugal é um país de amizades, favores e recompensas. Onde o mérito já não é o primeiro factor de escolha.

Por isso é que ficam muitos de fora. Quase todos com qualidade.

domingo, 25 de abril de 2010

Olhar a Semana - Quem ganha com isto?

Esta semana assistimos a mais um episódio de guerra entre juízes e advogados. Tudo por causa do caso Domingos Névoa. As duras críticas, e na minha opinião justas, de Ricardo Sá Fernandes vem comprovar que os juízes lidam mal com a crítica. Não todos é certo, mas o seu máximo representante sindical. Ao propor a "extinção da Ordem dos Advogados", o Presidente da Associação Sindical de Juízes deu um tiro no pé. Não só apimentou a guerra com o representante máximo dos advogados, como provavelmente enfureceu esta classe. Pior do que isso, foi ter desmentido na Sic Noticias, tudo aquilo que o país ouviu......Pior do que isso foi ter sugerido alterações na própria Ordem.

Juízes não gostam de advogados e advogados de juízes. Mas ambas as classes sabem que têm de viver uma com a outra. Que são agentes da justiça. E que sem eles, o cidadão não tem assegurado os direitos de cidadania e liberdade que constitucionalmente estão consagrados.

Como sugeriu e bem Ricardo Sá Fernandes, os dois representantes deveriam "enterrar o machado de guerra". Mas todos nós sabemos que isso não vai acontecer, porque em Portugal o orgulho é doença mortal. Ainda mais no campo da Justiça em que cada um só pensa no umbigo e esquece o colectivo. E esquecem também que as duas classes irão ter que conviver para sempre uma com a outra. A bem do cidadão.....

a bem da justiça...

E acabo o post com a pergunta que está no titulo : quem ganha com esta guerra?

sábado, 24 de abril de 2010

Historia dos Mundiais : México 1986


O Mexico 86 foi o Mundial de Diego Armando Maradona. Os dois golos que marcou frente à Inglaterra nas Meias Finais ficam na memória de todos. Para sempre. A célebre "mão de deus" e a jogada que deu origem ao segundo golo são momentos que o futebol irá recordar sempre.
Mas nem só de Maradona se fez o Mundial do México. Foi dos melhores campeonatos da história do futebol. Talvez o melhor em conjunto com o França 1998.
Foram grandes os jogadores que passaram pelos relvados mexicanos : Maradona, Gary Lineker, Rudi Voeller, Enzo Francescoli, Emilio Brutagueno, Enzo Scifo, Elkjaer Larsson, Zico, Careca, Laudrup, Michel,
Seis grupos de 4 equipas compunham a 1ª fase do Campeonato do México em 1986 , que estava inicialmente para ser jogado na Colombia. Problemas financeiros impediram a realização do evento naquele país. A FIFA ofereceu ao Brasil, mas o presidente Brasileiro recusou. Acabou em mãos mexicanas.
Neste Mundial, com seis grupos, passavam os dois primeiros de cada grupo e os quatro melhores terceiros classificados.
A Argentina de Maradona, Burruchaga ,Nery Pumpido e Jorge Valdano era a grande favorita. Este Mundial despediu-se da geração Platini que dois anos antes tinha sido campeã da europa,em sua casa. Joel Bats, Alain Giresse , Platini e Stopyra chegou ás meias finais eliminando o Brasil e saindo de cena aos pés da Alemanha Ocidental.
Como nota do equilibrio e da qualidade das selecções, apenas um jogo dos quartos de final foi decidido no tempo regulamentar. Foi o celebre Argentina- Inglaterra. Nos outros jogos, França, Alemanha e Belgica levaram a melhor sobre Brasil, Mexico e Espanha respectivamente.
Estava prometido espectaculo nas meias finais.
No caminho para a final, a Alemanha despediu Platini com golos de Brehme e Rudi Voeller e Maradona despachou a Belgica com dois golos.
No jogo decisivio, no Estadio Azteca, os argentinas ganharam uma vantagem de dois golos por intermédio de Brown e Valdano. A Alemanha empatou por Rummenigge e Voeller. Só a sete minutos dos 90´, Burruchaga consagrou os Argentinos como campeões do Mundo.
Maradona não marcou na final. Mas foi ele o responsavel pelo apuramento nos quartos e meias finais. A consagração como "estrela" ficou feita com os golos frente à Inglaterra.
Duas selecções desapontaram neste Mundial : Itália e Portugal. Os italianos não passaram dos oitavos de final onde foram eliminados pela França. De nada servindo o facto de terem viajado no mesmo avião que haviam fretado para o Espanha 1982 onde se sagraram campeões.
Já a Selecção portuguesa , na sua segunda participação em campeonatos do Mundo não foi alem do ultimo lugar no grupo onde estava Inglaterra, Polonia e Marrocos. Vários casos de indisciplina marcaram a participação de Portugal.
três selecções participaram pela primeira vez : Canada, Dinamarca e Iraque. O técnico francês Henri Michel, afirmou que só temeria os jogadores canadianos se "fosse um jogo de hoquei no gelo".
O treinador Bora Milutinovic começou no México 86, a primeira de 5 participações em Mundiais orientando selecções diferentes. Era o treinador do México. Só não vai alcançar a sexta participação consecutiva porque não foi qualificado para a África do Sul.
Mais uma curiosidade : A selecção da Hungria goleou a União Soviética na fase de grupos por 6x0. O técnico Soviético obrigou os jogadores a reverem o jogo. Após o treino-video o guardiao Soviético disse que "levar 6 golos num só jogo é duro. Pior foi ter que assistir novamente esse jogo. Foi a experiência mais dolorosa da minha vida rever os gols que sofri"
Apesar destas curiosidades, este Mundial foi o de Maradona. Para o bem e para o mal. Ficará eternamente no espolio dos Mundiais de futebol.
Foi também dos melhores de sempre!
A aventura prometia continuar em Itália....

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Brown is a victim?

Gordon Brown seems like the Prime-Minister of Portugal, José Socrates.

He don´t take the responsability of the Credit Crunch and financial crisis. We all know that the bank failure system has started in USA. But it´s true that Mr.Brown is responsible for the desregulation of the banks. Now he portrayed himself as an innocent. Like the portuguese Prime-Minister, he don´t want to take responsability of the portuguese situation. Both politicians are from the left side. They are socialists. There are many similarities between the two : socialists, responsible for the financial crisis in both country´s, their governments are implicated in corruption scandals. Mr. Brown denies the expenses scandal, and the Portuguese Prime-Minister is the face of Freeport case.

"Gordon Brown portrayed himself as an innocent victim of the parliamentary expenses scandal today when he complained that he had been forced to repay thousands of pounds in cleaning costs because he had paid his cleaner too much. ---http://www.timesonline.co.uk/tol/news/politics/article7102889.ece"

Mr Brown and Socrates are two example of Socialism as its worst?

quinta-feira, 22 de abril de 2010

2 fase 2Tema Natureza 4 Elementos Poema 4

Peço uma Mudança

Cá fora estou

Ausente de ti….

Que Fascinante!

Caio de quatro

Enquanto te vejo percorrida

Por lágrimas ardentes atravessada

Tocar não me atrevo

Jamais enregelaria!

Peço aos Deuses

Que te acodem

E desta tão pesada aragem te libertem.

Gás molesto e

Sufocada estás.

Toma! Bebe deste líquido

Que te purifica

Sem sabor e incolor….

De ti surgiu

E lá de cima desabou!

BUM!

Revolves comigo

De maneira tão hábil

Revolvemos contigo….

Pedimos aos Deuses

que nos impeçam de te revolver

Oh….

Caminhamos para a mudança

Agora sim…

Observo-te a girares

Em torno de uma nova dança. Poema de Yucania Cruz

quarta-feira, 21 de abril de 2010

UK Election 10

The tories leading by Gordon Brown will face the most important elections in their history.
After a credit crunch responsible by mr.Brown and his financial policys, the lies of war on Iraq by Tony Blair and a enormous huge growth by the Conservatives in the polls.
This election in UK will be about three issues : Financial situation, public services and the importance of England in the World.
The financial situation in Uk is the worst in the last 20 years. With the Credit Crunch, the country stayed in the difficult situation. Mr Brown was the main responsible by the Credit Crunch. The GDP is enormous. The question here is to know what to do : control the gdp or make public investment.

The discussion will be also around the public services. Tony Blair was the mentor of the National Health Service. Mr Brown was never a fan of that. The importance of NHS is a key moment on the Britain´s politics. The better solution is keep the things like just they are in the moment.

The last main theme of the campaign is the place of UK in the world. We all know that power of Britain in Europe is falling. Germany and France are now the leaders of the XXI Europe. The old alliance USA-UK is broken after Obama election, because the new USA President are more friendly of Medvedev and Lula da Silva.

These election will be held after a scandal of MP´S expenses. During the credit crunch. Both parties were affected by this situation. Who´s gonna win with this? Nick Clegg?

terça-feira, 20 de abril de 2010

Federações do Brasil: Distrito Federal



Hoje, depois de um grande e propositado hiato, retomo a série Federações do Brasil, porque queria aproveitar que amanhã, 21 de abril de 2010, comemoram-se os 50 anos de Brasília, a capital do Brasil.

E é apenas assim como capital do Brasil que podemos classificar Brasília, pois não é município e nem é Estado, é parte do ou se confunde com o Distrito Federal, que é a Unidade Federativa da qual falarei neste post.

No século XVIII, o Marquês de Pombal já idealizava transferir a capital do império português para o interior do Brasil Colônia e José Bonifácio, no século XIX, foi o primeiro a referir-se a futura capital do Brasil como Brasília.

Quando proclamaram a República, já na primeira Constituição Republicana, colocaram um dispositivo legal no qual se previa a mudança da capital, que antes era o Rio de Janeiro, para o Planalto Central. Em 1922, foi assentada a Pedra Fundamental da nova capital, que a princípio se chamaria Vera Cruz.

Entretanto, foi apenas em 21 de abril de 1960, data em que se lembra a execução de Tiradentes e a fundação de Roma, que os sonhos do Marquês de Pombal foram concretizados pelo que, em minha opinião, foi maior presidente que o Brasil já teve: Juscelino Kubitschek de Oliveira.

A cidade de Brasília foi construída no meio do nada, com base no anteprojeto do Plano Piloto de Brasília, feito por Lúcio Costa, sendo de sua autoria a estrutura urbana da cidade, coisa que muitos pensam que foi um feito de Oscar Niemeyer, que na verdade apenas projetou os principais prédios públicos da cidade.

Cinqüenta anos depois, o Distrito Federal abriga uma população de cerca de 2.6 milhões de pessoas, sendo como um semi-enclave do Estado de Goiás e possui um clima tropical de altitude, que é famoso por ser muito seco e uma vegetação de cerrado.

Vale ressaltar que o DF não é formado apenas por Brasília, mas também pelas cidades-satélites, que são centros urbanos que existem na periferia do Plano Piloto (região que é considerada a “cidade” de Brasília) e são nestas que se concentram a maioria de sua população.

Observa-se que a expressão “cidade-satélite” é uma forma coloquial de referir-se a essa aglomerações, pois, por lei, o DF não pode ser dividido em cidades e nem o poder público pode utilizar este termo para denominá-las.

Economicamente, é a região com maior renda per capita do país, sendo que a maioria das pessoas que lá vivem são funcionários públicos, uma vez que é a sede do governo federal, mas também é embasada na construção civil e varejo.

Como Brasília é uma cidade planejada e tombada pela UNESCO, a instalação de indústrias é muito complicada, de modo que o governo optou por incentivar o desenvolvimento de indústrias não poluentes: software, produção cinematográfica e visual e etc.

Curiosamente, a economia do DF também é embalada pela agricultura e avicultura, com a produção localizada na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno, que não apenas abastece a região, como também já exporta.

O turismo cívico também é um importante fator da economia de Brasília, pois como Patrimônio Cultural da Humanidade, recebe cerca de 1 milhão de visitantes por ano, sem sequer ter nenhuma praia!

As atrações mais visitadas são o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto, a Praça dos Três Poderes, a Catedral de Brasília, o Memorial JK, a Esplanada dos Ministérios, o Palácio da Alvorada e a Ponte JK.

Por estar no centro do país, Brasília tornou-se o principal ponto de interligações dos transportes, principalmente aéreo. É muito raro haver vôos inter-regionais que não façam escala em Brasília.

No quesito educação, ao contrário do resto do país, o Distrito Federal oferece ensino público de qualidade e possui a primeira universidade que implantou o sistema de cotas para negros, a UnB – Universidade de Brasília.

Na verdade, como amante do belo e da arquitetura, eu me apaixonei por Brasília, ao ponto que acredito que passaria o dia inteiro escrevendo a respeito.

Eu simplesmente adoro essa cidade e gostaria muito de, um dia, viver aí. Quem sabe eu não me candidato à presidente e vou viver no Alvorada? Dilma, te cuida!

Brasília, parabéns pelos 50 anos!

Larissa Bona

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Jovens Empreendedores

O futuro de Portugal está assegurado. Com a qualidade e quantidade de jovens que está a iniciar a sua vida profissional com os seus próprios projectos, podemos garantir que os Jovens portugueses são .....empreendedores. A blogosfera é um grande exemplo do que acabo de dizer. Grande parte dos blogues são "liderados" por jovens que têm ideias, projectos e criticas. E têm a oportunidade de demonstrar isso mesmo escrevendo num blogue. Mas não são só os blogues, os grandes "lançadores" desta enorme vontade de arriscar dos jovens. Há uns tempos escrevi um post a criticar que a minha geração não tinha nada a que se agarrar. Causas, valores, ideologias. Tudo isso se esvaneceu com a implementação da democracia em Portugal e no Mundo e sem o aparecimento de novas correntes filosoficas ou politicas por esse mundo fora.

Mas a minha geração tem demonstrado que quer arriscar e ser empreendedora. Jovens advogados, jovens empresários, jovens escritores, jovens cantores, jovens desportistas. E jovens bloguistas claro!

O facto da maioria arriscar desde o principio da vida profissional e não esperar pelo "dia em que chegará a ser alguém dentro de uma empresa, escritório, blogue, equipa....."; e arriscar torna mais meritório o percurso que alguns estão a iniciar. Sem as cunhas de sempre, amizades preferenciais ou compadrios, todos nós apostamos num projecto e damos o máximo por ele. Sabendo que o sucesso depende da dedicação de cada um.

Embora não seja virgem no nosso país, os jovens de hoje preferem arriscar sozinhos a ter que passar por várias fases que muita das vezes não levam a lado nenhum. Porque sabem se actuarem da primeira forma irão ter os beneficios próprios do seu esforço. E isto nem sempre acontece na segunda situação.....

Entre ficar em último lugar ou estar sozinho.....

É preferivel.......

4.2. O Reinado de D. Dinis

D. Dinis (1261-1325) representa aquele Portugal simbólico e místico que coletivamente teimamos em apelar em momentos de vazio e desorientação. Na sua atuação como homem comum, iniciou, sem saber, aqueles dois processos que deram azo ao grande símbolo da nossa independência intelectual: os Descobrimentos. Negociou diplomaticamente a concordata com o papado através da bula Ad ea ex quibus (1319) que restabeleceu a Ordem de Santiago em Portugal com o nome de Ordem de Cristo, que despertou o ensino do Estudo Geral (1290) através da nova concordata e, seguindo o seu pai D. Afonso III, enriqueceu culturalmente a sua corte.

Preocupado com a demografia nacional, cedo percebeu que a defesa e a povoação do território far-se-iam apenas com a gerência das dependências várias que já naquela altura se faziam sentir: a segurança dos vazios territoriais fronteiriços, o comércio e as exportações e a independência intelectual; quanto ao primeiro reforçou toda a fronteira com fortes, fundou comunidades em torno de aldeias e reforçou os laços de sangue com Castela ao casar com D. Isabel (1288); quanto ao segundo mandou plantar o pinhal de Leiria que supunha ser uma forma de suster os terrenos arenosos perigosos para a agricultura, firmou um tratado de comércio com a Inglaterra (1308) e impulsionou a marinha e a produção de sal; quanto à independência intelectual, fundou uma das mais antigas Universidades europeias em Coimbra através da Magna Charta Priveligiorum e apoiou a tradução para o português de várias obras clássicas.

Como poeta e letrado, D. Dinis preparou a expressão do português como língua única do território, sendo os seus poemas belíssimas expressões do “plantador de naus a haver” que foi Portugal.

domingo, 18 de abril de 2010

OLHAR A SEMANA - O VULCÃO


O homem julga-se senhor do mundo. Tem horários. Reuniões. Negócios importantes. Quer chegar a casa a horas. Visitar locais de eleição. Fazer turismo à vontade. Desenhar planos duradouros. Moldamos o mundo aos nossos desejos. Construímos uma sociedade à nossa imagem. A economia obedece a parâmetros concretos. A riqueza é criada com base numa certeza regulamentada. Imperativa. Imperiosa... Esta semana, porém, uma borbulha rebentou na Islândia e metade do mundo ficou desorganizado. Paralizado. Os aviões acumulam-se em terra. Milhares de passageiros dormem em camas improvisadas nos aeroportos, agora transformados em urgências de campanha. Chefes de Estado e Ministros em visita de estado são levados de camioneta, de terra em terra, em busca de uma conexão eficaz. As companhias de aviação, como se não bastasse a crise, perdem milhões de euros na lava incandescente do vulcão islandês. Os seguros não cobrem, os negócios não esperam, os prejuízos são incomensuráveis. Foi apenas uma borbulha. Se tivesse a dimensão de um Krakatoa nem quero pensar. Três reflexões apenas: a pequenez do ser humano; a precaridade das regras que tomamos como certas; os efeitos perversos da globalização. O mundo é o que tiver de ser e não aquilo que nós queremos que ele seja.
Jorge Pinheiro

História dos Mundiais : Espanha 1982


Em território espanhol venceu a Itália novamente o seu terceiro Mundial.
Nesta 12ª Edição do Mundial, participaram 24 selecções.
A Italia de Paolo Rossi, o Brasil de Telé Santana e a Argentina eram as grandes favoritas para a conquista do ceptro.
Foi o Mundial que concentrou grandes estrelas como Michel Platini, Tigana, Paolo Rossi, Telé Santana e Karl Heinz Rummigge.
Na primeira fase de grupos todos os favoritos passaram : Inglaterra, França, Espanha, União Soviética, Alemanha, Brasil, Argentina e a Itália.
Pelo que era de esperar uma segunda fase de grupos bastante interessante, até porque apenas o primeiro classificado de cada grupo passava aos quartos de final.
No grupo A da segunda fase, a surpresa chamou-se Polónia ao deixar pelo caminho a União Soviética. No grupo B a Alemanha deixou pelo caminho Inglaterra e os anfritiões que foram a grande desilusão da prova.
Era no grupo C que estava as melhores equipas : Itália, Brasil e Argentina. Três galos para um poleiro. A Itália vence a Argentina por 2x1. O mesmo sucendendo com o Brasil mas por 3.x1. O jogo decisivo seria entre Brasil e Itália. E nesse jogo brilhou um jogador chamado Rossi que fez um Hattrick. Ele que foi o melhor marcador do campeonato. De nada valendo a super equipa do Brasil que contava com Zico, Falcão, Socrates e Junior.
No grupo D, coube à França assegurar a passagem às meias finais.
Aí a Itália venceu a supreendente Polónia com um Bis de Rossi e a Alemanha ganhou à França nas grandes penalidades. Neste jogo os franceses venciam 3x1 no prolongamento, mas em 7minutos Karl Hein Rumminge levou os alemães para os penalties.
Na grande final a Itália levou a melhor sobre a Alemanha por uns claros 3x0. Foi uma vitória justa de uma selecção que eliminou Argentina, Brasil, Polónia e Alemanha. Verdadeiros colossos do futebol mundial da altura.
Neste Mundial aconteceu algo insólito. No jogo entre Kuwait e França houve uma invasão de campo. Mas um invasor muito especial : o Principe Fahad Al-Sabad que interrompeu assim a partida que estava favorável aos franceses por 3-1. Impediu mesmo que Alain Giresse fizesse o quarto golo. E depois chamou à FIFA de "máfia". Foi multado. A selecção do Kuwait era treinada por Carlos Alberto Parreira, heroi canarinho em 1994
Mais Curiosidades:
A estreia de selecções como as Honduras, Kuwait, Nova Zelandia, El Salvador ,Camarões e Argélia.
As equipas da Inglaterra, Escócia e País de Gales chegaram a ameaçar a presença no torneio por causa da guerra das malvinas. Foi Margaret Thatcher quem convenceu o Parlamento a deixar as selecções participarem.
Foi a primeira que o sistema de desempate por penalties foi introduzido num Mundial.
Este foi o Mundial de consagração da Italia como mais uma potência do futebol ao lado do Brasil. Ambos tinham 3 campeonatos conquistados. A desfeita poderia ter sido realizada no México 1986, mas a Argentina e um menino chamado Diego Armando Maradona não quiseram.......

sábado, 17 de abril de 2010

sexta-feira, 16 de abril de 2010

O Mundo em ebulição

Vivemos hoje uma situação descontralada. O Mundo está descontralado. Para não dizer "quase acabado". As constantes chuvadas que se fazem sentir desde Janeiro não acontecem por acaso. A natureza está a vingar-se do Homem proporcionando-lhe tempestades, cheias, tornados e tudo o mais que possa causar danos fisicos e morais.

As catástrofes no Haiti, Madeira foram só um aviso. Todos os dias temos "direito" a um sismo de grandes proporções. Haiti, Chile e China foram só as primeiras vítimas dos tremores de terra que se fizeram sentir neste inicio de década. Outros virão............

Também nós tivemos que nos preocupar com a Madeira. Mas não pensem que com a chegada do Verão a situação vai melhorar. Porque serão sentidas altas temperaturas que provocarão secas e o acumular de problemas relacionadas com a desidratação.

O aparecimento de um tornado em Lisboa (fenómeno natural de raridade extrema...); prenuncia maus agoiros. E a capital portuguesa será o ponto de partida que contagiará o resto do mundo. Ontem foi a vez dos Vulcões islandeses deitarem toda a sua raiva cá para fora. Avisando a população mundial que estão de volta para "tomarem" conta do Mundo, como no inicio da história da Terra. E há quem diga que o Etna está prestes a acordar!.

A Natureza estará em força na próxima década na tentativa de eliminar o homem que tanto mal lhe causou nestes três mil anos. Depois de acabarem com os dinossauros, a espécie humana está em vias de extinção devido aos seus próprios erros.....

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Figuras da Década (6) : Yelena Isinbaeva

A saltadora de vara mais conhecida de todos os tempos. Yelena bateu recordes especialmente nos ultimos jogos olimpicos de Pequim. Os seus recordes falam por si: - Recordista Mundial do Salto à vara com a marca de 5,06 obtida em Zurique a 28 de Agosto de 2009. --> foi o seu décimo sexto recorde mundial. Em 2004, nos jogos de Atenas obteve a medalha de ouro com o registo de 4,91 metros. Quatro anos depois obteve o Ouro em Pequim com um novo recorde : 5,05 metros

Foi eleita pela Atleta Feminina do Ano pelo IAAF três vezes : 2004, 2005 e 2008.

Atingiu 26 recordes mundiais.

No dia 22 de Julho de 2005, tornou-se a primeira salteadora da vara feminina a atingir os 5,00 metros.

É a melhor salteadora feminina da história. A marca de 5,06 metros constitui um recorde impar na história da modalidade. É muito possível que esta marca seja muito dificil de bater.

Tem apenas 27 anos. Um futuro ainda mais promissor.

Nasceu a 3 de Junho de 1982 em Volgogrado.

E assim chegamos a um momento estranho na produçã académica...

Com a entrada no século XXI parece que algumas das regras básicas dos trabalhos de investigação têm vindo a ser colocadas num patamar secundário. Há a total ausência de questões de sentido filosófico e metodológico acerca daquilo que é (ou deveria ser) o trabalho (árduo) de investigação académica.

Com o avançar natural desta nossa era exige-se ao investigador um pensamento e encadeamento de ideias cada vez mais complexo e rigoroso, há inclusive o risco da sociedade imprimir uma hostilização ao mesmo caso este venha a descobrir as chamadas "verdades inconvenientes". O rigor e a verdade por vezes têm que ser omitidos ou somente levemente referenciados para que não se incomodem governos e essa coisa que ninguém sabe muito bem o que é chamada "sociedade civil".

Qual será o futuro da investigação nas ciências não exactas numa época carimbada pelo poder do "Homo-zapping"??? Haverá por parte deste ser que tem no sofá o seu mundo capacidade efectiva de reconhecer ou questionar as competências daqueles que perdem anos de trabalho numa determinada área?

Estranho é que muitos chamam a este retrocesso do "homo-sapiens" o público-alvo. É para este "grande público" (outra coisa que eu não sei o que é) que temos que trabalhar? Estaremos a viver num mundo minimamente competente quando as condições para a publicação de um trabalho cientifico têm OBRIGATORIAMENTE que ter vocabulário light e ilustração abundante. Em duas palavras: ignorância intelectual. Depois querem que a ciência se abra à "sociedade civil"...como questiono eu? Como é que posso publicar um trabalho de literatura na alvorada do século XX quando a editora em causa exige "um trabalho com o mínimo de notas de pé de página possível. Se desejar poderá colocar algumas (não mais que duas dezenas) no final da publicação". Não deveremos tomar este tipo de "exigências" como o início da separação entre a investigação académica e a sociedade???

Há nos dias que correm uma autêntica guerra declarada das editoras à investigação. As notas de pé de página são..."chatas" e "dão imenso trabalho ao leitor, sendo enfadonhas". Será que o mesmo leitor não tem o direito de ir verificar as afirmações que são feitas? A nota é, antes de mais, a PROVA daquilo que escrevemos.

Só poderemos produzir uma determinada informação se tivermos o DIREITO de verificar a mesma. Será difícil compreender isto???

quarta-feira, 14 de abril de 2010

O Estado da Democracia

Sexta feira pelas 16h30 em Leiria.
Vai ser moderado pelo nosso colaborador João Costa.
Tem a chancela da JSD Leiria com o apoio da Câmara Municipal.
Um elenco de luxo!

2.1.2. Período pré-povoamento: não éramos os preferidos, mas não fomos esquecidos.

D. Manuel I de Portugal - Como diria Romário, esse é o cara!


Conforme havíamos visto no post anterior, o Rei D. Manuel I, diante da “descoberta” ou “achamento”, como alguns preferem dizer, do novo território e da suspeita de que lá havia ouro, mandou imediatamente, em 1501, uma expedição para reconhecimento do território, na qual participou Américo Vespúcio.

Ao regressar em 1502, Vespúcio simplesmente acabou com os sonhos áureos de D. Manuel, ao relatar que na Terra de Santa Cruz não tinha nada que se aproveitasse, a não ser pau-brasil.

Então, o Rei, que no seu interior deve ter pensado “ah eu mato esse Caminha mentiroso”, resolveu dar prioridade ao comércio com as Índias, por razões óbvias.

Ora, muito embora Portugal estivesse na vanguarda dos descobrimentos e fosse o pioneiro no desenvolvimento das tecnologias de navegação, não deixava de ser um país minúsculo com uma população diminuta, de modo que o erário português não tinha verba, já que as viagens para as Índias eram bastante dispendiosas, e nem pessoal para investir em duas pontas de exploração.

Portugal detinha, com exclusividade e legalmente amparado por Tordesilhas, a nova rota para as Índias, que era um local que já possuía uma infra-estrutura para o comércio marítimo, habitantes desenvolvidos com os quais se poderia contar em termos de mão-de-obra qualificada e uma variedade de produtos altamente lucrativa.

Enquanto isso o que tinha a Terra de Santa Cruz? Nenhuma infra-estrutura, uma população completamente primitiva e apenas um único produto, o pau-brasil, que embora fosse uma árvore valiosa[1], o que não justificava o investimento de uma colonização.

E o Rei, como bom capitalista que era, obviamente escolheu o negócio que lhe oferecia mais lucro, com o menor investimento.

E assim, a Terra de Santa Cruz tornou-se, a princípio, um simples ponto de apoio para as expedições que se dirigiam às Índias, que ali paravam para descansar ou esperar que as condições meteorológicas da rota melhorassem.

Entretanto, naquele mesmo ano de 1502, D. Manuel foi abordado por um consórcio de judeus, liderado por Fernão de Noronha, um cristão-novo, que se propôs a explorar o pau-brasil na Terra de Santa Cruz.

Neste momento, a luzinha do empreendedorismo do Rei mais uma vez se acendeu e ele conseguiu enxergar naquele consórcio uma solução para todos os seus problemas, tal qual prometem as Organizações Tabajara[2].

Deve-se ressaltar que, embora o Rei tivesse preferido às Índias, não se esqueceu da Terra de Santa Cruz e, de pronto, firmou um acordo com os judeus em 1503, pois sabia que tinha que transformar aquele, até então, elefante branco em algo lucrativo.

O suscitado acordo concedia o monopólio da exploração e colonização da Terra de Santa Cruz ao consórcio judeu, em troca do pagamento de tributos à Coroa portuguesa.

Era algo mais ou menos parecido com o que o Brasil faz com as empresas privadas de exploração de petróleo atualmente[3], o que na época era denominado como estanco.

Ou seja, a Coroa portuguesa detinha o monopólio legal sobre o pau-brasil existente no novo território, o que significava que o pau-brasil era da Coroa, mas concedia o direito de exploração a terceiros, mediante participação nos lucros através da cobrança de impostos.[4]

Além disso, o acordo, válido por três anos, previa a obrigação do consórcio de enviar seis navios anualmente para explorar até trezentas léguas do litoral, construir fortalezas e mantê-las durante o período de vigência do contrato.

O que parecia um simples negócio, na verdade deve ser encarado como uma jogada de mestre do Rei, pois conseguiu explorar o novo território[5] e não deixá-lo abandonado, sem custo algum, satisfazer o segundo escalão[6] da corte portuguesa, já que o comércio com as Índias era privilégio do primeiro escalão da nobreza, e ainda ter participação financeira nos lucros.

Se eu fosse empresaria, queria muito que D. Manuel fosse CEO da minha empresa.

Larissa Bona

Próximo post em 28.04.2010 - 2.1.3. Período pré-povoamento: o ouro vermelho


[1]
A seiva do pau-brasil era utilizada para o tingimento de tecidos e sua madeira para a fabricação de móveis e embarcações.
[2]
Empresa fictícia criada pelo programa humorístico brasileiro Casseta e Planeta, cujo slogan é “Seus problemas acabaram”.
[3]
Ver Post do Dia 30.03.2010: http://olhardireito.blogspot.com/2010/03/polemica-dos-royalties-do-pre-sal.html
[4]
O consórcio deveria pagar um sexto das rendas auferidas com os produtos da terra à Coroa, no segundo ano de exploração e, no terceiro ano, deveria pagar um quarto das rendas.
[5]
O Rei sabia que mesmo não sendo tão lucrativa quanto o comércio com as Índias, a exploração do pau-brasil era uma oportunidade que não poderia ser ignorada. Além do mais, ele estava ciente que, embora não se vislumbrasse lucros significativos no curto-prazo, com o devido investimento, a Terra de Santa Cruz poderia ser extremamente lucrativa no longo-prazo.
[6]
Havia uma segregação na nobreza portuguesa. Os membros da corte que eram cristãos eram considerados nobres de primeiro escalão, enquanto que os cristãos novos estavam hierarquicamente abaixo destes.

terça-feira, 13 de abril de 2010

A União mais dificil do Mundo

Começando este post, por responder á tua pergunta Jordi, acho que os portugueses levariam mal uma União Ibérica. Tal como os espanhóis.

Os dois povos são de difícil coabitação. Era como pedir aos argentinos e brasileiros que fossem “amigos”.

Portugal e Espanha sempre foram inimigos. Desde Aljubarrota, passando pelos descobrimentos. E até na candidatura ao Euro 2004 estiveram em luta.

Razões para isso? Os portugueses acham os espanhóis arrogantes e estes pensam que os lusos são pobres e pequeninos.

Se a União Ibérica existisse eram os portugueses que tinham de ceder. Na língua, na bandeira, no hino nacional e até no local onde se jogaria a final da taça ibérica.

Salienta-se desde que muito provavelmente se a União Ibérica existisse, haveria o risco de estarmos sempre em “guerra”.

Portugueses e espanhois têm feitios diferentes. Atitudes distintas. Conceitos de vida completamente opostos. Enquanto em Portugal ainda vivemos numa sociedade mais conservadora, os espanhóis já ultrapassaram o conceito de “elitismo” há muito.

Até na política as diferença são óbvios. Em Portugal ainda andamos a discutir corrupção e falta de ética nesta área. Na vizinha Espanha são poucos os escândalos que envolvem políticos.

Sejamos realistas. Espanhois e Portugueses num único só país não resultaria. Não existe um sentimento de entreajuda, de solidariedade nem de admiração pelo vizinho do lado. Pelo contrário, arrogância e inveja são as palavras que dominam o sentimento destes dois povos que desde a sua fundação sempre foram rivais.

Aljubarrota, Descobrimentos e a invasão do capital espanhol à nossa economia foram momentos em que os Espanhois quiseram conquistar terras lusitanas mas os portugueses responderam à altura.

Factores que nem a candidatura conjunta ao Mundial 2018 vão unir os velhos rivais vizinhos ibéricos.

Termino com uma questão curiosa : Se a Iberia existisse seria um Reino ou uma Republica?

Eleições Gerais 2010: As eleições do Twitter

Conforme havia explicado no meu post do dia 23 de fevereiro de 2010, a chegada do mês de abril traz consigo datas importantes para o calendário eleitoral brasileiro.

No ultimo dia 03 de Abril, encerrou-se o prazo para todos aqueles possuidores de cargos públicos ou mandatos afastarem-se de seus postos para poder concorrer nas Eleições Gerais de 2010.

Assim sendo, em 31 de março de 2010, o então governador do Estado de São Paulo, José Serra, em cerimônia para mais de cinco mil pessoas, se despediu de seu cargo e lançou o slogan: “Vamos juntos. O Brasil pode mais.”

No mesmo dia, a então Ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, em solenidade no Palácio do Itamaraty (sede do Ministério das Relações Exteriores), também entregou seu cargo, junto com outros nove ministros, e em seu discurso de despedida falou que aquilo não era um adeus, mas sim um até breve.

Muito embora as convenções partidárias sejam apenas em Junho, no ultimo dia 10 de abril, o ex-governador José Serra, em evento em Brasília, lançou oficialmente sua candidatura à Presidência da República, continuando com o slogan: “O Brasil pode mais”.

E o que me mais me chamou atenção no evento foi o seu cunho online. Foram disponibilizados 20 computadores para que os militantes twittassem durante o mesmo, que também foi transmitido, ao vivo, pelo Youtube, Orkut e Facebook!

Aliás, a tecnologia vai ser um ponto inovador desta eleição que marca o fim da era Lula, principalmente, com o advento da nova febre mundial: o Twitter!

Inclusive, foi editada a lei nº 12.034/2009 que, justamente, regula a propaganda eleitoral pela internet, que será um dos veículos de comunicação mais poderosos e significantes desta campanha, apesar da grande exclusão digital que há no Brasil.

As formas autorizadas de propaganda eleitoral pela internet são através de site oficial do candidato, cujo endereço eletrônico deve ser devidamente informado à Justiça Eleitoral e que deve ser hospedado em provedor estabelecido no país, registro sob qualquer DPN, por meio de mensagem eletrônica e por meio de blogs, redes sociais e sites de mensagens instantâneas.

Entretanto é proibida a veiculação de propaganda política em sites de pessoas jurídicas ou de órgãos ou entidades oficiais da União, Estados e Municípios.

Tanto Serra, quanto Dilma, que lançou sua candidatura oficialmente em fevereiro de 2010, possuem Twitter, que eu disponibilizo aqui para quem quiser acompanhar.

Twitter de Serra: http://twitter.com/joseserra_

Twitter de Dilma: http://twitter.com/dilmabr

Sigo a ambos e estou muito curiosa e ansiosa para que chegue logo o período eleitoral. Quero muito saber como será a primeira campanha twitteira Brasil!

Larissa Bona

segunda-feira, 12 de abril de 2010

La Union Ibérica : UNIÓN IBÉRICA, UN SUEÑO O UNA POSIBLE REALIDAD Parte I

Han pasado siglos desde que los distintos monarcas de España y Portugal tuvieran la intención de unir los dos países y convertirlos en una nueva nación, denominada ibérica o peninsular.

Incluso, en la actualidad hay un porcentaje de personas, sobretodo en Portugal, que defienden esta idea como marco de unión no solo global sino también estratégica. Hay pocos defensores de esta idea, pero no es un mal inicio para uniones que traten de beneficiar en conjunto a los ciudadanos de ambos países bajo el abrigo de la supra unión de los estados de la nueva Europa del Tratado de Lisboa.

Desde la perspectiva española, la unión ibérica no es una prioridad ni una idea arraigada en general por parte de la población española, en cambio no es así en los pueblos y villas de la frontera luso-española. Pero no por ello, dejamos de lado que hay una serie de puntos que nos unen a nuestros vecinos portugueses, siendo igual de importante para ir dando mayor fuerza a todos aquellos elementos que nos unen.

El tratar de acercar a los ciudadanos ya es un elemento que puede ir fundamentando ese acercamiento y ideal de unión entre los países que forman la península ibérica. Por ello, los proyectos de alta velocidad o de mejores autopistas, además de la unión de las personas que demostrando lo mejor que cada cultura, unen ideales con convivencia.

Por tanto, no es cierto que no exista una cierta unión entre españoles y portugueses, cada día, los lazos de ambos pueblos se entrelazan no solo por las relaciones que mantenemos sino también en la propia Unión Europea.

En conclusión, la unión ibérica solo sería posible si los dirigentes de ambos países acordaran la unión, pero siempre hay un elemento que no se debe olvidar, los ciudadanos, al menos en España, tienen el derecho a decidir un asunto de este calado. Sería necesario consensuar y más aún, pactar las cuotas de poder, de este modo no considero que pueda darse una situación que permitiera la unión ibérica, pero ello no obsta a que sigamos con las mismas relaciones que han permitido un buen desarrollo de España y Portugal.

En este mismo sentido, entiendo que por el momento se trata de un ideal de unos pocos y no un tema candente en la sociedad española, sin embargo no es necesario abordarla como un elemento literal de interpretación. Quiero decir que debemos tratar de profundizar en lo que conocemos y que cada Estado se ha dotado de los elementos que necesitaba para su futuro y no somos tan distintos, pero al mismo tiempo nos separa que cada grupo social formamos un Estado soberano e independiente.

Finalmente, me permito lanzar una pregunta, ¿Cómo definís los portugueses el concepto de Unión Ibérica? Me gustaría que alguien la respondiera con suficientes elementos que trataran de hacerme reflexionar. Texto de Jordi Moreno

Amanha às 20:00h a visão portuguesa.....

domingo, 11 de abril de 2010

Historia dos Mundiais : Alemanha 1974


Beckenbauer , Gerd Muller e tantos outros. A grande Alemanha! A Alemanha "gigante". Provavelmente a melhor Alemanha de todos os tempos!
Mas tinham um grande rival pela conquista do campeonato : a Holanda de Cruyff e Neeskens, orientadas pelo maestro Rinus Michels que inventou uma tactica onde os jogadores não tinham posição fixa.
O Zaire participou pela primeira vez num Mundial. Pela participação os seus jogadores receberam prémios. Só que devido à fraça prestação, esses bonus foram "retirados". Ficou famoso o resultado contra a Jugoslavia = 9x0 para os jugoslavos!
Foi neste Mundial que pela primeira e unica vez as duas Alemanhas se defrontaram. A Ocidental venceu a Oriental por 1-0.
Neste Mundial manteve-se a lógica de 4 grupos na primeira fase e dois na segunda fase, passando à final o lider de cada um dos grupos.
Apesar de ter ganho à Alemanha Oriental e Argentina, o Brasil perdeu o jogo decisivo contra a Holanda! No outro grupo a Alemanha Ocidental venceu os três jogos.
No jogo da final, a Holanda começou em vantagem com um penalti. Só que Gerd Muller. Sepp Maier virou o resultado e deu o titulo à Mannschaft!
Foi o segundo titulo conquistado pela Alemanha!
A partir daqui a Alemanha passou a ser temida pelos seus rivais : Brasil e Argentina

Olhar a Semana - Malditos Animais

Na mesma semana em que o Campo Pequeno reabriu as suas portas para a temporada Taurina 2010, hoje realizou-se uma manifestação em defesa dos animais em frente à praça de touros lisboeta. Nada mais significativo e incoerente. Organizar uma manifestação em frente à Praça de Touros, esse palco onde "morrem" animais para depois serem servidos à mesa. Esta luta contra as touradas, e não contra o mau tratamento dos animais, faz lembrar aquela guerra que os homosexuais tiveram durante anos por causa do casamento. Agora que ganharam a luta da celebração religiosa já não os temos de ouvir. Ou será que ainda vamos ter que "abrir" excepções para não pagarem impostos? De há uns para cá, as Associações de Animais têm lutado contra esta carnificina. Que é considerada pelo Ministério da Cultura como "cultura". Patrocinada desde há seculos pelas Câmaras Municipais de todo o país. Até acho mesmo que as touradas têm mais anos de existência que as próprias Associaçoes de Animais. Que não defendem os animais. Apenas são contra as touradas. Senão vejamos;

- Preocupações sobre cães e gatos abandonados - zero

- Verificar situações de animais enjaulados - zero

- Estar ao corrente de espécies em vias de extinção no nosso país - zero

Desde há uns tempos para cá, a luta das Associações de Animais que mais se parecem com grupos de coro; é apenas e só contra as touradas. Não as vemos empenhadas em ajudar animais que estão na rua, preocuparem-se com a situação de espécies que estejam em vias de extinção como os golfinhos e o lince ibérico.

Desculpas como o sofrimento do Touro já não pega. Todos sabemos que estas Organizações anti-touradas querem acabar com as mesmas. Pura e simplesmente porque sim. Sem razão aparente nem sentido lógico. Porque acham que no Século XXI animais racionais e irracionais têm os mesmos direitos!

Para alguns intelectuais do sofrimento animal recomendo este site de um médico espanhol que explica porque não sofre o touro http://forumtouradas.com/viewtopic.php?f=4&t=520&p=2961#p2961

É tempo de parar com estas manifestações anti-touradas. Ou se são mesmo contra as touradas que não metam os animais em geral no meio.

sábado, 10 de abril de 2010

Johannesburg

Igreja de Santo António dos Portugueses

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Mulheres XXVI

Jennifer Garner Sensualidade e bom senso

Grécia

Ajudamos? Não ajudamos? É certo? É errado? A União Europeia tem estado por estes dias com uma dúvida (quase existencial) relativamente à resposta de um possível pedido de ajuda por parte dos gregos. Sucessivos governos irresponsáveis esconderam uma realidade negra e, quase instantaneamente, o país passou a uma crise sem precedentes. Agora definitivamente podemos regozijarmo-nos de já não sermos (com toda a certeza) a cauda da Europa.

Apesar de todos dizerem que a Grécia vai conseguir suportar tudo sozinha, está na cara que assim não será. Quanto mais contas se fazem mais rápido se descobre que a dívida externa astronómica grega afinal já não é astronómica mas sim estratosférica. Na Grécia já não há vida para além do défice. Perante este cenário questiono o que deve fazer a UE.

Apoiar financeiramente a Grécia fazendo jus às políticas de entre-ajuda no seio da comunidade? Será que a Grécia não deve levar um puxão de orelhas ao ponto de poder vir a ser expulsa do euro?

Julgo que a primeira opção é mais responsável mas, verdade seja dita, os países têm que ter algum rigor e não andar a brincar às escondidas com os défices. Pena é que devido à irresponsabilidade de meia dúzia de políticos a população pague toda. Uma crise destas em Portugal seria no mínimo curioso de assistir mas sentada no sofá de preferência num país estrangeiro.

Parece que hoje devido a um rumor de uma recuperação do défice no primeiro trimestre do ano a coisa já se compôs. Vivemos num tempo económico de indicadores e rumores e isto é grave, pelo menos foi o que eu aprendi quando estudei a crise de 29.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

O País Socrático

Neste momento o país gira á volta do Primeiro-Ministro. Se não é para o bem, é para o mal.

Os casos em que está envolvido, o que diz, a sua imagem, os seus discursos, a sua retórica. José Socrates é a figura do momento em Portugal.

Não há ninguém que tenha tanto tempo de antena em Portugal. Nunca um Primeiro-Ministro teve tão indice de espaço mediático. Nem mesmo Cavaco Silva tem "tamanha" popularidade.

Apesar dos casos como a sua licenciatura, as casas da guarda, o freeport e agora a Face Oculta, Socrates continua a ser visto como alguém intocavel. Que como Cristo não se consegue derrubar nem sequer contrariar. A imprensa anda sempre atrás dele. Os adversários insultam-no mas não o conseguem tirar do poleiro.

E nem sequer Cavaco Silva ousa dissolver o Parlamento. Tem medo de Socrates e dos seus impetos.

E apesar dos milhares de escandalos em que o seu nome aparece, o povo renova a confiança e entrega o poder.

Socrates é como um Imperador Romano.

Odiado por todos. Amado por nenhuns.....

Sócrates tem aquilo que mais quer : o poder soberano!

quarta-feira, 7 de abril de 2010

2 fase Tema 2 Natureza Quatro Elementos Poema 3

Natureza E os seus 4 elementos no Amor!
Quem dera, eu ter você neste infinito ser da Natureza Humana.Ser o seu Fogo, que queima esta Paixão. Na, na loucura de Te Amar...

Quem dera, eu ser a Água, que se transforma em sangue.Que corre dentro de suas veias e, faz pulsar mais forte o seu coração...

...Numa noite de Amor!Quero ser o Sol, que aquece, e a Alma e enxuga os seus prantos,depois da despedida.Quero ser a Terra firme, onde você caminha como se fosse o seu Porto Seguro. Ser a chuva, que lava a sua alma, e purifica teu ser com a mais suave lavanda.Ser seu beijo doce e suave, na noite de lua cheia.Quero ser o Ar de respira, na calada da madrugada.Me envolver em teus braços, rolar no teu corpo inteiro, e fazer amor até o amanhecer!

Quero Ser o teu Infinito e viajar, por toda a minha vida,no teu corpo nu nas noites de um grande Amor...

ser a sua melodia preferida, e sair pelas ruas da avenida,cantando sem parar...só para chamar a sua atenção...Quero ser seu poema preferido e declamar em cada por de sol...Quero ser... A sua Vida...E viver em tua Vida... Por toda a minha Vida.

Nestes quatro elementos da Natureza chamados: Ar..Fogo Terra e água..Tão importantes para nossa Vida!

Poema de Sandra Andrade www.sandraandrade8.blogspot.com

Tema do dia XIV

"na blogosfera qualquer cidadão pode intervir na politica".

Isto é verdade?

terça-feira, 6 de abril de 2010

4.1 - HISTÓRIA DE PORTUGAL - REINO DE PORTUGAL E DOS ALGARVES

1 - O Algarve (al- Gharb - "o ocidente") foi considerado até à proclamação da República, 1910, como o segundo reino da Coroa Portuguesa. Um reino separado de jure, embora de de facto não tivesse qualquer autonomia digna de registo.
Depois de uma fugaz conquista de Silves, capital do al-Gharb muçulmano, em 1189, por Sancho I (filho de Afonso Henriques) esta regressa, logo em 1191, ao domínio mouro, tal como grande parte do território até à linha do Tejo, reconquistado pela chegada dos Almóadas à Península. Só com Afonso III, em 1249, a reconquista cristã se apodera definitivamente de todo o Algarve e se pode considerar completa a integração do território continental português.
2 - O Algarve sempre constituíu uma unidade com autonomia geográfica, separada do restante território pela cadeia montanhosa constituída pelas serras de Monchique, Espinhaço de Cão e Caldeirão, que a isolam do Alentejo, bem como pela diferenciação de base racial. Os seus habitantes iniciais seriam os Cónios ou Cynetes, de origem incerta, mas provavelmente relacionados com os Lígures, do norte de Itália. Esse isolamento não os impediu de entar em conflito com os Lusitanos, mas tendo sido rechados, acantonaram-se definitivamente no Algarve. Acresce que, pela proximidade de África, esta zona sul do país teve maior penetração e influência moura, chegando a constituir uma "taifa" (reino), com sede em Silves e depois em Badajoz (actualmente Espanha).
Assim se compreende esta autonomização que era mais simbólica do que real. Para os reis da "reconquista" aquele era território mouro por excelência. Conquistá-lo era uma verdadeira Cruzada. Mas, diga-se, em abono da verdade, que os seus habitantes, depois da reconquista, não foram totalmente dominados pelos guerreiros cristãos. Na verdade, não houve exactamente conquista, mas rendição e rendição negociada. As condições da rendição são particularmente evidentes relativamente a Tavira e Faro, permitindo continuar a falar de uma autonomia, de um reino que se rendeu. A título de exemplo, refira-se que no séc. XV, duzentos anos após a reconquista, 3/4 partes da propriedade rural de Loulé pertencia, ainda, a mouros. Esta situação perdura, pelo menos, até ao séc. XVI, altura em que a Inquisição entrou em acção. Será ainda interressante verificar os resquícios desta "autonomia" na toponímia. Por exemplo: em Lagos, a "Rua da Porta de Portugal".. E como refere Garcia de Resende, aquando da morte de D. João II, em 1495: "Faleceu El Rey (...) fora de Portugal, no Reyno do Algarve, em Alvor".
3 - Adivinha-se um "estatuto de autonomia" até meados do séc. XVI, altura em que do Algarve partiam as primeiras naus e os primeiros nautas para os Descobrimentos, via Lagos e Tavira. A partir daqui esse estatuto de autonomia torna-se insustentável por ausência de suporte económico. O primeiro golpe é dado em 1460, logo após a morte do Infante D. Henrique, quando se retira a Lagos o controlo do comércio das feitorias da costa Atlântica de África. o movimento de centralização em Lisboa, culminado com D. João II, será o mais implacável adversário do estatuto autonómico do Algarve. Apenas Tavira durou mais uns decénios, até à decisão régia de abandonar as praças no norte de África (D. João III), em 1541.
O Algarve entra em decadência, passando a viver de expedientes, como a pirataria, o bandoleirimo e a emigração. Muitaos partem a povoar Açores e Madeira, quando não mais longe, para o Brasil e América. Começa a desenhar-se uma situação de "insularidade", tornando-se o Algarve num domínio moribundo e flagelado. Após o terramoto de 1755, que assolou com enorme violência o Algarve, o ministro D. Luís da Cunha chega a propor ao rei D. José a alienação do Algarve a comerciante ingleses, em troca de terras na América!
4 - Este Algarve deprimido tem um ligeiro renascimento no séc. XIX, com a indústria conserveira, para logo entrar em colapso com o desparecimento do atum do Mediterrâneo. Só a partir dos anos 60 do séc. XX, a descoberta do potencial turístico fez emergir a economia na região e, com ela, a urbanização desenfreada e caótica. Reino de Cónios, o Algarve é cada vez mais estrangeiro.
Jorge Pinheiro

Caso Sean Goldman

David e Sean Goldman
Devido à periodicidade semanal de meus posts diante dos vastos assuntos interessantes que posso tratar, relativamente ao Brasil, deixei passar batido o tema que tratarei neste post, à época em que o “quente” dos fatos ocorreram.

Entretanto, em virtude de novo capitulo nesta história, trago aos leitores do Olhar Direito, principalmente àqueles estudiosos do Direito Internacional, o Caso Sean Goldman.

Tudo começou em 1997, quando o modelo americano, David Goldman, conheceu a estudante de moda brasileira, Bruna Bianchi, em Milão.

Eles se apaixonaram e foram viver em Nova Jersey, nos Estados Unidos, sendo que dois anos depois se casaram e, após um ano de matrimônio, nasceu o primeiro e único filho do casal, Sean Bianchi Goldman.

A princípio, tudo ia bem, até que Bruna foi de férias com o filho para o Brasil em 2004 e, uma vez aqui, ligou para o marido avisando que não só queria o divórcio, mas que passaria a viver no Rio de Janeiro com Sean, configurando-se o seu seqüestro interparental, bem como explícita violação à Convenção de Haia de 25 de Outubro de 1980, que regula os aspectos civis do seqüestro internacional de crianças.

Com isso, iniciou-se uma batalha judicial pela guarda do garoto. Inclusive, naquele mesmo ano, a Justiça de Nova Jersey chegou a determinar que o menino fosse devolvido ao pai, mas como a mesma não foi cumprida, este entrou com processo no Brasil e notificou o Departamento de Estado americano.

Até então, tratava-se de mais um entre os muitos casos de disputa internacional da guarda dos filhos, coisa que se tornou tão corriqueira com a globalização.

Em 2006, a Justiça brasileira concedeu a guarda definitiva de Sean à mãe, mesmo contra a regra básica da Convenção que determina, em seu artigo 1º, o retorno imediato da criança, nestes casos, ao país de origem.

Na verdade, o juiz brasileiro adotou a exceção contida no art. 12 daquele tratado, que estabelece que depois de um ano de iniciado o processo, se for constatado que a criança encontra-se plenamente adaptada ao novo país, a Justiça pode optar pela não devolução.

E foi o que aconteceu com Sean, que aqui vivia uma vida de classe média alta no Rio de Janeiro, morando em condomínio de luxo e estudando nas melhores escolas, coisa que não teria acesso se morasse com o pai, mesmo nos Estados Unidos, pois este não possui renda e nem emprego fixo, sem falar que, segundo a família da mãe, é portador de uma doença degenerativa, que o impede de cuidar do filho.

O problema é que a mãe de Sean casou novamente, com um Lins e Silva, membro de uma família de notório saber e influencia jurídica, engravidou e veio a óbito em conseqüência de complicações no parto.

Dez dias depois, Goldman pousava no Brasil para buscar o filho, com a ilusão de que, por ser seu pai biológico, o levaria sem problemas para casa.

Ele estava redondamente enganado, pois quando aqui chegou, descobriu que a Justiça brasileira havia dado a guarda de seu filho ao padrasto.

O padrasto, a quem o menino Sean chamava de pai, antes da missa de sétimo dia da mulher, entrou com o pedido de guarda do garoto, com base na alegativa de paternidade socioafetiva.

O pedido foi deferido no mesmo dia! O que se trata de um recorde, se levamos em conta a morosidade da Justiça brasileira, que geralmente leva mais de dois anos para despachar o mais simples alvará.

O governo americano começou a cobrar o retorno do garoto ao governo brasileiro, inclusive este foi tema debatido entre Lula e Obama, em um encontro dos dois em Washington.

Desta forma, a Justiça Federal determinou que a criança fosse entregue ao pai, mas a família materna recorreu e o Supremo Tribunal Federal concedeu liminar estabelecendo que o menor deveria ficar no país até ser ouvido.

A partir daí, iniciou-se uma crise diplomática entre Brasil e Estados Unidos, inclusive com ameaças de retaliação comercial por parte dos americanos e, conseqüentemente, o STF voltou atrás em sua decisão e deixou Sean partir com o pai.

Isso foi no final do ano passado e agora esta história foi ressuscitada justamente porque, a avó materna de Sean passou três semanas nos Estados Unidos, tentando ver o neto, mas a Justiça americana a impediu de vê-lo, a pedido do pai.

Depois que Silvana Bianchi retornou ao Brasil, sem conseguir ver o neto, a advogada de David Goldman declarou que o seu cliente estava disposto a deixar os avós visitarem Sean, desde que acompanhados por psicólogos.

Ou seja, da mesma maneira como faziam com ele, quando vinha ver o filho no Brasil. Será vingança?


Larissa Bona

segunda-feira, 5 de abril de 2010

domingo, 4 de abril de 2010

Historia dos Mundiais : Argentina 1978

Foi no "seu" Mundial que a Argentina conquistou o Primeiro Mundial.
Este Campeonato do Mundo ficou marcado pela forma como regime ditatorial que vigorava na Argentina quis aproveitar a organização do Mundial para se auto-promover. Quem não foi na cantiga foi Johan Cruyft que se recusou a jogar. O Grupo A era o mais equilibrado. Era composto pela Argentina, Italia e França. Com a velha Hungria como outsider do grupo. Na Itália pontificavam Rossi, Conti e Schirea. Enquanto que os Franceses traziam Platini, Tigana e Six para vencerem o Mundial. Ficaram de fora os franceses, seguindo a equipa da casa e a superfavorita Itália que bateu os anfritiões nesta fase.
Neste campeonato do Mundo, a segunda fase era composto por dois grupos de quatro equipas. Apenas o vencedor tinha acesso à final.
No Grupo onde pontificavam Brasil e Argentina houve uma polémica. Os dois empataram a zero no confronto entre os dois. O Brasil venceu a Polonia por 3-1, enquanto que a Argentina bateu os polacos por 2-0. Os canarinhos venceram os peruanos por 3-1 também. Sendo assim, a Argentina tinha que vencer o Peru por 4 golos de diferença. Venceram por 6-0. Houve na altura quem suspeitasse do guarda redes do Peru que tinha nascido na Argentina. os alvi-celestes seguiram em frente na prova por terem maior diferença de golos.
A final foi disputada entre Argentina de Kempes e Passarella e a Holanda. Os Argentinos venceram por 3-1. E arrecadaram a sua taça.
Os brasileiros, mais uma vez com inveja dos vencedores, vieram afirmar, pela voz do seu treinador Claudio Coutinho que o "Brasil foi o vencedor moral do certame".
Curiosidades:
Este foi um Mundial muito polémico.
Foi o ultimo Mundial com 16 equipas. Daí a quatro anos seriam 24 selecções.
Rob Resenbrink, da Holanda, marcou o golo 1000 da história dos Mundiais.
Tudo rodou à volta do Argentina 6 Peru 0; sendo que os brasileiros se consideraram vencedores morais do torneio por não terem perdido um unico jogo. Houve até noticias de que a selecção do Peru tinha sido subornada para deixar a Argentina vencer.
Em 1982, realizaria-se o Mundial em terras de Nuestros Hermanos....

OLHAR A SEMANA - O SONHO ACABOU


Sempre fui um defensor da Europa unida. Defendi sempre o modelo federal, como o mais adequado a uma política integrada e coerente que permitisse uma emergência da Europa como potência mundial. A perda de soberania para cada um dos velhos Estados Europeus era mais simbólica do que real. No mundo globalizado de hoje, onde os blocos regionais cada vez mais se impõem, essa perda de soberania seria de ser compensada com ganhos de eficiência política e económica. Este era, aliás, o sonho dos “pais fundadores” da CEE quando, no post-guerra lançaram a ideia. Era uma utopia. Uma utopia que, sensatamente, se cumpriria por fases. Lenta, mas seguramente.
Pois, mas a história tem destas coisas. A Queda do Muro abalou todos os países. Ao destruir um regime, obrigou ao realinhamento de políticas por parte de todos os países. Nomeadamente os USA, que ficaram sozinhos como superpotência, sem um poder que os contrabalançasse, e a Europa, que se viu na necessidade de “dar democracia” aos satélites da ex-URSS. Aquilo que parecia bom, transformou-se num pesadelo. A União Europeia alargou de repente e ficou prisioneira de consensos impossíveis. Com vinte e sete membros, passou a trabalhar-se a cinco velocidades, aumentou a burocracia e a comitologia. À volta de uma mesa sentam-se agora 200 representantes, cada um interessado em sacar o mais possível para o seu pais, enquanto nos gabinetes de Bruxelas os indesejáveis nacionais são exportados a preços de ouro. Os países passaram a querer coisas diferentes e não mais se vão entender quanto a questões de partilha de soberania.
Obama ainda nem visitou a Europa, privilegiando o diálogo com China e Índia. Esta é a medida da relevância política que ele nos dá. Entretanto, começou o ataque ao Euro. A moeda única enfrenta uma crise a que não são alheias a agências de “ratting” dominadas por Washington.
O velho continente caducou. Caducou porque o modelo dos “pais fundadores” já não serve. Houve uma alteração de circunstâncias e a Europa não se soube ou não teve coragem para se adaptar, vítima dos egoísmos nacionais e dos “pés-de-chumbo” que habitam Bruxelas.
O sonho acabou.
Jorge Pinheiro

sábado, 3 de abril de 2010

Factos da Década (5) : Iphone

É um telemovel com multiplas funções. Um computador na mão.
Foi a maneira da Apple "lutar" contra o Blackberry.
Mas também uma forma de diversificar os mercados de telemoveis.
Com o Iphone podemos navegar na net, tirar fotografias, ouvir musica e também tem multiplas opções.
Com o lançamento do Iphone deu-se um salto em termos de inovação no que toca a tecnologias de informação.
Agora não precisamos de ter um computador em casa. Nem sequer um portatil, pois andamos com um no bolso.
As necessidades da vida na era global faz com que o Iphone assuma importância vital. Para contactar, para pesquisar, para fazer seja o que for temos de ter "na mão" um aparelho que tenha nos permita ter acesso a todas as ferramentas.
O Iphone foi lançado a 11 de Junho de 2007......
Estará daqui a uns tempos o Iphone fora de uso?. A resposta a esta pergunta é positiva na medida em que a tecnologia nos surpreende cada vez mais.
E até porque a Apple já lançou o IPAD!

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Palpites XIII

Achas que Socrates vai depor pessoalmente no Parlamento, no caso PT/TVI?

SIM 2 V (20%)

NAO 8 V (80%)

Total de votos : 10

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Episódios deprimentes de instituições moribundas...

A Igreja Católica tem estado ao longo das últimas semanas no centro das atenções devido aos sucessivos escândalos de pedofilia que um pouco por todo o mundo têm vindo à luz do dia. Parece-me de todo incompreensível que em pleno século XXI ainda se opte por calar e encobrir muitos destes casos, especialmente quando os mesmos são praticados por pessoas ligadas à Igreja. Julgo que o Vaticano devia (se quer mesmo limpar a sua imagem) proceder a investigações em todas as dioceses de forma a tentar compreender a dimensão dos casos de pedofilia e abusos de cariz sexual. Sinto que estamos a voltar a um período pré-Trento no qual tudo era permitido aos clérigos. É importante que numa época em que se assiste a um fenómeno de descristianização que a Igreja Católica Romana chegue à conclusão que só a transparência e o apuramento da verdade poderão levar a um novo dinamismo na instituição. Tantas vezes que apregoamos que Deus morreu e parece que em vez de o ressuscitar a Igreja prefere tapar a cova onde jaz esse mesmo Deus.
Share Button