sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Assembleia de Pinguins - Morte ou Extradição ? XVI

(....)
Com os rocker a se prepararem para iniciar uma batalha, a situação da traição de Pinguim Malhado mais os Narvais a não quererem esperar muito tempo por uma decisão vinda dos Penguzan; a vida da comunidade estava num caos e havia que tomar decisões, mas era um facto que a vida desta tribo havia mudado com a chegada às ilhas Caçola. Uns diriam que para pior, nomeadamente os da Esquerda, mas a maioria prefiria este local que era mais condizente com o seu feitio. Na Antártida tinham de enfrentar várias ameaças como os ursos polares e os caçadores furtivos...

Agora a prioridade era resolver a questão de Pinguim Malhado. Zéguim reuniu-se então com o Conselho de Sábios Pinguins que era composto por ele e mais seis membros.

- Meus amigos, temos aqui uma situação muito delicada. Como sabeis fomos alvo de uma traição por parte de um dos nossos membros - começou por dizer.

- Segundo o nosso código de Ética, no ponto 5.6, "quem divulgar informações sobre o nosso habitat a baleias, tubarões, Golfinhos de raça e doninhas é punido com a expulsão e levado para outro território ou mesmo a morte..." - disse o Professor Mirandim.

-Apoiado - uma voz em uníssono concordou com o que havia dito o mais velho e sábio dos conselheiros.

-Apesar disso, não concordo que se execute o Malhado. Acho que ele tomou as devidas providências e na altura a Assassina não constituia uma ameaça. Na minha opinião devia-se mandar para outra comunidade bem longe das Caçola. - defendeu o mestre.

- Caro Mestre, todos nós sabemos da enorme amizade que nutres pelo Malhado, só que a atitude dele provocou uma morte no nosso grupo. Não se deverão abrir excepções por causa de uma relação especial - advogou o Mestre Calotim, sempre exigente nas suas apreciações, nunca permitindo violações da lei mesmo que estivesse em causa uma amizade, como era o caso.

- Professor Calotim devemos dar ao jovem a hipotese de continuar a sua vida noutro lugar. Além disso a Lei é bem explicita, pois dá a hipotese de escolher entre a extradição e morte. Aviso já que se a solução passar pela morte do Malhado irei recorrer da decisão para o Tribunal Penguzan mesmo que implique uma solução morosa e ele fique a aguardar julgamento em prisão preventiva. Lutarei até ao fim pela sobrevivência dele, pois acho que é imoral matar um pinguim por um desvario de juventude....

Com esta ameaça, Zéguim lançou a confusão para dentro do Conselho, tendo gerado pavor e confrontado Homens que já tinham lidado com vários Mestres, mas nenhum deles tinha a irreverência e honestidade do mais recente lider. Isso criou um sentimento de perda de poder e influência por parte dos Sábios em relação a grandes decisões que tinham de ser tomadas muita das vezes em sinal contrário ao sugerido pelos Conselheiros.

Entretanto lá fora, a comunidade estava nervosa. Os pais do pinguim morto pela Assassina ainda queriam bater no Malhado. Já Carolim e Vasquiquim conversavam animadamente um com o outro e a prever o futuro da tribo após este acontecimento.

Os Sábios e Zéguim iam reflectir durante um período de tempo sobre o que fazer com o traidor. A votação era secreta e depois Zéguim divulgava os resultados. Em caso de empate, o seu voto desempatava, mas por uma questão de transparência ele tinha de decidir antes de saber o resultado dos Conselheiros. O seu voto era metido num saco á parte para não ser confundido com os demais.

Durante esta pausa para reflexão, Zéguim escreveu que a Assassina devia ser morta imediamente na Lei Fundamental. Pediu a Luisim que chegasse ao pé dele e ordenou-lhe que fosse ter com os Narvais para que estes executassem a ordem dada. Como a Comunidade tinha de resolver uma questão urgente não poderia assitir ao massacre, mas este seria feito em pleno mar das ilhas caçola, pelo que as restantes espécies poderiam assistir ao desenlace.....

Luisim foi imediatamente ter com as baleias do gelo....

(continua dia 15....)

3 comentários:

daga disse...

concordo com Zéguim, a pena de morte é demasido radical e irreversível. Vamos ver o que os Conselheiros decidem...

Francisco Castelo Branco disse...

se os Pinguins estivessem nos EUA....

daga disse...

pois, aí era um sarilho... não havia volta a dar! (pode ser que em alguns Estados escapasse ;)
não me diga que as Ilhas Caçola...?

Share Button