quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

História do Brasil: 1.2. Período Pré-Descobrimento Parte II: Do lado de lá

Foto do tirada do meu arquivo pessoal


Enquanto os índios viviam felizes e sem roupa para os lados de cá, do lado de lá (Europa), as coisas pegavam fogo.

O comércio com o Oriente era intenso, porque de lá provinham mercadorias tropicais que não existiam na Europa e, por isso, havia uma demanda muito grande por elas, em especial pelas especiarias – cravo, canela, pimenta e outros.

Os árabes levavam estes artigos até os portos do Mediterrâneo, onde eram comprados por comerciantes que os revendiam a preço de ouro para o resto da Europa.

Em suma, havia um monopólio das cidades italianas, o que tornava os produtos orientais muito caros. E para piorar a situação, os turcos invadiram Constantinopla e tornaram o comércio com o Oriente muito mais caro.

Entretanto, antes mesmo da queda de Constantinopla, os portugueses, dando-se conta que o melhor seria encontrar novas rotas para o Oriente, resolveram aventurar-se no Atlântico, mesmo com o desconhecimento do mesmo e com a crença de que havia monstros marinhos comedores de marinheiros[1].

Tudo começou com o Infante D. Henrique, fundador da Escola de Sagres, que, ao fazer uma expedição ao norte da África, constatou que era possível chegar às Índias contornando o continente africano. E já em 1415, Portugal dominou Ceuta.

Em 1492, ou seja, 77 anos depois do início da expansão portuguesa, a Espanha resolveu se aventurar nas expedições marítimas, até porque eles ainda estavam muito ocupados em expulsar os muçulmanos da Península Ibérica.

Naquele ano, Cristóvão Colombo, seguindo a teoria de que a terra era redonda[2], resolveu, em vez de contornar a África, navegar em direção ao Ocidente. E isso resultou no descobrimento da América.

A descoberta de Colombo só veio confirmar o que os portugueses já sabiam: havia territórios no sudoeste do Oceano Atlântico. E pior, isso criou um grande problema para Portugal e uma disputa com a Espanha pelos territórios descobertos.

E para acabar com este conflito, de maneira pacífica, pois afinal de contas era mais inteligente para os dois países gastarem seus recursos em novas descobertas do que em guerras, foi firmado o Tratado de Tordesilhas.

Neste tratado, foi feita uma divisão das terras descobertas e a descobrir entre Portugal e Espanha.

O primeiro ficaria com todas às terras que forem descobertas antes da linha imaginária que demarcava 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde, enquanto o segundo ficaria com todas as terras além dessa linha.

Como estudiosa do Direito Internacional, ressalto que o Tratado de Tordesilhas foi um grande marco nas Relações Internacionais, pois foi o primeiro acordo internacional definido por vias diplomáticas.

Antes de Tordesilhas, todos os tratados internacionais eram feitos e negociados com o intermédio da Igreja.

Mas com este isso não aconteceu, uma vez que Portugal e Espanha definiram sozinhos os termos do tratado e, a Igreja, para não perder poder, se viu obrigada a aprová-lo, mesmo contrariando a Bula Inter Coetera de Alexandre VI, que dava a posse das terras localizadas a partir de 100 léguas a oeste de Cabo Verde à Espanha.

Uma vez ratificado Tordesilhas, pelos dois países, Portugal e Espanha continuaram com suas expedições.

Os espanhóis continuaram navegando rumo à América, enquanto que os portugueses mantiveram o plano de chegar às Índias pela costa da África, até que Vasco da Gama conseguiu este feito em 1498.

E com o estabelecimento da rota para as Índias, o Rei D. Manuel I se apressou em mandar nova expedição para lá, desta vez, bem mais aparelhada que a de Vasco da Gama, cujo comandante era Pedro Álvares Cabral.

O problema é que, sem querer querendo, Cabral desviou seu caminho da costa da África e navegou para outros lados...

Larissa Bona

Próximo post em
17.02.2010: 1.3. Descobrimento do Brasil: Por “acaso” eles chegaram aqui


[1]
Eles até que tinham um pouco de razão, porque a costa da África do Sul é infestada de tubarões brancos, muito embora estes não tenham como principal alimento o ser humano.
[2]
Ao contrário dos demais, pois a grande maioria acreditava que a terra era plana.

5 comentários:

Larissa Bona disse...

Francisco, respondendo ao seu comentário feito no post anterior da História do Brasil, os personagens do desenho são (da esquerda para à direita, de cima para baixo): o primeiro e segundo não identifiquei, Santos Dumont, Getúlio Vargas, D. Pedro I, Maurício de Nassau, Rui Barbosa, não identifiquei, Aleijadinho, não identifiquei, Tiradentes, malandro carioca.

Francisco Castelo Branco disse...

Obrigado Larissa

Desenho interessante

E que foto muito bonita. Gosto desse lugar....

Larissa Bona disse...

Sim também gosto muito desse lugar. Aliás, acho que é a parte mais linda de Lisboa. E também gosto muito deste monumento, ele é bastante poético, me lembra muito aquela frase do poema de Fernando Pessoa: "Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal". É meu favorito e só pensei nele quando estive aí.

Larissa Bona disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco Castelo Branco disse...

A minha faculdade é aí perto...

Share Button