quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

O partido sem (O)posição...

Amanha discute-se na Assembleia da Republica o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Nada de novo. Nem o facto do PSD, principal partido da oposição, mais uma vez não ter uma posição oficial em relação a este assunto. Depois da questão do aborto o PSD dá liberdade de voto aos seus deputados. No referendo sobre a legalização do aborto foi notória o esforço dos vários partidos de mostrarem as suas posições e vincarem as suas ideologias. O tema era fracturante na sociedade portuguesa ( tal como o casamento gay...), havia posições dentro do partido mas nem por isso cada força partidária (excepto o PSD...), não deixou de participar e discutir os seus argumentos. Principalmente as forças da Esquerda que aproveitam muito bem estas questões para ganhar votos.

E o PS de Socrates embora também tenha as divergências, une-se e vota num sentido.

Tal como há três anos, esta decisão do PSD é estranha. Mostra um partido sem lider, sem rumo nem ideologia. Porque é nestas questões que dividem a sociedade portuguesa que se nota as ideologias e ideias partidárias. Uns mais conservadores, outros mais radicais.

Mais uma vez o PSD perde uma boa oportunidade para se implementar na sociedade portuguesa. E com isso ganha o PS de Socrates que é diferente e o CDS que tem as mesmas posições dos sociais-democratas.

Vai assim o PSD, um partido sem lider nem (o)posição.....

1 comentário:

Francisco Castelo Branco disse...

Antes nao sabiamos quem era o verdadeiro lider do PSD (se e que tinha algum...); hoje nao sabemos que ideias defende o Partido Social Democrata.

Se Sá Carneiro fosse vivo, estaria chateado e triste.

O que vale é que Balsemao ainda ca anda para alertar...

Share Button